Sistema reprodutor masculino e feminino

1.611 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.611
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema reprodutor masculino e feminino

  1. 1. Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
  2. 2. Reprodução Sexuada  Formação de gametas (Gametogênese) e fecundação (união dos gametas).  Alternância entre meiose e fecundação, restaurando o n° diploide de cromossomos.
  3. 3. Gametogênese Espermatogênese = Produção de espermatozoides nos testículos Ovulogênese = Produção de óvulos nos ovários Gametogênese
  4. 4. Espermatogênese  O conteúdo mais importante do espermatozoide são os cromossomos “paternos”.
  5. 5. Célula Germinativa 2n mitose 2n2n 2n 2n 2n 2n mitose Crescimento sem divisão celular 2n Meiose I Meiose II n n n n n n Período de multiplicação Período embrionário até o nascimento (100 mil folículos) Período de maturação Puberdade onde 5 a 12 ovócitos I são estimulados por mês, mas apenas um chega a sofrer divisão Ovulogênese
  6. 6. Fecundação  Penetração do espermatozoide no óvulo e a união dos nucléolos dos dois gametas, com a consequente formação do zigoto.  Dos aproximadamente 300 milhões de espermatozoides na ejaculação, apenas 200 atingem a tuba uterina, e somente um fecunda o ovócito II. Fecundação Interna Externa
  7. 7. O Hermafroditismo Definição • É uma anomalia sexual ainda pouco conhecida, configurando um distúrbio morfológico e fisiológico das gônadas sexuais de um indivíduo, que simultaneamente manifesta estrutura tecidual testicular e ovariana • Por análise do cariótipo é sabido que não se trata de uma síndrome genética (mono ou trissomia halossômica), relacionada aos cromossomos sexuais X ou Y. No entanto, pode estar associado a uma ocorrência de dispermia, havendo fecundação normal (espermatozoide e ovócito de segunda ordem - óvulo) e outra fecundação paralela anômola (espermatozoide e um glóbulo polar – óvulo não diferenciado, em tese, inativo).
  8. 8. • Contudo, na maioria dos casos é observada a presença de duas gônadas mistas, denominadas de ovotetis, ou seja, uma fusão do testículo e do ovário, existindo outras duas situações: a primeira onde há desenvolvimento de um testículo e de um ovário, cada qual disposto lateralmente no corpo, contrariando a simetria bilateral normal dos órgãos reprodutores; e a segunda com o desenvolvimento de uma ovotetis de um lado e uma das gônadas (testículo ou ovário) do outro.
  9. 9. Existem Três Tipos de Hermafroditismo Humano...  Hermafroditismo Verdadeiro: No hermafroditismo verdadeiro as crianças nascem com os dois órgãos sexuais bem formados, possuindo os oŕgãos sexuais internos e externos de ambos os sexos, incluindo ovários, útero, vagina, testículos e pênis. No hermafroditismo verdadeiro a maioria das pessoas são geneticamente do sexo feminino (cromossomos XX) e a formação dos órgãos sexuais masculinos é atribuída a causas ainda não totalmente conhecidas.  O Pseudo Hermafroditismo Masculino No pseudo-hermafroditismo masculino a criança nasce geneticamente como do sexo masculino (cromossomos XY) embora os órgãos sexuais externos não se desenvolvam completamente.  Pseudo-Hermafroditismo Feminino No pseudo-hermafroditismo feminino a criança nasce geneticamente como do sexo feminino (cromossomos XX) embora o clitóris desenvolva-se excessivamente adquirindo um formato semelhante a um pênis (Clitoromegalia). Atribui-se uma suposta causa não genética para o pseudo- hermafroditismo feminino aos efeitos dos medicamentos utilizados no tratamento da hiperplasia congênita das supra-renais (HCSR) por deficiência da 21-Hidroxilase, uma doença genética que necessita de tratamento permanente e que em alguns casos não é interrompido por gestantes que não sabem se estão grávidas
  10. 10. Hermafroditismo • Uma teoria genética recente busca explicar várias anomalias sexuais do hermafroditismo humano com sequências palíndromos presentes no cromossomo Y. Segundo essa teoria as sequências palíndromos presentes no cromossomo Y, que supostamente protegeriam esse cromossomo de mutações genéticas, poderiam ocasionalmente se esticar e formar uma atração fatal com o palíndromo similar de seu vizinho, alterando o tamanho e/ou deslocando o centrômero do gene: os cromossomos gerados nessas divisões celulares teriam comprimentos variáveis, curtos e longos, com centrômeros deslocados ora para o centro, ora para as extremidades. Nessa teoria, os pacientes nos quais a distância entre os dois centrômeros do Y é curta, seriam homens, ao passo que quanto maior a distância entre os centrômeros, maior a tendência de que os pacientes sejam anatomicamente feminilizados. Essa pesquisa incluiu alguns pacientes do sexo masculino (cromossomos XY) portadores da síndrome de Turner, uma condição só então conhecida em mulheres que nascem com um único cromossomo X (cromossomos 45-XO).2
  11. 11.  Tratamento • No tratamento do hermafroditismo humano, também chamado intersexualidade (neologismo relacionado a outros términos que se referem a estilos-de-vida, condições ou identidades – dependendo do ponto-de-vista – de pessoas estigmatizadas por serem de sexualidade e expressão/identidade de gênero historicamente e a um certo ponto presentemente não normativas, como homossexualidade, bissexualidade e transexualidade ,recorre-se muitas vezes a uma cirurgia para se definir o sexo. Segundo especialistas a maior dificuldade está em se definir o momento correto da cirurgia.1De todo o modo a opinião crescente é de que a pessoa intersexual (termo corrente para humanos com hermafroditismo) possa escolher por si mesma se ela deseja a cirurgia e, nesse caso, qual o sexo desejado • Principal causa do hermafroditismo é mutação genética Ocorrência de genitais ambíguos é rara; Brasil não tem estatística.

×