Anatomia e morfologia de folha

9.010 visualizações

Publicada em

anatomia e morfologia da folha

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.010
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
345
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anatomia e morfologia de folha

  1. 1. Anatomia e Morfologia de Folha Alexandre Barcelos IFNMG
  2. 2. Folha  Origem: gêmula do embrião  Origem exógena  É uma expansão lateral e laminar do caule  Órgão adaptado ás funções metabólicas da planta  Realiza: transpiração, fotossíntese, respiração, assimilações, gutação, proteção das gemas, reserva de nutrientes, captura de alimentos.
  3. 3. Estrutura Anatomica  Três tecidos: dérmico, fundamental e vascular  Suceptíveis ao ambiente em que a planta vive.  Pecíolo e Lâmina foliar (limbo)  Estípulas: folhas reduzidas (2)
  4. 4. Epiderme  Unisseriada  Cúticula, estômatos e tricomas.  Classificação quanto a posição do estômato (anfiestomática, epiestomática, hipoestomática)
  5. 5. Mesófilo  Entre epiderme e feixes vasculares  Hipoderme  parênquima clorofiliano
  6. 6. Nerium oleander (nervura mediana) Cephalostemon angustatus. Secção transversal da bainha da folha
  7. 7. Sistema vascular  Periciclo, xilema e floema  Organiza-se em feixes  Floema próximo á superfície abaxial
  8. 8. Morfologia externa  Classificação quanto a nervação:  Uninérvea - com única nervura (sagu-de-jardim).  Paralelinérvea - com nervuras secundárias paralelas a principal (graminea).  Peninérveas - com nervuras secundárias ao longo da principal (vinca).  Palminérvea ou digitinérvea - nervuras saem do mesmo ponto e divergem em várias direções (mamoeiro, brinco-de-princesa).  Peltinérveas - Nervura das folhas peltadas (chagas).
  9. 9. Posição do pecíolo  Peciolada: quando o pecíolo está presente. Ex: jasmim- manga.  Peltada: quando o pecíolo está preso no meio da lâmina foliar. Ex: mamona  Séssil: quando o pecíolo está ausente e a lâmina foliar prende-se diretamente ao caule. Ex: coração-roxo.
  10. 10. Folhas incompletas podem ser classificadas :  Folha peciolada: quando a folha apresenta apenas o limbo e o pecíolo. Exemplo: flor-de-São-João.  Folha invaginante: é quando a bainha envolve o caule em grande extensão, geralmente de um nó ao outro. Exemplo: grama.  Folha com lígula (pequena língua): quando ocorre uma formação membranosa entre o limbo e a bainha. Exemplo: lírio-do-brejo.  Folha adunada: é quando duas folhas opostas, apresentam-se soldadas pela base, parecendo ser perfuradas pelo caule.
  11. 11. Lirio-do-Brejo e Flor-de-São Jorge
  12. 12. Filotaxia: tipos básicos
  13. 13. Filotaxia: espalhamento  Espiralada  Dística: folhas distantes 180º  Trística: folhas distantes 120º
  14. 14. Quanto á superfície  Glabra: quando se apresenta desprovida de tricomas. Exemplo: laranjeira.  Lisa: com o limbo liso, sem acidentes. Ex: cana-índica.  Pilosa: com a superfície revestida de tricomas. Ex: violeta.  Rugosa: quando se apresenta enrugada.
  15. 15. Quanto a coloração  Bicolor: quando a face ventral é de cor diferente da face dorsal. Exemplo: coração-roxo.  Listada: apresenta riscas de tonalidades diferentes. Ex: sanderiana.  Maculada: se as manchas são concêntricas. Ex: coração- de-maria  Variegada: quando há manchas irregulares amarelas e brancas sobre um fundo verde. Ex: comigo-ninguém-pode
  16. 16. Quanto a Consistência  Carnosa ou suculenta: folha grossa com reserva de água. Exemplo: Cactaceae em geral.  Coriácea: mesófilo e epiderme mais espessa, mas não muito grossos, flexível, lembrando a consistência de couro.  Membranácea: epiderme e mesófilo pouco espesso, a folha apresenta a consistência de uma membrana, sutil, delicada e flexível. Ex: laranjeira.  Rígida: é uma folha bem grossa, não flexível. Ex: clúsia.
  17. 17. Forma básica  Orbicular: com o contorno aproximadamente circular e o pecíolo inserido na margem do limbo. Ex: aguapé.  Peltada: semelhante a um escudo, contorno circular e o pecíolo inserido no centro do limbo (fig. 2). Ex: chagas  Ovada ou oval: com a forma de um ovo mais larga perto da base. Ex: laranja
  18. 18.  Obovada: a mesma forma da ovada, mas neste caso a parte mais larga é próxima ao ápice do limbo. Ex: clúsia.  Cordiforme: lembra a forma de um coração, a base é bem mais larga, com uma reentrância e com os lobos arredondados. Ex: campainha  Obcordada: semelhante ao anterior, neste caso a parte mais larga é a voltada para o ápice
  19. 19.  Deltóide: com forma de um “delta” ou um triângulo; o ápice da folha corresponde ao ápice do triângulo. Ex: espinafre.  Obdeltóide: forma de um delta invertido  Elíptica: lembra uma elipse, mais larga no meio e o comprimento duas vezes a largura. Ex: ficus
  20. 20.  Reniforme: com aspecto de um rim. Ex: begônia  Oblonga: forma aproximadamente retangular, com pólos arredondados.  Romboidal ou rombóide: a forma da folha lembra a forma de um losango. Ex: hibisco  Sagitada: em forma de seta com a base reentrante e os lobos pontiagudos, voltados para baixo. Ex: copo-de-leite.
  21. 21.  Hastada: semelhante à sagitada, apenas os lobos pontiagudos que são divergentes.  Espatulada: em forma de espata; oblonga ou obovada no ápice com uma base longamente atenuada.  Linear: com a forma estreita e comprida, apresenta apenas uma nervura.  Runcinada: folha oblanceolada com margem partida ou lacerada.
  22. 22.  Lanceolada: o aspecto lembra o de uma lança. Exemplo: espirradeira.  Oblanceolada: a folha tem a forma lanceolada, mas invertida com a parte mais larga no ápice.  Falciforme: em forma de foice.  Assimétrica: quando há um desenvolvimento desigual das duas metades do limbo Ex: trombeta-de-anjo
  23. 23. Quanto ao Ápice  Aculeado: quando apresenta no ápice um acúleo (falso espinho)  Acuminado: o limbo estreita-se gradualmente para o ápice, terminando em ponta excessivamente aguda.  Agudo: a região apical termina em ângulo agudo de maneira abrupta.  Aristado: no ápice existe uma ponta longa e delgada.  Arredondado: o ápice forma um arco suave
  24. 24. Quanto ao ápice
  25. 25.  Emarginado: ápice do limbo termina com uma reentrância pouco profunda, aguda com bordos arredondados.  Obtuso: os bordos da lâmina formam no ápice um ângulo obtuso.  Retuso: ápice truncado e ligeiramente emarginado, ou seja, com uma ligeira reentrância central.  Truncado: ápice do limbo parecendo ter sido cortado transversalmente.
  26. 26. Quanto a base  Aguda: quando os bordos na inserção com o pecíolo formam um ângulo agudo. Exemplo: hibisco  Amplexicaule: base abraçando completamente o caule  Atenuada: com a região basal do limbo estreitando-se gradualmente.  Auriculada: base termina por um par de pequenos lobos, cada um dos lobos semelhante a uma orelha humana.  Cordada: base reentrante com os lobos arredondados dando à base a forma de um coração  Decorrente: a base se estende além do ponto de inserção no caule, tornando-o alado. Ex: laranjeira.
  27. 27.  Hastada: base reentrante com lobos agudos e voltados para o lado.  Invaginante: estrutura tubular envolvendo o caule abaixo da aparente inserção da lâmina ou pecíolo. Ex: milho.  Oblíqua: base termina por lados desiguais assimétricos.  Obtusa: os bordos na inserção do pecíolo formam ângulo obtuso. Ex: hibisco.  Perfoliada: base envolve completamente o caule.  Sagitada: base reentrante e lobos pontiagudos voltados para baixo.  Truncada: os bordos na inserção com o pecíolo parecem ter sido cortados.
  28. 28. Quanto a margem
  29. 29. Folha Composta  Apresenta o limbo segmentado.  As unidades que formam o limbo são denominadas folíolos e pode apresentar um pequeno pecíolo chamado peciólulo. A região correspondente à nervura central recebe o nome de raque.  As folhas compostas podem ser classificadas de acordo com a disposição e o número de folíolos que integram o limbo composto. Barbatimão
  30. 30. Classificação de Folha Composta  Palmadas ou digitadas: com folíolos apenas na porção final do pecíolo. Ex: cheflera- pequena.  Estas podem ser classificadas em:  Bifoliolada: com apenas dois folíolos terminais.  Trifoliolada: quando há três folíolos. Ex: feijão.  Polifoliolada: com mais de três folíolos. Ex: paineira.
  31. 31.  Penadas: com folíolos em toda a extensão da raque.  Podem ser classificadas em:  Imparipenada: quando há um número ímpar de folíolos. Ex: rosa.  Paripenada: quando um número par de folíolos se dispõe ao longo da raque. Exemplo: maria-preta.
  32. 32. Recomposta ou duplamente composta  Do raque principal sai ramificações secundárias, denominadas de raquilas e estas é que sustentam os foliólos, em disposição penada e que podem ser peciolados ou sésseis.  Vários membros da família Fabaceae apresentam folhas recompostas. Ex: pau-brasil
  33. 33. Morfoses Foliares  Cotilédones São as primeiras folhas formadas ainda no embrião no interior da semente. Em alguns casos, acumulam reservas ou funcionam como um órgão de transferência de reservas do albúmem para o embrião.  Escamas ou catáfilos: proteção da gema durante o inverno. Os catáfilos podem ser órgãos de reserva.
  34. 34.  Brácteas vistosas ou atrativas, auxiliam na polinização. Exemplo: primavera  Gavinhas São estruturas que têm a função de prender a planta em um suporte ou enrolando-se nele (tigmotropismo).  Espinhos
  35. 35.  Folhas coletoras São aquelas que ocorrem em plantas epífitas, as quais desenvolvem folhas especiais que servem como reservatório de substância húmica e detritos. Exemplo: chifre-de-veado  Filódio Folha é muito reduzida, o pecíolo adquire a forma e a função do limbo, realizando até mesmo fotossíntese e, durante o desenvolvimento da plântula, pode se ver essa transformação. Ex: acácia.
  36. 36.  Pulvino Em representantes da família Fabaceae podem ser observados intumescimentos nos eixos da folha e folíolo; estas estruturas são responsáveis por movimento násticos. Exemplo: dormideira  Folhas das plantas carnívoras Ex: Drosera sp. e Dionaea

×