SlideShare uma empresa Scribd logo
Força. Desempenho. Paixão.




Holcim e Resotec


Cristiano Ferreira
Cristiano.ferreira@holcim.com




                                                  © 2013
A Holcim
• Fundação em 1912 com origem na Suíça
• Líder mundial em Cimento, Concreto e Agregados
• Oferta global de Soluções Ambientais para Resíduos através do Co-
  processamento
• Atuação nos 5 continentes em mais de 70 países
• Mais de 90.000 funcionários no mundo




                                                                 © 2013
A Holcim Brasil
• Há 60 anos no país
• 2.000 funcionários
• 3 fábricas de cimento
• 2 unidade de moagem
• 3 unidades Resotec




                          © 2013
A Resotec
•   É a divisão da Holcim (Brasil) que presta serviços de destinação final de resíduos
    industriais
         Plataformas integradas às fábricas de cimento
         Know-how de 30 anos do Grupo Holcim
         Certificados ISO 9.001 e 14.001 pela ABNT
         Investimentos de mais de US$ 60 milhões
         100 funcionários, além dos envolvidos na produção de cimento
         Controles
     −     Laboratórios certificados para controle dos resíduos
                                                                                                     Pedro Leopoldo
     −     Monitoramento contínuo das emissões atmosféricas
     −     Tratamento dos efluentes gerados no processo da Resotec                        Belo Horizonte
                                                                                                                Vitória (Moagem)
     −     Área interna dos galpões de resíduos impermebalizadas
     −     Cuidados ocupacionais dos funcionários (EPIs, exames periódicos)
     −     Transportadoras auditadas, planos de emergência                                    Barroso

                                                                              Sorocaba (Moagem)                      Cantagalo
                                                                                                             Rio de Janeiro
                                                                                  São Paulo




                                                                                                           Fábricas Holcim

                                                                                                           Resotec
                                                                                                                  © 2013
Força. Desempenho. Paixão.




Coprocessamento




Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                     © 2013
O problema do lixo no mundo
• 30 bilhões de toneladas de material são descartadas no
  mundo todos os anos por pessoas e empresas Exemplos:
   2,5 bilhões de fraldas descartáveis
   183 milhões de barbeadores descartáveis




     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
O problema do lixo no mundo
• O principal fator que leva à degradação do solo é o acúmulo
  de lixo nos terrenos
• Há 100 milhões de toneladas de lixo flutuando no
  Oceano Pacífico = território dos EUA.




      Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
O problema do lixo no Brasil

                                               • Cada brasileiro = 25   ton./70 anos
                                               •    O Brasil produz 130 mil ton./dia =
                                                    45 milhões ton./ano
                                               •    3% da população mundial (Brasil) =
                                                    6,5% do lixo do mundo
                                               • São Paulo gasta R$ 6,5 bilhões/ano
                                                 em aterros ou lixões.


     Para refletir: o que os governos poderiam fazer
     com esse dinheiro? Quantos hospitais e escolas
                poderiam ser construídos?
     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                   © 2013
Para onde está indo nosso lixo?

                                                    • Vão para os lixões

                                                    • São jogados na natureza (matas e rio)

                                                    • Lançados nas ruas

                                                    • Abandonados em terrenos públicos

                                                    • Lançados ao mar

                                                    • Queimados a céu aberto e sem
                                                          segurança e controle de dioxinas e
                                                          furanos e outras emissões


     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                          © 2013
E os resíduos industriais?
• Quantidade de geração de resíduos
   Não existem dados estatísticos, apenas estimativas

                                  Geração estimada                          Destinadas corretamente*
                                       (t/ano)                                       (t/ano)
                                                              115.200.000                   8.000.000
                   * Aterros licenciados, Coprocessamento ou incineração




     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                                   © 2013
Quem gera o lixo e quais são os principais tipos?
                       Indústria em Geral                              Indústria do Petróleo
               Solventes    Alimentos vencidos                     Recortes de perfuração,
               Plásticos    Restos de papel                        Terras contaminadas por óleo
               Embalagens Produtos Vencidos                        Catalizadores usados
               Remédios vencidos                                   Óleos



                           Municípios
               Restos de estações de tratamento
               Restos de plantas de triagem                              Termoelétricas
                                                                   Cinzas
                                                                   Catalizadores usados
                    Indústria Automobilística
               Partes plásticas
               Areias
                                                                      Remediação de solos
               Restos de tintas
                                                                   Terras contaminadas
               Pneus usados
                                                                   Águas contaminadas
               Oleos usados




     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                    © 2013
E então, o que fazer?

  A sociedade e o
planeta precisam de
      soluções
  ambientalmente
   seguras para o
manejo de resíduos
 que sejam viáveis
economicamente e
   que estejam ao
  alcance de todos

                        Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
O que é resíduo?
•   Resíduo industrial é todo material resultante de um processo produtivo,
    cujo gerador rejeita, pretende rejeitar ou é solicitado a rejeitar. Segundo a
    ABNT, são classificados da seguinte maneira :

         Classe I - Resíduos perigosos
         Classe II A - Resíduos não perigosos e não inertes
         Classe II B – Resíduos não perigosos e inertes




                                                                           © 2013
Definição

         O co-processamento é a técnica de destruição térmica a altas
           temperaturas em fornos de clínquer devidamente licenciados
           para este fim, com aproveitamento de conteúdo energético e/ou
           aproveitamento da fração mineral como matéria-prima, sem a
           geração de novos resíduos.




     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
O que significa coprocessar?

• Destruir completamente um material que poderia ficar durante anos
  na natureza trazendo diversos problemas

• Transformar em energia o que se jogaria fora, ou em combustível,
  reduzindo uso de petróleo e outros combustíveis

• Eliminar o risco de um produto fora de validade, por exemplo, cair
  nas mãos de alguém que possa revendê-lo ou utilizá-lo

• Permitir que haja menos lixões e com isso mais áreas estejam
  disponíveis para agricultura ou construção de moradias e prédios
  públicos

• Evitar que produtos sejam despejados incorretamente na natureza
      Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
Coprocessamento: melhor alternativa para resíduos que
 não podem ser reciclados




 Eliminação completa do resíduo
(sem geração de cinzas) e
aproveitando o conteúdo
energético ou a fração mineral




          2013-03-11                                 © 2013
Por que escolher o coprocessamento?

   Geração de empregos
   Movimento para o comércio local trazido para o município pela
   vinda dos transportadores
   Geração de impostos
   Preservação de recursos naturais (extrai-se menos rocha para a
   fabricação do cimento)
   Manutenção da operação da fábrica, pois quanto mais tempo
   durarem os recursos naturais regionais mais tempo a fábrica vai
   operar no local



     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
Por que escolher o coprocessamento?
• Redução de emissões                                                         Não produz
                                                                              novos resíduos



   Produz novos
                                                Forno de
   resíduos                                     cimento               Coprocessamento


     Incinerador




                CO2                            CO2                             CO2
                                                                      CO2
                SO2                            SO2                             SO2
                                                                      SO2
                NOx                            NOx                             NOx
                                                                      NOx

               Resí                            Combustíveis                  Combus
                                                                      Resí
               duo                             fósseis                       tíveis
                                                                      duo
                              +                                              fósseis




        Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                            © 2013
Quais as vantagens do coprocessamento
                                                              Ecológicos:
                                           1.Redução dos impactos ambientais
                                         (CO2) ao usar uma só fonte de emissão
                                              de combustíveis fósseis para a
                                         fabricação de cimento e a destruição de
                                                          resíduos.
                                              2. Ecoeficiência ao usar menos
                                                   combustíveis fósseis
                                              3. Não aumento das emissões
                                                   4. Não produz cinzas


                                                           Coprocesamiento
                                                                                      Sociales:
              Económicos:
                                                                                1. A sociedade se livra de
      1. Ao aproveitar o poder de                                            alguns resíduos industriais sem
    combustão de alguns resíduos                                             ocupar mais terras e aumentar
       se reduzem os custos da                                                as emissões contaminadoras
     produção de cimento dando
     mais acesso ao consumidor                                                 2. Se evitam problemas de
                                                                                 saúde provenientes dos
     2. Uso da estrutura existente                                              resíduos e das emissões

     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                                          © 2013
O Coprocessamento e o Desenvolvimento Sustentável


                               Geração de Valor
                                             Substituição de Combustíveis e MPs




              Desempenho                             Responsabilidade
               Ambiental                                  Social

          Aproveitamento de resíduos               Destinação definitiva de vários
          Redução do consumo de                   tipos de resíduos industriais
         recursos não renováveis


     2013-03-11                                                          © 2013
O que pode ser coprocessado ?
•   Substâncias oleosas
•   Catalisadores usados
•   Resinas, colas e látex
•   Pneus e emborrachados
•   Madeiras contaminadas
•   Solventes
•   Borras Ácidas
•   Lodos de tratamentos
•   Terras contaminadas
•   Revestimentos de Cubas de Alumínio
•   Papel e papelão contaminados




                                         © 2013
O que não pode ser coprocessado ?
• Segundo a Resolução CONAMA nº 264, não pode ser coprocessado:
    Resíduos domiciliares (RSD)
    Resíduos de serviços de saúde (RSS)
    Elementos radioativos
    Explosivos
    Organoclorados
    Agrotóxicos




                                                                  © 2013
Por que é seguro coprocessar?




     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
Por que processar em forno cimenteiro?




 Temperaturas altas                        Tiempo de                    Horno giratorio que     Atmósfera rica en
                                        residencia de los                  genera gran              oxígeno
                                             gases                         turbulencia




                Sistema de lavado                            Sistema de filtros      Incorporación al
                     de gases                                    de manga                 clinker




        Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                                         © 2013
No Brasil, outras cimenteiras fazem coprocessamento?

        A maioria das
        cimenteiras no
        Brasil são
        licenciadas e
        fazem
        coprocessamento




     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
O Coprocessamento no Grupo Holcim
         Atuação Global: Experiências acumuladas em cerca de 40 países oferecendo serviços para
            gerenciamento de resíduos com foco em coprocessamento




     2013-03-11                                                                             © 2013
Como a Holcim coprocessa?
• No mundo, há mais de 40 anos, a Holcim realiza coprocessamento em mais de 40
  países em todos os continentes e, na América Latina, opera 18 plantas com
  coprocessamento
• O grupo Holcim possui uma política mundial de coprocessamento que
  complementa a legislação do Brasil
• Ao receber uma demanda de coleta de resíduo, a Holcim avalia se o material está
  dentro da política mundial, se é permitido pela legislação brasileira e regional
  A Holcim avalia também se as propriedades físicas e químicas desse material não
  trarão prejuízos ao cimento e à saúde de quem está envolvido no processo e para
  a comunidade
• Ao aceitar o serviço, a Holcim solicita a licença do resíduo junto aos órgãos
  ambientais para coletar, transportar e coprocessar esse material
• É planejada a logística do transporte – que tipo de caminhões devem ser usados,
  os cuidados necessários, o treinamento dos motoristas, as fichas de emergências e
  a análise da rota de transporte



        Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG               © 2013
Como a Holcim coprocessa?
•    O material chega até a Holcim e vai diretamente para novas análises de laboratório
    que verificam:
      Se o material que veio é o mesmo que foi licenciado
      Caso não esteja adequado ao que foi licenciado a Holcim devolve o material
• O material passa então pelo preparo para torná-lo adequado para ir ao forno
  (tamanho, consistência etc.)
• É colocado no forno onde se transforma em:
      Energia para o forno
      Material que substitui parte da rocha extraída na região para a fabricação de cimento,
      dentre outros




         Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                      © 2013
O processo do início ao final


     Geradores de resíduos
                                                                               Análise em laboratório
                                                                                                                   Resíduos não
                                                                                                                   conformes são
                                                                                                                   devolvidos
                                                                              Resíduo conforme licença


     Análise em laboratório                    Negado
                                                                               Preparação do resíduo




Licenciamento no órgão ambiental                     Negado
                                                                                                                  Controle do
                                                                                  Forno de Cimento            produto final e das
                                                                                                                   emissões
                                                                                                                 atmosféricas

                                                                             Cimento de              Meio
         Resíduo aceito                              Recepção na fábrica      qualidade            Ambiente
                                                                                                    seguro



               Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                                         © 2013
Como se prepara o material para processar?




     Recepção e                                                             Material pronto para
   armazenamento                                             Preparação         coprocessar
     dos resíduos                                                         (Combustível ou matéria
                                                                             prima alternativa)




     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                               © 2013
Que controles temos para evitar riscos?

                                                                   Nossos três focos de
                                                                      preocupação




                                                                               Meio
                                                                   Pessoas
                                                                              Ambiente



                                                                      Qualidade do
                                                                        produto




     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG                      © 2013
Às pessoas
• Seguir estritamente a política de
  coprocessamento do grupo Holcim e as leis
  brasileiras para garantir que não haja impacto
  às comunidades onde atuamos
• Seguir estritamente as leis nacionais e a
  diretrizes da Holcim de saúde e segurança
  dos trabalhadores
• Uso de equipamentos de proteção individual
  específicos para o manuseio de resíduos
• Monitoramento do ambiente e exames
  médicos periódicos da saúde dos nossos
  funcionários
• Capacitação constante dos nossos
  funcionários que trabalham com o
  coprocessamento
      Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
Ao meio ambiente

• Instalações com tecnologia moderna para
 manejo de resíduo em ambiente coberto,
 pisos impermeabilizados com concreto e
 sistema de controle de incêndios

• Filtros nos fornos de cimento para
 diminuição das emissões

• Medição periódica de emissões, dioxinas,
 furanos e metais pesados


      Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
À qualidade do cimento
• Orientação pelo guia de parâmetros acordados
  entre as áreas de coprocessamento e
  produção de cimento

• Uso de laboratórios sofisticados
  tecnologicamente para controle de parãmetros
  definidos nos contratos com clientes e pelas
  normas e regulações vigentes

• Testes de lixiviação no concreto produzido
  para certificação de qualquer tipo de
  possibilidade de contaminantes serem
  expelidos
      Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
Certificações e licenças para o coprocessamento
 ISO 9001
 ISO 14001
 Licenças para coprocessamento do
 órgão ambiental




      Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG   © 2013
Nosso compromisso com o planeta

                                                       Mais do que transformar
                                                      resíduos em combustível,
                                                      a Holcim quer ser parte do
                                                      grupo que busca soluções
                                                          inovadoras para o
                                                       problema de resíduos do
                                                               mundo


     Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG            © 2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Roberto Emery-Trindade
 
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Teli 2
Teli 2Teli 2
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
Edir Leite Freire
 
Tipos de tratamentos de efluentes industriais
Tipos de tratamentos de efluentes industriaisTipos de tratamentos de efluentes industriais
Tipos de tratamentos de efluentes industriais
Felipe Avelino
 
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOSDISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
primaquim
 
Resolução conama nº 307
Resolução conama nº 307Resolução conama nº 307
Resolução conama nº 307
luismar1234
 
Cadeia inversa dos pneus
Cadeia inversa dos pneusCadeia inversa dos pneus
Cadeia inversa dos pneus
Daniel Moura
 
Gestão de resíduos da construção civil
Gestão de resíduos da construção civilGestão de resíduos da construção civil
Gestão de resíduos da construção civil
Universidade Federal Fluminense
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
ONU Meio Ambiente e Ministério do Meio Ambiente
 
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Aula 01   inicial - apresentação e introduçãoAula 01   inicial - apresentação e introdução
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
VALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de ÁguaVALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de Água
slides-mci
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Doc rsi
Doc rsiDoc rsi
Manejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteiraManejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteira
Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
Livia Iost Gallucci
 
25 gestão de resíduos de gesso
25   gestão de resíduos de gesso25   gestão de resíduos de gesso
25 gestão de resíduos de gesso
Petiano Camilo Bin
 
Gestão amb. da água
Gestão amb. da águaGestão amb. da água
Gestão amb. da água
Marcelo Possas
 
Tratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgotoTratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgoto
Movimento Verde
 

Mais procurados (20)

Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
 
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
 
Teli 2
Teli 2Teli 2
Teli 2
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
 
Tipos de tratamentos de efluentes industriais
Tipos de tratamentos de efluentes industriaisTipos de tratamentos de efluentes industriais
Tipos de tratamentos de efluentes industriais
 
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOSDISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
 
Resolução conama nº 307
Resolução conama nº 307Resolução conama nº 307
Resolução conama nº 307
 
Cadeia inversa dos pneus
Cadeia inversa dos pneusCadeia inversa dos pneus
Cadeia inversa dos pneus
 
Gestão de resíduos da construção civil
Gestão de resíduos da construção civilGestão de resíduos da construção civil
Gestão de resíduos da construção civil
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
 
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Aula 01   inicial - apresentação e introduçãoAula 01   inicial - apresentação e introdução
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
 
VALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de ÁguaVALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de Água
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
 
Doc rsi
Doc rsiDoc rsi
Doc rsi
 
Manejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteiraManejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteira
 
Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
 
25 gestão de resíduos de gesso
25   gestão de resíduos de gesso25   gestão de resíduos de gesso
25 gestão de resíduos de gesso
 
Gestão amb. da água
Gestão amb. da águaGestão amb. da água
Gestão amb. da água
 
Tratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgotoTratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgoto
 

Destaque

Usina termeletrica
Usina termeletricaUsina termeletrica
Usina termeletrica
Fagner Melo
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
LUIS ABREU
 
2003 g2 trabalho usina termeletrica
2003 g2 trabalho usina termeletrica2003 g2 trabalho usina termeletrica
2003 g2 trabalho usina termeletrica
cristbarb
 
Energia nuclear apresentação
Energia nuclear apresentaçãoEnergia nuclear apresentação
Energia nuclear apresentação
sandraprado
 
Fontes alternativas de energia
Fontes alternativas de energiaFontes alternativas de energia
Fontes alternativas de energia
gilmar0307
 
TermoeléTrica
TermoeléTricaTermoeléTrica
TermoeléTrica
igorbigu
 
Energia termoelectrica
Energia termoelectricaEnergia termoelectrica
Energia termoelectrica
Miguel Angel
 
4 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 4
4    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 44    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 4
4 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 4
Zacarias Junior
 
Energia termelétrica
Energia termelétricaEnergia termelétrica
Energia termelétrica
Joemille Leal
 
Apresentação fontes alternativas de energia tecnologias e processos
Apresentação   fontes alternativas de energia tecnologias e processosApresentação   fontes alternativas de energia tecnologias e processos
Apresentação fontes alternativas de energia tecnologias e processos
Zacarias Junior
 
5 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 5
5    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 55    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 5
5 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 5
Zacarias Junior
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
Fran Louren
 
Mapa de riscos
Mapa de riscosMapa de riscos
Mapa de riscos
Aline Arantes
 
7 a - planejamento e administração do ppra - nr 09
7   a - planejamento e administração do ppra - nr 097   a - planejamento e administração do ppra - nr 09
7 a - planejamento e administração do ppra - nr 09
Zacarias Junior
 
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
6    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 66    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
Zacarias Junior
 
Usina termoelétrica
Usina termoelétricaUsina termoelétrica
Usina termoelétrica
Stefany Karolay
 
Energia termonuclear (c)
Energia  termonuclear (c)Energia  termonuclear (c)
Energia termonuclear (c)
Romualdo Caetano Barros
 
Energia termoelectrica
Energia termoelectricaEnergia termoelectrica
Energia termoelectrica
JohanaGomez97
 
Riscos operacionais - Palestra Fiesp
Riscos operacionais - Palestra FiespRiscos operacionais - Palestra Fiesp
Riscos operacionais - Palestra Fiesp
Fundação Vanzolini
 
Tipos de usinas
Tipos de usinasTipos de usinas
Tipos de usinas
Robson Oliveira
 

Destaque (20)

Usina termeletrica
Usina termeletricaUsina termeletrica
Usina termeletrica
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
 
2003 g2 trabalho usina termeletrica
2003 g2 trabalho usina termeletrica2003 g2 trabalho usina termeletrica
2003 g2 trabalho usina termeletrica
 
Energia nuclear apresentação
Energia nuclear apresentaçãoEnergia nuclear apresentação
Energia nuclear apresentação
 
Fontes alternativas de energia
Fontes alternativas de energiaFontes alternativas de energia
Fontes alternativas de energia
 
TermoeléTrica
TermoeléTricaTermoeléTrica
TermoeléTrica
 
Energia termoelectrica
Energia termoelectricaEnergia termoelectrica
Energia termoelectrica
 
4 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 4
4    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 44    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 4
4 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 4
 
Energia termelétrica
Energia termelétricaEnergia termelétrica
Energia termelétrica
 
Apresentação fontes alternativas de energia tecnologias e processos
Apresentação   fontes alternativas de energia tecnologias e processosApresentação   fontes alternativas de energia tecnologias e processos
Apresentação fontes alternativas de energia tecnologias e processos
 
5 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 5
5    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 55    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 5
5 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 5
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
 
Mapa de riscos
Mapa de riscosMapa de riscos
Mapa de riscos
 
7 a - planejamento e administração do ppra - nr 09
7   a - planejamento e administração do ppra - nr 097   a - planejamento e administração do ppra - nr 09
7 a - planejamento e administração do ppra - nr 09
 
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
6    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 66    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais - 6
 
Usina termoelétrica
Usina termoelétricaUsina termoelétrica
Usina termoelétrica
 
Energia termonuclear (c)
Energia  termonuclear (c)Energia  termonuclear (c)
Energia termonuclear (c)
 
Energia termoelectrica
Energia termoelectricaEnergia termoelectrica
Energia termoelectrica
 
Riscos operacionais - Palestra Fiesp
Riscos operacionais - Palestra FiespRiscos operacionais - Palestra Fiesp
Riscos operacionais - Palestra Fiesp
 
Tipos de usinas
Tipos de usinasTipos de usinas
Tipos de usinas
 

Semelhante a Palestra resotec holcim

Breno palma 16 00
Breno palma 16 00Breno palma 16 00
Breno palma 16 00
forumsustentar
 
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidosLegislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
nucleosul2svma
 
Apresent_Res__Solidos_Viviane_Dorneles.pdf
Apresent_Res__Solidos_Viviane_Dorneles.pdfApresent_Res__Solidos_Viviane_Dorneles.pdf
Apresent_Res__Solidos_Viviane_Dorneles.pdf
marcondessouzatec
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Master Ambiental
 
Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industrias
Giulio Altoé
 
Cartilha completa
Cartilha completa Cartilha completa
Cartilha completa
gavetadefichas
 
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho -  Resíduos Sólidos da Construção CivilTrabalho -  Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Tania Barboza
 
Projeto central de tratamento de residuos residuo zero
Projeto central de tratamento de residuos residuo zeroProjeto central de tratamento de residuos residuo zero
Projeto central de tratamento de residuos residuo zero
Roberta Pacheco
 
A Gestão Sustentável de Resíduos na Cidade do Rio de Janeiro - José Henrique ...
A Gestão Sustentável de Resíduos na Cidade do Rio de Janeiro - José Henrique ...A Gestão Sustentável de Resíduos na Cidade do Rio de Janeiro - José Henrique ...
A Gestão Sustentável de Resíduos na Cidade do Rio de Janeiro - José Henrique ...
Humanidade2012
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Gestão de resíduos em sondas de perfuração
Gestão de resíduos em sondas de perfuraçãoGestão de resíduos em sondas de perfuração
Gestão de resíduos em sondas de perfuração
Tarcila Valentim
 
Gestao do ambiente e dos residos - Diogo, Miguel T. e Miguel D.
Gestao do ambiente e dos residos - Diogo, Miguel T. e Miguel D.Gestao do ambiente e dos residos - Diogo, Miguel T. e Miguel D.
Gestao do ambiente e dos residos - Diogo, Miguel T. e Miguel D.
lourdesingles
 
Apresentação recife energia
Apresentação recife energiaApresentação recife energia
Apresentação recife energia
confidencial
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
profleofonseca
 
Residuos industriais
Residuos industriaisResiduos industriais
Residuos industriais
Débora Neves
 
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentesTratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
RafaelNeves651350
 
Gestão dos resíduos sólidos
Gestão dos resíduos sólidosGestão dos resíduos sólidos
Ancora=2
Ancora=2Ancora=2
Ancora=2
jcuscatuga
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 

Semelhante a Palestra resotec holcim (20)

Breno palma 16 00
Breno palma 16 00Breno palma 16 00
Breno palma 16 00
 
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidosLegislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
 
Apresent_Res__Solidos_Viviane_Dorneles.pdf
Apresent_Res__Solidos_Viviane_Dorneles.pdfApresent_Res__Solidos_Viviane_Dorneles.pdf
Apresent_Res__Solidos_Viviane_Dorneles.pdf
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 
Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industrias
 
Cartilha completa
Cartilha completa Cartilha completa
Cartilha completa
 
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho -  Resíduos Sólidos da Construção CivilTrabalho -  Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
 
Projeto central de tratamento de residuos residuo zero
Projeto central de tratamento de residuos residuo zeroProjeto central de tratamento de residuos residuo zero
Projeto central de tratamento de residuos residuo zero
 
A Gestão Sustentável de Resíduos na Cidade do Rio de Janeiro - José Henrique ...
A Gestão Sustentável de Resíduos na Cidade do Rio de Janeiro - José Henrique ...A Gestão Sustentável de Resíduos na Cidade do Rio de Janeiro - José Henrique ...
A Gestão Sustentável de Resíduos na Cidade do Rio de Janeiro - José Henrique ...
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
 
Gestão de resíduos em sondas de perfuração
Gestão de resíduos em sondas de perfuraçãoGestão de resíduos em sondas de perfuração
Gestão de resíduos em sondas de perfuração
 
Gestao do ambiente e dos residos - Diogo, Miguel T. e Miguel D.
Gestao do ambiente e dos residos - Diogo, Miguel T. e Miguel D.Gestao do ambiente e dos residos - Diogo, Miguel T. e Miguel D.
Gestao do ambiente e dos residos - Diogo, Miguel T. e Miguel D.
 
Apresentação recife energia
Apresentação recife energiaApresentação recife energia
Apresentação recife energia
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Residuos industriais
Residuos industriaisResiduos industriais
Residuos industriais
 
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentesTratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
 
Gestão dos resíduos sólidos
Gestão dos resíduos sólidosGestão dos resíduos sólidos
Gestão dos resíduos sólidos
 
Ancora=2
Ancora=2Ancora=2
Ancora=2
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 

Mais de ominassemlixoes

Palestra slu
Palestra sluPalestra slu
Palestra slu
ominassemlixoes
 
Apresentação jr biogerais
Apresentação jr biogeraisApresentação jr biogerais
Apresentação jr biogerais
ominassemlixoes
 
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
ominassemlixoes
 
Pnrs
PnrsPnrs
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiaisSituação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
ominassemlixoes
 
Larissa apresentação cmrr
Larissa   apresentação cmrrLarissa   apresentação cmrr
Larissa apresentação cmrr
ominassemlixoes
 
Wagner
WagnerWagner
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis finalJacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
ominassemlixoes
 
Heitor apresentação fip - bh-rev1
Heitor   apresentação fip - bh-rev1Heitor   apresentação fip - bh-rev1
Heitor apresentação fip - bh-rev1
ominassemlixoes
 
Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis
Luiz henrique   a crise econômica no mercado dos recicláveisLuiz henrique   a crise econômica no mercado dos recicláveis
Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis
ominassemlixoes
 
Palestra abrepet
Palestra abrepetPalestra abrepet
Palestra abrepet
ominassemlixoes
 
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logosApresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
ominassemlixoes
 

Mais de ominassemlixoes (12)

Palestra slu
Palestra sluPalestra slu
Palestra slu
 
Apresentação jr biogerais
Apresentação jr biogeraisApresentação jr biogerais
Apresentação jr biogerais
 
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
 
Pnrs
PnrsPnrs
Pnrs
 
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiaisSituação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
Situação comercial dos empreendimentos de coleta de materiais
 
Larissa apresentação cmrr
Larissa   apresentação cmrrLarissa   apresentação cmrr
Larissa apresentação cmrr
 
Wagner
WagnerWagner
Wagner
 
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis finalJacqueline panorama cadeia recicláveis final
Jacqueline panorama cadeia recicláveis final
 
Heitor apresentação fip - bh-rev1
Heitor   apresentação fip - bh-rev1Heitor   apresentação fip - bh-rev1
Heitor apresentação fip - bh-rev1
 
Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis
Luiz henrique   a crise econômica no mercado dos recicláveisLuiz henrique   a crise econômica no mercado dos recicláveis
Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis
 
Palestra abrepet
Palestra abrepetPalestra abrepet
Palestra abrepet
 
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logosApresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
Apresentação consórcios montes claros edicleusa e paulo logos
 

Palestra resotec holcim

  • 1. Força. Desempenho. Paixão. Holcim e Resotec Cristiano Ferreira Cristiano.ferreira@holcim.com © 2013
  • 2. A Holcim • Fundação em 1912 com origem na Suíça • Líder mundial em Cimento, Concreto e Agregados • Oferta global de Soluções Ambientais para Resíduos através do Co- processamento • Atuação nos 5 continentes em mais de 70 países • Mais de 90.000 funcionários no mundo © 2013
  • 3. A Holcim Brasil • Há 60 anos no país • 2.000 funcionários • 3 fábricas de cimento • 2 unidade de moagem • 3 unidades Resotec © 2013
  • 4. A Resotec • É a divisão da Holcim (Brasil) que presta serviços de destinação final de resíduos industriais Plataformas integradas às fábricas de cimento Know-how de 30 anos do Grupo Holcim Certificados ISO 9.001 e 14.001 pela ABNT Investimentos de mais de US$ 60 milhões 100 funcionários, além dos envolvidos na produção de cimento Controles − Laboratórios certificados para controle dos resíduos Pedro Leopoldo − Monitoramento contínuo das emissões atmosféricas − Tratamento dos efluentes gerados no processo da Resotec Belo Horizonte Vitória (Moagem) − Área interna dos galpões de resíduos impermebalizadas − Cuidados ocupacionais dos funcionários (EPIs, exames periódicos) − Transportadoras auditadas, planos de emergência Barroso Sorocaba (Moagem) Cantagalo Rio de Janeiro São Paulo Fábricas Holcim Resotec © 2013
  • 5. Força. Desempenho. Paixão. Coprocessamento Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 6. O problema do lixo no mundo • 30 bilhões de toneladas de material são descartadas no mundo todos os anos por pessoas e empresas Exemplos: 2,5 bilhões de fraldas descartáveis 183 milhões de barbeadores descartáveis Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 7. O problema do lixo no mundo • O principal fator que leva à degradação do solo é o acúmulo de lixo nos terrenos • Há 100 milhões de toneladas de lixo flutuando no Oceano Pacífico = território dos EUA. Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 8. O problema do lixo no Brasil • Cada brasileiro = 25 ton./70 anos • O Brasil produz 130 mil ton./dia = 45 milhões ton./ano • 3% da população mundial (Brasil) = 6,5% do lixo do mundo • São Paulo gasta R$ 6,5 bilhões/ano em aterros ou lixões. Para refletir: o que os governos poderiam fazer com esse dinheiro? Quantos hospitais e escolas poderiam ser construídos? Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 9. Para onde está indo nosso lixo? • Vão para os lixões • São jogados na natureza (matas e rio) • Lançados nas ruas • Abandonados em terrenos públicos • Lançados ao mar • Queimados a céu aberto e sem segurança e controle de dioxinas e furanos e outras emissões Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 10. E os resíduos industriais? • Quantidade de geração de resíduos Não existem dados estatísticos, apenas estimativas Geração estimada Destinadas corretamente* (t/ano) (t/ano) 115.200.000 8.000.000 * Aterros licenciados, Coprocessamento ou incineração Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 11. Quem gera o lixo e quais são os principais tipos? Indústria em Geral Indústria do Petróleo Solventes Alimentos vencidos Recortes de perfuração, Plásticos Restos de papel Terras contaminadas por óleo Embalagens Produtos Vencidos Catalizadores usados Remédios vencidos Óleos Municípios Restos de estações de tratamento Restos de plantas de triagem Termoelétricas Cinzas Catalizadores usados Indústria Automobilística Partes plásticas Areias Remediação de solos Restos de tintas Terras contaminadas Pneus usados Águas contaminadas Oleos usados Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 12. E então, o que fazer? A sociedade e o planeta precisam de soluções ambientalmente seguras para o manejo de resíduos que sejam viáveis economicamente e que estejam ao alcance de todos Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 13. O que é resíduo? • Resíduo industrial é todo material resultante de um processo produtivo, cujo gerador rejeita, pretende rejeitar ou é solicitado a rejeitar. Segundo a ABNT, são classificados da seguinte maneira : Classe I - Resíduos perigosos Classe II A - Resíduos não perigosos e não inertes Classe II B – Resíduos não perigosos e inertes © 2013
  • 14. Definição O co-processamento é a técnica de destruição térmica a altas temperaturas em fornos de clínquer devidamente licenciados para este fim, com aproveitamento de conteúdo energético e/ou aproveitamento da fração mineral como matéria-prima, sem a geração de novos resíduos. Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 15. O que significa coprocessar? • Destruir completamente um material que poderia ficar durante anos na natureza trazendo diversos problemas • Transformar em energia o que se jogaria fora, ou em combustível, reduzindo uso de petróleo e outros combustíveis • Eliminar o risco de um produto fora de validade, por exemplo, cair nas mãos de alguém que possa revendê-lo ou utilizá-lo • Permitir que haja menos lixões e com isso mais áreas estejam disponíveis para agricultura ou construção de moradias e prédios públicos • Evitar que produtos sejam despejados incorretamente na natureza Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 16. Coprocessamento: melhor alternativa para resíduos que não podem ser reciclados Eliminação completa do resíduo (sem geração de cinzas) e aproveitando o conteúdo energético ou a fração mineral 2013-03-11 © 2013
  • 17. Por que escolher o coprocessamento? Geração de empregos Movimento para o comércio local trazido para o município pela vinda dos transportadores Geração de impostos Preservação de recursos naturais (extrai-se menos rocha para a fabricação do cimento) Manutenção da operação da fábrica, pois quanto mais tempo durarem os recursos naturais regionais mais tempo a fábrica vai operar no local Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 18. Por que escolher o coprocessamento? • Redução de emissões Não produz novos resíduos Produz novos Forno de resíduos cimento Coprocessamento Incinerador CO2 CO2 CO2 CO2 SO2 SO2 SO2 SO2 NOx NOx NOx NOx Resí Combustíveis Combus Resí duo fósseis tíveis duo + fósseis Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 19. Quais as vantagens do coprocessamento Ecológicos: 1.Redução dos impactos ambientais (CO2) ao usar uma só fonte de emissão de combustíveis fósseis para a fabricação de cimento e a destruição de resíduos. 2. Ecoeficiência ao usar menos combustíveis fósseis 3. Não aumento das emissões 4. Não produz cinzas Coprocesamiento Sociales: Económicos: 1. A sociedade se livra de 1. Ao aproveitar o poder de alguns resíduos industriais sem combustão de alguns resíduos ocupar mais terras e aumentar se reduzem os custos da as emissões contaminadoras produção de cimento dando mais acesso ao consumidor 2. Se evitam problemas de saúde provenientes dos 2. Uso da estrutura existente resíduos e das emissões Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 20. O Coprocessamento e o Desenvolvimento Sustentável Geração de Valor Substituição de Combustíveis e MPs Desempenho Responsabilidade Ambiental Social Aproveitamento de resíduos Destinação definitiva de vários Redução do consumo de tipos de resíduos industriais recursos não renováveis 2013-03-11 © 2013
  • 21. O que pode ser coprocessado ? • Substâncias oleosas • Catalisadores usados • Resinas, colas e látex • Pneus e emborrachados • Madeiras contaminadas • Solventes • Borras Ácidas • Lodos de tratamentos • Terras contaminadas • Revestimentos de Cubas de Alumínio • Papel e papelão contaminados © 2013
  • 22. O que não pode ser coprocessado ? • Segundo a Resolução CONAMA nº 264, não pode ser coprocessado: Resíduos domiciliares (RSD) Resíduos de serviços de saúde (RSS) Elementos radioativos Explosivos Organoclorados Agrotóxicos © 2013
  • 23. Por que é seguro coprocessar? Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 24. Por que processar em forno cimenteiro? Temperaturas altas Tiempo de Horno giratorio que Atmósfera rica en residencia de los genera gran oxígeno gases turbulencia Sistema de lavado Sistema de filtros Incorporación al de gases de manga clinker Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 25. No Brasil, outras cimenteiras fazem coprocessamento? A maioria das cimenteiras no Brasil são licenciadas e fazem coprocessamento Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 26. O Coprocessamento no Grupo Holcim Atuação Global: Experiências acumuladas em cerca de 40 países oferecendo serviços para gerenciamento de resíduos com foco em coprocessamento 2013-03-11 © 2013
  • 27. Como a Holcim coprocessa? • No mundo, há mais de 40 anos, a Holcim realiza coprocessamento em mais de 40 países em todos os continentes e, na América Latina, opera 18 plantas com coprocessamento • O grupo Holcim possui uma política mundial de coprocessamento que complementa a legislação do Brasil • Ao receber uma demanda de coleta de resíduo, a Holcim avalia se o material está dentro da política mundial, se é permitido pela legislação brasileira e regional A Holcim avalia também se as propriedades físicas e químicas desse material não trarão prejuízos ao cimento e à saúde de quem está envolvido no processo e para a comunidade • Ao aceitar o serviço, a Holcim solicita a licença do resíduo junto aos órgãos ambientais para coletar, transportar e coprocessar esse material • É planejada a logística do transporte – que tipo de caminhões devem ser usados, os cuidados necessários, o treinamento dos motoristas, as fichas de emergências e a análise da rota de transporte Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 28. Como a Holcim coprocessa? • O material chega até a Holcim e vai diretamente para novas análises de laboratório que verificam: Se o material que veio é o mesmo que foi licenciado Caso não esteja adequado ao que foi licenciado a Holcim devolve o material • O material passa então pelo preparo para torná-lo adequado para ir ao forno (tamanho, consistência etc.) • É colocado no forno onde se transforma em: Energia para o forno Material que substitui parte da rocha extraída na região para a fabricação de cimento, dentre outros Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 29. O processo do início ao final Geradores de resíduos Análise em laboratório Resíduos não conformes são devolvidos Resíduo conforme licença Análise em laboratório Negado Preparação do resíduo Licenciamento no órgão ambiental Negado Controle do Forno de Cimento produto final e das emissões atmosféricas Cimento de Meio Resíduo aceito Recepção na fábrica qualidade Ambiente seguro Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 30. Como se prepara o material para processar? Recepção e Material pronto para armazenamento Preparação coprocessar dos resíduos (Combustível ou matéria prima alternativa) Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 31. Que controles temos para evitar riscos? Nossos três focos de preocupação Meio Pessoas Ambiente Qualidade do produto Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 32. Às pessoas • Seguir estritamente a política de coprocessamento do grupo Holcim e as leis brasileiras para garantir que não haja impacto às comunidades onde atuamos • Seguir estritamente as leis nacionais e a diretrizes da Holcim de saúde e segurança dos trabalhadores • Uso de equipamentos de proteção individual específicos para o manuseio de resíduos • Monitoramento do ambiente e exames médicos periódicos da saúde dos nossos funcionários • Capacitação constante dos nossos funcionários que trabalham com o coprocessamento Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 33. Ao meio ambiente • Instalações com tecnologia moderna para manejo de resíduo em ambiente coberto, pisos impermeabilizados com concreto e sistema de controle de incêndios • Filtros nos fornos de cimento para diminuição das emissões • Medição periódica de emissões, dioxinas, furanos e metais pesados Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 34. À qualidade do cimento • Orientação pelo guia de parâmetros acordados entre as áreas de coprocessamento e produção de cimento • Uso de laboratórios sofisticados tecnologicamente para controle de parãmetros definidos nos contratos com clientes e pelas normas e regulações vigentes • Testes de lixiviação no concreto produzido para certificação de qualquer tipo de possibilidade de contaminantes serem expelidos Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 35. Certificações e licenças para o coprocessamento ISO 9001 ISO 14001 Licenças para coprocessamento do órgão ambiental Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013
  • 36. Nosso compromisso com o planeta Mais do que transformar resíduos em combustível, a Holcim quer ser parte do grupo que busca soluções inovadoras para o problema de resíduos do mundo Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Clinquer, AFR - MG © 2013