IECJ - Cap. 4 - A paisagem natural brasileira e a questão ambiental

3.549 visualizações

Publicada em

Aula - Geografia - IECJ - 7º ano - EFII

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
175
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
70
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

IECJ - Cap. 4 - A paisagem natural brasileira e a questão ambiental

  1. 1. 7º ano Capítulo 4 – A paisagemnatural brasileira e a questão ambiental
  2. 2. O historiador Caio Prado Jr. afirmou que “o desenvolvimentodos ciclos econômicos no Brasil é, em grande parte, a história de uma sucessão do que hoje chamaríamos de ‘desastres ecológicos’.”
  3. 3. Desenvolvimento dessas atividades econômicas Sem organização ou planejamento adequado PROVOCOU Que diversas espécies d o animais e • Transformações nos s an vegetais fossem u ecossistemas naturais: Ca extintas e • Redução acentuada da aumentou muito paisagem vegetal o risco de extinção de • Poluição dos rios e solos outras. • Erosão e outros.
  4. 4. Biodiversidade BRASIL País de Abriga entre 10% e megadiversidade 20% de todas as espécies de seresOs países com vivos.megadiversidadesomam 70% da Os paísesdiversidade biológica megadiversos sul-mundial. Entre eles americanos têm trechosnão há nenhum país de seus territóriosdesenvolvido. abrangidos pelos ecossistemas amazônicos, os mais ricos em biodiversidade.
  5. 5. Planisfério – Países com Megadiversidade biológica 2005
  6. 6. Proteção das áreas naturais Para Manutenção da megadiversidadeCriação de unidades de conservação Manter o equilíbrio dos processos climáticos O açaí, o buriti, o caju e o urucum são exemplos de frutos que Da relação entre as representam a diversidade da flora espécies e o brasileira. ambiente físico.
  7. 7. O que acelerou o processo de transformações significativas no ambiente? • Desenvolvimento da atividade industrial no decorrer do século XX • Expansão das áreas agrícolas •Processo de urbanização Intensificaram a exploração de recursos naturais. Deram origem a novas formas de poluição e de degradação ambiental.
  8. 8. Paisagem natural transformada e explorada Exploração dos recursos Baseado na ampliação da naturais capacidade de produção de bens com menores custos possíveisIniciada com o desenvolvimento: Deu origem a fortes desigualdades sociais Desenvolvimento do capitalismo Relações sociais e com a comercial natureza Colonização Determinadas pelo: portuguesa Sistema socioeconômico capitalista
  9. 9. Conversa Rodrigo Baleia/ Folha Imagem• Você sabe se aatividade mostrada nafotografia também érealizada no municípioou estado onde vocêmora?• Quais asconsequências daprática dessa atividade Extração ilegal de madeira em Mato Grosso (2008).para as paisagensnaturais do Brasil?• Em sua opinião, é possível praticar esse tipo deatividade sem causar problemas ambientais?
  10. 10. Disponível em: www.geografiaparatodos.com.br Parte integrante da obra Geografia homem & espaço, Editora Saraiva
  11. 11. A natureza como um grande potencial a ser explorado Ampliação da capacidade de produção de bens Forte intervenção na natureza Desde a chegada dosPara explorar seus portugueses.recursos e ampliarum crescimento Um potencial a ser explorado eeconômico do país ocupado. oferece amplos territórios ocupáveis e habitáveis. Como viver melhor aproveitando o que a natureza nos oferece sem degradá-la?
  12. 12. Poluição de rio.
  13. 13. Poluição do ar.
  14. 14. Grande quantidade de lixo em cidadesbrasileiras.
  15. 15. Não é difícil perceber que as paisagens brasileiras sofreram e sofrem muitas alterações e agressões. Durante 500 anos houve retirada e exploração de recursos da natureza. Consequência A maior parte da população não Degradação do meio ambiente. desfrutou da riqueza, nem obteve melhoresSebastião Moreira/ AE condições socioeconômicas a partir da exploração. Extração de madeira em Itacoatiara (AM).
  16. 16. Agentes que contribuíram para a transformação dos espaços naturais e a degradação do ambiente: retirada da madeira; expansão das atividades agrícolas e da pecuária; extração de minérios; construção de rodovias e ferrovias;
  17. 17.  construção de usinas hidrelétricas; Alteração do curso dos rios; lançamentode poluentes nos rios e mares, no solo e na atmosfera; construção de cidades.
  18. 18. Observe as Charges.Jean Galvão Casso
  19. 19. Conversa Em sua opinião, oque cada charge quis expressar?
  20. 20. A degradação ambiental Desafio Preocupação ambiental da legislação Vista como Conservação da empecilho para oIntegrar natureza desenvolvimento do país Melhoria nas condições de Por alguns: vida dos mais pobres. Empresários, membros do governo e da sociedade. Políticas de desenvolvimento do governo e as iniciativas das empresas particulares.
  21. 21. Não é mais possível buscar o crescimento econômico, o desenvolvimento das atividadesindustriais, agrícolas e comerciais a qualquer custo. Recursos financeiros públicos Não podem ser direcionados a A conservação deEmpreendimentos que Que possibilitem: ecossistemasprovocam enormes estragos naturais, aoambientais e não promovem mesmo tempoa melhoria social. que priorizem a redução de Encontrar formas de desigualdades Necessário Geração de serviços Produção de mercadorias
  22. 22. Desenvolvimento sustentávelIniciativas:• Identificar recursos naturais que ainda não foramexplorados;• Inventar produtos cuja produção utilize quantidadesmenores de matérias-primas e de energia;• Universalizar os serviços de saneamento básico;• Priorizar o uso de transporte coletivo, especialmente osnão-poluentes;• Reutilizar e reciclar materiais como vidros, papéis, plásticos;• Tratar os esgotos produzidos por residências, escritórios, lojase industrias;
  23. 23. Essas práticas têm que ser acompanhadas de:- utilizar na agricultura adubos orgânicos e fazer controlede pragas e insetos de forma natural;- intensificar o uso de madeira de áreas reflorestadas.- distribuição mais justa das riquezas;- eliminação da pobreza;- elevação da qualidade de vida humana Para se tornarem viáveis e serem aplicadas, todas essas práticas dependem da atuação dos governos, das empresas, das ONGs e dos indivíduos
  24. 24. Modelo de desenvolvimento social e econômico Países desenvolvidos Foi implantado em Apresentam alguns países subdesenvolvidos• Consumo exagerado, que contribui para odesperdício de produtos e matéria-prima. • Consumo em larga escala, que provoca retirada intensa de recursos naturais.• Gera poluição por emissão de resíduos sólidos e líquidos e degases e outros produtos químicos altamente prejudiciais à saúde eao ambiente
  25. 25. Observe a foto. Lixão em Belford Roxo, RJ (2006).Que tipo de relação sociedade-natureza a foto expressa?Que tipo de solução para a destinação do lixo está presente?
  26. 26. Será que as pessoas estão dispostas a alterar seus hábitos de consumo e suas formas de locomoção para garantir a sobrevivência das geraçãofuturas e a permanência dos ambientes naturais que ainda restam na Terra?
  27. 27. Você mudaria seus hábitos, abriria mão de determinados confortos?Não colocamos a responsabilidade para a solução dos problemas ambientais e sociais apenas emfatores exteriores a nós – governo, outros integrantes da sociedade, empresas?
  28. 28. Para alterar o quadroatual de modo que adegradação Marlene Bergamo/ Folhaambiental sejareduzida ou evitada, Imagemexigem-se mudançasna maneira como oscidadãos dosdiversos paísesentendem a relação Ciclista usa máscara para circular em avenidasociedade-natureza. de São Paulo, SP, em um dia de ar seco e alta concentração de poluição, em 2007.
  29. 29. É preciso encontrar maneiras de intervir na natureza de forma menos agressiva que os ambientes naturais ainda existentes possam ser preservados e a nossaAnselmo Branco sobrevivência e a das gerações futuras possam ser garantidas. Latões para coleta seletiva em Crato, CE, 2008
  30. 30. Integrar as necessidades deconservação da natureza e de melhoriadas condições de vida das classes maispobres com as políticas dedesenvolvimento do governo e asiniciativas das empresas particulares um grande desafio.
  31. 31. A poluição dos rios e das bacias hidrográficas Samuel Iavelberg/ Kino Fotoarquivo Grave problemaambiental brasileiro Com o crescimento industrial-urbano Aumenta o: Trecho poluído do Rio Tiête, São Paulo (SP). Transforma trechos deO lançamento de dejetos rios em verdadeirossem tratamento. esgotos a céu aberto
  32. 32. Nosso país apresenta a terceira rede hidroviária do mundo Dos 55 mil quilômetros de rios disponíveis para navegação comercial Apenas 2,9 mil quilômetros estão prontos para essa finalidade Isso demonstra o subaproveitamento O rios que apresentam muitas do potencial quedas-d’água podem ser hidroviário aproveitados para produção de brasileiro, ainda energia elétrica, como o Paraná e que o transporte o São Francisco, por meio de fluvial seja mais usinas hidrelétricas. econômico e polua menos.
  33. 33. O relevo do território brasileiro Superfície terrestre Desde o início de sua formação Sofre constantes modificações Parque Nacional da Chapada Diamantina, Em virtude de: BA (2000). Forças internas Forças externasO relevo terrestre é o resultado da combinação da Tectonismo e Ação dos ventos,atuação de forças o vulcanismo da água e dos internas e seres humanos externas.
  34. 34. A estrutura geológica brasileira se formou há mais de 300 milhões de anos Não existem no território brasileiro dobramentos recentes Andes e o Himalaia são dobramentos recentes.Relevo brasileiro apresenta-se bastante desgastadopelos agentes de erosão e é caracterizado poraltitudes relativamente baixas.
  35. 35. Relevo: classificações Projeto Radambrasil Adriano Gambarini Mapeou todo o território brasileiro A partir das imagens de radaresinstalados em aviões e de dados de levantamento de campo Constatou-se:Que duas formas de relevo sãopredominantes: planalto e depressões. Planície do rio Araguaia, no Mato Grosso (2000).
  36. 36. Unidades de relevo do Brasil (Ross – 1990)Mário Yoshida
  37. 37. Conversa Que formas de relevo predominam no território brasileiro? Quaisunidades de relevo há no estado onde você mora?
  38. 38. Outras duas divisões do relevo brasileiro Aroldo de Azevedo Aziz N. Ab’SáberAs diferenças entre essas duas classificações e a do JurandyrRoss diz respeito à quantidade de unidades de relevo e o fatode nas primeiras não aparecerem as depressões.As extensas áreas Ary Bassous/ Tybaplanálticas do territóriobrasileiro oferecem boascondições para aatividade agrícolamecanizada. Plantação de algodão em Goiás (2005).
  39. 39. Divisão do relevo brasileiro Divisão do relevo brasileiro (Aroldo de Azevedo) (Aziz N. Ab’Sáber)Mário Yoshida Mário Yoshida Fonte: Aroldo de Azevedo. O planalto brasileiro Fonte: Aroldo de Azevedo (dir.). Brasil: a terra e o e o problema de classificação de suas formas homem. São Paulo: Nacional, 1972. p. 155. vol. I. de relevo. In: Boletim da AGB. 1949. p.43-50.
  40. 40. Ermínio Olivi Chapada dos Guimarães (MT), localizada na região dos planaltos e chapadas da bacia do Paraná. Cedoc Pico do Dedo de Deus na serra dos Órgãos (RJ), localizado na região dos planaltos e serras do Atlântico-Leste-Sudeste.
  41. 41. Os tipos climáticos Brasil Em algumas regiões como oA maior parte do território sertão nordestino:está situada entre a linha doEquador e o trópico de • temperaturas elevadas;Capricórnio. • chuvas escassas. Em decorrência da influência do relevo e das massas de ar.Zona intertropical, a mais quente da Terra Predominantemente climas quentes Caracterizam-se por temperaturas elevadas e alto índice de chuvas
  42. 42. Na maior parte do território brasileiro Não há estação fria Uma pequena porção do território. O ano pode ser dividido em Ao sul do Trópico de apenas dois períodos: Capricórnio Das secas Das chuvas Clima Subtropical DeterminaQuase sempre Quase semprecorresponde ao corresponde inverno. ao verão. Baixas temperaturas durante o inverno No litoral oriental do Nordeste as chuvas ocorrem principalmente no inverno.
  43. 43. Mário Yoshida Climas do Brasil Fonte: Atlas Nacional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. p. 58 (adaptado).
  44. 44. Fabio Bonotti/ Pulsar Imagens Nas regiões com secas periódicas é comum as pessoas andarem muitos quilômetros para conseguir água nos pequenos açudes. Piauí (2001).

×