Cadeia produtiva dos  materiais recicláveis no Brasil:          um panorama                    DSc. Engª Jacqueline Rutkow...
Instituto Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade  associação civil, sem fins lucrativos e  econômicos...
Elo Suprimento:    Resíduos Sólidos Urbanos• PNRS: um novo marco regulatório para o  Brasil  – Gestão integrada e sustentá...
Elo Suprimento :  Resíduos Sólidos Urbanos– Coleta de RSU quase universal no Brasil:  97,8% dos domicílios (IBGE, 2010), m...
Elo Suprimento :             Coleta Seletiva• 58,6 % municípios (ABRELPE, 2012) ou 17%  (IBGE, 2010) declaram ter serviços...
Elo Suprimento :           Coleta Seletiva– 9 de 10 kg de material reciclável chegam às  empresas após passar por catadore...
Elo:                    Produção• Crescimento consistente da reciclagem de materiais: 7,1  milhões de ton. em 2008;   – 37...
Elo:                     Produção• Produtos não homogêneos e características de  qualidade (cor, grau de impurezas, compac...
Elo:           Processamento• Reciclagem de todo o material disponível  no RSU no Brasil geraria benefícios  (ambientais e...
Elo:              Processamento– Plástico:   • resina reciclada pode custar entre 20% e 25% menos     do que a resina virg...
Na fabricação deondulados de papelcerca de 63,6% utilizaaparas de onduladosrecicladas, destascerca de 50% éoriunda das lin...
17
O setor Plástico é dominado pelas     pequenas empresas que empregam até 20     pessoas – 72,5% do parque produtivo;     p...
Parte dos materiais plásticos recicladosé oriunda da indústria – cerca de 40% eos restantes 60% vêm de embalagense de obje...
RECUPERADOR T1                  RECUPERADOR T2       REVALORIZADORESCATADORES,                       SUCATEIROS,AC, CENTRO...
Mercado de recicláveis é atrelado acommodities instáveis e há pouca competição          (mercado oligopsônico) Muita infor...
Mercado segmentado e com diversos atores    com papéis e interesses diferenciadosInvestimento público para estoques de mat...
Reciclagem é primariamente um     problema de canais de distribuição, maior custo da reciclagem de RSU é de coleta,       ...
Desenvolvertecnologias para produtos e materiais mais fáceis de          reciclar e com melhor qualidade:  design para rec...
Programas públicos de promoção à reciclagem:mecanismos para remunerar essas atividades de        maneira mais estável, bus...
Obrigada !!!                    Jacqueline.rutkowski@gmail.comAgradecimentos:À FBB – Fundação Banco do Brasil pelo financi...
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jacqueline panorama cadeia recicláveis final

649 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
52
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jacqueline panorama cadeia recicláveis final

  1. 1. Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama DSc. Engª Jacqueline RutkowskiInstituto Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade
  2. 2. Instituto Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade associação civil, sem fins lucrativos e econômicos, de caráter científico-sócio- educacional, cujo objetivo é desenvolver Tecnologias Sociais de apoio à sustentabilidade
  3. 3. Elo Suprimento: Resíduos Sólidos Urbanos• PNRS: um novo marco regulatório para o Brasil – Gestão integrada e sustentável dos RSU: 3 R´s – redução, reutilização e reciclagem e consórcios públicos e/ou público-privados; – Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e pelo seu descarte/ reaproveitamento: princípio produtor-pagador e logística reversa; – Inserção de catadores nos sistemas de coleta seletiva e de suas redes na comercialização de recicláveis .
  4. 4. Elo Suprimento : Resíduos Sólidos Urbanos– Coleta de RSU quase universal no Brasil: 97,8% dos domicílios (IBGE, 2010), mas 6,4 milhões de ton/ano não coletadas e 42% com destino inadequado(ABRELPE, 2011);– Geração crescente de RSU, maior que a taxa de crescimento populacional;– 32% RSU composto por recicláveis e 80% destes são compostos por plástico (7,5 mil ton/ano), papel, papelão e tetrapak (7,3 mil ton/ano)(ABRELPE, 2011);
  5. 5. Elo Suprimento : Coleta Seletiva• 58,6 % municípios (ABRELPE, 2012) ou 17% (IBGE, 2010) declaram ter serviços de C S: – Concentrada nas regiões Sudeste e Sul; – Parcial: maioria atinge cerca de 10% dos munícipes; – Não estruturada como Programa: baseada em Locais de Entrega Voluntária e/ou catadores: • 653 municípios declaram operar a CS em conjunto com catadores e 27% dos municípios declaram a presença de catadores (IBGE,2010). – cerca de 1200 cooperativas no Brasil, MG é o Estado com maior número (197);
  6. 6. Elo Suprimento : Coleta Seletiva– 9 de 10 kg de material reciclável chegam às empresas após passar por catadores que ampliam de 3% para 12% RSU reciclado (Valor Econômico, 2010,p.28 e p.43);– Atividade intensiva em trabalho, postos de trabalho de baixo grau de especialização formal mas qualificação tácita– importante papel social e econômico;– Decisão de produzir/ catar depende de valor de mercado - mix de produção muito variável e do mercado de mão de obra: mecanismo parcial e imperfeito para assegurar níveis crescentes de reciclagem.
  7. 7. Elo: Produção• Crescimento consistente da reciclagem de materiais: 7,1 milhões de ton. em 2008; – 375 mil pessoas ocupadas na reciclagem contra 150 mil em 1999 (IBGE, 2008);• A ausência de programas de CS bem estruturados reflete na dificuldade dos recicladores de conseguirem matéria prima, em quantidade desejada. A indústria de plástico opera com 30% de sua capacidade ociosa por falta de matéria prima (ABID, Plastivida,2008)Brasil: reciclagem de 98% das latas de alumínioe 56% do volume do PET (EUA- reciclagem PET 25%)
  8. 8. Elo: Produção• Produtos não homogêneos e características de qualidade (cor, grau de impurezas, compactação, etc.) influenciam muito o preço.• Valor agregado é muito pequeno, preço transporte muito relevante.• Atividade economicamente viável, mas: – garantia de fornecimento contínuo de material reciclável; – tecnologias apropriadas para os diferentes produtos e; – valor de comercialização para os novos produtos que compense os investimentos aplicados no processo.
  9. 9. Elo: Processamento• Reciclagem de todo o material disponível no RSU no Brasil geraria benefícios (ambientais e econômicos)de cerca de R$ 8 bilhões (IPEA, 2010) – Principais ganhos nos plásticos e derivados da celulose - maior abundância; – Vidro: abundante, mas ganhos reduzidos por tonelada reciclada e; – Alumínio: pouco abundante no RSU porque tem alto ganho por tonelada reciclada.
  10. 10. Elo: Processamento– Plástico: • resina reciclada pode custar entre 20% e 25% menos do que a resina virgem; • predominância de micro e pequenas empresas que fornecem para micro e pequenos transformadores, que compram segundo determinadas especificações; • raio de compra: até 100km– Papel: • médias e grandes empresas, indústria intensiva em capital; • maiores volumes de compras – maior importância do “atravessador” • raio de compra: até 200km • Brasil tem o menor custo mundial de produção de celulose (BNDES,2011)
  11. 11. Na fabricação deondulados de papelcerca de 63,6% utilizaaparas de onduladosrecicladas, destascerca de 50% éoriunda das linhas deprodução industrial deembalagens, restandoaproximadamente13,6% de embalagenspós-consumo. As grandes fábricas de papel no Brasil concentram-se nos estados de São Paulo, Paraná e Bahia. Registra-se, porém, que fábricas de menor porte, notadamente as que utilizam fibras recicladas, estão 16 espalhadas em todas as regiões do país
  12. 12. 17
  13. 13. O setor Plástico é dominado pelas pequenas empresas que empregam até 20 pessoas – 72,5% do parque produtivo; pouco mais de 10% das empresas são empresas de médio e grande porte Empresas da indústria de transformados de plásticos são, em geral, 30% menores que as da indústria de transformação em geral Cerca de 20% dos plásticos produzidos no Brasil são reciclados, percentual relativamente elevado quando comparado aos índices de outros países – na reciclagem mecânica o Brasil é o 4º maior reciclador.18
  14. 14. Parte dos materiais plásticos recicladosé oriunda da indústria – cerca de 40% eos restantes 60% vêm de embalagense de objetos pós-consumo.Maioria de mercados secundários:baixa qualidade/ especificidadetécnica e pequeno valor dematéria primaA localização da indústria detransformados de plástico associa-se às regiões mais densamenteindustrializadas/ mercadoconsumidor e APLs (ligados amoldes). Em MG metade dosempregos desta indústria localiza-se na RMBH 19
  15. 15. RECUPERADOR T1 RECUPERADOR T2 REVALORIZADORESCATADORES, SUCATEIROS,AC, CENTROS FERROS-VELHOS, INDÚSTRIAS DEE USINAS DE APARISTAS SEMI- TRIAGEM INTERMEDIÁRIOS MANUFATURADO S - Triagem -Triagem - Coleta -Classificação -Lavagem/desagre -Triagem -Compactação gação -Compactação -Comercialização -Moagem -Comercialização -Transporte -Extrusão -Transporte -Comercialização PLÁSTICO TRANSFORMADORES PAPEL INDÚSTRIAS DE PRODUTOS - Processo de MANUFATURA PLÁSTICO produção DOS (extrusão, injeção, PAPEL sopro, etc.)
  16. 16. Mercado de recicláveis é atrelado acommodities instáveis e há pouca competição (mercado oligopsônico) Muita informalidade e semi-informalidade – preços muito variáveisDificuldade de diálogo entre economia formal e social e solidária
  17. 17. Mercado segmentado e com diversos atores com papéis e interesses diferenciadosInvestimento público para estoques de materiais e monitoramento de preços e produção: regulação mercado, preço mínimo para materiais recicláveis?
  18. 18. Reciclagem é primariamente um problema de canais de distribuição, maior custo da reciclagem de RSU é de coleta, seleção e transporte. Investimento em informação e tecnologia: levar ao grande público o conhecimento sobre a reciclabilidade dos materiais, instruindosobre como proceder para o correto descarte das embalagens
  19. 19. Desenvolvertecnologias para produtos e materiais mais fáceis de reciclar e com melhor qualidade: design para reciclagem (ABIPET – parametros de reciclagem para projetos de embalagem). Disponibilização de serviços tecnológicos e outros benefícios atrelados à volume de recicláveis utilizados com matéria-prima
  20. 20. Programas públicos de promoção à reciclagem:mecanismos para remunerar essas atividades de maneira mais estável, buscando alternativas que amenizem ou eliminem a ciclicidade que predomina na atividade; arcabouço legal(países OCDE) para percentual mínimo de recicláveis nos produtos
  21. 21. Obrigada !!! Jacqueline.rutkowski@gmail.comAgradecimentos:À FBB – Fundação Banco do Brasil pelo financiamento à pesquisaAos parceiros :Núcleo Alternativas de Economia Solidária do DEP/UFMGINSEA e MNCR

×