Avaliação da Toxicidade aula 4

5.575 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
51
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
186
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação da Toxicidade aula 4

  1. 1. AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE
  2. 2. Introdução  Toda substância pode ser considerada um agente tóxico?  Depende das condições de exposição Tempo Via de absorção Frequência Concentração (dose)    
  3. 3. Portanto......  É necessário conhecer as condições de uso seguro de substâncias químicas para a saúde humana e ambiental  Por um lado - toda substancia pode ser tóxica...  Por outro - toda substancia pode ser usada de forma segura
  4. 4. Como calcular a dose de um agente tóxico Relação dose-resposta É a relação entre a concentração exposta e os efeitos tóxicos observado  Estudos levam a DL50 A dose que pode levar a morte 50% de uma população em condições experimentais
  5. 5. Classificação da toxicidade  Comunidade Europeia Categoria DL 50 oral para ratos (mg/Kg peso corpóreo) Muito Tóxico Menor que 25 Tóxico De 25 a 200 Nocivo De 200 a 2000
  6. 6. Classificação da toxicidade  A partir da DL50 é possível estabelecer a dose limite...  Dose mínima necessária para produzir uma resposta detectável em uma população teste  Existe outra forma de avaliar veja......
  7. 7. Avaliação 2  Teste de dose fixa A substância a ser testada é administrada em um animal em uma dose específica
  8. 8. Avaliação 2  Recomenda-se 10 animais (5 fêmeas e 5 machos)  Dose de 500mg/Kg  Aguarda 14 dias em observação
  9. 9. Avaliação 2  Resultado  1 - Se não houver sinais de toxicidade a substância não será classificada nas categorias da CE   2 – Se houver manifestações de toxicidade sem morte, será classificada como NOCIVA 3 - Se houver morte procede novo teste com dose de 50mg/Kg e ai..........
  10. 10. Avaliação 2  Se houver ( na dose 50) sinais de toxicidade será considerada TÒXICA  Se houver morte com esta dose, testa-se a dose de 5mh/Kg Caso apresente sinais de toxicidade com está nova dose será considerado MUITO TÓXICA. 
  11. 11. Tipos de testes toxicológicos
  12. 12. Tipos de testes toxicológicos  Para se conhecer os efeitos tóxicos de uma substância, além da dose-resposta, é necessário realizar testes toxicológicos. Foram obrigados após... 1937 na Europa, intoxicação e morte por dietilenoglicol - sulfanilamida 1959 – deformações congênitas por talidomida 
  13. 13. Tipos de testes toxicológicos  No Brasil, pela Resolução 1/78 do CNS, cinco tipos de ensaios de toxicidade  Aguda Subcrônica Crônica Teratogenia Embiotoxicidade    
  14. 14. Tipos de testes toxicológicos Pelo mundo temos....  Informações preliminares  Aguda  Subcrônica  Crônica  Mutagênese e carcinogênese  Reprodução e embriofetotoxicidade  Toxicocinética  Efeitos locais e sobre a pele e olhos  ecotoxicidade
  15. 15. Informações preliminares Tem por objetivo conhecer a substância antes dos teste  Conhecer a estrutura química  Possui ou não impurezas  Propriedades físico-químicas: odor, cor, densidade, viscosidade, solubilidade, volatilidade  Possíveis níveis de exposição à população e aos ambiente
  16. 16. Toxicidade aguda     Definido como efeitos adversos que ocorrem dentro das primeiras 24 horas Realizados em animais Os resultados servem para conhecer a toxicodinâmica e identificar os órgãos ou sistemas afetados , bem determinar se os efeitos são reversíveis ou não Para isso são realizados exames anátomopatológico
  17. 17. Toxicidade subcrônica Servem para obtenção de informações de toxicidade após exposições repetidas - 21 a 90 dias     Verificar tecidos afetados no médio prazo Há ou não acúmulo da substância no organismo No mínimo duas espécies de animais sendo uma não-roedora Examinar os animais pelo menos 1x ao dia
  18. 18. Toxicidade crônica Determina efeitos tóxicos após exposição prolongada     6 meses a 2 anos Potencial carcinigênico Parâmetros hematológicos, bioquímicos e urina Anátomo-patológico
  19. 19. Mutagênese e carcinogênese Quantificar o perigo da lesão ao material genético  Avalia alterações nos espermatozoides Desenvolvimento do embrião e feto Prever o desenvolvimento do câncer  Difícil reproduzir a condição humana  
  20. 20. Toxicocinética  Estudo da cinética  O cão e o macaco reproduzem com mais semelhanças ao homem
  21. 21. Efeitos locais sobre pele e olhos  Cosméticos e domissanitários  O animal escolhido é o coelho (mais sensíveis)  Avalia a irritação (eritema, edema, corroção)
  22. 22. Ecotoxicidade Estuda e avalia os efeitos tóxicos no ecossistema  Interação com outros materiais  Potencial de biodegradação  Toxicidade a peixes, plantas, mamíferos  Bioacumulação em rios, atmosfera, solo ou animais  Radiação  Realizar monitoração biológica: espessura da casca de ovos de pássaros, morte de abelhas (praguicidas)
  23. 23. AVALIAÇÃO DO RISCO
  24. 24. AVALIAÇÃO DO RISCO Perigo Capacidade da substância causar um efeito adverso  Risco Probabilidade de ocorrência de perigo 
  25. 25. O que é Avaliação do Risco? É um processo sistemático através do qual o perigo, a exposição e o risco são identificados e quantificados Avaliando os resultados, tal como benefício para a sociedade, ocorre uma tomada de decisão a fim de minimizar o risco ao homem
  26. 26. Histórico...     1940-1950: Conferência Americana estabelece níveis de exposições toleráveis a trabalhadores 1954: FDA publica a IDA (ingestão diária aceitável) quantidade de agente presente no alimento que pode ser ingerido sem provocar riscos 1958: Lei norte americana que proíbe a adição de substâncias carcinogênicas em alimentos 1970: surge a Avaliação do Risco, a partir daqui o Brasil se enquadra......
  27. 27. Como avaliar um risco? Etapas  1 – Identificação do perigo  2 – Caracterização do perigo  3 – Avaliação da exposição  4 – Caracterização do risco
  28. 28. Identificação do perigo Trata-se da avaliação da toxicidade  Estudo com animais  Estudo com humanos  Caracteriza-se aqui os efeitos adversos
  29. 29. Caracterização do perigo  É a avaliação da dose-resposta  Seu objetivo é quantificar o perigo
  30. 30. Avaliação da exposição  Medição da frequencia e da duração da exposição ao agente toxicante  Via de exposição  Meio de exposição (meio ambiente, trabalho, água, solo, alimentos, medicamentos)
  31. 31. Caracterização e manejo do risco      Integração dos dados obtidos nas etapas anteriores Avaliar a importância social do risco Caracterização do risco mínimo ou aceitável Buscar alternativas para redução dos risco Análise de fatores políticos e econômicos
  32. 32. FIM

×