Sistemática vegetal

2.713 visualizações

Publicada em

biologia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.713
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistemática vegetal

  1. 1. Professora : Adrianne Mendonça
  2. 2. • A Sistemática ou Taxonomia Vegetal é um ramo da Biologia Vegetal que estuda a diversidade das plantas com base na variação morfológica e nas relações evolutivas, produzindo um sistema de classificação, o qual permite estabelecer uma identificação ideal para as plantas (SOUZA & LORENZI, 2005). Essa ciência por muito tempo foi vista como uma ciência inerte, cujo objetivo principal era nomear as plantas com base em suas características morfológicas (principalmente externas) e reprodutivas. Entretanto, atualmente, cada vez mais a Sistemática vem mostrando a sua importância, principalmente ao nível de Biologia Evolutiva e Biologia Comparada. Através desses estudos pode-se obter embasamento filogenético e dessa forma desenvolver hipóteses sobre os processos evolutivos e produzir sistemas de classificação (PIRANI et al., 2000).
  3. 3. • A Sistemática auxilia na descrição e compreensão da diversidade de determinada área através da análise de parentesco entre as espécies, tornando possível a elaboração de um sistema de classificação baseado na história filogenética, como também construção de uma previsão das características dos organismos atuais encontrados naquela área. Pesquisas dessa natureza são utilizadas nas definições de estratégias e prioridades de conservação de áreas naturais, controle ambiental e elaboração de planos de manejo (SOUZA & LORENZI, 2005). As plantas sempre foram de grande utilidade aos seres humanos, servindo de alimento, de combustível, matéria-prima para fabricação de compostos medicinais, entre inúmeras outras aplicações. Com o aumento do conhecimento, surgiu a necessidade de juntar e repassar essas informações (SOUZA & LORENZI, 2005). Nas Figuras de 1 a 6 é possível ver algumas famílias de importância ornamental.
  4. 4. • Segundo Souza e Lorenzi (2005) os gregos tentaram reunir e organizar o material empírico acumulado, porém basearam-se apenas nos caracteres mais facilmente observados. Ao longo do tempo, foram surgindo numerosos sistemas de classificação que consistiam em reunir um conjunto de unidades taxonômicas nas quais as plantas eram ordenadas, e por ordem cronológica esses sistemas costumam ser agrupados da seguinte forma:
  5. 5. • – primeiro que se tem conhecimento. Criado por Theophrastus entre 380-278 a.C., fez a classificação pelo hábito, ou seja, árvores, arbustos, ervas, cultivadas e selvagens. Também se destacam cientistas como Dioscórides, Albertus Magnus e Andrea Caesalpino (1519- 1603), este último foi considerado o primeiro taxonomista vegetal.
  6. 6. • baseados em características numéricas – sistema sexual criado por Linnaeus em 1753 e publicado em seu livroSpecies Plantarum, o qual evidencia as características florais. Baseando na presença e ausência de flores e principalmente no número e posição dos estames dividiu o Reino Vegetal em 24 classes.
  7. 7. • – classificação por semelhanças, ou seja, por compartilhar caracteres em comum. Um dos principais sistemas publicados neste período foi o de Antoine de Jussieu (1686-1758), que reconheceu 15 classes e 100 ordens. Esse autor sugeriu a classificação em Acotiledônea, Monocotiledônea e Dicotiledônea. Considerando a presença e ausência de pétalas e a soldadura destas reconheceu três
  8. 8. • – baseados na teoria da evolução das espécies de Darwin (1859), relacionando-a com afinidades em relação à ancestralidade e descendência. Os sistemas gradistas mais conhecidos dentro da sistemática filogenética são os trabalhos de Engler (1964), Cronquist (1968, 1981 e 1988) e Dahglgren (1985). Este último mostrou uma preocupação maior com as abordagens filogenéticas e construiu um tratamento cladístico para Monocotiledôneas. Já a sistemática filogenética ou cladismo criada por Willi Henning (1950), considera que a história evolutiva da relação ancestralidade-descendência dos organismos pode ser reconstruída e representada através de um cladograma, e que para a construção deste diagrama hipotético deve ser levada em consideração pelo menos uma característica monofilética. A partir da década de 90 destacam-se os trabalhos produzidos por Walter Judd (1999), que utilizou também técnicas moleculares para a construção de cladogramas.

×