O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

As´rémoras contemporâneas

255 visualizações

Publicada em

Após o estudo do Sermão de Santo António aos peixes, os alunos da turma do 11LH4 escolheram as suas rémoras como exemplos a seguir

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

As´rémoras contemporâneas

  1. 1. No seu Sermão de Santo António (aos peixes), padre António Vieira serve-se das rémoras para mostrar o que falta aos homens. Mas porquê? O que são rémoras? De que forma se associam aos homens? As rémoras, ou pegadores, são uns pequenos peixes com uma ventosa nas cabeças que lhes permite agarrarem-se aos seus hospedeiros. Padre António Vieira lembra a garra e tenacidade destes peixinhos que, pequenos no tamanho, nunca desistem de alcançar o que pretendem. Neste sentido, os alunos do 11LH4 foram desafiados a pesquisar para conhecer figuras mais próximas de nós no tempo que também foram “rémoras” e a quem tanto o mundo deve pela sua força e tenacidade. São estas rémoras que vos damos a conhecer nesta exposição.
  2. 2. Andrei Sakharov “Gostaria de defender a tese da importância ao mesmo tempo original e decisiva dos direitos cívicos e políticos no moldar do destino da humanidade." Andrei Sakharov, discurso Nobel Causas de Andrei Sakharov Combate às persistentes violações da Constituição Soviética e dos Direitos Humanos. Preocupação com as consequências que o seu trabalho traria para o futuro. Fundação, em 1970, de um comité para defender os direitos humanos e as vítimas de julgamentos políticos.
  3. 3. Em sua memória a União Europeia instituiu o Prémio Sakharov, com a sua autorização, ainda em vida, para destacar pessoas que lutam pela defesa dos direitos humanos e liberdade de expressão. Este prémio é atribuído desde 1988. “A vida espiritual dos homens, os seus impulsos profundos, o seu estímulo à Ação são as coisas mais difíceis de prever, mas é justamente delas que depende a morte ou a salvação da humanidade.” Andrei Sakharov Marta Moreira, 11ºLH4 Fig. 1- Prémio Nobel da Paz, em 1975
  4. 4. Dalai Lama Dalai Lama recebe o Prémio Nobel da Paz, em 1989. Através de uma luta não violenta, consegue que o Tibete ganhe uma identidade auto governativa politicamente democrática. No entanto, o governo chinês continua a ser responsável pela política externa e pela defesa do Tibete. Sua Santidade promove valores como a compaixão, o perdão, a tolerância, o contentamento e a autodisciplina. “ Todos os seres humanos são iguais.” Um dos compromissos de Dalai Lama é fomentar a harmonia e compreensão inter-religiosa. Assim como as rémoras – pequenas, mas capazes de atravessar um oceano inteiro – o 14º Dalai Lama, um homem como todos os outros, foi capaz de mudar a vida de milhares de pessoas com a luta pacífica pela independência do Tibete. Ana Antunes, Débora Ceia, 11º LH4
  5. 5. John F. Kennedy John F. Kennedy é conhecido por seu trabalho em prol da educação, pelo seu combate contra a desigualdade e segregação racial nos Estados Unidos da América e por defender a substituição da política de confronto. Ele desejou que os Estados Unidos retomassem a sua antiga missão como a primeira nação dedicada à revolução dos direitos humanos. Com a Aliança para o Progresso e o Corpo da Paz, que trouxe o idealismo americano para a ajuda das nações em desenvolvimento. João Araújo, Rui Araújo, Carolina Correia, 11º LH4 Ilustração 1: discurso feito por Kennedy sobre religião e politica. Ilustração 3: Frase de Kennedy sobre a educaçãoIlustração 2: Invasão da Baía dos Porcos
  6. 6. Mikhail Gorbachev A força de Mikhail Gorbachev esteve essencialmente presente na criação da “Perestroika” e da “glasnost”. Sem estas duas reformas muito provavelmente a URSS não se teria extinguido e o comunismo ainda estaria a dominar grande parte do mundo. Guerra e paz são duas palavras que não costumam andar juntas, mas, neste caso, acabam por se encontrar. Em 1990, Gorbachev recebeu o Prémio Nobel da Paz isto porque assinou um acordo de destruição de armas nucleares com Ronald Reagan, na altura presidente dos EUA, pondo fim à Guerra Fria entre a URSS e os EUA. José Costa, João Filipe Silva, 11º LH4 Foto: Gorbachev e Reagan posaram juntos na livraria da Casa Branca em 1978. Foto: Mikhail Gorbachev – Presidente da União Soviética. Foto: Gorbachev ao lado de Klaus Wowereit na celebração do 25º aniversário da queda do muro de Berlim.
  7. 7. Humberto Delgado Teve a coragem de enfrentar o Estado Novo liderado por António de Oliveira Salazar. Candidatou-se à presidência do país em 1958, fazendo frente a Américo Tomás. Depois de ter tentado derrubar o regime através da força das armas, é assassinado por membros da PIDE. José Pedro Freitas, Lara Rodrigues, 11º LH4 Foto: Oliveira de Salazar nas urnas. “Obviamente demito-o.”, célebre frase de Humberto Delgado (foto) Foto: Humberto Delgado é recebido por milhares de pessoas no Porto. Foto: Manchete do jornal “República”.
  8. 8. João Marques, Mariana Perdigão, 11º LH4 Madre Teresa de Calcutá: “ A rémora do seu tempo” Madre Teresa de Calcutá é comparada a uma rémora porque abandonou as suas riquezas, que provinham da sua família, e dedicou a sua vida a ajudar os mais necessitados. Partiu para Calcutá, na Índia, e foi professora durante muitos anos numa escola para meninas de classe alta, antes de decidir servir Deus através dos pobres. Pelo seu trabalho, foi laureada com o Prémio Nobel da Paz em 1979. Foi beatificada por João Paulo II, em 19 de outubro de 2003, em Roma, uma cerimónia que teve a presença de 300 mil fiéis. Em 2016, foi canonizada pelo papa Francisco que a considerou o modelo da santidade. Nasceu a 26 de Agosto de 1910 e morreu em 1997 e o seu enterro em Calcutá, a 5 de setembro, foi um acontecimento nacional na Índia.
  9. 9. Uma Rémora... Charles Spencer Chaplin nasceu a 16 de abril de 1889, na capital Londrina. Atuou, dirigiu, escreveu, financiou e produziu as bandas sonoras de todos os seus filmes. Charlie Chaplin faleceu a 25 de dezembro de 1977, aos oitenta e oito anos de idade. Através da sua arte muda, Chaplin esforçou-se por criticar e satirizar fortemente o movimento nazi, liderado por Adolf Hitler, que se fazia sentir nos países europeus na década de 40. É, então, em 1940 que Chaplin produz “The Great Dictador”, que funciona quer como uma crítica social quer como uma sátira ao ditador alemão. Assim, desafiando todos os ideais e esteriótipos sociais duma Europa maioritariamente assolada por governos ditatoriais e opressores, Chaplin destaca-se como um “pequeno gigante” – pequeno em tamanho, mas com a força e a determinação necessárias para mudar o mundo. Ana Luísa, Bárbara Silva, 11ºLH4 Chaplin em “The Great Dictator” – filme com grande crítica a Hitler. Chaplin com sua última mulher, Oona O’Neill. Chaplin em “A Dog’s Life”.
  10. 10. Martin Luther King A Rémora Da Segregação Racial Martin Luther King tornou-se pastor da Igreja Batista de Dexter Avenue em Montgomery, Alabama. “I Have A Dream” – discurso proclamado na marcha de Washington “Eu tenho um sonho que um dia nas colinas vermelhas de Geórgia os filhos dos descendentes de escravos e os filhos de descendentes dos donos de escravos poderão se sentar junto à mesa de fraternidade” – esta é uma das frases mais célebres do seu discurso.
  11. 11. Luther King combate o KKK, organização extremista que defende a supremacia branca, e faz da sua extinção bandeira. Aos trinta e cinco anos, Martin Luther King, Jr., foi a personalidade mais jovem a receber o Prémio Nobel da Paz. Quando notificado da sua seleção, ele anunciou que iria doar o prémio de $54.123 para a promoção do movimento de direitos civis. Como principal porta-voz do boicote de Montgomery, King usou as habilidades de liderança que obtivera no seu passado para forjar uma estratégia distinta de protesto que envolveu a mobilização de igrejas negras e apelos habilidosos ao apoio branco. KKK - Ku Klux Klan 1
  12. 12. Óscar Romero Quando falamos de rémora referimo-nos sobretudo a algo que tenha impacto mundial, feito por alguém com grande influência no seu país e no mundo. El Salvador vivia numa repressão política contra as organizações camponesas, onde se assistiam constantemente a execuções de camponeses. Em 1977, o seu amigo Rutilio Grande é executado e o salvadorenho começa a relatar aquilo que povo tinha receio de dizer, através de uma estação de rádio e do semanário “Orientácion”. Óscar Romero não teve o impacto mundial nem ganhou a fama que Gandhi, Luther King ou até mesmo Mandela, tiveram (talvez porque nasceu num país de pequena dimensão), mas teve impacto a sua procura pela paz, a sua luta contra a pobreza e a sua constante perseguição em torno da justiça. Através de uma rádio, este homem lutou contra um gigante: conseguia “fazer frente” a um ditador e ao seu exército. Romero fica assim conhecido no seu tempo como a “voz do povo”. Rádio "Ysax" onde divulga as injustiças sociais

×