IECJ - Cap. 2 - Brasil - Formação territorial - 7º ano do EFII

6.667 visualizações

Publicada em

Aula - Geografia - 7º ano - EFII

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.667
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
267
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
232
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

IECJ - Cap. 2 - Brasil - Formação territorial - 7º ano do EFII

  1. 1. 7º ano - Capítulo 2 Brasil:Formação territorial Geografia Homem & Espaço Prof.: Rodrigo
  2. 2. MUNDO- DIVISÃO POLÍTICA Fonte: Atlas Nacional do Brasil . Rio de Janeiro: IBGE, 2000. p. 20 (adaptado)
  3. 3. Os limites, as fronteiras e a divisão política Território de um Estado nação Área em que o governo do país tem poder para atuar Delimitado por linhas divisórias chamadas limites Limites naturais (serras ou rios) Linhas imaginárias Fronteira política: trecho do território que define o limite. Zona ou faixa pela qual passa a linha de separação.
  4. 4. O ESTADO-NAÇÃO É comum referir-se ao país como sendo também um Estado. Diversos geógrafos, historiadores, sociólogos entendem que o termo que melhor traduz a idéia de país é Estado-nação . A nação é constituída por um conjunto de pessoas que tem o mesmo passado histórico, os mesmos costumes e valores e, às vezes, a mesma língua e religião. Tudo isso faz com que a nação tenha uma identidade cultural e se forme uma consciência nacional . Apesar de algumas particularidades, que podem ser até línguas diferentes, há nas pessoas que pertencem a uma mesma nação a idéia de pertencer a uma identidade superior, chamada de identidade nacional.
  5. 5. Assim, o país ou o Estado-nação são termos que se referem à organização político administrativa do território — o Estado — e à sociedade, que está sob o governo desse Estado. A sociedade pode ser formada por uma única nação ou por várias nações. O termo Estado nacional também é utilizado para se referir ao Estado-nação. Os geógrafos Milton Santos e Maria Laura Silveira afirmaram que “ a existência de um país supõe um território. Mas a existência de uma nação nem sempre é acompanhada da posse de um território e nem sempre supõe a existência de um Estado ”.
  6. 6. <ul><li>Os limites são resultados de longos processos de ocupação. Muitos são motivo de conflito e podem ser modificados. </li></ul><ul><ul><li>Eles não delimitam apenas o espaço físico que cabe a cada Estado governar. Em muitos casos, a divisão política representa formas diferenciadas de desenvolvimento tecnológico, de normas (leis), de valores e costumes. </li></ul></ul>
  7. 7. Observe o mapa.
  8. 8. Fazer fronteiras com muitos países, como no caso do Brasil Vantagens : facilita a formação de blocos comerciais com os países próximos, a fim de facilitar o processo de produção, importação e exportação de mercadorias. Desvantagens: dificuldade do governo para controlar e fiscalizar as fronteiras terrestres, tentando impedir o tráfico de armas e drogas, o contrabando e a imigração ilegal. O Brasil apresenta a 3ª maior fronteira do mundo , com aproximadamente 16,8 mil km de fronteiras.
  9. 9. Formação territorial e organização social Através do processo de expansão territorial, no séc. XIX, os países europeus já dominavam áreas em quase todos os continentes do globo. Aos povos dominados, os países europeus colonizadores impunham, frequentemente à força, seus valores, hábitos e costumes, suas normas e regras, suas formas de organizações políticas e de relação com a natureza.
  10. 10. <ul><li>É no contexto da expansão do comércio europeu que o território brasileiro passa a ser formado, segundo os interesses dos colonizadores. Trata-se do período do capitalismo comercial . </li></ul>Os colonizadores se autodenominavam civilizados, ou seja, evoluídos cultural, social e economicamente. Para eles, de modo geral, os grupos que habitavam os continentes colonizados eram primitivos, atrasados em termos de organização social, política e econômica, estando, portanto, muito distantes do estágio de “civilização” atingido pela Europa. Gravura de 1638 Bibliotéque Mazarine, Paris, França
  11. 11. O capitalismo é um sistema socioeconômico que regula as relações sociais e a economia da sociedade humana. Surgiu na Europa entre os séculos XV e XVI e teve como etapa inicial o capitalismo comercial. Nesse sistema, a maior parte dos meios de produção (máquinas, equipamentos, fábricas, bancos, comércio e terras) pertencem a empresas particulares, sendo, portanto, propriedades privadas. A sociedade apresenta-se dividida em classes, que têm diferentes interesses. A economia capitalista visa à produção para o mercado , e é para ele que os empresários direcionam seus investimentos. Capitalismo
  12. 12. No capitalismo, o trabalho é assalariado, ou seja, aqueles que não possuem os meios de produção trabalham para os que os possuem, em troca de um salário. Já os donos dos meios de produção – os empresários – visam ao lucro, ou seja, à ampliação do capital, e também investem em pesquisas para a criação de novos produtos, para a melhoria dos já existentes e para o aperfeiçoamento do sistema produtivo, entre outros. Mercado – no texto, refere-se ao conjunto formado pelas pessoas que querem vender e adquirir bens e serviços. Num sentido amplo, em economia, mercado é o nome que se dá à oferta e à procura de mercadorias e serviços.
  13. 13. A expansão do comércio Europeu Capitalismo comercial Regulado pelo pacto colonial Baseado pelo comércio em larga escala entre a metrópole européia e suas colônias. METRÓPOLE COLÔNIA Produtos acabados, manufaturados Matéria- prima, produtos agrícolas, ouro, prata e outros metais preciosos Beneficiava a metrópole
  14. 14. A formação do território brasileiro Final do séc. XVII Exploração das drogas do sertão na Amazônia Descoberta de pedras preciosas e ouro na região Centro Oeste Mostraram que a área ocupada pelos portugueses era bem mais ampla do que a estabelecida pelo Tratado de Tordesilhas. Drogas do sertão: cacau, cravo, espécies oleaginosas (castanha- do-pará)
  15. 15. <ul><li>Durante o século XVIII e início do século XIX, diversos tratados foram assinados para delimitar o território brasileiro. </li></ul><ul><li>Em 1801, ao ser estabelecido o Tratado de Badajós , entre portugueses e espanhóis, os limites atuais do nosso país já estavam praticamente definidos. </li></ul>
  16. 16. Tratado de Tordesilhas Tratado de Badajós Fonte: Atlas Nacional do Brasil . Rio de janeiro: IBGE, 2000. p. 20 / Manuel Maurício de Albuquerque e outros. Atlas histórico escolar . Rio de Janeiro: MEC, 1983. p.16 (adaptado). Carlos Tadeu de Carvalho Gamba Mário Yoshida
  17. 17. Atividades econômicas, novos limites e ocupação <ul><li>Nordeste : cultivo de cana-de-açúcar; </li></ul><ul><li>Norte : extração de borracha e a exploração das drogas do sertão; </li></ul><ul><li>Sudeste : mineração e cafeicultura; </li></ul><ul><li>Sul : pecuária e agricultura familiar. </li></ul>A formação do território brasileiro deu-se com a ocupação decorrente da prática de diversas atividades econômicas.
  18. 18. Observe os mapas a seguir:
  19. 19. Parte integrante da obra Geografia homem & espaço , Editora Saraiva Carlos Tadeu de Carvalho Gamba Fonte: Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello. Atlas do Brasil - disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: Edusp, 2005. p. 35 (adaptado). Brasil: A economia e o território no século XVI
  20. 20. Parte integrante da obra Geografia homem & espaço , Editora Saraiva Carlos Tadeu de Carvalho Gamba Fonte: Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello. Atlas do Brasil - disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: Edusp, 2005. p. 35 (adaptado). Brasil: A economia e o território no século XVIII
  21. 21. Parte integrante da obra Geografia homem & espaço , Editora Saraiva Carlos Tadeu de Carvalho Gamba Fonte: Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello. Atlas do Brasil - disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: Edusp, 2005. p. 35 (adaptado). Brasil: A economia e o território no século XIX

×