Por Andréa de Vasconcelos Freitas Botelho
No Reino vegetal
existem cerca de
400.000 espécies
Necessidade
de
organização
É a parte da Botânica que tem
por finalidade agrupar as
plantas dentro de um sistema,
levando em consideração suas
caracte...
 Reconhecer (identificar) e classificar todo ser
vegetal;
 Descrever a morfologia principalmente dos
órgãos florais;
 C...
Caracteres Taxonômicos - são caracteres utilizados
na classificação. Um caráter é qualquer atributo da
planta
(Barroso et ...
 Identificação – Determinação de um
táxon como idêntico ou semelhante
a outro já conhecido.
 Nomenclatura – está relacio...
 Sistemática Alfa (conceito antigo):
Ciência que se restringia ao estudo de fragmento de
plantas, devidamente etiquetados...
 Os estudos em Sistemática e as coleções botânicas
acumulam volume inestimável de dados valiosos para o
avanço da ciência...
As categorias taxonômicas representam níveis
hierárquicos, segundo critérios adotados nos
diversos sistemas de classificaç...
As regras mais importantes:
 As seguintes terminações dos nomes designam as
categorias taxonômicas em Angiospermas:
Divis...
Evolução recente da integração da
Sistemática com outras disciplinas
Ecologia
Embriologia
Química
Genética
Citologia
Sistemas de Classificação
Sistemas de
Classificação
Hábitos das
plantas
Artificiais
Naturais
Filogenéticos
(Barroso et al....
 Theophrastus (370 a. C.) classificou os vegetais
tomando como base o hábito, em árvores,
arbustos, subarbustos e ervas e...
 Albertus Magnus (1193-1280), bispo de
Ratisbon, foi o primeiro a reconhecer as
diferenças entre Dicotiledôneas e
Monocot...
John Ray (1628-1702) foi o primeiro a
reconhecer a importância do embrião
na Sistemática e a presença de
cotilédones nas s...
Jean Bauhin (1541-1631) tornou-se importante pela
publicação póstuma de sua obra Historia Plantarum
Universalis, em 3 volu...
24 classes
Nº de estames e
pela sua posição
da flor e pistilos
Principal representante:
Carl F. Linnaeus (Linné)
(1707-177...
Sistemas Naturais
(Afinidade natural das plantas)
 Agrupa os elementos com base no somatório de caracteres
exibidos. Aqui...
Representantes
 Procurando descobrir os processos
bioquímicos básicos das plantas, ele
estudou os órgãos das plantas em t...
Stephan Ladislau Endlicher (1804-
1849) dividiu o Reino Vegetal em
Talófitos e Cormófitos, este sistema
faz parte de Gener...
 Baseia-se na variabilidade das espécies (devido a aceitação das
teorias de Darwin).
 Relações genéticas.
 Leva em cons...
August Wilhelm Eichler (1839-1887)
dividiu o Reino Vegetal em
Phanerogamae e Cryptogamae;
tratou as algas separadamente do...
Adolph Engler (1844-1930) considerou
a classe das Dicotiledôneas mais
primitivas que as Monocotiledôneas,
posteriormente, ...
 Arthur Cronquist (1968) apresentou
uma classificação para as
Magnoliophytas, com leves
modificações, levou em consideraç...
Sistemas Objetivos Características
Artificial Praticidade
Classificação rápida
e fácil de ser
realizada
Utilizava o mínimo...
Referências Bibliográficas
 BARROSO, G.M. et al. 2002. 2ª ed. Sistemática de
angiospermas do Brasil. V. 1. Viçosa: Impren...
dea_botelho@hotmail.com
FIM
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula sistematica vegetallll

3.435 visualizações

Publicada em

ola

Publicada em: Negócios
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.435
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
513
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula sistematica vegetallll

  1. 1. Por Andréa de Vasconcelos Freitas Botelho
  2. 2. No Reino vegetal existem cerca de 400.000 espécies Necessidade de organização
  3. 3. É a parte da Botânica que tem por finalidade agrupar as plantas dentro de um sistema, levando em consideração suas características morfológicas internas e externas, suas relações genéticas e suas afinidades. Taxonomia - é a ciência que elabora as leis da classificação, trata dos princípios e normas dos sistemas de classificação. Inclui a identificação e nomenclatura. (Barroso et al., 2002).
  4. 4.  Reconhecer (identificar) e classificar todo ser vegetal;  Descrever a morfologia principalmente dos órgãos florais;  Conhecer a importância evolutiva dos vegetais;  Identificar o ser vegetal utilizando-se chaves de identificação.
  5. 5. Caracteres Taxonômicos - são caracteres utilizados na classificação. Um caráter é qualquer atributo da planta (Barroso et al., 2002).
  6. 6.  Identificação – Determinação de um táxon como idêntico ou semelhante a outro já conhecido.  Nomenclatura – está relacionado com o emprego correto dos nomes das plantas e compreende um conjuntos de princípios.  Classificação – é a ordenação das plantas em um táxon. (Barroso et al., 2002).
  7. 7.  Sistemática Alfa (conceito antigo): Ciência que se restringia ao estudo de fragmento de plantas, devidamente etiquetados e conservados em um herbário, baseando-se no estudo morfológico desses espécimes.  Sistemática Ômega (Nova sistemática,Biossistemática – conceito atual): Estuda o comportamento da planta na natureza, fundamentando-se na morfologia, anatomia, caracteres genéticos, ecologia, distribuição geográfica, bioquímica, etc., tentando estabelecer as verdadeiras afinidades e graus de parentescos entre elas.
  8. 8.  Os estudos em Sistemática e as coleções botânicas acumulam volume inestimável de dados valiosos para o avanço da ciência e também para conservação.  Dados sobre distribuição geográfica, preferências de habitat e estrutura populacional de grupos de organismos permitem identificar centros de endemismo e de diversidade, assim como espécies raras e/ou ameaçadas.
  9. 9. As categorias taxonômicas representam níveis hierárquicos, segundo critérios adotados nos diversos sistemas de classificação, os táxons são os termos aplicados aos agrupamentos considerados incluídos nessas categorias: Categoria Táxon Divisão Magnoliophyta, Briophyta Ordem Malvales, Rosales Família Araceae, Rutaceae
  10. 10. As regras mais importantes:  As seguintes terminações dos nomes designam as categorias taxonômicas em Angiospermas: Divisão ou filo: ophyta (Magnoliophyta) Classe: opsida (Liliopsida) Sub-classe: idae (Liliidae) Ordem: ales (Orchidales) Família: aceae (Orchidaceae) Sub-família: oideae (Orchidoideae)
  11. 11. Evolução recente da integração da Sistemática com outras disciplinas Ecologia Embriologia Química Genética Citologia
  12. 12. Sistemas de Classificação Sistemas de Classificação Hábitos das plantas Artificiais Naturais Filogenéticos (Barroso et al., 2002)
  13. 13.  Theophrastus (370 a. C.) classificou os vegetais tomando como base o hábito, em árvores, arbustos, subarbustos e ervas e os tipos de inflorescências. (Barroso et al., 2002)
  14. 14.  Albertus Magnus (1193-1280), bispo de Ratisbon, foi o primeiro a reconhecer as diferenças entre Dicotiledôneas e Monocotiledôneas  Otto Brunfels (1464-1534), primeiros herbalistas, contribuiu para a fase descritiva da sistemática vegetal e além disso ilustrava as plantas.  O primeiro desses sistemas exposto em definições claras, exatas e lógicas, criado por Andréa Caesalpino (Piza, 1519-1603), foi baseado na estrutura de frutos e sementes.
  15. 15. John Ray (1628-1702) foi o primeiro a reconhecer a importância do embrião na Sistemática e a presença de cotilédones nas sementes. Seu sistema de classificação baseia-se na forma externa das estruturas e, em muitos casos, é superior ao de Lineu.
  16. 16. Jean Bauhin (1541-1631) tornou-se importante pela publicação póstuma de sua obra Historia Plantarum Universalis, em 3 volumes. Primeiro botânico a distinguir categorias de gênero e espécies. Seu irmão, Gaspar Bauhin, publicou o trabalho Pinax, com 6.000 espécies classificadas quanto a textura e a forma das folhas. Usava nomenclatura binária. Joseph Pitton de Tournefort (1656- 1708) um sistema de classificação fundamentado na forma das corolas. Gêneros por ele: Salix, Populus, Fagus, Betula, Lathyrus, Acer e Verbena
  17. 17. 24 classes Nº de estames e pela sua posição da flor e pistilos Principal representante: Carl F. Linnaeus (Linné) (1707-1778) – “Species Plantarum” (1753) que ficou conhecida como o “sistema sexual”. Agrupa elementos com base num único caráter, ou em poucos caracteres – são os 1ºs sistemas
  18. 18. Sistemas Naturais (Afinidade natural das plantas)  Agrupa os elementos com base no somatório de caracteres exibidos. Aqui não é só um caráter, mas vários.  As plantas eram organizadas em grupos afins, pela existência de características comuns.  Durou até o surgimento do Darwinismo e teoria da evolução. Lamarck Jussieu Obra Flora Françoise – na introdução desse trabalho, expos os princípios de seu conceito de classificação natural Dividiu as flores em Monocotiledôn eas e Dicotiledôneas
  19. 19. Representantes  Procurando descobrir os processos bioquímicos básicos das plantas, ele estudou os órgãos das plantas em todas as suas transformações, procurando explicar a sua variabilidade e aparentes anomalias. Em resultado do seu labor, fez triunfar definitivamente o método natural, trazendo para o estudo da botânica os princípios de uma verdadeira ciência experimental. Hooker De Candolle As descrições feitas por ele são completas, fundamentadas em materiais depositados, nos herbários Britânicos. O sistema não representa um esquema filogenético, pois botânicos da época firmavam-se no dogma da constância e da imutabilidade das espécies.
  20. 20. Stephan Ladislau Endlicher (1804- 1849) dividiu o Reino Vegetal em Talófitos e Cormófitos, este sistema faz parte de Genera Plantarum. Adolphe Theodore Brongniart (1801- 1876) dividiu o Reino Vegetal em Phanerogamae e Cryptogramae.
  21. 21.  Baseia-se na variabilidade das espécies (devido a aceitação das teorias de Darwin).  Relações genéticas.  Leva em consideração: vegetais atuais como os de outras eras.  Se firma na teoria da evolução.  Obs. Sistema Filogenético ≠ Taxonomia  Taxonomia: caracteres das plantas  Filogenética: às mudanças desses caracteres.  Alguns autores: nenhum sistema é filogenético. Termo poderia ser reservado pra tempos futuros – fatos da evolução mais esclarecidos.  Ex: Cronquist, APG – avalia suas relações genéticas, leva em consideração as plantas atuais e de outras eras geológicas.
  22. 22. August Wilhelm Eichler (1839-1887) dividiu o Reino Vegetal em Phanerogamae e Cryptogamae; tratou as algas separadamente dos fungos, dividindo-as em 4 grupos distintos (Cyanophyceae, Chlorophyceae, Phaeophyceae e Rhodophyceae); separou as Bryophyta em Musgos e Hepáticas, os Pteridophytos em Equisetinae, Lycopodinae e Filicinae, e as Phanerogamae em Angiospermae e Gimnospermae.
  23. 23. Adolph Engler (1844-1930) considerou a classe das Dicotiledôneas mais primitivas que as Monocotiledôneas, posteriormente, mudou esta ideia na última edição do Syllabus, que dividiu as dicotiledôneas em Archychlamideae e Sympetalae. Histórico dos Sistemas de Classificação de Plantas. À primeira subordinou todas a Dicotiledôneas, essa subclasse compreendeu 37 ordens. Na segunda subclasse compreendeu 11 ordens. Publicou Die Natürlichen der Pflanzenfamilien, dividido em 10 volumes. Esse trabalho, com chaves de determinação de gêneros, amplas diagnoses das famílias, dando meios para o reconhecimento de algas às espermáfitas.
  24. 24.  Arthur Cronquist (1968) apresentou uma classificação para as Magnoliophytas, com leves modificações, levou em consideração caracteres anatômicos, presença ou ausência de endosperma, composição química, morfologia do órgão reprodutores, etc. 5. Lilliidae 4. Zingiberidae 3. Commelinidae 2. Arecidae 1. Alismatidae Liliopsida (Monocotiledôneas) Magnoliidae
  25. 25. Sistemas Objetivos Características Artificial Praticidade Classificação rápida e fácil de ser realizada Utilizava o mínimo possível de caracteres, objetivos e fáceis de serem detectados Natural Agrupar organismos segundo sua máxima semelhança global Utilizava maior número possível de caracteres sem ponderá-los Filogenético Procura inferir a origem e relacionamento evolutivo dos grupos Utiliza caracteres derivados para reconhecer ancestrais comuns
  26. 26. Referências Bibliográficas  BARROSO, G.M. et al. 2002. 2ª ed. Sistemática de angiospermas do Brasil. V. 1. Viçosa: Imprensa Universitária da Universidade Federal de Viçosa.  JUDD, W.S.; CAMPBELL, C.S.; KELLOG, E.A., STEVENS, P.F., DONOGHUE, M.J. 2009. Sistemática Vegetal – Um enfoque filogenético. 3ª ed. Editora Artmed, Porto Alegre.
  27. 27. dea_botelho@hotmail.com FIM

×