C1 sd brown_sequard

527 visualizações

Publicada em

Síndrome de Brown-Séquard
Relato de um caso

Publicada em: Saúde
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
527
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

C1 sd brown_sequard

  1. 1. Síndrome de Brown-Séquard FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Acd. Rafael Hesley www.scns.com.br
  2. 2. Relato do Caso Paciente D.A.B., 23 anos, sexo masculino, procedente de Fortaleza, vítima de acidente automobilístico, foi admitido na SCMS cerca de 1 hora após o acidente com quadro de diminuição da força muscular na perna direita, associada a alterações da sensibilidade na perna esquerda.
  3. 3. Relato do Caso Exame Neurológico •Membro inferior direito –Paralisia do membro –Presença do sinal de Babinski –Sensibilidade térmica e dolorosa preservada •Membro inferior esquerdo –Perda da sensibilidade térmica (provas calóricas) e dolorosa (estímulos álgicos), com nível sensitivo em L1 –Força muscular preservada
  4. 4. Terminologia e Conceitos •Paralisia (plegia): ausência de força muscular para executar movimento –Paralisia flácida – associada a hiporreflexia e hipotonia –Paralisia espástica – associada a hiperreflexia e hipertonia •Sinal de Babinski: extensão do hálux ao estímulo superficial na borda plantar (a resposta normal seria a flexão dos dedos) Pesquisa do reflexo cutâneo-plantar •Nível sensitivo: segmento mais caudal da medula espinhal que apresenta sensibilidade normal
  5. 5. Síndrome de Brown-Séquard •Conjunto de sinais e sintomas resultante de uma hemissecção da medula espinhal. •Os sinais e sintomas mais característicos resultam da interrupção dos principais tractos que percorrem a metade da medula que foi atingida. Charles Brown-Séquard (1817-1894)
  6. 6. A forma mais simples de organização das vias sensoriais ascendentes (à esquerda) e das vias motoras descendentes (à direita), mostrando os neurônios que as formam
  7. 7. Síndrome de Brown-Séquard •Interrupção dos tratos que não decussam na medula  sintomas do mesmo lado da lesão •Interrupção dos tratos que decussam na medula  sintomas do lado oposto ao da lesão BULBO (decussação das pirâmides) MEDULA (hemisseccionada)
  8. 8. Alteração (sinais/sintomas) Base Anatomofuncional Estrutura Função Paralisia espástica, com sinal da Babinski ipsilateral (sd I neurônio motor) Tracto corticoespinhal (piramidal) Motricidade voluntária Abolição da sensibilidade profunda (posição e movimento) e do tato epicrítico ipsilateral Fascículos grácil e cuneiforme Propriocepção consciente (sens. cinético-postural) e tato epicrítico (discriminativo) Anestesia/hipoestesia térmico-dolorosa contralateral Tracto espinotalâmico lateral Sensibilidade térmica e dolorosa Alteração do tato protopático contralateral Tracto espino- talâmico anterior Tato protopático (grosseiro) Correlação Anatomoclínica Síndrome de Brown-Séquard
  9. 9. Vias piramidais
  10. 10. Alteração (sinais/sintomas) Base Anatomofuncional Estrutura Função Paralisia espástica, com sinal da Babinski ipsilateral (sd I neurônio motor) Tracto corticoespinhal (piramidal) Motricidade voluntária Abolição da sensibilidade profunda (posição e movimento) e do tato epicrítico ipsilateral Fascículos grácil e cuneiforme Propriocepção consciente (sens. cinético-postural) e tato epicrítico (discriminativo) Anestesia/hipoestesia térmico-dolorosa contralateral Tracto espinotalâmico lateral Sensibilidade térmica e dolorosa Alteração do tato protopático contralateral Tracto espino- talâmico anterior Tato protopático (grosseiro) Correlação Anatomoclínica Síndrome de Brown-Séquard
  11. 11. Vias proprioceptivas conscientes
  12. 12. Alteração (sinais/sintomas) Base Anatomofuncional Estrutura Função Paralisia espástica, com sinal da Babinski ipsilateral (sd I neurônio motor) Tracto corticoespinhal (piramidal) Motricidade voluntária Abolição da sensibilidade profunda (posição e movimento) e do tato epicrítico ipsilateral Fascículos grácil e cuneiforme Propriocepção consciente (sens. cinético-postural) e tato epicrítico (discriminativo) Anestesia/hipoestesia térmico-dolorosa contralateral Tracto espinotalâmico lateral Sensibilidade térmica e dolorosa Alteração do tato protopático contralateral Tracto espino- talâmico anterior Tato protopático (grosseiro) Correlação Anatomoclínica Síndrome de Brown-Séquard
  13. 13. Tratos espinotalâmicos
  14. 14. Alteração (sinais/sintomas) Base Anatomofuncional Estrutura Função Paralisia espástica, com sinal da Babinski ipsilateral (sd I neurônio motor) Tracto corticoespinhal (piramidal) Motricidade voluntária Abolição da sensibilidade profunda (posição e movimento) e do tato epicrítico ipsilateral Fascículos grácil e cuneiforme Propriocepção consciente (sens. cinético-postural) e tato epicrítico (discriminativo) Anestesia/hipoestesia térmico-dolorosa contralateral Tracto espinotalâmico lateral Sensibilidade térmica e dolorosa Alteração do tato protopático contralateral Tracto espino- talâmico anterior Tato protopático (grosseiro) Correlação Anatomoclínica Síndrome de Brown-Séquard
  15. 15. Tratos espinotalâmicos
  16. 16. Síndromes medulares
  17. 17. Brown-Séquard (lesão à esquerda) Grácil ETL ETA
  18. 18. Síndrome de Brown-Séquard, com lesão medular no nível do décimo segmento direito Lesão neste lado Perda total de todas as sensações – paralisia hipotônica Perda da discriminação tátil, das sensações vibratória e proprioceptiva – paralisia espástica Perda das sensações de dor e de temperatura, comprometimento da sensibilidade tátil
  19. 19. Inervação segmentar da pele (dermátomos) Nível L1
  20. 20. •Palpando-se as apófises espinhosas: –Processo espinhoso •C2 a T10  Adiciona-se 2 ao número do processo espinhoso para se obter o número do segmento medular. Ex: PE T2 = SM T4 •T11 a T12 = 5 segmentos medulares lombares •L1 = 5 segmentos medulares sacrais Topografia Vertebromedular
  21. 21. Relação das raízes nervosas com as vértebras Nível L1
  22. 22. Causas •Tumores medulares •Trauma penetrante •Hérnias de disco •Causas infecciosas/inflamatórias (meningite, tuberculose, sífilis etc.) •Isquemia ou Hemorragia
  23. 23. Radiografia simples
  24. 24. Tomografia Computadorizada
  25. 25. Ressonância Magnética
  26. 26. Aula disponível em www.scns.com.br www.gerardocristino.com.br

×