Projeto escola primaria para o municipio de amparo (1)

162 visualizações

Publicada em

PROJETOS DESENVOLVIDOS NA FRANÇA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
162
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto escola primaria para o municipio de amparo (1)

  1. 1. Projeto Escola Primaria para o municipio de Amparo/sp Resumi trés projetos interessantes que podemos desenvolver nas escolas de Amparo. Caso tenha interesse, posso entrar em contato com os responsáveis daqui para discutir o processo de elaboração e implantação dos mesmos. I. O Teatro das Marionetes – UNICEF França A marionete é reconhecida como uma ferramenta eficaz com as crianças, especialmente para incitar o diálogo. Ela permite o desenvolvimento do trabalho com a expressão oral, escrita e as habilidades artísticas e estéticas. (clicar no link para ver o vidéo da Unicef)https://www.unicef.fr/article/frimousses-des-ecoles Com o pacote de ensino Assim fazemos, fazemos, fazemos ... os Direitos das Crianças, professores e educadores são convidados a construir um show de marionetes projeto com as crianças, a partir de um tema querido ao seu coração, a fabricação de seu próprio boneco, imaginando a história e o conteúdo do show coletivamente. Destinado a crianças de 8 a 11 anos, este exercício oferece:  educação para o desenvolvimento e a solidariedade  proporcionar conhecimentos sobre os direitos da criança  desenvolver a linguagem e a expressão oral  realizar um projecto motivador, envolvendo o compromisso individual e coletivo Existe uma cartilha de ensinamento da UNICEF para que os professores e voluntários sigam as etapas de construção da história, da boneca, e da apresentação. Este exercicio estimula o desenvolvimento intelectual, artístico e físico das crinças, estimulando o aprendizado dos Direitos Humanos e também da Liberdade, Igualdade e Fraternida.
  2. 2. II. Manual de Luta Contra o Discurso de Ódio na Internet Através da Educação dos Direitos Humanos A ação do Conselho da Europa em favor da democracia é fortemente focado na educação: educação nas escolas, mas também a educação como prática da democracia ao longo da vida. A educação baseada nos direitos humanos e educação para a cidadania democrática é parte integrante da base de que nós construímos para tornar a Democracia uma realidade sustentável. “Conexões” tem como objetivo apoiar o movimento contra o discurso do ódio, ou seja, a campanha de juventude do Conselho da Europa para os direitos humanos on-line. Conexões é uma ferramenta valiosa para educadores que desejam aproximar-se do discurso de ódio on- line em termos de direitos humanos, tanto no sistema de educação formal como parte da educação informal. Este manual foi concebido para trabalhar com alunos de 13-18 anos, mas as atividades propostas pode ser adaptado a outros grupos etários.
  3. 3. A Internet oferece a todos nós a oportunidade de projetar, publicar, distribuir e consumir conteúdo de mídia, promovendo assim a criação de um espaço para a participação, compromisso e expressão em seu próprio direito. Com o desenvolvimento das redes sociais, todo mundo pode navegar à vontade no ciberespaço - para ficar em contato com seus pares ou estabelecer novos relacionamentos, compartilhar conteúdo ou a praticar a liberdade de expressão. Este espaço on-line nos proporciona novas oportunidades para se envolver com os outros lados para causas que estão perto de nosso coração. Podemos, contudo, também ser vítimas ou perpetradores de abusos e violações dos direitos humanos - incluindo discursos de ódio em várias formas e assédio através da Internet. Isso não significa que o mundo on-line é desprovido de valores. O discurso de ódio não é uma novidade na internet, assim como o debate sobre os direitos humanos. Sua distribuição on-line e as suas possíveis consequências para os processos democráticos nos dão novas grandes razões para agir. O discurso do ódio, como definido pelo Conselho da Europa abrange todas as formas de expressão que se espalha, incita, promove ou justifica o ódio racial, xenofobia, anti-semitismo ou outras formas de ódio baseado na intolerância, incluindo: intolerância expressa pelo nacionalismo agressivo e etnocentrismo, a discriminação e hostilidade contra as minorias, e pessoas de origem imigrante. Os métodos de trabalho utilizados são a defesa e a promoção, com vista a encontrar soluções criativas e fazer as coisas acontecerem. Este é um projeto voltado para a ação e intervenção. O projeto prepara os jovens e as organizações juvenis para que tenham habilidades de reconhecer as violações dos direitos humanos e tomar medidas contra eles. (https://www.youtube.com/watch?v=sr0WVzoAxHk&feature=youtu.be – assistir o vidéo) (Acredito que possamos encontrar o manual em portugués, mas caso não tenha, posso traduzir as lições e as atividades).
  4. 4. III. O Jardim Compartilhada Na França “O jardim compartilhado” é considerado um espaço público, de proximidade, aberto a todos e organizado numa dinâmica colectiva, respeitando o meio ambiente, a biodiversidade e a democracia local. (No caso da cidade de Amparo, poderiamos adaptar o projeto nas escolas primárias.) Os Jardins compartilhados variam em tamanho e tipos diferentes: hortas comunitárias(no bairro ou terreno público) e espaços compartilhados de floração, legumes e parques públicos ajardinados. Na França, a consulta dos cidadãos é a base de toda a construção do jardim partilhado. Na cidade de Toulouse existe uma área de 20000 M2 com 11 jardins construidos. Estes Jardins compartilhados trazem para o território e seus habitantes benefícios recíprocos: eles expressam uma necessidade cidadã de contato com a natureza, com os ciclos das estações e proporcionando o prazer de conhecer valores simples. Eles são lugares sociais de entretenimento, eles participam da malha biológico da cidade. Esses lugares abertos no bairro promovem o comércio, a criatividade, a solidariedade, a iniciativa e encontros entre gerações e culturas distintas. A cidade de Toulouse decidiu incluir o desenvolvimento de jardins compartilhados no Plano de Acção imediata de agenda 21. Eles são exemplares de projetos de desenvolvimento sustentável. Um jardim partilhado é definido pela comunidade em terras públicas, considera-se como um espaço aberto ao público, projetado e facilitada com os moradores. Assim, é necessário para a comunidade, mas também para a durabilidade do projeto uma verdadeira transversabilidade:  contar com um grupo estruturado de cidadãos  verificar a viabilidade jurídica, técnica e financeira  fazer a conexão com os outros projetos que fazem da cidade um lugar rico, denso e complexo http://www.toulouse.fr/documents/106863/184451/charte-jardins-partages/797ef6b4-8225-44c8-8f27- e3c8bb86930f (esta é a carta explicativa da cidade de Toulouse, que podemos traduzir adptando para o uso escolar).

×