SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Pastoral do
                 Dízimo

 “Todos os fiéis viviam unidos e tinham
   tudo em comum. Vendiam as suas
propriedades e os seus bens e dividiam-
nos por todos, segundo a necessidade de
         cada um” (At 2,44-45)
Nossas Reais Motivações

1. Com o Dízimo, aprendemos a
  AGRADECER a Deus e ao próximo.
• Ao contribuir com o dízimo, saímos de
  nós mesmos e reconhecemos que
  pertencemos tanto à comunidade divina
  quanto à humana.
2. Com o DÍZIMO aprendemos a
  DEVOLVER a DEUS um pouco do que
  dele recebemos.
• Sem Ele nada seríamos, nem mesmo
  existiríamos. Dependemos dele
  porque, por Ele fomos feitos e para Ele
  retornaremos.
• Ao contribuir com o Dízimo, expressamos
  a nossa convicção de que tudo pertence
  a Ele.
3. Com o DÍZIMO aprendemos a CONTRIBUIR
  para com a comunidade da qual fazemos
  parte e pela qual somos co-responsáveis.
• O Dízimo confirma e aprofunda o senso de
  pertença à Igreja, fazendo com que o dizimista
  sinta-se realmente “Igreja” e não um estranho
  ou convidado e desta forma contribui para
  que a Igreja cumpra com a missão que Jesus a
  ela confiou: a evangelização!
4. Com o DÍZIMO aprendemos a CULTUAR a
  DEUS em comunidade, adquirindo e
  investindo em tudo o que nos leva à oração
  em comum e à evangelização.
• Descobrimos que, como membros da
  Igreja, somos responsáveis juntos pela
  Igreja/construção, pelo material
  litúrgico, pelas diversas salas e salões. Ao
  contribuir com o dízimo nós assumimos, de
  fato, a Igreja como um todo, inclusive na parte
  material e participamos da missão de Jesus.
5. Com o DÍZIMO aprendemos a PARTILHAR
  com o próximo, especialmente o
  empobrecido e o marginalizado, parte do que
  temos
• Ao estender a mão a alguém, é a comunidade
  toda que o faz. A soma das diversas
  contribuições se misturam e igualmente
  participam do socorro aos necessitados, pela
  assistência e promoção aos necessitados e o
  dizimista, alegra-se ao partilhar, por meio da
  comunidade a sua oferta, com aqueles que
  são mais pobres do que ele.
6. Com o DÍZIMO aprendemos a EVANGELIZAR
  em comunidade, tanto na própria como em
  outras, além das nossas fronteiras.
• Porque somos discípulos missionários de
  Jesus, temos de vencer o comodismo e ir ao
  encontro do outro, repartindo com ele a
  alegria de ser cristão. Ao contribuir com o
  dízimo, estamos exercendo a nossa
  missionariedade, inclusive quando auxiliamos
  missionários que não conhecemos.
7. Com o DÍZIMO aprendemos a INVESTIR na
  ação evangelizadora da Igreja por meio das
  dimensões religiosa, social e missionária.
• Ao contribuir com o dízimo, o dizimista prova
  que acredita na Igreja e em sua missão e que
  assume com os demais irmãos e irmãs na fé a
  sustentação da obra de Deus.
8. Com o DÍZIMO aprendemos a
  CONFRATERNIZAR tomando consciência de
  que todos, sem exceção, têm direito a uma
  vida digna.
• Sendo a humanidade uma só família, e a Terra
  a nossa casa comum, é necessário que
  aprendamos a fazer do dízimo um meio
  privilegiado de catequizar a todos quanto à
  urgência de partilhar.
• Ser dizimista é ter consciência de que a fé é
  caminho seguro para a construção de um
  mundo justo e humano.
9. Com o DÍZIMO aprendemos a ENTESOURAR
  grandes riquezas diante de Deus. Com a
  morte, o que é do mundo fica no mundo.
• Não levamos nada de material conosco. Ao
  chegarmos junto de Deus, teremos
  conosco, para entregar a Ele, o bem que
  tivermos praticado, e só! Ao usar os bens
  deste mundo, somos chamados a usá-los
  sempre para promover uma sociedade justa e
  fraterna.
10. Com o DÍZIMO aprendemos a AMAR a DEUS
  e ao outro!.
• A DEUS porque devolvemos a Ele um pouco do
  muito que Ele nos dá e ao outro porque
  partilhamos com a comunidade os bens que
  possuímos. Ao contribuir com o
  dízimo, descobrimos a alegria de servir !
• O dizimista fiel, consciente e generoso é feliz
  porque aprendeu a amar de todo o
  coração, inclusive repartindo o que possui.
  Optar pelo dízimo, é entrar na escola do
  amor, a escola de JESUS!
Fundamentos
• 1. O dízimo bíblico é apenas uma das formas
  de uma realidade que aparece de outras
  maneiras. O homem oferece à divindade parte
  dos bens de que dispõe.
• Dízimo, Primícias, Tributos
  religiosos, Sacrifícios, Votos e promessas.
• O que estas formas tem em comum é que o
  homem religioso se desfaz de algum bem seu
  para dá-lo à divindade.
• A atitude com que o homem pratica esse
  gesto, pode ser bastante diferente, conforme
  se trate dum homem mais primitivo ou mais
  evoluído religiosamente.
• Amor, Temor, Esclarecida, Mágica, Supersticios
  a.
• O homem religioso sempre deseja ter um
  intercâmbio com a divindade, e entre vários
  gestos com que exprime seu desejo temos
  também sempre este de oferecer à divindade
  algum bem material.
Expressões Bíblicas
• O sentimento de que o homem depende
  materialmente de Deus está presente desde a
  primeira página da bíblia.
• O homem é criado fora do paraíso e
  transportado para dentro dele por Deus, para
  o cultivar e guardar (1,8-15);
• Podia usar de tudo, mas uma parte era
  reservada para Deus (1,16s; cf.3,5.22);
• O homem cultiva e zela dos bens de
  Deus, porém, deve deixar uma parte desses
  bens reservada para Deus.
Novo Testamento
• No NT, de modo geral podemos notar:
a) Uma certa polêmica contra os exageros de
  praxe do dízimo mosaico como então
  concebido;
b) Consciência de que todos os cristãos devem
  dar uma contribuição material.
• Jesus não desautoriza o dízimo da lei
  mosaica, em si; exige que se cumpram os
  postulados básicos:
  Justiça, Misericórdia, Amor.
• Também do dízimo mosaico os cristãos estão
  desobrigados pois já não estão sob o regime
  disciplinar da Antiga Lei. De fato a Igreja
  primitiva não praticou antigo dízimo.
• Mas temos no NT mais que suficientes
  testemunhos de atitudes de que o cristão
  deve dar a sua contribuição material para as
  necessidades da comunidade religiosa e do
  ministério da Igreja.
• Lc 10,7 – ao enviar os discípulos em atividade
  apostólica Jesus diz que eles têm o direito de
  serem sustentados por aqueles a quem
  anunciam o Reino;
• At 5,1ss – retratam uma comunidade
  primitiva, vivendo em comunidade de
  bens, livremente;
• 2Cor 8,1-9.15 – Paulo organiza uma grande
  coleta em favor da comunidade-mãe de
  Jerusalém;
• Gl 6,6 – o catecúmeno reparta todos os seus
  bens com aquele que o catequiza;
• Fl 4,10-18 – dá pessoalmente luminoso
  exemplo mas, conforme as
  circunstâncias, aceita auxílios e sempre
  claramente afirma o princípio deixado pelo
  Senhor, de que viva do Evangelho quem se
  dedica ao mesmo.
Um pouco de História
• No Brasil o Estado cobrava o dízimo como um
  imposto e repassava parte para a Igreja. Isso
  durou até a proclamação da República em
  1889. Nessa ocasião a Igreja separou-se do
  Estado e o Padroado, ou seja, o regime de
  sustentação da Igreja e do clero pelo Estado
  através do dízimo cobrado como imposto, foi
  eliminado.
• Com o fim do Padroado, a Igreja improvisou logo
  uma maneira para sobreviver: cobrar taxas pelos
  serviços religiosos, que perdura até hoje. O que
  foi criado para resolver uma emergência já dura
  mais de 100 anos.
• É tempo de voltarmos à prática do dízimo, como
  forma de fidelidade a Deus e à sua Igreja.
• A opção pelo dízimo, deve ser a principal fonte de
  receita de cada paróquia
Diferença entre Dízimo e Ofertas

• Dízimo é a contribuição voluntária, regular e
  proporcional aos ganhos de cada um com a
  qual o cristão participa das responsabilidades
  de manter as atividades de sua comunidade
  de Fé. Reflete no gesto concreto de partilha, o
  vínculo que o fiel tem com a sua comunidade.
Dimensões do Dízimo
• Dimensão religiosa: despesas com o
  culto, com o sacerdote, com o templo;
• Dimensão social: ajuda aos mais necessitados;
• Dimensão missionária: despesas com a
  Evangelização fora dos limites da comunidade.
  Ajuda a outras paróquias e
  comunidades, obras missionárias.
Ofertas
• São os donativos entregues durante o
  ofertório da missa. Está vinculado à liturgia.
  No ofertório apresentamos os dons do pão e
  do vinho que serão consagrados e tornados
  Corpo e Sangue do Senhor. Mesmo quando
  não temos nenhum valor para ofertar, ainda
  assim devíamos nos aproximar do altar e fazer
  a oferta da nossa vida a Deus.
Qual o tamanho da nossa
            generosidade?
• Os Bispos do Brasil orientam para uma
  contribuição segundo a generosidade de cada
  pessoa. Ou seja, a pessoa é conscientizada e
  convidada a ser generosa. Não há um valor
  fixo. A quantia depende exclusivamente da
  opção de cada católico, de cada um. A opção é
  individual.
• Nem é o muito que nos deixe pobres, nem é o
  pouco que nos torne mesquinhos.
A nota de 2 Reais




• Lá estava a nota de 100 reais ao lado uma
  nota de 2 reais, em um cofre do Banco do
  Brasil.
• Enquanto estavam lá, a nota de 2 reais falou
  para a nota de 100 reais:
  - Ei! cara, por onde tu tens andado? Faz
  tempo que eu não te vejo
   A nota de 100 reais respondeu:
  - Cara, eu tenho aproveitado bastante! Viajei
  para países distantes, indo aos restaurantes
  mais finos, aos maiores e melhores
  cassinos, numerosas butiques, e em todos os
  grandes shoppings do país.
• Após descrever as suas andanças, a nota de
   100 reais perguntou para a nota de 2 R$:
- E quanto a você? Por onde tem andado?
 A nota de 2 reais respondeu:
- Ah! Tu nem sabe, agora eu me converti; só
   vivo na Igreja.
Espantada a nota de 100 reais perguntou:
- E o que é uma Igreja?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 
Modelo carta de transferência
Modelo   carta de transferênciaModelo   carta de transferência
Modelo carta de transferência
pibfsa
 
O que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhidaO que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhida
Seminario Emaus
 
Estudo sobre dizimos
Estudo sobre dizimos Estudo sobre dizimos
Estudo sobre dizimos
josecidade
 
Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2
Marcia Mostiack
 

Mais procurados (20)

Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovensEvangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
Projeto Interno do Ministério de Louvor e Adoração – 2018
Projeto Interno do Ministério de Louvor e Adoração – 2018Projeto Interno do Ministério de Louvor e Adoração – 2018
Projeto Interno do Ministério de Louvor e Adoração – 2018
 
missal passo a passo
missal passo a passomissal passo a passo
missal passo a passo
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVERMetodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER
Metodologia na Catequese ~ VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER
 
Modelo carta de transferência
Modelo   carta de transferênciaModelo   carta de transferência
Modelo carta de transferência
 
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
 
Curso de noivos
Curso de noivosCurso de noivos
Curso de noivos
 
O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?
 
Qual a importância de ir à igreja
Qual a importância de ir à igrejaQual a importância de ir à igreja
Qual a importância de ir à igreja
 
O que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhidaO que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhida
 
Como dirigir um culto
Como dirigir um cultoComo dirigir um culto
Como dirigir um culto
 
Apresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristãApresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristã
 
Estudo sobre dizimos
Estudo sobre dizimos Estudo sobre dizimos
Estudo sobre dizimos
 
Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2Guia de-preparação-noivos-2
Guia de-preparação-noivos-2
 
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos GruposApostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
 

Semelhante a Formação sobre Dízimo

pastoraldodzimo-120327003139-phpapp01.pdf
pastoraldodzimo-120327003139-phpapp01.pdfpastoraldodzimo-120327003139-phpapp01.pdf
pastoraldodzimo-120327003139-phpapp01.pdf
Sandro95392
 
Manual do lider
Manual do liderManual do lider
Manual do lider
pibfsa
 
minha nova familia, a igreja
minha nova familia, a igrejaminha nova familia, a igreja
minha nova familia, a igreja
iabpcsorocaba
 

Semelhante a Formação sobre Dízimo (20)

pastoraldodzimo-120327003139-phpapp01.pdf
pastoraldodzimo-120327003139-phpapp01.pdfpastoraldodzimo-120327003139-phpapp01.pdf
pastoraldodzimo-120327003139-phpapp01.pdf
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...
 
Manual do lider
Manual do liderManual do lider
Manual do lider
 
Documento 105 CNBB - Ano do Laicato
Documento 105 CNBB - Ano do LaicatoDocumento 105 CNBB - Ano do Laicato
Documento 105 CNBB - Ano do Laicato
 
Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?
 
Ação social
Ação socialAção social
Ação social
 
Ação social
Ação socialAção social
Ação social
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalLição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
 
O que significa ser membro da fpcr
O que significa ser membro da fpcrO que significa ser membro da fpcr
O que significa ser membro da fpcr
 
O que significa ser membro da igreja evangélica presbiteriana
O que significa ser membro da igreja evangélica presbiterianaO que significa ser membro da igreja evangélica presbiteriana
O que significa ser membro da igreja evangélica presbiteriana
 
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja localSlide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
 
Lição 10 - A Missão Social da Igreja
Lição 10 - A Missão Social da IgrejaLição 10 - A Missão Social da Igreja
Lição 10 - A Missão Social da Igreja
 
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
 
2014 2 TRI LIÇÃO 2 - O propósito dos dons espirituais
2014 2 TRI LIÇÃO 2 - O propósito dos dons espirituais2014 2 TRI LIÇÃO 2 - O propósito dos dons espirituais
2014 2 TRI LIÇÃO 2 - O propósito dos dons espirituais
 
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SPFôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
 
LBJ Lição 6 - O sustento da igreja
LBJ Lição 6 - O sustento da igrejaLBJ Lição 6 - O sustento da igreja
LBJ Lição 6 - O sustento da igreja
 
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
 
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalLição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
 
minha nova familia, a igreja
minha nova familia, a igrejaminha nova familia, a igreja
minha nova familia, a igreja
 

Mais de mbsilva1971 (7)

Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
Calendário litúrgico
Calendário litúrgicoCalendário litúrgico
Calendário litúrgico
 
Ano litúrgico
Ano litúrgicoAno litúrgico
Ano litúrgico
 
A música litúrgica formação
A música litúrgica formaçãoA música litúrgica formação
A música litúrgica formação
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
Semana santa parte 2
Semana santa   parte 2Semana santa   parte 2
Semana santa parte 2
 
Partes da Missa
Partes da MissaPartes da Missa
Partes da Missa
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 

Formação sobre Dízimo

  • 1. Pastoral do Dízimo “Todos os fiéis viviam unidos e tinham tudo em comum. Vendiam as suas propriedades e os seus bens e dividiam- nos por todos, segundo a necessidade de cada um” (At 2,44-45)
  • 2. Nossas Reais Motivações 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. • Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana.
  • 3. 2. Com o DÍZIMO aprendemos a DEVOLVER a DEUS um pouco do que dele recebemos. • Sem Ele nada seríamos, nem mesmo existiríamos. Dependemos dele porque, por Ele fomos feitos e para Ele retornaremos. • Ao contribuir com o Dízimo, expressamos a nossa convicção de que tudo pertence a Ele.
  • 4. 3. Com o DÍZIMO aprendemos a CONTRIBUIR para com a comunidade da qual fazemos parte e pela qual somos co-responsáveis. • O Dízimo confirma e aprofunda o senso de pertença à Igreja, fazendo com que o dizimista sinta-se realmente “Igreja” e não um estranho ou convidado e desta forma contribui para que a Igreja cumpra com a missão que Jesus a ela confiou: a evangelização!
  • 5. 4. Com o DÍZIMO aprendemos a CULTUAR a DEUS em comunidade, adquirindo e investindo em tudo o que nos leva à oração em comum e à evangelização. • Descobrimos que, como membros da Igreja, somos responsáveis juntos pela Igreja/construção, pelo material litúrgico, pelas diversas salas e salões. Ao contribuir com o dízimo nós assumimos, de fato, a Igreja como um todo, inclusive na parte material e participamos da missão de Jesus.
  • 6. 5. Com o DÍZIMO aprendemos a PARTILHAR com o próximo, especialmente o empobrecido e o marginalizado, parte do que temos • Ao estender a mão a alguém, é a comunidade toda que o faz. A soma das diversas contribuições se misturam e igualmente participam do socorro aos necessitados, pela assistência e promoção aos necessitados e o dizimista, alegra-se ao partilhar, por meio da comunidade a sua oferta, com aqueles que são mais pobres do que ele.
  • 7. 6. Com o DÍZIMO aprendemos a EVANGELIZAR em comunidade, tanto na própria como em outras, além das nossas fronteiras. • Porque somos discípulos missionários de Jesus, temos de vencer o comodismo e ir ao encontro do outro, repartindo com ele a alegria de ser cristão. Ao contribuir com o dízimo, estamos exercendo a nossa missionariedade, inclusive quando auxiliamos missionários que não conhecemos.
  • 8. 7. Com o DÍZIMO aprendemos a INVESTIR na ação evangelizadora da Igreja por meio das dimensões religiosa, social e missionária. • Ao contribuir com o dízimo, o dizimista prova que acredita na Igreja e em sua missão e que assume com os demais irmãos e irmãs na fé a sustentação da obra de Deus.
  • 9. 8. Com o DÍZIMO aprendemos a CONFRATERNIZAR tomando consciência de que todos, sem exceção, têm direito a uma vida digna. • Sendo a humanidade uma só família, e a Terra a nossa casa comum, é necessário que aprendamos a fazer do dízimo um meio privilegiado de catequizar a todos quanto à urgência de partilhar. • Ser dizimista é ter consciência de que a fé é caminho seguro para a construção de um mundo justo e humano.
  • 10. 9. Com o DÍZIMO aprendemos a ENTESOURAR grandes riquezas diante de Deus. Com a morte, o que é do mundo fica no mundo. • Não levamos nada de material conosco. Ao chegarmos junto de Deus, teremos conosco, para entregar a Ele, o bem que tivermos praticado, e só! Ao usar os bens deste mundo, somos chamados a usá-los sempre para promover uma sociedade justa e fraterna.
  • 11. 10. Com o DÍZIMO aprendemos a AMAR a DEUS e ao outro!. • A DEUS porque devolvemos a Ele um pouco do muito que Ele nos dá e ao outro porque partilhamos com a comunidade os bens que possuímos. Ao contribuir com o dízimo, descobrimos a alegria de servir ! • O dizimista fiel, consciente e generoso é feliz porque aprendeu a amar de todo o coração, inclusive repartindo o que possui. Optar pelo dízimo, é entrar na escola do amor, a escola de JESUS!
  • 12. Fundamentos • 1. O dízimo bíblico é apenas uma das formas de uma realidade que aparece de outras maneiras. O homem oferece à divindade parte dos bens de que dispõe. • Dízimo, Primícias, Tributos religiosos, Sacrifícios, Votos e promessas. • O que estas formas tem em comum é que o homem religioso se desfaz de algum bem seu para dá-lo à divindade.
  • 13. • A atitude com que o homem pratica esse gesto, pode ser bastante diferente, conforme se trate dum homem mais primitivo ou mais evoluído religiosamente. • Amor, Temor, Esclarecida, Mágica, Supersticios a. • O homem religioso sempre deseja ter um intercâmbio com a divindade, e entre vários gestos com que exprime seu desejo temos também sempre este de oferecer à divindade algum bem material.
  • 14. Expressões Bíblicas • O sentimento de que o homem depende materialmente de Deus está presente desde a primeira página da bíblia. • O homem é criado fora do paraíso e transportado para dentro dele por Deus, para o cultivar e guardar (1,8-15); • Podia usar de tudo, mas uma parte era reservada para Deus (1,16s; cf.3,5.22); • O homem cultiva e zela dos bens de Deus, porém, deve deixar uma parte desses bens reservada para Deus.
  • 15. Novo Testamento • No NT, de modo geral podemos notar: a) Uma certa polêmica contra os exageros de praxe do dízimo mosaico como então concebido; b) Consciência de que todos os cristãos devem dar uma contribuição material.
  • 16. • Jesus não desautoriza o dízimo da lei mosaica, em si; exige que se cumpram os postulados básicos: Justiça, Misericórdia, Amor. • Também do dízimo mosaico os cristãos estão desobrigados pois já não estão sob o regime disciplinar da Antiga Lei. De fato a Igreja primitiva não praticou antigo dízimo. • Mas temos no NT mais que suficientes testemunhos de atitudes de que o cristão deve dar a sua contribuição material para as necessidades da comunidade religiosa e do ministério da Igreja.
  • 17. • Lc 10,7 – ao enviar os discípulos em atividade apostólica Jesus diz que eles têm o direito de serem sustentados por aqueles a quem anunciam o Reino; • At 5,1ss – retratam uma comunidade primitiva, vivendo em comunidade de bens, livremente; • 2Cor 8,1-9.15 – Paulo organiza uma grande coleta em favor da comunidade-mãe de Jerusalém;
  • 18. • Gl 6,6 – o catecúmeno reparta todos os seus bens com aquele que o catequiza; • Fl 4,10-18 – dá pessoalmente luminoso exemplo mas, conforme as circunstâncias, aceita auxílios e sempre claramente afirma o princípio deixado pelo Senhor, de que viva do Evangelho quem se dedica ao mesmo.
  • 19. Um pouco de História • No Brasil o Estado cobrava o dízimo como um imposto e repassava parte para a Igreja. Isso durou até a proclamação da República em 1889. Nessa ocasião a Igreja separou-se do Estado e o Padroado, ou seja, o regime de sustentação da Igreja e do clero pelo Estado através do dízimo cobrado como imposto, foi eliminado.
  • 20. • Com o fim do Padroado, a Igreja improvisou logo uma maneira para sobreviver: cobrar taxas pelos serviços religiosos, que perdura até hoje. O que foi criado para resolver uma emergência já dura mais de 100 anos. • É tempo de voltarmos à prática do dízimo, como forma de fidelidade a Deus e à sua Igreja. • A opção pelo dízimo, deve ser a principal fonte de receita de cada paróquia
  • 21. Diferença entre Dízimo e Ofertas • Dízimo é a contribuição voluntária, regular e proporcional aos ganhos de cada um com a qual o cristão participa das responsabilidades de manter as atividades de sua comunidade de Fé. Reflete no gesto concreto de partilha, o vínculo que o fiel tem com a sua comunidade.
  • 22. Dimensões do Dízimo • Dimensão religiosa: despesas com o culto, com o sacerdote, com o templo; • Dimensão social: ajuda aos mais necessitados; • Dimensão missionária: despesas com a Evangelização fora dos limites da comunidade. Ajuda a outras paróquias e comunidades, obras missionárias.
  • 23. Ofertas • São os donativos entregues durante o ofertório da missa. Está vinculado à liturgia. No ofertório apresentamos os dons do pão e do vinho que serão consagrados e tornados Corpo e Sangue do Senhor. Mesmo quando não temos nenhum valor para ofertar, ainda assim devíamos nos aproximar do altar e fazer a oferta da nossa vida a Deus.
  • 24. Qual o tamanho da nossa generosidade? • Os Bispos do Brasil orientam para uma contribuição segundo a generosidade de cada pessoa. Ou seja, a pessoa é conscientizada e convidada a ser generosa. Não há um valor fixo. A quantia depende exclusivamente da opção de cada católico, de cada um. A opção é individual. • Nem é o muito que nos deixe pobres, nem é o pouco que nos torne mesquinhos.
  • 25. A nota de 2 Reais • Lá estava a nota de 100 reais ao lado uma nota de 2 reais, em um cofre do Banco do Brasil.
  • 26. • Enquanto estavam lá, a nota de 2 reais falou para a nota de 100 reais: - Ei! cara, por onde tu tens andado? Faz tempo que eu não te vejo A nota de 100 reais respondeu: - Cara, eu tenho aproveitado bastante! Viajei para países distantes, indo aos restaurantes mais finos, aos maiores e melhores cassinos, numerosas butiques, e em todos os grandes shoppings do país.
  • 27. • Após descrever as suas andanças, a nota de 100 reais perguntou para a nota de 2 R$: - E quanto a você? Por onde tem andado? A nota de 2 reais respondeu: - Ah! Tu nem sabe, agora eu me converti; só vivo na Igreja. Espantada a nota de 100 reais perguntou: - E o que é uma Igreja?