SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
Baixar para ler offline
Ecotoxicologia
Aquática
Bióloga MSc. Débora Monteiro Brentano
1. Conceito
2. Breve Histórico
3. Experimentação
3.1 Relevância Ecológica
3.2 Sensibilidade
4. Princípio do Método
4.1 Testes agudos
4.2 Testes crônicos
5. Legislação
6. Estudo de Caso
ECOLOGIA TOXICOLOGIA
Ciência que estuda
a relação dos seres
vivos entre si e com
o ambiente que os
cerca
Ciência que estuda
o efeito de um
agente químico em
uma dada espécie
Ecotoxicologia
Ciência que estuda os efeitos de um ou mais agentes
químicos sobre uma população ou comunidade de
organismos e seus reflexos sobre o ecossistema.
1. Conceito
Silent Spring – Rachel Carson (1962)
Descreve os efeitos catastróficos do uso indiscriminado de pesticidas
(décadas de 1940 e 1950)
Separação da Ecotoxicologia da Toxicologia Clássica.
2. Breve Histórico
O termo Ecotoxicologia foi cunhado por René Truhaut, em 1969,
reunindo a designação eco (do grego oikos, elemento de composição
com o significado de casa, domicílio, habitat) e a palavra toxicologia
(ciência dos agentes tóxicos, dos venenos e da intoxicação).
BREVE HISTÓRICO SOBRE ECOTOXICOLOGIA
NO MUNDO
Primeiros testes entre 1863 e 1917.
Termo foi sugerido pela primeira vez em 1969.
A partir dos anos 70 aplicação dos testes
ecotoxicológicos.
Na década de 80 testes foram normalizados.
NO BRASIL
. 1971 primeiro trabalho Rocha et al. em São
Paulo.
. 1975 CETESB - programa de padronização da
ISO.
. 1982 no RJ - Encontro Técnico com entidades
ambientais e universidades.
. 1985 em Brasília . Encontro Técnico haviam
projetos similares.
1990 CETESB . Seminário com várias
entidades. Ênfase ao controle de efluentes
líquidos.
1991 Petrobras promoveu 1º Encontro de
Ecotoxicologia.
2000 - Sociedade Brasileira de Ecotoxicologia .
SETAC Brasil.
O XIV Congresso Brasileiro de Ecotoxicologia
ocorrerá em 2016, em Curitiba/PR.
Podemos determinar a ecotoxicidade através de
análises químicas?
Como avaliar a ecotoxicidade?
A Ecotoxicologia deve envolver tanto
observação (Ecologia) quanto
experimentação.
O organismo-teste tem como
princípio proteger o maior número de
espécies dentro de um ecossistema,
e a sua escolha se faz principalmente
pela sensibilidade deste ao poluente
em questão, e da sua relevância
ecológica dentro do ecossistema.
Organismo-teste
3. Experimentação
Produtor
Consumidor 1º
Consumidor 3º
Consumidor 2º
Seleção de um organismo-teste
3.1 Relevância Ecológica
Parâmetros medidos a diferentes
níveis de organização biológica
Celular Organismo População Ecossistema
Comunidade
Relevância ecológica Custo
Praticabilidade Reprodutibilidade
Minutos – Horas - Dias Dias – Semanas Semanas –
Horas –Anos Anos
Critérios de Seleção:
Disponibilidade
Sensibilidade
Reprodutibilidade
Padronizabilidade
Praticabilidade
Rapidez
Justificabilidade
Selenastrum capricornutum
Scenedesmus subspicatus
Daphnia magna
Ceriodaphnia dubia
Danio rerio
Pimephales promelas
Poecilia reticulata
Escolha do organismo-teste
Usar os estágios mais sensíveis
Preferencialmente usar mais de um nível
trófico
Ensaio de ecotoxicidade já padronizado
Espécies tropicais quando possível
Norma
ABNT NBR 15411-1:2012
Ecotoxicologia aquática — Determinação do efeito inibitório de amostras aquosas sobre a emissão de luz de
Vibrio fischeri (ensaio de bactéria luminescente)
Parte 1: Método utilizando bactérias recém-cultivadas
ABNT NBR 15411-2:2012
Ecotoxicologia aquática — Determinação do efeito inibitório de amostras aquosas sobre a emissão de luz de
Vibrio fischeri (ensaio de bactéria luminescente)
Parte 2: Método utilizando bactérias desidratadas
ABNT NBR 15411-3:2012
Ecotoxicologia aquática — Determinação do efeito inibitório de amostras aquosas sobre a emissão da
bioluminescência de Vibrio fischeri (ensaio de bactéria luminescente)
Parte 3: Método utilizando bactérias liofilizadas
ABNT NBR 15350:2012
Ecotoxicologia aquática — Toxicidade crônica de curta duração — Método de ensaio com ouriço-do-mar
(Echinodermata: Echinoidea)
ABNT NBR 12648:2011
Ecotoxicologia aquática - Toxicidade crônica - Método de ensaio com algas (Chlorophyceae)
ABNT NBR 15308:2011
Ecotoxicologia aquática — Toxicidade aguda — Método de ensaio com misídeos (Crustacea)
ABNT NBR 15088:2011
Ecotoxicologia aquática - Toxicidade aguda - Método de ensaio com peixes
ABNT NBR 13373:2010
Ecotoxicologia aquática - Toxicidade crônica - Método de ensaio com Ceriodaphnia spp (Crustacea,
Cladrocera)
ABNT NBR 12713:2009
Ecotoxicologia aquática - Toxicidade aguda - Método de ensaio com Daphnia spp (Crustacea, Cladocera)
ABNT NBR 15537:2007
Ecotoxicologia terrestre - Ecotoxicidade aguda - Método de ensaio com minhocas
ABNT NBR 15499:2007
Ecotoxicologia aquática - Toxicidade crônica de curta duração - Método de ensaio com peixes
ABNT NBR 15470:2007
Ecotoxicologia aquática - Toxicidade em sedimento - Método de ensaio com Hyalella spp (Amphipoda)
ABNT NBR 15469:2007
Ecotoxicologia aquática - Preservação e preparo de amostras
ABNT NBR ISO 15799:2011
Qualidade do solo — Guia para caracterização ecotoxicológica de solos e materiais de solo
ABNT NBR ISO 17512-1:2011
Qualidade do Solo — Ensaio de fuga para avaliar a qualidade de solos e efeitos de substâncias químicas no
comportamento
Parte 1: Ensaio com minhocas (Eisenia fetida e Eisenia andrei)
Padrão de Resposta
3.2 Sensibilidade
Lote
CE50 24h
K2Cr2O7
Data
69 0,88 05/03/2013
71 0,53 12/03/2013
73 0,85 09/04/2013
77 1,11 28/05/2013
74 0,87 11/06/2013
78 0,95 16/07/2013
79 1,04 16/07/2013
80 0,95 30/07/2013
81 1,23 20/08/2013
82 1,13 20/08/2013
83 1,05 19/09/2013
84 1,05 09/10/2013
85 0,99 25/09/2013
86 0,94 08/10/2013
87 0,87 05/11/2013
88 0,75 05/11/2013
90 0,85 19/12/2013
91 0,71 18/12/2013
92 0,77 23/01/2013
93 0,76 05/02/2013
94 0,78 23/01/2013
95 0,79 27/03/2014
96 0,84 11/03/2014
97 0,77 12/03/2014
98 0,59 12/03/2014
0,881 Média
0,166 Desvio
18,823 CV
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28
0
0,2
0,4
0,6
0,8
1
1,2
1,4
Dicromato de Potássio (K2Cr2O7/0
2XDP 0,332
Média + 1,2
Média - 0,5
Lote
CE50 24h
NaCl
Data
69 6,11 27/02/2013
71 5,86 12/03/2013
73 6,01 16/04/2013
77 5,71 28/05/2013
74 5,62 11/06/2013
78 6,04 16/07/2013
79 5,36 30/07/2013
80 5,60 09/10/2013
81 5,65 20/08/2013
82 5,51 10/10/2013
83 5,23 25/09/2013
84 5,81 22/10/2013
85 5,73 23/10/2013
86 5,71 22/10/2013
87 6,11 05/11/2013
88 5,83 26/11/2013
90 3,72 23/01/2013
91 5,35 23/01/2013
92 5,65 06/02/2014
93 5,03 05/02/2014
94 6,50 18/03/2014
95 5,86 03/04/2014
96 5,87 18/03/2014
97 5,81 18/03/2014
98 5,52 12/03/2014
5,648 Média
0,507 Desvio
8,971 CV
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28
3
3,5
4
4,5
5
5,5
6
6,5
7
Cloreto de Sódio (NaCl)
2XDP 1,013
Média + 6,7
Média - 4,6
Scatterplot of NaCl against Dicro
-3 -2 -1 0 1 2 3
Dicro
-5
-4
-3
-2
-1
0
1
2
3
NaCl
Dicro:NaCl: r = -0,0811; p = 0,6644; r2
= 0,0066
-5
-4
-3
-2
-1
0
1
2
3
Dicro
NaCl
Metodologia de cultivo
Organismos-teste são expostos a
várias diluições da amostra a ser
testada, por um período determinado de
tempo.
A resposta dos organismos é
dada pela inibição de suas atividades
(imobilidade/morte), alteração no padrão
reprodutivo ou outra alterações
fisiológicas.
O princípio do método
4. Princípio do Método
TESTES ECOTOXICOLÓGICOS
Teste Agudo
Testes realizados em curto espaço de tempo, com uma única exposição à
substância. Em geral, é o primeiro estudo realizado acerca de uma
substância. Detecta efeitos imediatos, geralmente irreparáveis.
4.1 Testes agudos
Princípio do Teste Ecotoxicológico
Diluição testada em duplicata
Neonatos de 2 a 26h
Teste de 48h
Diluições preparadas com precisão volumétrica, em
progressão geométrica de razão 1,2 a 2
Meio de cultura ISO (ISO 6341, 1989)
Controle 2481632
25 mL
. Fator de toxicidade-FT
Número adimensional que expressa a menor diluição do
efluente que não causa efeito deletério agudo aos
organismos, num determinado período de exposição,
nas condições de ensaio.
.Concentração letal/efetiva mediana-
CL50 ou CE50
É a concentração do efluente que causa efeito agudo
(letalidade ou imobilidade) a 50% dos organismos, em
determinado período de exposição, nas condições de
ensaio.
Resultados
Concentração Organismos imóveis
24h 48h
A B A B
Controle 0 0 0 0
32 0 0 0 1
16 2 1 3 1
8 3 3 3 4
4 4 4 4 6
2 9 8 10 9
FT 48h = 32
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
20
C32 (3,12%) C16(6,25%) C8(12,5%) C4(25%) C2(50%)
Concentração
Nºindivíduosimóveis
CE(I)50 48h = 17,7%
Toxicidade aguda para Daphnia similis
com efluentes líquidos de curtumes
Variação da toxicidade de efluentes de mesma atividade industrial
Estudos internos da CETESB
Indústria CE 50; 48 h (%) CE 50; 48 h (%)
Efluente bruto Efluente tratado
A 2,5 2,5
B 4,5 11,4
C 0,9 16
D 1,2 27,5
E 0,08 33,5
F 48 29
G 7 50
Teste Crônico
Testes realizados em um
longo espaço de tempo,
cobrindo todo o ciclo de
vida do organismo-teste.
A substância a ser testada
deve ser administrada em
concentrações compatíveis
com a sobrevivência dos
elementos teste.
4.2 Testes crônicos
Princípio do Teste
Cada diluição é testada 10 vezes
Neonatos de 2 a 26h
Teste de 21 dias
Diluições preparadas com precisão volumétrica, em
progressão geométrica de razão 1,2 a 2
Meio de cultura ISO (ISO 6341, 1989)
Controle 2481632
25 mL
CENO - Concentração de Efeito Não
Observado
Maior concentração do efluente que não causa
efeito deletério estatisticamente significativo na
sobrevivência e reprodução dos organismos
CEO - Concentração de Efeito Observado
Menor concentração do efluente que causa efeito
deletério estatisticamente significativo na
sobrevivência e reprodução dos organismos
Resultados
CEO = 50% CENO = 25%
Concentrações 2 4 8 16 32 C
1 43 50 49 65 90 47
2 37 32 49 39 77 47
3 39 33 45 56 65 47
4 30 36 52 46 78 55
5 41 54 45 32 76 28
6 45 62 35 49 69 85
7 34 54 51 52 80 50
8 48 52 57 37 67 71
9 40 58 57 42 82 71
10 53 65 21 53 0 60
Total 410 496 461 471 684 561
filhotes/mãe/ninhada
8,2 9,9 9,2 9,415,211,2
O monitoramento ecotoxicológico apresenta
como vantagens:
* fornecem informações adicionais do perigo potencial
de uma substância tóxica sobre a biota aquática;
* reduzem as limitações encontradas nas análises,
somente, físicas e químicas;
* apontam informações como o efeito resultante das
interações de compostos químicos;
* permitem estabelecer diluições necessárias para
reduzir ou prevenir efeitos tóxicos em águas
receptoras.
Cuidado!!!
Uso de uma única espécie
Execução em ambiente artificial
Extrapolação para outros organismos
Não evidencia-se a substância tóxica
N Ã O B E B E R ! ! !
Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005
ÁGUA DOCE Classes Condição
I Não apresentar efeito
crônico
II Não apresentar efeito
crônico
III Não apresentar efeito
agudo
IV -
ÁGUAS SALINAS
I Não apresentar efeito
crônico
II Não apresentar efeito
agudo
III -
ÁGUAS SALOBRAS I Não apresentar efeito
crônico
II Não apresentar efeito
agudo
5. Legislação
Resolução CONAMA 430, de 2011
dispõe sobre condições e padrões de
lançamento de efluentes
complementa e altera a CONAMA 357/2005
aborda a gestão de lançamento de efluentes
incluindo:
lançamento direto
lançamento indireto
disposição de efluentes no solo
foca ensaios ecotoxicológicos
Padrões de lançamento de efluentes
Parâmetros Ecotoxicológicos
Art.18. O efluente não deverá causar ou possuir potencial para causar
efeitos tóxicos aos organismos aquáticos no corpo receptor, de acordo
com os critérios de ecotoxicidade estabelecidos pelo órgão ambiental
competente.
§ 1º Os critérios de ecotoxicidade (...) devem se basear em resultados
de ensaios ecotoxicológicos aceitos pelo órgão ambiental, realizados no
efluente,utilizando organismos aquáticos de pelo menos dois níveis
tróficos diferentes.
§ 2-5º -> detalhamento CENO/CECR/CE/FT
Art 19. O órgão ambiental competente deverá determinar quais
empreendimentos e atividades deverão realizar os ensaios de
ecotoxicidade, considerando as características dos efluentes gerados e
do corpo receptor.
Portaria FATMA nº 017/02, de 18 de abril de 2002
Origem dos Efluentes Limites Máximos de
Toxidade Aguda para
Daphnia magna
Limites Máximos de
Toxidade Aguda
para Vibrio fisheri
Origem dos
efluentes
Categoria da
atividade
Subcategoria da atividade
FDd FDbl
Metal mecânica
Siderurgia
Metalurgia
Galvanoplastia
4
4
16
6
6
8
Alimentícia
Frigoríficos,
Abatedouros,
Laticínios,
Cerealistas,
Bebidas,
Fecularias,
Alimentos
2 4
Esgotos
domésticos e/ou
hospitalares
I 4
Resíduos urbanos Efluentes de Aterros Sanitários 8 16
Papel e Celulose 2 4
Couros, peles e
produtos similares
4 6
Química
Agroquímica,
Petroquímica,
Produtos químicos não
especificados ou não classificados
2 4
Têxtil
Beneficiamento de fibras naturais
e sintéticas, confecção e tinturaria
2 2
Farmacêutica 2 4
6. Estudo de Caso
Cylindrospermopsis raciborskii
(Woloszynska) e Seenayya Subba Raju
Amostra da Lagoa do Peri – março/2014
Mutagenicidade in vitro e carcinogenicidade in vivo (Humpage et al, 2000; Falconer e Humpage, 2001).
Bioacumulação em peixe (Saker e Eaglesham, 1999), em moluscos (Saker et al., 2004) e em Cladóceros
(Nogueira et al., 2004). Em mamíferos provoca lesão necrótica generalizada, afetando fígado, rins,
pulmões, baço, intestino, timo e coração (Chorus e Bartmann, 1999).
Bloqueia os canais de sódio na membrana do axônio e induzir disfunção do nervo,
causando paralisia e então a morte por insuficiência respiratória (van Apeldoorn et al., 2007).
Altamente tóxicas para os animais e, em doses elevadas o suficiente, letais para humanos
(Landsberg, 2002).
Fatores abióticos e C. raciborskii “in locu”
Dominância no Brasil: períodos de seca, ambientes polimíticos e com altas concentrações
de fósforo (Soares et al .,2013).
Ocorrência: altas temperaturas (Yamamoto et al. ,2013 e Berger et al., 2006), altos valores de pH,
alcalinidade e condutividade (Gomes et al. , 2013).
Fatores abióticos e produção de toxinas por C. raciborskii
Fator Abiótico Observação Referências Bibliográficas
CYL
Temperatura Forte correlação negativa Saker e Griffiths (2000)
STX
Temperatura Não há variação entre 19 e 25oC
Em 25oC produz dcSTX
Castro et al. (2004)
N e P Correlação positiva com altas relações N:P Chislock et al. (2014)
Dureza Correlação positiva Carneiro et al. (2013)
BRUTA
21/8/2013 24/9/2013 15/10/13 19/11/2013 10/12/13 22/1/2014 18/02/14 18/3/2014
24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h
%
C 0 1 0 0 1 1 0 0 3 3 1 1 0 1 0 0
6,25 8 18 9 14 1 4 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0
12,5 10 18 13 15 0 8 1 1 1 1 3 10 4 12 8 10
25 12 20 11 20 0 9 0 0 4 9 8 19 17 20 7 19
50 13 20 12 19 1 17 1 11 8 15 12 20 14 20 9 20
100 4 17 2 4 1 3 2 4 5 11 3 14 11 20 9 14
Dureza do meio de diluição:
175 a 225 mg.L-1 de CaCO3
0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110
Condutivity (µS cm-1
)
0,0
0,2
0,4
0,6
0,8
1,0
1,2
STX(gL-1
)
cond:STX: y = -0,5104 + 0,0108*x;
r = 0,5467; p = 0,0001; r2
= 0,2989
Efluente dos Postos de Abastecimento de Combustível
1
4
13
0
2
4
6
8
10
12
14
Nºpostos
sem LAO efluente dentro
dos padrões
efluente fora
dos padrões
Situação Postos Abastecimento Combustível -
Análise 1
16
64
16
64
16
128 128
16
32
8
64 64
4
8
32 3232
1 1
128
64
512
2
16
64
16
1
64
4
8
128
1 1
1
10
100
1000
Posto 1 Posto 2 Posto 3 Posto 4 Posto 5 Posto 6 Posto 7 Posto 8 Posto 9 Posto 10 Posto 11 Posto 12 Posto 13 Posto 14 Posto 15 Posto 16 Posto 17 Posto 18
FD-FatordeDiluição
Comparação - Análise 1 e 2
Análise 1
Análise 2
1
8
9
0
2
4
6
8
10
Nºpostos
sem LAO efluente dentro
dos padrões
efluente fora dos
padrões
Situação Postos de Abastecimento Combustível -
Análise 2
16
64
16
64
16
128 128
16
32
8
64 64
4
8
32 3232
1 1
128
64
512
2
16
64
16
1
64
4
8
128
1 1
8 8
1 1
8
2
1 1
4 4
8
4
2
1 1
8
1
10
100
1000
Posto 1 Posto 2 Posto 3 Posto 4 Posto 5 Posto 6 Posto 8 Posto 9 Posto 10 Posto 11 Posto 12 Posto 13 Posto 14 Posto 15 Posto 16 Posto 17 Posto 18 Posto 19
FT-FatordeToxicidade
Comparação - Análise 1 e 2
Série1
Série2
Série3
Obrigada !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CNT - 2ª série - 3º bimestre Professor.pdf
CNT - 2ª série - 3º bimestre Professor.pdfCNT - 2ª série - 3º bimestre Professor.pdf
CNT - 2ª série - 3º bimestre Professor.pdfGernciadeProduodeMat
 
Fotossíntese atualizado
Fotossíntese atualizadoFotossíntese atualizado
Fotossíntese atualizadoMARCIAMP
 
A Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - BiologiaA Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - BiologiaJoão Quadros
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Conceicao Cavalcante
 
Aula 11 qualidade de água
Aula 11   qualidade de águaAula 11   qualidade de água
Aula 11 qualidade de águaSuely Machado
 
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURAIMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURAGeagra UFG
 
Toxicologia Ocupacional aula 6
Toxicologia Ocupacional aula 6Toxicologia Ocupacional aula 6
Toxicologia Ocupacional aula 6profsempre
 
Apostila pericia ambiental
Apostila   pericia ambientalApostila   pericia ambiental
Apostila pericia ambientalAngel Lopes Casa
 
Impacto Ambiental - EIA/RIMA
Impacto Ambiental - EIA/RIMAImpacto Ambiental - EIA/RIMA
Impacto Ambiental - EIA/RIMARodrigo Travitzki
 
Uso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
Uso de Bioindicadores de Qualidade AmbientalUso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
Uso de Bioindicadores de Qualidade AmbientalWilliam Rodrigues
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológicounesp
 

Mais procurados (20)

IV.1 Peixes
IV.1 PeixesIV.1 Peixes
IV.1 Peixes
 
Coleopteros
ColeopterosColeopteros
Coleopteros
 
CNT - 2ª série - 3º bimestre Professor.pdf
CNT - 2ª série - 3º bimestre Professor.pdfCNT - 2ª série - 3º bimestre Professor.pdf
CNT - 2ª série - 3º bimestre Professor.pdf
 
Saúde e meio ambiente
Saúde e meio ambienteSaúde e meio ambiente
Saúde e meio ambiente
 
Fotossíntese atualizado
Fotossíntese atualizadoFotossíntese atualizado
Fotossíntese atualizado
 
A Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - BiologiaA Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - Biologia
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 
Aula 11 qualidade de água
Aula 11   qualidade de águaAula 11   qualidade de água
Aula 11 qualidade de água
 
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
 
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURAIMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA
 
Toxicologia Ocupacional aula 6
Toxicologia Ocupacional aula 6Toxicologia Ocupacional aula 6
Toxicologia Ocupacional aula 6
 
Apostila pericia ambiental
Apostila   pericia ambientalApostila   pericia ambiental
Apostila pericia ambiental
 
Apresentação sobre Qualidade da água para consumo humano: contaminantes quími...
Apresentação sobre Qualidade da água para consumo humano: contaminantes quími...Apresentação sobre Qualidade da água para consumo humano: contaminantes quími...
Apresentação sobre Qualidade da água para consumo humano: contaminantes quími...
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
IV.4 aves
IV.4 avesIV.4 aves
IV.4 aves
 
EIA - RIMA
EIA - RIMAEIA - RIMA
EIA - RIMA
 
Impacto Ambiental - EIA/RIMA
Impacto Ambiental - EIA/RIMAImpacto Ambiental - EIA/RIMA
Impacto Ambiental - EIA/RIMA
 
Uso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
Uso de Bioindicadores de Qualidade AmbientalUso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
Uso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 

Destaque

Decomposição em Ambientes Aquáticos
Decomposição em Ambientes AquáticosDecomposição em Ambientes Aquáticos
Decomposição em Ambientes AquáticosLimnos Ufsc
 
Ecologia de lagos
Ecologia de lagosEcologia de lagos
Ecologia de lagosLimnos Ufsc
 
Ciclagem de matéria e energia
Ciclagem de matéria e energiaCiclagem de matéria e energia
Ciclagem de matéria e energiaLimnos Ufsc
 
Ecologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIA
Ecologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIAEcologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIA
Ecologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIALimnos Ufsc
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetosLimnos Ufsc
 
Decomposição biológica (plátano e carvalho)
Decomposição biológica (plátano e carvalho)Decomposição biológica (plátano e carvalho)
Decomposição biológica (plátano e carvalho)Luís Filipe Marinho
 
Biodiversidade aquática
Biodiversidade aquáticaBiodiversidade aquática
Biodiversidade aquáticaLimnos Ufsc
 

Destaque (8)

Decomposição em Ambientes Aquáticos
Decomposição em Ambientes AquáticosDecomposição em Ambientes Aquáticos
Decomposição em Ambientes Aquáticos
 
Ecologia de lagos
Ecologia de lagosEcologia de lagos
Ecologia de lagos
 
Ciclagem de matéria e energia
Ciclagem de matéria e energiaCiclagem de matéria e energia
Ciclagem de matéria e energia
 
Ecologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIA
Ecologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIAEcologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIA
Ecologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIA
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetos
 
Decomposição biológica (plátano e carvalho)
Decomposição biológica (plátano e carvalho)Decomposição biológica (plátano e carvalho)
Decomposição biológica (plátano e carvalho)
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetos
 
Biodiversidade aquática
Biodiversidade aquáticaBiodiversidade aquática
Biodiversidade aquática
 

Semelhante a Ecotoxicologia aquática

Biosseguranca bs 03 prof carlos
Biosseguranca bs 03 prof carlosBiosseguranca bs 03 prof carlos
Biosseguranca bs 03 prof carlosEng Amb
 
Aula 11 bioensaios - parte 1
Aula 11   bioensaios - parte 1Aula 11   bioensaios - parte 1
Aula 11 bioensaios - parte 1DaniDu3
 
4a.-aula-toxicologia-agrot--23-e-24-agosto-2018.pdf
4a.-aula-toxicologia-agrot--23-e-24-agosto-2018.pdf4a.-aula-toxicologia-agrot--23-e-24-agosto-2018.pdf
4a.-aula-toxicologia-agrot--23-e-24-agosto-2018.pdfAndradeOSegundo
 
Implantação de BCTG tipo 2 em total conformidade com a norma da Anvisa no co...
 Implantação de BCTG tipo 2 em total conformidade com a norma da Anvisa no co... Implantação de BCTG tipo 2 em total conformidade com a norma da Anvisa no co...
Implantação de BCTG tipo 2 em total conformidade com a norma da Anvisa no co...Sandro Esteves
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Samuel J. Tacuana
 
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de AnálisesApresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de Análisesadribender
 
Relatório estatística experimental aula de campo UFCG/CCTA
Relatório estatística experimental aula de campo UFCG/CCTARelatório estatística experimental aula de campo UFCG/CCTA
Relatório estatística experimental aula de campo UFCG/CCTACésarLincolln Souza
 
Apresentação artigo mm final
Apresentação artigo mm finalApresentação artigo mm final
Apresentação artigo mm finalNo Cas
 
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdfnucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdfLeandroFerraz22
 
Microrganismos bioindicadores
Microrganismos bioindicadoresMicrorganismos bioindicadores
Microrganismos bioindicadoresÉrica Alves
 
Biorremediação de solos
Biorremediação de solosBiorremediação de solos
Biorremediação de solosThiago Ribeiro
 
741 2811-1-pb
741 2811-1-pb741 2811-1-pb
741 2811-1-pbadeid125
 
PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITARIO_2021.pptx
PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITARIO_2021.pptxPROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITARIO_2021.pptx
PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITARIO_2021.pptxLayanePriscilaAzeved
 
aula1_bromatologia.pptx
aula1_bromatologia.pptxaula1_bromatologia.pptx
aula1_bromatologia.pptxLucasPortilho9
 
Aula 6 desinfeccaoo e fluoretacao
Aula 6   desinfeccaoo e fluoretacaoAula 6   desinfeccaoo e fluoretacao
Aula 6 desinfeccaoo e fluoretacaoJose Carlos Sampaio
 
Ecologia - Recursos e Condições
Ecologia - Recursos e CondiçõesEcologia - Recursos e Condições
Ecologia - Recursos e CondiçõesRafael Nunes
 

Semelhante a Ecotoxicologia aquática (20)

Biosseguranca bs 03 prof carlos
Biosseguranca bs 03 prof carlosBiosseguranca bs 03 prof carlos
Biosseguranca bs 03 prof carlos
 
Aula 11 bioensaios - parte 1
Aula 11   bioensaios - parte 1Aula 11   bioensaios - parte 1
Aula 11 bioensaios - parte 1
 
4a.-aula-toxicologia-agrot--23-e-24-agosto-2018.pdf
4a.-aula-toxicologia-agrot--23-e-24-agosto-2018.pdf4a.-aula-toxicologia-agrot--23-e-24-agosto-2018.pdf
4a.-aula-toxicologia-agrot--23-e-24-agosto-2018.pdf
 
Implantação de BCTG tipo 2 em total conformidade com a norma da Anvisa no co...
 Implantação de BCTG tipo 2 em total conformidade com a norma da Anvisa no co... Implantação de BCTG tipo 2 em total conformidade com a norma da Anvisa no co...
Implantação de BCTG tipo 2 em total conformidade com a norma da Anvisa no co...
 
contagem
contagemcontagem
contagem
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
 
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de AnálisesApresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
 
1 basica1
1 basica11 basica1
1 basica1
 
Relatório estatística experimental aula de campo UFCG/CCTA
Relatório estatística experimental aula de campo UFCG/CCTARelatório estatística experimental aula de campo UFCG/CCTA
Relatório estatística experimental aula de campo UFCG/CCTA
 
Apresentação artigo mm final
Apresentação artigo mm finalApresentação artigo mm final
Apresentação artigo mm final
 
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdfnucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
nucleos-do-io-nucleo-oceanograifa-quimica.pdf
 
Microrganismos bioindicadores
Microrganismos bioindicadoresMicrorganismos bioindicadores
Microrganismos bioindicadores
 
Biorremediação de solos
Biorremediação de solosBiorremediação de solos
Biorremediação de solos
 
741 2811-1-pb
741 2811-1-pb741 2811-1-pb
741 2811-1-pb
 
Nanotoxicologia curso nanotoxicologia
Nanotoxicologia curso nanotoxicologiaNanotoxicologia curso nanotoxicologia
Nanotoxicologia curso nanotoxicologia
 
PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITARIO_2021.pptx
PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITARIO_2021.pptxPROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITARIO_2021.pptx
PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITARIO_2021.pptx
 
04
0404
04
 
aula1_bromatologia.pptx
aula1_bromatologia.pptxaula1_bromatologia.pptx
aula1_bromatologia.pptx
 
Aula 6 desinfeccaoo e fluoretacao
Aula 6   desinfeccaoo e fluoretacaoAula 6   desinfeccaoo e fluoretacao
Aula 6 desinfeccaoo e fluoretacao
 
Ecologia - Recursos e Condições
Ecologia - Recursos e CondiçõesEcologia - Recursos e Condições
Ecologia - Recursos e Condições
 

Mais de Limnos Ufsc

Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da águaLimnos Ufsc
 
Metabolismo de Lagos
Metabolismo de LagosMetabolismo de Lagos
Metabolismo de LagosLimnos Ufsc
 
Curso de verao em limnologia 2015
Curso de verao em limnologia 2015Curso de verao em limnologia 2015
Curso de verao em limnologia 2015Limnos Ufsc
 
Aguas Subterraneas
Aguas SubterraneasAguas Subterraneas
Aguas SubterraneasLimnos Ufsc
 
Macrófitas aquáticas
Macrófitas aquáticasMacrófitas aquáticas
Macrófitas aquáticasLimnos Ufsc
 
Ecologia de riachos e mata riparia
Ecologia de riachos e mata ripariaEcologia de riachos e mata riparia
Ecologia de riachos e mata ripariaLimnos Ufsc
 
Ecologia de rios int
Ecologia de rios intEcologia de rios int
Ecologia de rios intLimnos Ufsc
 
Guia de COLETA ANA CETESB
Guia de COLETA ANA CETESBGuia de COLETA ANA CETESB
Guia de COLETA ANA CETESBLimnos Ufsc
 
Amostragem em Limnologia
Amostragem em LimnologiaAmostragem em Limnologia
Amostragem em LimnologiaLimnos Ufsc
 
SEMINARIO LIMNOS DEBORA #7
SEMINARIO LIMNOS DEBORA #7SEMINARIO LIMNOS DEBORA #7
SEMINARIO LIMNOS DEBORA #7Limnos Ufsc
 
Apresentação1 seminario
Apresentação1 seminarioApresentação1 seminario
Apresentação1 seminarioLimnos Ufsc
 
Ecologia de riachos seminario edicao
Ecologia de riachos seminario edicaoEcologia de riachos seminario edicao
Ecologia de riachos seminario edicaoLimnos Ufsc
 
Seminário limnos por denise tonetta
Seminário limnos por denise tonettaSeminário limnos por denise tonetta
Seminário limnos por denise tonettaLimnos Ufsc
 
Lake metabolism and the diel oxygen technique
Lake metabolism and the diel oxygen techniqueLake metabolism and the diel oxygen technique
Lake metabolism and the diel oxygen techniqueLimnos Ufsc
 
Lake metabolism SEMINÁRIO LIMNOS #2
Lake metabolism SEMINÁRIO LIMNOS #2Lake metabolism SEMINÁRIO LIMNOS #2
Lake metabolism SEMINÁRIO LIMNOS #2Limnos Ufsc
 
Lake metabolism and the diel oxygen technique
Lake metabolism and the diel oxygen techniqueLake metabolism and the diel oxygen technique
Lake metabolism and the diel oxygen techniqueLimnos Ufsc
 
Livro curso-de-campo-2013
Livro curso-de-campo-2013Livro curso-de-campo-2013
Livro curso-de-campo-2013Limnos Ufsc
 
Venha pesquisar conosco_-_28-08-14
Venha pesquisar conosco_-_28-08-14Venha pesquisar conosco_-_28-08-14
Venha pesquisar conosco_-_28-08-14Limnos Ufsc
 

Mais de Limnos Ufsc (20)

Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
 
Metabolismo de Lagos
Metabolismo de LagosMetabolismo de Lagos
Metabolismo de Lagos
 
Curso de verao em limnologia 2015
Curso de verao em limnologia 2015Curso de verao em limnologia 2015
Curso de verao em limnologia 2015
 
Aguas Subterraneas
Aguas SubterraneasAguas Subterraneas
Aguas Subterraneas
 
Macrófitas aquáticas
Macrófitas aquáticasMacrófitas aquáticas
Macrófitas aquáticas
 
Ecologia de riachos e mata riparia
Ecologia de riachos e mata ripariaEcologia de riachos e mata riparia
Ecologia de riachos e mata riparia
 
Ecologia de rios int
Ecologia de rios intEcologia de rios int
Ecologia de rios int
 
Guia de COLETA ANA CETESB
Guia de COLETA ANA CETESBGuia de COLETA ANA CETESB
Guia de COLETA ANA CETESB
 
Amostragem em Limnologia
Amostragem em LimnologiaAmostragem em Limnologia
Amostragem em Limnologia
 
SEMINARIO LIMNOS DEBORA #7
SEMINARIO LIMNOS DEBORA #7SEMINARIO LIMNOS DEBORA #7
SEMINARIO LIMNOS DEBORA #7
 
Apresentação1 seminario
Apresentação1 seminarioApresentação1 seminario
Apresentação1 seminario
 
Ecologia de riachos seminario edicao
Ecologia de riachos seminario edicaoEcologia de riachos seminario edicao
Ecologia de riachos seminario edicao
 
Seminário 1
Seminário 1Seminário 1
Seminário 1
 
Seminário 1
Seminário 1Seminário 1
Seminário 1
 
Seminário limnos por denise tonetta
Seminário limnos por denise tonettaSeminário limnos por denise tonetta
Seminário limnos por denise tonetta
 
Lake metabolism and the diel oxygen technique
Lake metabolism and the diel oxygen techniqueLake metabolism and the diel oxygen technique
Lake metabolism and the diel oxygen technique
 
Lake metabolism SEMINÁRIO LIMNOS #2
Lake metabolism SEMINÁRIO LIMNOS #2Lake metabolism SEMINÁRIO LIMNOS #2
Lake metabolism SEMINÁRIO LIMNOS #2
 
Lake metabolism and the diel oxygen technique
Lake metabolism and the diel oxygen techniqueLake metabolism and the diel oxygen technique
Lake metabolism and the diel oxygen technique
 
Livro curso-de-campo-2013
Livro curso-de-campo-2013Livro curso-de-campo-2013
Livro curso-de-campo-2013
 
Venha pesquisar conosco_-_28-08-14
Venha pesquisar conosco_-_28-08-14Venha pesquisar conosco_-_28-08-14
Venha pesquisar conosco_-_28-08-14
 

Último

004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdfRenandantas16
 
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedoresdiogodidi3
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxGeagra UFG
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíMarcelo Guerra
 
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAmjhordam
 
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.pptNormasAgenda
 
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfManuais Formação
 

Último (7)

004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
 
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
 
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
 
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
 
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
 

Ecotoxicologia aquática

  • 2. 1. Conceito 2. Breve Histórico 3. Experimentação 3.1 Relevância Ecológica 3.2 Sensibilidade 4. Princípio do Método 4.1 Testes agudos 4.2 Testes crônicos 5. Legislação 6. Estudo de Caso
  • 3. ECOLOGIA TOXICOLOGIA Ciência que estuda a relação dos seres vivos entre si e com o ambiente que os cerca Ciência que estuda o efeito de um agente químico em uma dada espécie Ecotoxicologia Ciência que estuda os efeitos de um ou mais agentes químicos sobre uma população ou comunidade de organismos e seus reflexos sobre o ecossistema. 1. Conceito
  • 4. Silent Spring – Rachel Carson (1962) Descreve os efeitos catastróficos do uso indiscriminado de pesticidas (décadas de 1940 e 1950) Separação da Ecotoxicologia da Toxicologia Clássica. 2. Breve Histórico
  • 5. O termo Ecotoxicologia foi cunhado por René Truhaut, em 1969, reunindo a designação eco (do grego oikos, elemento de composição com o significado de casa, domicílio, habitat) e a palavra toxicologia (ciência dos agentes tóxicos, dos venenos e da intoxicação). BREVE HISTÓRICO SOBRE ECOTOXICOLOGIA NO MUNDO Primeiros testes entre 1863 e 1917. Termo foi sugerido pela primeira vez em 1969. A partir dos anos 70 aplicação dos testes ecotoxicológicos. Na década de 80 testes foram normalizados.
  • 6. NO BRASIL . 1971 primeiro trabalho Rocha et al. em São Paulo. . 1975 CETESB - programa de padronização da ISO. . 1982 no RJ - Encontro Técnico com entidades ambientais e universidades. . 1985 em Brasília . Encontro Técnico haviam projetos similares.
  • 7. 1990 CETESB . Seminário com várias entidades. Ênfase ao controle de efluentes líquidos. 1991 Petrobras promoveu 1º Encontro de Ecotoxicologia. 2000 - Sociedade Brasileira de Ecotoxicologia . SETAC Brasil. O XIV Congresso Brasileiro de Ecotoxicologia ocorrerá em 2016, em Curitiba/PR.
  • 8. Podemos determinar a ecotoxicidade através de análises químicas? Como avaliar a ecotoxicidade?
  • 9. A Ecotoxicologia deve envolver tanto observação (Ecologia) quanto experimentação.
  • 10. O organismo-teste tem como princípio proteger o maior número de espécies dentro de um ecossistema, e a sua escolha se faz principalmente pela sensibilidade deste ao poluente em questão, e da sua relevância ecológica dentro do ecossistema. Organismo-teste 3. Experimentação
  • 11. Produtor Consumidor 1º Consumidor 3º Consumidor 2º Seleção de um organismo-teste 3.1 Relevância Ecológica
  • 12.
  • 13. Parâmetros medidos a diferentes níveis de organização biológica Celular Organismo População Ecossistema Comunidade Relevância ecológica Custo Praticabilidade Reprodutibilidade Minutos – Horas - Dias Dias – Semanas Semanas – Horas –Anos Anos
  • 15. Selenastrum capricornutum Scenedesmus subspicatus Daphnia magna Ceriodaphnia dubia Danio rerio Pimephales promelas Poecilia reticulata
  • 16. Escolha do organismo-teste Usar os estágios mais sensíveis Preferencialmente usar mais de um nível trófico Ensaio de ecotoxicidade já padronizado Espécies tropicais quando possível
  • 17. Norma ABNT NBR 15411-1:2012 Ecotoxicologia aquática — Determinação do efeito inibitório de amostras aquosas sobre a emissão de luz de Vibrio fischeri (ensaio de bactéria luminescente) Parte 1: Método utilizando bactérias recém-cultivadas ABNT NBR 15411-2:2012 Ecotoxicologia aquática — Determinação do efeito inibitório de amostras aquosas sobre a emissão de luz de Vibrio fischeri (ensaio de bactéria luminescente) Parte 2: Método utilizando bactérias desidratadas ABNT NBR 15411-3:2012 Ecotoxicologia aquática — Determinação do efeito inibitório de amostras aquosas sobre a emissão da bioluminescência de Vibrio fischeri (ensaio de bactéria luminescente) Parte 3: Método utilizando bactérias liofilizadas ABNT NBR 15350:2012 Ecotoxicologia aquática — Toxicidade crônica de curta duração — Método de ensaio com ouriço-do-mar (Echinodermata: Echinoidea) ABNT NBR 12648:2011 Ecotoxicologia aquática - Toxicidade crônica - Método de ensaio com algas (Chlorophyceae) ABNT NBR 15308:2011 Ecotoxicologia aquática — Toxicidade aguda — Método de ensaio com misídeos (Crustacea) ABNT NBR 15088:2011 Ecotoxicologia aquática - Toxicidade aguda - Método de ensaio com peixes
  • 18. ABNT NBR 13373:2010 Ecotoxicologia aquática - Toxicidade crônica - Método de ensaio com Ceriodaphnia spp (Crustacea, Cladrocera) ABNT NBR 12713:2009 Ecotoxicologia aquática - Toxicidade aguda - Método de ensaio com Daphnia spp (Crustacea, Cladocera) ABNT NBR 15537:2007 Ecotoxicologia terrestre - Ecotoxicidade aguda - Método de ensaio com minhocas ABNT NBR 15499:2007 Ecotoxicologia aquática - Toxicidade crônica de curta duração - Método de ensaio com peixes ABNT NBR 15470:2007 Ecotoxicologia aquática - Toxicidade em sedimento - Método de ensaio com Hyalella spp (Amphipoda) ABNT NBR 15469:2007 Ecotoxicologia aquática - Preservação e preparo de amostras ABNT NBR ISO 15799:2011 Qualidade do solo — Guia para caracterização ecotoxicológica de solos e materiais de solo ABNT NBR ISO 17512-1:2011 Qualidade do Solo — Ensaio de fuga para avaliar a qualidade de solos e efeitos de substâncias químicas no comportamento Parte 1: Ensaio com minhocas (Eisenia fetida e Eisenia andrei)
  • 19. Padrão de Resposta 3.2 Sensibilidade
  • 20. Lote CE50 24h K2Cr2O7 Data 69 0,88 05/03/2013 71 0,53 12/03/2013 73 0,85 09/04/2013 77 1,11 28/05/2013 74 0,87 11/06/2013 78 0,95 16/07/2013 79 1,04 16/07/2013 80 0,95 30/07/2013 81 1,23 20/08/2013 82 1,13 20/08/2013 83 1,05 19/09/2013 84 1,05 09/10/2013 85 0,99 25/09/2013 86 0,94 08/10/2013 87 0,87 05/11/2013 88 0,75 05/11/2013 90 0,85 19/12/2013 91 0,71 18/12/2013 92 0,77 23/01/2013 93 0,76 05/02/2013 94 0,78 23/01/2013 95 0,79 27/03/2014 96 0,84 11/03/2014 97 0,77 12/03/2014 98 0,59 12/03/2014 0,881 Média 0,166 Desvio 18,823 CV 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 1,4 Dicromato de Potássio (K2Cr2O7/0 2XDP 0,332 Média + 1,2 Média - 0,5
  • 21. Lote CE50 24h NaCl Data 69 6,11 27/02/2013 71 5,86 12/03/2013 73 6,01 16/04/2013 77 5,71 28/05/2013 74 5,62 11/06/2013 78 6,04 16/07/2013 79 5,36 30/07/2013 80 5,60 09/10/2013 81 5,65 20/08/2013 82 5,51 10/10/2013 83 5,23 25/09/2013 84 5,81 22/10/2013 85 5,73 23/10/2013 86 5,71 22/10/2013 87 6,11 05/11/2013 88 5,83 26/11/2013 90 3,72 23/01/2013 91 5,35 23/01/2013 92 5,65 06/02/2014 93 5,03 05/02/2014 94 6,50 18/03/2014 95 5,86 03/04/2014 96 5,87 18/03/2014 97 5,81 18/03/2014 98 5,52 12/03/2014 5,648 Média 0,507 Desvio 8,971 CV 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 3 3,5 4 4,5 5 5,5 6 6,5 7 Cloreto de Sódio (NaCl) 2XDP 1,013 Média + 6,7 Média - 4,6
  • 22. Scatterplot of NaCl against Dicro -3 -2 -1 0 1 2 3 Dicro -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 NaCl Dicro:NaCl: r = -0,0811; p = 0,6644; r2 = 0,0066 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 Dicro NaCl
  • 24.
  • 25.
  • 26. Organismos-teste são expostos a várias diluições da amostra a ser testada, por um período determinado de tempo. A resposta dos organismos é dada pela inibição de suas atividades (imobilidade/morte), alteração no padrão reprodutivo ou outra alterações fisiológicas. O princípio do método 4. Princípio do Método
  • 27. TESTES ECOTOXICOLÓGICOS Teste Agudo Testes realizados em curto espaço de tempo, com uma única exposição à substância. Em geral, é o primeiro estudo realizado acerca de uma substância. Detecta efeitos imediatos, geralmente irreparáveis. 4.1 Testes agudos
  • 28.
  • 29.
  • 30. Princípio do Teste Ecotoxicológico Diluição testada em duplicata Neonatos de 2 a 26h Teste de 48h Diluições preparadas com precisão volumétrica, em progressão geométrica de razão 1,2 a 2 Meio de cultura ISO (ISO 6341, 1989) Controle 2481632 25 mL
  • 31. . Fator de toxicidade-FT Número adimensional que expressa a menor diluição do efluente que não causa efeito deletério agudo aos organismos, num determinado período de exposição, nas condições de ensaio. .Concentração letal/efetiva mediana- CL50 ou CE50 É a concentração do efluente que causa efeito agudo (letalidade ou imobilidade) a 50% dos organismos, em determinado período de exposição, nas condições de ensaio.
  • 32. Resultados Concentração Organismos imóveis 24h 48h A B A B Controle 0 0 0 0 32 0 0 0 1 16 2 1 3 1 8 3 3 3 4 4 4 4 4 6 2 9 8 10 9 FT 48h = 32
  • 33. 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 C32 (3,12%) C16(6,25%) C8(12,5%) C4(25%) C2(50%) Concentração Nºindivíduosimóveis CE(I)50 48h = 17,7%
  • 34. Toxicidade aguda para Daphnia similis com efluentes líquidos de curtumes Variação da toxicidade de efluentes de mesma atividade industrial Estudos internos da CETESB Indústria CE 50; 48 h (%) CE 50; 48 h (%) Efluente bruto Efluente tratado A 2,5 2,5 B 4,5 11,4 C 0,9 16 D 1,2 27,5 E 0,08 33,5 F 48 29 G 7 50
  • 35. Teste Crônico Testes realizados em um longo espaço de tempo, cobrindo todo o ciclo de vida do organismo-teste. A substância a ser testada deve ser administrada em concentrações compatíveis com a sobrevivência dos elementos teste. 4.2 Testes crônicos
  • 36. Princípio do Teste Cada diluição é testada 10 vezes Neonatos de 2 a 26h Teste de 21 dias Diluições preparadas com precisão volumétrica, em progressão geométrica de razão 1,2 a 2 Meio de cultura ISO (ISO 6341, 1989) Controle 2481632 25 mL
  • 37. CENO - Concentração de Efeito Não Observado Maior concentração do efluente que não causa efeito deletério estatisticamente significativo na sobrevivência e reprodução dos organismos CEO - Concentração de Efeito Observado Menor concentração do efluente que causa efeito deletério estatisticamente significativo na sobrevivência e reprodução dos organismos
  • 38. Resultados CEO = 50% CENO = 25% Concentrações 2 4 8 16 32 C 1 43 50 49 65 90 47 2 37 32 49 39 77 47 3 39 33 45 56 65 47 4 30 36 52 46 78 55 5 41 54 45 32 76 28 6 45 62 35 49 69 85 7 34 54 51 52 80 50 8 48 52 57 37 67 71 9 40 58 57 42 82 71 10 53 65 21 53 0 60 Total 410 496 461 471 684 561 filhotes/mãe/ninhada 8,2 9,9 9,2 9,415,211,2
  • 39. O monitoramento ecotoxicológico apresenta como vantagens: * fornecem informações adicionais do perigo potencial de uma substância tóxica sobre a biota aquática; * reduzem as limitações encontradas nas análises, somente, físicas e químicas; * apontam informações como o efeito resultante das interações de compostos químicos; * permitem estabelecer diluições necessárias para reduzir ou prevenir efeitos tóxicos em águas receptoras.
  • 40. Cuidado!!! Uso de uma única espécie Execução em ambiente artificial Extrapolação para outros organismos Não evidencia-se a substância tóxica N Ã O B E B E R ! ! !
  • 41.
  • 42.
  • 43. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005 ÁGUA DOCE Classes Condição I Não apresentar efeito crônico II Não apresentar efeito crônico III Não apresentar efeito agudo IV - ÁGUAS SALINAS I Não apresentar efeito crônico II Não apresentar efeito agudo III - ÁGUAS SALOBRAS I Não apresentar efeito crônico II Não apresentar efeito agudo 5. Legislação
  • 44. Resolução CONAMA 430, de 2011 dispõe sobre condições e padrões de lançamento de efluentes complementa e altera a CONAMA 357/2005 aborda a gestão de lançamento de efluentes incluindo: lançamento direto lançamento indireto disposição de efluentes no solo foca ensaios ecotoxicológicos
  • 45. Padrões de lançamento de efluentes Parâmetros Ecotoxicológicos Art.18. O efluente não deverá causar ou possuir potencial para causar efeitos tóxicos aos organismos aquáticos no corpo receptor, de acordo com os critérios de ecotoxicidade estabelecidos pelo órgão ambiental competente. § 1º Os critérios de ecotoxicidade (...) devem se basear em resultados de ensaios ecotoxicológicos aceitos pelo órgão ambiental, realizados no efluente,utilizando organismos aquáticos de pelo menos dois níveis tróficos diferentes. § 2-5º -> detalhamento CENO/CECR/CE/FT Art 19. O órgão ambiental competente deverá determinar quais empreendimentos e atividades deverão realizar os ensaios de ecotoxicidade, considerando as características dos efluentes gerados e do corpo receptor.
  • 46. Portaria FATMA nº 017/02, de 18 de abril de 2002 Origem dos Efluentes Limites Máximos de Toxidade Aguda para Daphnia magna Limites Máximos de Toxidade Aguda para Vibrio fisheri Origem dos efluentes Categoria da atividade Subcategoria da atividade FDd FDbl Metal mecânica Siderurgia Metalurgia Galvanoplastia 4 4 16 6 6 8 Alimentícia Frigoríficos, Abatedouros, Laticínios, Cerealistas, Bebidas, Fecularias, Alimentos 2 4 Esgotos domésticos e/ou hospitalares I 4 Resíduos urbanos Efluentes de Aterros Sanitários 8 16 Papel e Celulose 2 4 Couros, peles e produtos similares 4 6 Química Agroquímica, Petroquímica, Produtos químicos não especificados ou não classificados 2 4 Têxtil Beneficiamento de fibras naturais e sintéticas, confecção e tinturaria 2 2 Farmacêutica 2 4
  • 47. 6. Estudo de Caso
  • 48. Cylindrospermopsis raciborskii (Woloszynska) e Seenayya Subba Raju Amostra da Lagoa do Peri – março/2014 Mutagenicidade in vitro e carcinogenicidade in vivo (Humpage et al, 2000; Falconer e Humpage, 2001). Bioacumulação em peixe (Saker e Eaglesham, 1999), em moluscos (Saker et al., 2004) e em Cladóceros (Nogueira et al., 2004). Em mamíferos provoca lesão necrótica generalizada, afetando fígado, rins, pulmões, baço, intestino, timo e coração (Chorus e Bartmann, 1999). Bloqueia os canais de sódio na membrana do axônio e induzir disfunção do nervo, causando paralisia e então a morte por insuficiência respiratória (van Apeldoorn et al., 2007). Altamente tóxicas para os animais e, em doses elevadas o suficiente, letais para humanos (Landsberg, 2002).
  • 49. Fatores abióticos e C. raciborskii “in locu” Dominância no Brasil: períodos de seca, ambientes polimíticos e com altas concentrações de fósforo (Soares et al .,2013). Ocorrência: altas temperaturas (Yamamoto et al. ,2013 e Berger et al., 2006), altos valores de pH, alcalinidade e condutividade (Gomes et al. , 2013). Fatores abióticos e produção de toxinas por C. raciborskii Fator Abiótico Observação Referências Bibliográficas CYL Temperatura Forte correlação negativa Saker e Griffiths (2000) STX Temperatura Não há variação entre 19 e 25oC Em 25oC produz dcSTX Castro et al. (2004) N e P Correlação positiva com altas relações N:P Chislock et al. (2014) Dureza Correlação positiva Carneiro et al. (2013)
  • 50. BRUTA 21/8/2013 24/9/2013 15/10/13 19/11/2013 10/12/13 22/1/2014 18/02/14 18/3/2014 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h 24h 48h % C 0 1 0 0 1 1 0 0 3 3 1 1 0 1 0 0 6,25 8 18 9 14 1 4 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 12,5 10 18 13 15 0 8 1 1 1 1 3 10 4 12 8 10 25 12 20 11 20 0 9 0 0 4 9 8 19 17 20 7 19 50 13 20 12 19 1 17 1 11 8 15 12 20 14 20 9 20 100 4 17 2 4 1 3 2 4 5 11 3 14 11 20 9 14 Dureza do meio de diluição: 175 a 225 mg.L-1 de CaCO3
  • 51. 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 Condutivity (µS cm-1 ) 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 STX(gL-1 ) cond:STX: y = -0,5104 + 0,0108*x; r = 0,5467; p = 0,0001; r2 = 0,2989
  • 52. Efluente dos Postos de Abastecimento de Combustível
  • 53.
  • 54. 1 4 13 0 2 4 6 8 10 12 14 Nºpostos sem LAO efluente dentro dos padrões efluente fora dos padrões Situação Postos Abastecimento Combustível - Análise 1
  • 55. 16 64 16 64 16 128 128 16 32 8 64 64 4 8 32 3232 1 1 128 64 512 2 16 64 16 1 64 4 8 128 1 1 1 10 100 1000 Posto 1 Posto 2 Posto 3 Posto 4 Posto 5 Posto 6 Posto 7 Posto 8 Posto 9 Posto 10 Posto 11 Posto 12 Posto 13 Posto 14 Posto 15 Posto 16 Posto 17 Posto 18 FD-FatordeDiluição Comparação - Análise 1 e 2 Análise 1 Análise 2
  • 56. 1 8 9 0 2 4 6 8 10 Nºpostos sem LAO efluente dentro dos padrões efluente fora dos padrões Situação Postos de Abastecimento Combustível - Análise 2
  • 57. 16 64 16 64 16 128 128 16 32 8 64 64 4 8 32 3232 1 1 128 64 512 2 16 64 16 1 64 4 8 128 1 1 8 8 1 1 8 2 1 1 4 4 8 4 2 1 1 8 1 10 100 1000 Posto 1 Posto 2 Posto 3 Posto 4 Posto 5 Posto 6 Posto 8 Posto 9 Posto 10 Posto 11 Posto 12 Posto 13 Posto 14 Posto 15 Posto 16 Posto 17 Posto 18 Posto 19 FT-FatordeToxicidade Comparação - Análise 1 e 2 Série1 Série2 Série3