ElisReginaTodas as letras
Pesquisa, organização e diagramação:           Vladimir Araújo          Projeto gráfico: Juliana Mesquita e Juliana Palezi
ElisReginaTodas as letras
Dá sorte                                                   Eleu Salvador                                          Viva a B...
Baby face As coisas que eu gosto                                                          (My favorite things)            ...
Poema    Fernando Dias    Poema de Amor – 1962             Poema    É a noite cheia de amargura     Poema       É a luz qu...
Dá-me um beijo                                                             (Kiss me, Kiss me)                             ...
Confissão                                                        Podes voltar                                             ...
A Virgem de           Macareña    (La Virgen de la Macareña)                                                              ...
Silêncio                                                                                                                  ...
Alô saudade                                 Paulo Aguiar/Umberto Silva                                         O Bem do Am...
Há uma história triste                                                                    Othon Russo/Niquinho            ...
O bem do amor         Rildo Hora/Clóvis Mello            O Bem do Amor – 1963           Se você pensava         Bem no amo...
O MORRO NÃO TEM VEZ                                                                                  DIZ QUE FUI POR AÍ   ...
Preciso aprender a ser sóMarcos Valle/Paulo Sergio ValleDois na Bossa 1 – 1965Samba eu canto assim – 1965Ah! se eu te pude...
Sem Deus com a família          César Roldão Vieira                                                                    Doi...
Influência do Jazz                                                                                             Formosa    ...
Bocochê                                                           Amor em paz                                             ...
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Elis regina letras
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Elis regina letras

4.616 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.616
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Elis regina letras

  1. 1. ElisReginaTodas as letras
  2. 2. Pesquisa, organização e diagramação: Vladimir Araújo Projeto gráfico: Juliana Mesquita e Juliana Palezi
  3. 3. ElisReginaTodas as letras
  4. 4. Dá sorte Eleu Salvador Viva a Brotolândia – 1961 Samba feito para mim Paulo Tito Dá sorte fazer o que eu digo Viva a Brotolândia – 1961 Dá sorte querer seu amor Dá sorte cantar comigo Pedi pra fazerem um samba para mim. Pra desabafar meu coração. Cante então a canção que eu fiz para ser feliz Tenho tanta coisa pra dizer de mim. Cante então a canção que eu fiz para ser feliz Como eu gostaria de falar numa canção. Creio no supremo poder Sei que o mundo é mau, jamais vai entender, Gosto de quem gosta de mim Que este samba vive de hum sofrer Serei tudo que quero ser Tu serás O tema é meu. Nasceu assim. Sou feliz, tenho alguem que me quer e que eu quero bem Era preciso fazerem um samba pra mim. Amei alguém. Fui só de alguém. Ângela Martignoni/Othon Russo Viva a Brotolândia – 1961 O mundo não procurou compreender. Sonhando Tu serás a vida e o meu destino Então pedi para fazerem um samba assim. E este samba foi feito todinho pra mim. (Dream) Tu serás angústia e tormento Tu serás a chama que ilumina O eterno fogo de minha alma B. de Vorzon/T. Ellis/Vs. Juvenal Fernandes Viva a Brotolândia – 1961 E na noite escura, minha estrela Sonho Tu serás… tu serás Eu sempre sonho Estrela que mostra o meu caminho Que o amor irei buscar Tu serás… somente tu. Sigo Vivo para amar-te e adorar-te Uma alameda Pois és a razão dos meus desejos E alquém é o meu par E se em ti não penso a todo instante Não posso acalmar o meu tormento2 Alguém que eu venero Que tanto quero Não sei quem é Sonho Fala-me de amor E no meu sonho Sigo com um certo alguém (Take me in your arms) Markus/Rotter/Vs. Max Gold Viva a Brotolândia – 1961 Murmúrio Fala-me de amor, Mesmo que seja pra mentir Fala-me de amor, Djalma Ferreira/Luiz Antônio Se vais partir. Viva a Brotolândia – 1961 Um beijo louco Vai nesta canção Para lembrar o que passou Meu último adeus Dura tão pouco Coração sonha em vão Mesmo que seja o fim Com os beijos seus Aperta-me assim E nos braços teus Foi esta canção Toda magia viverei Que eu murmurei Beija-me assim Tu também longe amei Depois adeus! Murmuraste eu sei. Eu queria sentir teu beijo Há neste murmúrio huma saudade Com carinho e emocão A vontade louca de voltar E guardar este amor tão puro Ser como era antes mesmo por instantes No fundo do coração E depois morrer para não chorar
  5. 5. Baby face As coisas que eu gosto (My favorite things) Davis/Asket/Vs. Fred Jorge Hammerstein/Rodgers/Vs. Fernando César Viva a Brotolândia – 1961 Viva a Brotolândia – 1961 Baby face As coisas que eu gosto eu vou lhe dizer Esse rostinho lindo São coisas bonitas que vêm de você Baby face É o céu de um sorriso embriagador Parece ingênuo E esses seus olhos lembrando o amor Não é isso não Baby face Nem sei como pode você ser assimQue encontrei sorrindo e me deixou sonhando E ter tudo, tudo que é bom para mim Nem de encomenda eu ia achar Baby face Outro igual a você para amar Esse seu modo estranho de olhar pra mim Mesmo de mentira Me faz acreditar Os seus olhos Que você sabe amar Seu sorriso Mentindo Que bonitos são Baby Face. Carlos Imperial Você não existe Viva a Brotolândia – 1961 Na certa sonhei Quando inventei você Diz mesmo de mentira Que eu sou tudo pra você Diz mesmo de mentira Que ao seu lado eu vou viver Garoto último tipo Diz. Prefiro a mentira (Puppy Love) Pois a verdade é ruim Diz mesmo de mentira Paul Anka/Vs. Fred Jorge Diz que você gosta de mim Viva a Brotolândia – 1961 Quero viver na ilusão Hoje eu vi um tal brotinho Pois afinal não machuca o coração Que o meu coração 3 Se a verdade me faz mal Foi logo conquistando Eu não vou fazer da minha vida um carnaval E eu nem disse não Mente Garoto último tipo É melhor assim Broto sensação Diz que você gosta de mim Não sei porque Amor, amor Dei meu coração Saiu pra rua (Love, love) Trânsito parou Dor de Covelo Bill Caesar/Vs. Carlos Imperial E pra mim o olhar mandou Viva a Brotolândia – 1961 Que garotinho Amor, amor Mas que tipão João Roberto Kelly Quero um amor que não tenha fim E roubou meu coração Viva a Brotolândia – 1961 Amor, amor Quero um amor pra mim Beber pra esquecer é teimosia Hoje muito whisky, muita alegria, Amor, amor Amanhã ressaca, saco de gelo Quero um amor que me queira bem O bar não é doutor que cure a dor de cotovelo Amor, amor Eu reciso amar alguém A dor pra curar não tem receita É corcunda que se deita Vivo a sonhar Sem achar a posição Que estou a beijar E sentir saudade não faz mal O meu grande amor Não é no fundo do copo Que você vai encontrar sua moral Sempre a esperar Quem me queira amar Beber pra esquecer... O meu peito agora diz Eu preciso de um amor Só assim serei feliz
  6. 6. Poema Fernando Dias Poema de Amor – 1962 Poema É a noite cheia de amargura Poema É a luz que brilha lá no céu Poema4 É ter saudade de alguém Que a gente quer e que não vem Poema É o cantar de um passarinho Que vive ao leú, perdeu seu ninho É a esperança de o encontrar Poema É a solidão da madrugada Um ébrio triste na calçada Querendo a lua namorar
  7. 7. Dá-me um beijo (Kiss me, Kiss me) Trovajoli/Daniell/Vs. Romeu Nunes Pororó-Popó Poema de Amor – 1962 Dá-me um beijo Um só João Roberto Kelly Um só Poema de Amor – 1962 Mata meu desejo Bate bate bate constante De mim Meu pequeno mundo de ilusão Pororó-popó Tem dó Dançando na festa, beijinho na testa e só Pois num beijo só você poderá sentir (My little corner of the world) Seu telefone eu anotei O que sinto é desejo sim de mim Cupido me laçou E apertou o nó Dá-me dá-me um beijo Poró-poroporó Mais um Hilliard/Pockriss/Vs. José Mauro Pires Poema de Amor – 1962 Só um Todo dia eu discava Ó vem meu doce bem Poró-poroporó E vamos depois Ao meu pequeno mundo de ilusão Discava escondida da mamãe e da vovó Os dois São teus os sonhos meus Os dois No meu pequeno mundo de ilusão Tudo começou de brincadeira E eu fiquei brincando a vida inteira Pela vida nos deixando com ardor Só tu então Serás a inspiração Para sempre E neste mundo Sempre Terás meu coração Amor E se, meu doce bem, Vieres aplacar esta paixão Serão somente teus Nos teus lábios 5 O meu pequeno mundo e a ilusão Eu sempre quis Contigo, coração, Haroldo Eiras/Ataliba Santos Poema de Amor – 1962 Viver feliz Em meu mundo de ilusão Vou comprar um coração Nos teus olhos Vejo a luz com que sempre sonhei Nos teus lábios Sinto os beijos que as vezes roubei Vem de novo Saudade é recordar A saudade em meu peito apertar Paulo Tito/Romeu Nunes E por isso eu canto Poema de Amor – 1962 Nos teus olhos Vou comprar um coração Renan França/Verinha Falcão As estrelas refletem o brilhar Para trocar por este meu Poema de Amor – 1962 Dos teus lábios Porque sem ilusão não sei viver Beijos mil me fazem lembrar E este meu coração cansou de amar De que vale o que tenho Só tristezas pra contar Desde então Com um novo coração E tristeza é ter saudade Não sonho e nem vivo Vou repetir os erros meus Saudade é recordar Porque, amor, só posso encontrar Fazer oque já fizNos teus lábios e os teus olhos quero olhar. Amar em vão Tu cruzaste o meu caminho Ser infeliz mais uma vez. Quando eu era a própria dor Sim os teus olhos quero olhar Hoje deixo o teu carinho Por amor ao teu amor
  8. 8. Confissão Podes voltar Umberto Silva/Paulo Aguiar/Luiz Maranhão Othon Russo/Nazareno de Brito Poema de Amor – 1962 Poema de Amor – 1962 Vai nesta cancão Deixa passar a incerteza que te afasta de mim A confissão De alguém que hoje é feliz, feliz Quero pensar que ainda me queres como ontem, e assim Quero guardar esta ilusão Vai dizer também Adormecer e contigo sonhar Que só alguém Que ninguém mais faz infeliz Las O que passou, passou Se tu soubesses que torturas em minha alma sem ti secretárias Pepe Luis/Vs. Martha Almeida Sei que não volta mais Eis o consolo eneletivo dos meus ais Pra que lembrança sem esperança? Noites inteiras a pensar que havia outra qualquer Mas mesmo assim haja o que houver Podes voltar outra vez para mim Poema de Amor – 1962 Se um é pouco, dois é bom, três é demais Pizzicato Pizzicati Cha Cha Cha Para o secretário Cha Cha Cha Canção Para estenodatilografar Cha Cha Cha Para o secretário Cha Cha Cha de enganar despedida Cha Cha Cha Como é bom bailar Stern/Marnay/Vs. Fred Jorge Poema de Amor – 1962 Quando eu ouvi tocar um doce pizzicati6 Necessito secretário competente Quase desandou Com experiência e boa apresentação e quase parou Solicito homem jovem e bonito O pobre coração que só palpita por ti E com carta de recomendação Walter/Joluz E sempre te adorou Que domine o idioma Italiano Poema de Amor – 1962 Teu olhar Em doce pizzicato o coração pulsou O Francês e o Inglês com perfeição Meu olhar E alegre saltou Nao me importa seja loiro ou moreno Nosso olhar E alegre cantou Mas que tenha bem alegre o coração E como um violino doido a suspirar Tuas mãos Sonhou… sonhou… sonhou… Quando formos de manhã para o trabalho Minhas mãos E a tarde na hora de regressar A emoção Plum plum plum Que beleza eu e o meu secretário Que delicioso Caminhando e cantando o cha cha cha A noite a se perder nos faz, Plum plum plum Meu amor, Maravilhoso Outra vez Amar Minha cancão de amor nasceu no meu coração Sonhar Só para ti Minha paixão É manhã Em doce pizzicato eu vou levar-te a emoção Na manhã do adeus O meu amor sem fim Repousa A canção que eu canto Teus lábios nos meus É por ti meu bem É um doce pizzicato Um beijo irá fazer Sempre a saltitar Teu olhar Meu olhar Plum plum plum Outra vez Amar Chorar
  9. 9. A Virgem de Macareña (La Virgen de la Macareña) Dengosa Tango italiano B. B. Munterde/Calero/A. Bourget Elis Regina – 1963 Castro Perret Elis Regina – 1963 À noite quando me deito Eu sou dengosa Eu rezo à Virgem de Macareña Malgoni/Baretta/Palessi/Romeo Nunes Gosto de carinho Assim sozinho em meu quarto Elis Regina – 1963 Amor pra mim Falo à Virgem Santa todo o meu tormento Tem que ter denguinho Um tango italiano É de coração que eu peço O nosso tango Eu sou assim Que alguém um dia me queira Quero um dia dançar Dengosa para amar Que me abraçe com ternura E sonhar novamente Procuro aguém dengoso E me beije com doçura Para ser meu par Um tango italiano Ó Virgem Santa Um terno tango Amar com dengo Ó Virgem Santa porque sofro tanto Como aquele que viu começar Dá gosto da gente amar Ouvi o que pede Nosso amor tão distante Beijar com dengo Ouvi o que pede a angústia do meu pranto Dá gosto de se beijar E nos teus braços Porque, ó Santa querida, Rodando ao compasso do tango a recordar Amor com dengoNão encontro na vida alguém para meu amor? Torna mais gostoso o carinho Nosso passado Mas para amar com dengo Porque, ó Santa querida, E o amor esquecido veremos retornar É preciso ter jeitinhoNão encontro na vida alguém para meu amor? Alguém que seja ternura Um tango italano E viva comigo os sonhos que sonhei E os teus braços O meu corpo de novo estreitar É de coração que eu peço E teus olhos de novo encontrar Que alguém um dia me queira 7 Que me abraçe com ternura E no céu de teus olhos buscar E me beije com doçura A aventura perdida Ouvi o que pede Ouvi o que pede minha alma aflita Minha Virgem Santa Outra vez (Again) Cochran/Newman Minha Virgem Santa de Macareña Tristeza de carnaval Elis Regina – 1963 Jamais O meu amor tu terás Bidú/Mutinho Não te darei novamente Elis Regina – 1963 A boca ardente, oh, não! O carnaval Verás Sempre faz feliz alguém Que o sonho que se desfaz Formiguinha triste As vezes traz tristeza Nem deixa rastro na alma E a alegria foge E acalma a ilusão de um coração Tudo é quarta-feira Eu não quero Joãozinho Tudo é sempre cinza De novo sofrer Elis Regina – 1963 Pra quem amou foi muito bom Tal como eu já sofri Pra quem perdeu chorou demais Era uma vez uma triste formiguinha Depois voltou o carnaval Eu não quero de novo viver Que vivia tão sozinha tocando seu violão Na fantasia de sol No amargor em que já vivi Tão simplezinha era sua morada E a esperança de encontrar Mas existia lugar pra mais alguém Um novo amor O sonho que se desfez No carnaval Não deixou rastro em minha alma Mas certo dia, como diz a lenda, No carnaval Não sonharei outra vez Tudo lá no quintal se iluminou No carnaval Formiguinha encontrou outra Inverno sozinha não passou
  10. 10. Silêncio À noite Berstein/Roberto Côrte Real Túlio Paiva Elis Regina – 1963 Elis Regina – 1963 balançou 1, 2, 3, Silêncio! À noite, amor Atenção! Vou ver o meu amor O samba já tem outra marcação A lua há de brilhar Pra nós dois O pandeiro já não faz o que fazia Violão só é na base da harmonia Nazareno de Brito/Alcyr Pires Vermelho À noite, amor Elis Regina – 1963 Silêncio! Vou ver o meu amor Atenção! 1, 2, 3, balançou 1, 2, 3, o meu samba quero assim E pra nós as estrelas virão Requebra e vai por mim Porque o samba já tem outra marcação 1, 2, 3, vai não vai A roda do mundo sempre vai girando E o sol que sabe que eu espero Vai girando sem parar 1, 2, 3, ouve o prato a marcar Que só a noite eu quero Tudo nessa vida se renova O nosso balançar Compreende e já se vai Faz um passo todo figurado A bossa velha deu lugar à bossa nova E segue o rebolado O samba já tem outra marcação A onda do balanço me enrolou Ó Deus, fazei E essa é nova marcação Eu não posso parar Fazei que a noite seja Vejo o tempo correr sem me cansar Sem fim pra mim Você pode notar8 Batam palmas para quem gostou Do meu samba que a ninguem negou Ressurreicão Adeus amor De todo coração Sensação enquanto balançou Marino Pinto/Pernambuco Almeida Rêgo/Newton Ramalho Elis Regina – 1963 Elis Regina – 1963 Ressurreição, meu amor do passado Adeus amor Tu és a razão do meu porvir Eu tenho de partir Eu sonho em vão por que sonho acordada Eu sei que vou sentir Quisera saber o que há de vir Uma saudade imensa de você A chama que se apaga Que vai ficar Flertei Sempre mata a esperença Sozinho como eu Minha chama de esperar-te A remoer lembranças do passado Não se cansa Meu Deus como é que eu vou ficar Ressurreição, me levou ao passado Castro Perret Sem ter você pra me abraçar? E curou de uma vez a minha dor Elis Regina – 1963 Sem ter aqueles beijos que são meus? Milagre do amor Só meus Agora sim estou certinha com um só Tanto brinquei que Cupido me acertou Adeus amor Eu tive tantos mas a nenhum eu amei Eu voltarei, querido, E, no entanto, sem querer, gamei pra recomeçar a nossa vida Veja você, eu que nunca pensei em amar Eu que flertava apenas para brincar Mas fui brincar de amor quem soube entender meu coracão E o flerte transformou-se em gamação
  11. 11. Alô saudade Paulo Aguiar/Umberto Silva O Bem do Amor – 1963 carinho Saudade e Telefonei para a saudade Dizendo a ela o que sentia Como ela trouxe a solução Meu coração logo esqueceu toda a paixão Acreditei no que me foi prescrito E em tudo o que eu não acreditava Renan Franca/Verinha Maranhão O Bem do Amor – 1963 Sem teu amor Depois do tempo em que levei sofrendo assim Felicidade voltou pra mim Saudade e carinho Ai que vontade de amar! Todo amor tem o seu ninho Luiz Mauro O meu amor, onde andará? O Bem do Amor – 1963 Meu coração não pode mais viver assim Tantos amores eu já tive Se você quiser Sem teu amor Quantos amores mais terei? Meu coracão vive chorando triste assim Nenhum, porém, comigo vive Sem teu amor Sozinha sempre viverei Baden Powell/Mario Telles Tudo acabou O Bem do Amor – 1963 Fiquei sozinhaVocê quer que eu te conte o que é o amor, Sem teu querer Feito para dois amar, Manhã de Feito de sorriso e flor? Tudo mudou E, sem carinho, AMOR Você quer. Não sei viver Mas será que você quer? Caminhar neste luar para eu te mostrar. Meu coracão hoje só vive de ansiedade 9 Vem. Por você Espero em vão o fim de toda essa saudade Sergio Malta/Joluz Você quer ver na luz do meu olhar, De você O Bem do Amor – 1963 Como eu te quero bem, Como eu te quero amar? Vou esperar É manhã Ó, meu querido, Vem o sol Eu não sei. Volte pr favor Vem trazer o calor Eu não sei se você quer. Que aquece a emoção Eu posso te dar amor, Meu coracão De um olhar Se vocie quiser. Não vai viver toda esta vida De um aperto de mão Sem teu amor Vem a chuva também Vem chorar a alegria Do retorno de alguém De um amor Numa terna ilusão E se faz lá no céu O enlace da chuva e do solMania de gostar A natureza sorri É tão lindo o matiz do arrebolLuis MauroO Bem do Amor – 1963 Já se fez a manhã do amor Já se pôs o arco-iris além Vem a chuvaMania boba é essa da gente de gostar de alguém. Alguém que nos faz um pouquinho feliz quando vem.Alguém que quando vai não diz pra onde nem porque. Parte deixando saudade. Fazendo a gente sofrer. Vem o sol Com eles, meu bem.Não vai outra vez meu amor, não vá pra longe de mim. Esse negócio de saudade não foi feito pra mim.Com você aqui bem perto. Juntinho do meu coração. Não viverei mais nesta solidão.
  12. 12. Há uma história triste Othon Russo/Niquinho O Bem do Amor – 1963 Há uma história triste pelo ar História que não tem “era uma vez…” Há uma história triste pra contar História que começa com “talvez” Foi, talvez, amor que acabou Foi, talvez, um sonho que apagou Restos de lembrança e amargura Rugas de saudade e de ternura Retorno Meus olhos Aécio Kauffmann Sergio Napp O Bem do Amor – 1963 O Bem do Amor – 1963 Meu bem eu agora voltarei Meus olhos Bem sei que estarás a me esperar Saudades que eu trago Do amor de você Deixei meu coração cheio de amor juntinho ao teu E só me acompanhou a saudade em seu lugar Meus olhos Silêncios na espera Agora voltarei novamente aos braços teus De alguém que não vem E tu sempre estarás eternamente nos braços meus Ah, se você entendesse10 Na estrada desta vida A beleza de amar Nunca mais Que eles trazem em si Nunca mais sozinha Longe amor Ah, se você compreendesse Dos teus carinhos O que escondem meus olhos Voltaria pra mim Domingo em Copacabana Roberto Faissal/Paulo Tito O Bem do Amor – 1963 Copacabana cheia Bom é domingo mesmo Dias de sol vem alegrar o nosso amor Mar azul Onda azul Vem beijar meus amores Copacabana bela Lua de luz acesa Ando calçada cheia sem pensar Ai, rio até sozinha Da beleza do meu Rio Da TV Rio até o Forte Gente que passa sem ter norte Copacabana eu vou sonhar junto de ti
  13. 13. O bem do amor Rildo Hora/Clóvis Mello O Bem do Amor – 1963 Se você pensava Bem no amor achar O bem no amor encontrará E quando você quiser Vá buscar ternura No amor que existe Num lugar feito pra dois Sim, vá buscar Tem perfume a flor que nasce No jardim ao sol De ver tanto encanto na flor Fui pedir a rosa viva e multicor Perfume e cor Fiz nosso amor E o mundo prá nós dois 11 É pra frente que se anda Caminhando sem olhar pra trás É pra frente que se anda Caminhando sem olhar pra trás É como a roda da história Que nunca pode parar Há um turbilhão de anseios Despertando a nossa voz Há um mundo de esperança Esperando, Esperado por nós E a gente vai seguindo Olhando só pra frente Sem se voltar pra trásMundo de paz Procurando nosso mundo Mundo de paz Túlio Paiva O Bem do Amor – 1963
  14. 14. O MORRO NÃO TEM VEZ DIZ QUE FUI POR AÍ (Tom Jobim/Vinícius de Morais) (Zé Keti/H. Rocha) O morro não tem vez Se alguém perguntar por mim E o que ele fez já foi demais Diz que fui por aí Pout Pourri Mas olhem bem voces, quando derem vez ao morro Levando o violão debaixo do braco Toda a cidade vai cantar Em qualquer esquina eu paro Em qualquer botequim eu entro E se houver motivo, é mais um samba que eu faço ESSE MUNDO É MEU Se quiserem saber se eu volto, diga que sim (Sérgio Ricardo/Ruy Guerra) Mas só depois que a saudade se afastar de mim Mas só depois que a saudade se afastar de mim Escravo no mundo em que sou Escravo no reino em que estou Dois na Bossa 1 – 1963 (Com Jair Rodrigues) Mas acorrentado ninguém pode amar ACENDER AS VELAS Mas acorrentado ninguém pode amar (Zé Keti) Acender as velas, já é profissão FEIO NAO É BONITO Quando nao tem samba, tem desilusão (Carlos Lyra/Gianfrancesco Guarnieri) Acender as velas, já é profissão ESSE MUNDO É MEU Quando nao sou eu, é Nara Leão Feio, nao é bonito (Sérgio Ricardo/Ruy Guerra) O morro existe mas pede pra se acabar Canta, mas canta triste Saravá, Ogum, mandinga da gente continua Cade o despacho pra acabá A VOZ DO MORRO Porque tristeza é só o que tem pra cantar (Zé Keti) Chora, mas chora rindo Santo guerrero na floresta Porque é valente e nunca se deixa quebrar Se você nao vem eu mesma vou brigá Eu sou o samba Ama, o morro ama Se voce nao vem eu mesma vou brigá A voz do morro sou eu mesmo, sim senhor Amor bonito, amor aflito Quero mostrar ao mundo que tenho valor Que pede outra história Eu sou o rei do terreiro12 A FELICIDADE Eu sou o samba (Tom Jobim/Vinícius de Morais) Sou natural daqui do Rio de Janeiro SAMBA DO CARIOCA A felicidade é como a pluma Sou eu quem leva alegria (Carlos Lyra/Vinícius de Morais) Que o vento vai levando pelo ar Para milhões de corações brasileiros Vamos, carioca, Brilha tão leve, mas tem a vida breve sai do teu sono devagar Precisa que haja vento sem parar O MORRO NAO TEM VEZ O dia já vem vindo aí (Tom Jobim/Vinícius de Morais) E o sol já vai raiar Sao Jorge, teu padrinho, SAMBA DE NEGRO O morro não tem vez te dê cana pra tomar (Roberto Correa/Sylvio Son) E o que ele fez já foi demais Xango, teu pai, te dê Mas olhem bem voces muitas mulheres para amar Subi lá no morro só pra ver Quando derem vez ao morro O que o nêgo tem Toda a cidade vai cantar Pra cantar assim gostoso Vai cantar, vai cantar E fazer samba como ninguém Vai cantar, vai cantar VOU ANDAR POR AÍ (Newton Chaves) Vou andar por aí, perguntar por aí Pra ver se eu encontro A paz que perdi O SOL NASCERÁ (A sorrir) (Cartola/Elton Medeiros) A sorrir eu pretendo levar a vida Pois chorando eu vi a mocidade perdida
  15. 15. Preciso aprender a ser sóMarcos Valle/Paulo Sergio ValleDois na Bossa 1 – 1965Samba eu canto assim – 1965Ah! se eu te pudesse fazer entender ArrastãoSem teu amor eu não posso viver Edu Lobo/Vinícius de Morais Dois na Bossa 1 – 1965Que sem nós dois o que resta sou euE u a s s i m t ã o s ó Eh... tem jangada no marE eu preciso aprender a ser só Eh, eh, eh... hoje tem arrastãoPoder dormir sem sentir teu amor Eh... todo mundo pescarA ver que foi só um sonho e passou Chega de sombra JoãoA h ! o a m o r Jovi, olha o arrastão entrando no mar sem fimQuando é demais ao findar leva a paz Ê meu irmão me traz Yemanjá pra mimMe entreguei sem pensarQue a saudade existe e se vem é tão tristeVê, meus olhos choram a falta dos teus Minha Santa BárbaraEsses teus olhos que foram tão meus Me abençoaiPor Deus, entenda que assim eu não vivo Quero me casar com JanaínaEu morro pensando no nosso amorPor Deus, entenda que assim eu não vivoEu morro pensando no nosso amor Eh... puxa bem devagar 13 Eh, eh, eh... já vem vindo o arrastãoA h ! o a m o r Eh... é a Rainha do MarQuando é demais ao findar leva a paz Vem, vem na rede JoãoMe entreguei sem pensar Pra mim!Que a saudade existe e se vem é tão tristeVê, meus olhos choram a falta dos teusEsses teus olhos que foram tão meus Valha-me Deus Nosso Senhor do BonfimPor Deus, entenda que assim eu não vivo Nunca, jamais se viu tanto peixe assimEu morro pensando no nosso amorPor Deus, entenda que assim eu não vivoEu morro pensando no nosso amorTerra de Segue nessa marcha triste Anda.Teu caminho é longo Pára no final da tarde Mas...ninguém Seu caminho aflito Cheio de incerteza Tomba já cansado O dia vai chegar Leva só saudade Tudo é só pobreza Cai um nordestino Que o mundo vai saber E a injustiça Tudo é só tristeza Reza uma oração Não se vive sem se dar Que só lhe foi feita Tudo é terra morta Prá voltar um dia Quem trabalha é que temMarcos Valle/Paulo Sergio Valle Desde que nasceu Onde a terra é boa E criar coragem Direito de viverDois na Bossa 1 – 1965Saudade do Brasil – 1980 Pelo mundo inteiro O senhor é dono Prá poder lutar Pois a terra é de(Com Marcos Valle) Que nada lhe deu Não deixa passar Pelo que é seu n i n g u é m
  16. 16. Sem Deus com a família César Roldão Vieira Dois na Bossa 1 – 1965 Sapato de pobre é tamanco Menino das laranjas A vida não tem solução Morada da rico é palácio E casa de pobre é barracão Reza Théo de Barros Dois na Bossa 1 – 1965 (Com Jair Rodrigues) Quem é pobre sempre sofre, Samba eu canto assim – 1965 Vive sempre a trabalhar Menino que vai pra feira Edu Lobo/Ruy Guerra Dois na Bossa 1 – 1965 Vender sua laranja até acabar Mas eu sofro só de dia, Samba eu canto assim – 1965 Filho de mãe solteira Cuja ignorância tem que sustentar De noite eu vivo pra sambar Por amor andei já Tanto chão e mar É madrugada, vai sentindo frio Senhor já nem sei Porque se o cesto não voltar vazio Se o amor não é mais A mãe arranja um outro prá laranja Bastante pra vencer E esse filho vai ter que apanhar A mulher de branco é esposa Eu já sei o que vou fazer Meu Senhor Compra laranja E a esposa do preto é mulher Uma oração Menino que vai pra feira14 Mas minha mulher é só minha, Vou cantar para ver se vai valer É madrugada vai sentindo frio Laia ladaia sabadana ave-maria Porque se o cesto não voltar vazio Do branco eu nem sei se só dele é Laia ladaia sabadana ave-maria A mãe arranja um outro prá laranja E esse filho vai ter que apanhar Ah! meu santo defensor Traga o meu amor Compra laranja doutor Branco fica atormentado Ainda dou uma de quebra pro senhor Laia ladaia sabadana ave-maria E nem tem tempo pra pensar Laia ladaia sabadana ave-maria Lá no morro a gente acorda cedo Que é só trabalhar Se é praga ou oração Comida é pouca e muita roupa Mas o preto é mais que branco Mil vezes cantarei Que a cidade manda pra lavar pra mãe d’água Iemanjá Laia ladaia sabadana ave-maria De madrugada ele menino Laia ladaia sabadana ave-maria Acorda cedo tentando encontrar Um pouco pra comer, viver até crescer E a vida melhorar A terra do dono é só dele Compra laranja doutor E ali ninguém pode mandar Ainda dou uma de quebra pro senhor Mas se eu não pegar na enxada Não tem ninguém pra plantar Eu semeio tanto milho e a colheita é do senhor Mas o dia da igualdade tá chegando seu doutor.
  17. 17. Influência do Jazz Formosa Carlos Lyra Elis no Fino da Bossa 1965-1967 Baden Powell/Vinícius de Morais Pobre samba meu Elis no Fino da Bossa 1965-1967 (Com Baden Powell e Ciro Monteiro) Foi se misturando se modernizando, e se perdeu E o rebolado cadê?, não tem mais Formosa, não faz assim Cadê o tal gingado que mexe com a gente Carinho não é ruim Coitado do meu samba mudou de repente Mulher que nega Influência do jazz Não sabe não Tem uma coisa de menos Quase que morreu No seu coração E acaba morrendo, está quase morrendo, não percebeu Que o samba balança de um lado pro outro A gente nasce, a gente cresce O jazz é diferente, pra frente pra trás A gente quer amar E o samba meio morto ficou meio torto Mulher que nega Influência do jazz Nega o que não é para negar A gente pega, a gente entrega No afro-cubano, vai complicando A gente quer morrer Vai pelo cano, vai Discussão Ninguém tem nada de bom Vai entortando, vai sem descanso Sem sofrer Vai, sai, cai... no balanço! Formosa mulher! Pobre samba meu Tom Jobim/Newton Mendonça Volta lá pro morro e pede socorro onde nasceu Elis no Fino da Bossa 1965-1967 (Com pery Ribeiro) Pra não ser um samba com notas demais Samba do avião Não ser um samba torto pra frente pra trás Se você pretende sustentar opinião Vai ter que se virar pra poder se livrar E discutir por discutir Da influência do jazz Só prá ganhar a discussão Tom Jobim Eu lhe asseguro pode crer Elis no Fino da Bossa 1965-1967 (Com lennie Dale) Que quando fala o coração As vezes é melhor perderVem Balançar Eparrê, Do que ganhar, você vai ver 15 Aroeira beira de mar Já percebi a confusão Salve Deus e Tiago e Humaitá Você quer ver prevalecer Eta, costão de pedra dos home brabo do mar A opinião sobre a razãoWalter Santos/Tereza Souza Eh, Xangô, vê se me ajuda a chegar Não pode ser, não pode serElis no Fino da Bossa 1965-1967 Prá quê trocar o sim por não Minha alma canta Se o resultado é a solidãoQuem vem lá? Vejo o Rio de Janeiro Em vez de amorQuem vem lá? Estou morrendo de saudade Uma saudade vai dizer quem tem razão Rio, teu mar, praias sem fimSe é de samba pode se chegar Rio, você foi feito pra mimNo meu samba tem sempre lugar Cristo RedentorPrá quem vem balançando Devagar com a louça Braços abertos sobre a GuanabaraQuerendo sambar Este samba é só porque Rio, eu gosto de vocêQuem vem lá? A morena vai sambarQuem vem lá? Seu corpo todo balançar Luiz Reis/Haroldo Barbosa Rio de sol, de céu, de mar Elis no Fino da Bossa 1965-1967 (Com Elza Soares)Se é de samba pode se chegar Dentro de mais um minuto estaremos no GaleãoNo meu samba tem sempre lugar Devagar com a louça que eu conheço a moça, Rio de Janeiro,Prá quem vem balançando vai devagar moçinha, devagar ei. Rio de JaneiroQuerendo sambar Eu conheço a moça, devagar com a louça, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro vai devagar, prá não errar.Pra quem Devagar com a louça que eu conheço a moça, Cristo RedentorTraga o samba redondinho, vai devagar. Braços abertos sobre a Guanabarabem certinho assim E eu conheço a moça, devagar com a louça. Este samba é só porquetodinho solto Vai, prá não errar. Rio, eu gosto de você A morena vai sambarMas não venha contando mentira rapaz Ela é mais enrolada do que linha em carretel, Seu corpo todo balançarNão ponha no meu samba tão fácil demais ja viu, mais você nessa jogada, hehe, vira bola de papel. Aperte o cinto, vamos chegar Água brilhando, olha a pista chegando Dê o fora dessa louça, peça logo o seu boné. E vamos nós Você vai ficar de touca, quem avisa amigo é, pois é.. Aterrar
  18. 18. Bocochê Amor em paz Baden Powell/Vinícius de Moraes Elis no Fino da Bossa 1965-1967 (Com Baden Powell) Tom Jobim/Vinícius de Moraes Elis no Fino da Bossa 1965-1967 Menina bonita, pra onde é "quocê" vai Mulata Menina bonita, pra onde é "quocê" vai Eu amei Vou procurar o meu lindo amor Assanhada E amei, ai de mim, muito mais do que devia amar No fundo do mar E chorei Vou procurar o meu lindo amor Ao sentir que iria sofrer e me desesperar No fundo do mar Ataulfo Alves Foi então Nhem, nhem, nhem Elis no Fino da Bossa 1965-1967 (Com Ataulfo Alves) Que da minha infinita tristeza aconteceu você É onda que vai Encontrei Ô, mulata assanhada Nhem, nhem, nhem Em você a razão de viver e de amar em paz Que passa com graça É onda que vem E não sofrer mais Fazendo pirraça Nhem, nhem, nhem Nunca mais Fingindo inocente Tristeza que vai Porque o amor é a coisa mais triste quando se desfaz Tirando o sossego da gente! Nhem, nhem, nhem Tristeza que vem O amor é a coisa mais triste quando se desfaz Ah! Mulata se eu pudesse E se meu dinheiro desse Foi e nunca mais voltou Eu te dava sem pensar Nunca mais! Nunca mais Esta terra, este céu, este mar Triste, triste me deixou E ela finge que não sabe Nhem, nhem, nhem Agora Ninguém Chora Mais Que tem feitiço no olhar! É onda que vai Ai, meu Deus, que bom seria Nhem, nhem, nhem Se voltasse a escravidão É a vida que vem Eu pegava a escurinha Jorge Ben Nhem, nhem, nhem E prendia no meu coração!... Elis no Fino da Bossa 1965-1967 (Com Jorge Bem Jor e Zinho) É a vida que vai E depois a pretoria Nhem, nhem, nhem16 Resolvia aquestão! Chorava todo mundo Não volta ninguém Mas agora ninguém chora mais Chora mais, chora mais Menina bonita, não vá para o mar Chorava todo mundo Menina bonita, não vá para o mar Mas agora ninguém chora mais Chora mais Vou me casar com o meu lindo amor ô, ô, ô, ô No fundo do mar Vou me casar com o meu lindo amor Mas Que Nada Chorava mãe, chorava pai No fundo do mar Na hora da partida Mas era uma beleza Nhem, nhem, nhem Em vez de tristeza É onda que vai Jorge Ben Elis no Fino da Bossa 1965-1967 Mas era uma beleza Nhem, nhem, nhem Em vez de tristeza É onda que vem Mas, que nada ô, ô, ô, ô Nhem, nhem, nhem Sai da minha frente Chorava mãe, chorava pai É a vida que vai Que eu quero passar Chorava todo mundo Nhem, nhem, nhem Pois o samba está animado Mas agora ninguém chora mais Não volta ninguém E o que eu quero é sambar Este samba Mas pois o menino voltou Menina bonita que foi para o mar Que é misto de maracatu Voltou homem, voltou doutor Menina bonita que foi para o mar É samba de preto velho Menino que é bom não cai Dorme, meu bem Samba de preto tu Pois já nasceu com a estrela Que você também é Iemanjá Mas, que nada E sempre a mente sã Dorme, meu bem Um samba como esse tão legal Menino que é bom não cai Que você também é Iemanjá Você não vai querer Pois é protegido de Iansã Que eu chegue no final Chorava todo mundo Mas agora ninguém chora mais Chora mais, chora mais

×