Herborizaçao Material Botanico

1.922 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.922
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Herborizaçao Material Botanico

  1. 1. 1 Técnicas de Coleta e Herborização de Material Botânico Eleandro José Brun1 , Flávia Gizele König Brun2 , Solon Jonas Longhi3 Resumo A coleta e herborização de material botânico, como prática de ensino, tem auxiliado fortemente na valorização da biodiversidade local, uma vez que vêm acompanhadas da identificação correta das plantas, suas potencialidades de uso, conservação e multiplicação. Mesmo para os alunos de cursos que não tem como área de atuação principal a biodiversidade vegetal, torna-se interessante o conhecimento dessa diversidade de espécies e seu potencial de, sendo devidamente manejadas e conservadas, serem úteis às pessoas. Dessa forma, este trabalho buscou detalhar, de forma simples, métodos de coleta e de herborização de material botânico, de forma a servir de guia aos estudantes e demais usuários da área. Na metodologia exposta, é dada maior ênfase aos métodos mais simples, que utilizem materiais baratos e acessíveis a todas as pessoas, as quais, além de valorizar mais a biodiversidade local, devem tomar os devidos cuidados em situações de estudo de material botânico e montagem de coleções. Palavras-chave: herbário, espécies vegetais, coleções. Introdução Conhecimentos básicos sobre coleta de material botânico de espécies vegetais e herbários são imprescindíveis tanto para pesquisadores já atuantes nesse campo, quanto para jovens que pretendem iniciar estudos nesta área da Botânica. A coleta de material botânico de árvores ou outras formas de vegetação é importante e principal instrumento para a correta identificação científica de espécies, necessária para qualquer trabalho com vegetação, como por exemplo: estudos botânicos e taxonômicos, inventários florísticos e florestais, banco de sementes, paisagismo e silvicultura. A coleta de material de espécies arbóreas apresenta algumas dificuldades particulares, principalmente pelo grande porte de boa parte das árvores, cujos ramos não estão ao alcance das nossas mãos, o que não ocorre com outros grupos de vegetais. Para se obter material botânico das árvores deve-se fazer uso de algumas técnicas especiais. Existem vários métodos disponíveis. A escolha de um determinado método deve ser definida “a priori” pelo coletor, em consonância com as características da área onde serão realizadas as coletas e as condições gerais que o coletor encontrará no campo, principalmente em relação ao porte da vegetação que será objeto de coleta de amostras. O presente trabalho, que busca fornecer informações sobre o tema, tem como objetivo colocar a disposição dos estudantes da área, bem como da comunidade em geral, na forma de texto básico, um manual para orientar a coleta de material botânico, tanto para a confecção de coleções botânicas, como também para ser um
  2. 2. 2 material auxiliar na identificação correta de espécies onde são coletadas sementes, frutos, etc. Hábito dos Vegetais O hábito dos vegetais influencia em muito o método de coleta, por isso é importante apresenta-los. O hábito de uma planta é a sua forma de vida quando adulta. Segundo Ribeiro et al. (1999) as plantas classificam-se, quanto ao hábito, em Árvores, Arbustos, Ervas terrestres, Lianas (cipós), Epífitas e Hemiepífitas. Árvores: Plantas grandes, lenhosas, geralmente com um tronco único levando a copa até o dossel. Outras formas de vida usam as árvores como suporte (cipós e epífitas), ou seus ambientes são altamente influenciados por elas (arbustos e ervas). As espécies ocupam estratos diferentes da floresta. A maioria das espécies atinge o dossel. Algumas podem ser emergentes, com copas acima do dossel. Outras ocupam o estrato abaixo do dossel e são denominadas de sub-dossel. Árvores pequenas e arvoretas formam o sub-bosque no interior da floresta. Arvoretas podem parecer arbustos e a distinção é muito subjetiva. Árvores grandes podem parecer arbustos ou arvoretas quando jovens e algumas ficam pequenas até ter condições melhores de crescimento quando uma clareira se forma e a mesma consegue então absorver mais luz e realizar o crescimento em taxas maiores. Arbustos: Plantas lenhosas pequenas com um caule principal, ramificado desde a base. Arbustos, arvoretas, árvores pequenas, ervas e plantas jovens formam o sub- bosque. Os arbustos, ao contrário de arvoretas e árvores pequenas que apresentam um caule único com ramificações na parte apical, apresentam ramos saindo junto ao solo. Muitos arbustos podem ser cespitosos, apresentando vários caules saindo da base. A densidade de arbustos é maior em áreas alagadas e em florestas secundárias. Ervas terrestres: possuem caule não lenhoso, geralmente pequenas. Existem ervas que são especializadas em determinados ambientes. Ervas aquáticas vivem dentro d’água ou em solos muito encharcados. Ervas têm folhas próximas ao solo, podendo ser na forma de roseta, ter pecíolos compridos ou até ramos eretos, elevando as folhas acima do chão. Ervas escandentes usam outras plantas como suporte. Às vezes epífitas que caíram do dossel continuam vivas no chão. Certas ervas são saprófitas, plantas sem clorofilas que retiram nutrientes da matéria orgânica em decomposição, às vezes associadas a fungos. Saprófitas são visíveis apenas quando com flores ou frutos. Lianas (cipós, trepadeiras): Plantas lenhosas que nascem no solo e sobem nas árvores que usam como suporte, sempre apresentando um tronco fino no chão. Em geral apresentam folhas apenas no dossel e às vezes é difícil associar as folhas com o tronco, principalmente quando vários cipós estão sobre a mesma árvore. Cipós verdadeiros germinam no chão e, usando outras plantas como suporte, crescem até o dossel, onde se espalham e florescem. As espécies apresentam diferentes estratégias para subir na planta hospedeira, sendo que algumas apresentam estruturas especializadas para se agarrar e subir (gavinhas, ganchos e espinhos),
  3. 3. 3 outras apresentam um caule volúvel que se enrola na planta suporte. Em alguns casos os cipós jovens podem parecer arbustos ou arvoretas. Hemiepífitas podem parecer cipós, mas ao contrário destes, germinam no dossel e lançam raízes que chegam até ao solo. Epífitas: Plantas principalmente herbáceas que usam outras plantas para sustentação, não tendo ligação com o solo. Epífitas germinam e crescem somente nos galhos ou troncos de árvores. É uma forma de vida bem especializada, pois suportam variações, às vezes extremas, de temperatura e umidade. A maioria tem adaptações especiais para sobreviver em períodos com pouca água, como plantas das famílias Orchidaceae, Bromeliaceae, Cactaceae e Gesneriaceae. A maioria usa a planta hospedeira apenas para suporte, mas outras são hemiparasitas, como da família Lotanthaceae (ervas-de-passarinho), que suplementa seus recursos com água e nutrientes seqüestrados da planta hospedeira. Hemiepífitas podem parecer epífitas, quando sem contato com o solo. Hemiepífitas: São plantas lenhosas ou herbáceas que usam outras plantas como suporte, mas têm uma conexão com o solo. Hemiepífitas têm basicamente dois modos de crescimento, onde algumas germinam no dossel e emitem raízes ao solo, outras germinam no solo e sobem normalmente grudadas ao tronco das árvores. Destas, algumas mantêm a conexão com o solo, enquanto outras se tornam epífitas quando a parte basal da planta morre. As figueiras (mata-pau) são hemiepífitas que germinam no alto, como epífitas verdadeiras e depois emitem raízes ao solo. Essas raízes engrossam e podem se unir, formando um tronco que abraça a planta hospedeira, que em alguns casos morre e o tronco da figueira se mantém como uma árvore verdadeira. Esquematicamente, pode-se entender os diferentes hábitos das espécies vegetais de acordo com a Figura 1, a qual destaca, em vermelho, o hábito específico de cada planta. Coleta de Material Botânico em Árvores O principal problema na coleta de amostras de espécies arbóreas para herborização é a localização dos ramos férteis (com flores e/ou frutos), que geralmente estão nas partes mais altas do vegetal. Além disso, é comum encontrar árvores em formações densas, com copas entrelaçadas, aumentando a dificuldade da coleta de amostras. Acrescenta-se o fato de que algumas espécies demoram muitos anos para florescer e quando o fazem e frutificam, às vezes morrem, ou no mínimo passarão outros longos anos para uma nova floração, o que dificulta a coleta de material fértil (Bononi e Fidalgo, 1984). Entretanto, apesar de toda a dificuldade, a coleta de material botânico arbóreo é extremamente importante, pois é o ponto de partida para a formação de um herbário, para a identificação das espécies e, conseqüentemente, para o incremento do acervo de um herbário. Para realizar coletas de material botânico há diversos métodos e equipamentos. Segundo Roderjan et al. (1987), a escolha dos mesmos pode variar de acordo com tipo e quantidade do material a ser coletado, facilidade de acesso ao
  4. 4. 4 local de coleta na floresta, na cidade, num jardim, etc., possibilidade de acesso ao material a ser coletado, como árvores altas, baixas, arbustos, etc. A coleta do material botânico visando a confecção de exsicatas deve ocorrer em dias secos, entre as 9 e 18 horas, reduzindo a possibilidade de perda de material por excesso de umidade na secagem. O material coletado deve ser o mais completo possível e consiste basicamente em ramos com folhas, flores e frutos, porém a presença simultânea de todos os elementos poucas vezes é encontrada em um mesmo indivíduo. Sendo assim, muitas vezes coleta-se somente material vegetativo, como folhas e ramos, o que pode trazer alguma dificuldade na identificação, mas mesmo assim não perde a importância. Materiais e Procedimentos de coleta 1) Prensa (madeira ou papelão): a mais usada mede aproximadamente 42 x 30 cm e consiste de duas partes iguais, separadas, de ripas de madeira entrelaçadas, com largura de 2 cm (Figura 2). A prensa também pode ser de madeira inteiriça ou de papelão, com perfurações para passar o cinto (Figura 3). O cinto pode ser de couro, lona, borracha ou cordas. Cada cinto tem numa de suas extremidades duas argolas ou uma fivela. Na prensagem, as plantas coletadas são colocadas entre folhas de jornal, de tamanho suficiente para que caiba todo o material coletado. Após isso, as mesmas são empilhadas e comprimidas ao máximo pelos cintos para ficarem bem estendidas. A prensa só comporta determinado número de plantas para que fiquem bem acondicionadas. Isso significa que não se pode colocar plantas em demasia na prensa, pois poderão ocorrer dobras ou ferimentos indesejáveis nas amostras, bem como corre-se um risco maior de ocorrer mofo no material, pela maior concentração de umidade proveniente das amostras de material vegetal úmido. 2) Jornal (tipo Diário Oficial, etc.): É a maneira mais utilizada na maioria dos locais para a prensagem do material botânico, principalmente pela folha de jornal ser do tamanho da prensa, barato (descartável) e funcionar como excelente absorvente da umidade (Figura 4). 3) Podão manual ou tesoura de poda: Usado principalmente para plantas herbáceas e arbustivas e para seccionar ramos lenhosos finos das árvores, ainda no campo ou já no herbário ou laboratório (Figura 5). Quando a planta é cortada com podão, não sofre graves danificações e em poucos dias emitirá nova brotação do ramo cortado, recuperando-se.
  5. 5. 5 Figura 1: Esquema ilustrativo, com destaque em vermelho, do hábito das diferentes plantas. A: árvore; B: arbusto; C: erva terrestre; D: liana ou cipó; E: epífita e; F: hemi- epífita. (Fonte: Ribeiro et al., 1999). Figura 2: Diagrama (Pinheiro e Almeida, 2000) e foto de uma prensa de madeira (Foto dos Autores). A CB D FE
  6. 6. 6 Figura 3: Prensa de tábua inteiriça com cinto acoplado para prensar o material das excicatas (Pinheiro e Almeida, 2000). Figura 4: Exsicata montada em folha de jornal (Pinheiro e Almeida, 2000) (Foto dos Autores). Figura 5: Tesoura de poda ou podão manual.
  7. 7. 7 4) Podão de vara e podão de encaixe: É um tipo de ferramenta especial, empregada na coleta de ramos floridos de árvores, constituído de uma vara fixada no interior de um cano oco, terminado por uma tesoura de poda, que pode ser adquirida em ferragens. A tesoura tem duas partes em forma de gancho, presas por um parafuso: uma das partes é fixa e a outra flexível. Na extremidade desprovida de lâmina da parte flexível, prende-se uma corda fina, de modo que, ao se alcançar o ramo entre a parte móvel e fixa da tesoura, puxa-se a corda e corta-se o ramo (Figura 6 C). O podão de encaixe (Figura 6, A e B) pode ser encontrado completo em algumas ferragens. 5) Linhadas: É constituído de linha ou corda de nylon trançada (3 mm), tendo em uma das extremidades um peso (50-300 g) de ferro, aço, chumbo ou pedaço de madeira (Figura 7). Normalmente o comprimento da linha ou corda é de 50 m, para não escapar da mão após o lançamento da linhada. O modo de lançar a linhada depende de treino, pois com alguma habilidade pode-se alcançar entre 25 e 30 m de altura. 6) Estilingue ou Bodoque: É uma ferramenta bastante simples e útil na coleta de material botânico em árvores altas (Figura 8), sendo usado por crianças e jovens como entretenimento, também poderá ser usado para coletar material botânico. O arremesso de pequenas pedras até acertar o ramo e derruba-lo exige treino e habilidade, caso contrário serão necessários vários arremessos até obter sucesso. Para que se tenha maior eficiência na derrubada de ramos, geralmente se usam pedras britadas, com superfícies cortantes mais expostas. Porém, recomenda-se o uso deste método somente na ausência de qualquer outro, uma vez que geralmente causa danos ao material coletado. 7) Escadas: O uso de escadas (de materiais diversos como madeira, aço inox, alumínio) auxilia bastante a coleta de material botânico à medida que facilita o uso de outras ferramentas como podões e ganchos, aumentando o seu raio de ação. As escadas usadas para este fim geralmente tem mais de uma secção, com extremidades encaixáveis. Uma restrição significativa ao seu uso refere-se à dificuldade do manuseio em florestas fechadas, inclusive sendo difícil se proceder ao encaixe de mais que duas secções em locais com cipós e lianas. Desta forma, as escadas são uma boa alternativa para a coleta em áreas abertas, de árvores isoladas, ou em florestas sem sub-bosque muito denso. Anotações necessárias Para que a coleta de material botânico tenha sucesso, podendo ser utilmente usada pelos interessados, posteriormente, algumas informações importantes devem ser anotadas no momento da coleta, as quais estão destacadas abaixo: - Local de coleta: tipo de floresta nativa (capoeira, capoeirão, floresta secundária, floresta virgem, etc.), em meio a uma floresta plantada (espécie plantada), árvore isolada em pastagem, lavoura, pátio, etc.; em mata ciliar (beira de rio, riacho, lagoa ou lago); - Indivíduo onde está sendo coletada a exsicata: espécie, tamanho e hábito do vegetal (árvore: > 15 m de altura; arbusto: 5-15 m de altura; arvoreta: < 5 m de altura; cipó, epífita, hemi-epífita, etc.).
  8. 8. 8 Figura 6: Podão de vara (Diagrama e foto). Figura 7: Linhada para a coleta de ramos com folhas e tipos de pesos que podem ser usados. PESOS
  9. 9. 9 Figura 8: Estilingue, que pode ser usado para a “derrubada” de ramos (Foto dos Autores). Figura 9: Secagem em estufa de madeira, com lâmpadas internas para aquecimento.
  10. 10. 10 - Tipo de flor ou fruto: sempre que possível coletar flores e frutos junto com o ramo. - Tronco: reto ou tortuoso; Casca: rugosa, lisa, média. - Data da coleta - Localidade e município (nome do sítio, fazenda ou do proprietário, se possível, além do município). Caso o coletor possua um aparelho de GPS (Global Position System), ele poderá obter a coordenada exata da árvore onde foi coletada a exsicata, ou de um ponto mais próximo. - Nome do coletor: identificar quem está coletando, pois quando o material (exsicata) é coletado e seu coletor não identificado, a possível busca de informações adicionais fica comprometida. Procedimentos de montagem de coleção Prensagem: A prensagem do material botânico coletado é uma técnica que deve anteceder a secagem e é imprescindível para uma boa secagem e montagem da coleção. A prensagem é realizada utilizando-se uma prensa específica para tal fim (Figura 2) ou uma superfície lisa, que poderá ser papelão ou tábua (Figura 3). A prensa, das dimensões de uma folha de jornal comum (30 x 42 cm) (Figura 4) servirá de suporte para o material que é colocado estendido entre folhas de jornal, que tem a função de absorver a umidade do vegetal e assim favorecer a secagem. Folhas e flores devem ser colocadas de maneira que não fiquem sobrepostas ou dobradas, pois terão a secagem comprometida, além de dificultar análises posteriores. Secagem: a secagem de espécimes vegetais é uma preparação fundamental para que a planta faça parte da coleção do herbário e sirva para identificação botânica da espécie. Para obtenção de bons resultados, antes de se colocarem as prensas na estufa, os espécimes devem ser acomodados de maneira mais adequada e cuidadosa, intercalando-se entre papelões ou folhas de alumínio corrugado (estriado). As estrias, tanto do alumínio como dos próprios papelões servem para favorecer a convecção do ar aquecido (Figura 9). A secagem pode ser realizada através de maneira natural, improvisada, sem estufas, onde o material prensado deve ficar em local ensolarado, ventilado, ou próximo de uma fonte de calor. Dessa forma, a secagem é bem demorada. Recomenda-se não deixar o material sob o sereno e trocar os jornais úmidos por secos diariamente até a secagem completa. A secagem artificial ocorre quando as prensas com o material botânico são colocadas dentro de estufas, à temperatura de aproximadamente 60o C, e ali permanecerem até que o material esteja completamente seco. As estufas podem ser simples, montadas em madeiras ou chapas, com lâmpadas comuns (100-150 watts) como fonte de calor (Figura 9). O tempo de secagem depende do material e varia em média 24 a 72 horas. Montagem da coleção: Caso o material seja coletado para a montagem de coleção em Herbários, após a secagem, a exsicata poderá ser acondicionada em folha de cartolina branca. Para a fixação da exsicata na cartolina, pode-se usar a costura dos ramos do material vegetal na folha (Figura 10). Após a costura, a correta e detalhada identificação da exsicata pode ser feita através da colagem de uma ficha contendo os dados da espécie, bem como os demais dados julgados necessários (Figura 10).
  11. 11. 11 Figura 10: Costura das exsicatas em papel cartolina, com sua identificação, para posterior armazenamento no herbário. Figura 11: Exemplo demonstrativo de um herbário onde são armazenadas as exsicatas em caixas de alumínio fechadas, isentas de umidade e com pouca iluminação.
  12. 12. 12 Após essa identificação, as exsicatas podem ser armazenadas em um herbário (Figura 11). Para que uma exsicata fique corretamente identificada, são adotadas fichas de identificação, que tentam apresentar um bom numero de informações. Um exemplo está abaixo: Exsi. N.º Arbo. N.º Carp. N.º Xil. N.º Lam. N.º Exsu. N.º Nome científico Família Nome vulgar Coletor Data:____/____/________ Procedência Remetente Data:____/____/________ Determinador Data:____/____/________ Obs.: Cuidados Os cuidados que devem ser tomados em relação à coleta e herborização de material botânico estão basicamente relacionados às questões de qualidade do material, pois caso ocorram descuidos, a mesma poderá ficar comprometida, principalmente pela proliferação de fungos apodrecedores. Estes fungos poderão se proliferar caso o material esteja com umidade excessiva, o que pode acontecer caso o jornal que está sendo usado para a montagem e secagem da exsicata não seja trocado diariamente, caso o material esteja sendo seco sob condições naturais. Além disso, insetos como traças, formigas, etc., poderão aparecer no material caso o mesmo não esteja corretamente armazenado, em caixas bem fechadas. Aspectos legais da coleta de material botânico A coleta de material botânico, quando se tratar de espécies nativas e principalmente em Unidades de Conservação, é atividade passível de licenciamento nos órgãos ambientais. Para isso, caso seja necessária a coleta de material para os diversos fins, os responsáveis devem buscar mais informações a esse respeito junto aos órgãos ambientais locais ou regionais.
  13. 13. 13 Referências bibliográficas BONONI, V.L.R.; FIDALGO, O. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. São Paulo: Instituto de Botânica, 1984, v.1, 62 p. PINHEIRO, A.L.; ALMEIDA, E.C. Fundamentos de Taxonomia e Dendrologia Tropical – Metodologia Dendrológica. Viçosa: SIF, 2000. 72 p. RIBEIRO, J. E. L. S. et al. Flora da Reserva Ducke: Guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra-firma na Amazônia Central. Manaus: INPA, 1999. 816 p. RODERJAN, C.V.; BENTO, I.M.; NAGATA, C.K. Um trabalho prático para a identificação das árvores utilizadas na arborização de ruas de Maringá. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE ARBORIZAÇÃO URBANA, II. 1987. Anais... Maringá, Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 1, p. 124-128. Dados dos Autores 1. Eleandro José Brun, Engenheiro Florestal, Mestre e Doutor em Silvicultura pela UFSM. Professor do Curso de Engenharia Florestal da UTFPR – Campus Dois Vizinhos. Área de Pesquisa: Silvicultura de espécies florestais nativas e exóticas. E- mail: eleandrobrun@utfpr.edu.br. Fone: (46)3536-8917. Endereço: Estrada para Boa Esperança, km 4 – Dois Vizinhos, PR. CEP: 85660-000 – Cx. Postal 157. 2. Flávia Gizele König Brun, Engenheira Florestal, Mestre em Silvicultura (UFSM) e Doutoranda em Conservação da Natureza (ESALQ/USP). Área de Pesquisa: Silvicultura e Arborização Urbana. Endereço: Av. Pádua Dias, 11 – Bairro Agronomia – CEP: 13418-900 – Piracicaba, SP. Depto. Ciências Florestais – Laboratório de Métodos Quantitativos. E-mail: fgkbrun@esalq.usp.br. 3. Solon Jonas Longhi, Engenheiro Florestal, Dr. Conservação da Natureza (UFPR). Professor do Curso de Engenharia Florestal da UFSM. Área de Pesquisa: Dinâmica de Florestas Naturais. Endereço: Depto. Ciências Florestais – CCR – UFSM. Av. Roraima, 1000 – Sala 5270 – Fone: (55)3220-8444 - Santa Maria, RS. CEP: 97105-970 - E-mail: solon.longhi@pesquisador.cnpq.br.

×