SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
               A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                   Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




    GESTÃO DE CANAIS REVERSOS DE
  CAPTAÇÃO DE RESÍDUOS: O CÂMBIO
            VERDE EM CURITIBA/PR
                           Andréia Marize Rodrigues (FCAV-UNESP)
                                         andreiamarize@fcav.unesp.br
                                    Isabel Cristina Rodrigues (FAN)
                                      isabelrodrigues2@yahoo.com.br
                            Marcelo Giroto Rebelato (FCAV-UNESP)
                                               mgiroto@fcav.unesp.br
                                      Adriana Fagotte (UniCuritiba)
                                       adriana@casadascanetas.com.br



Os impactos ambientais de alguns produtos não estão necessariamente
vinculados ao seu processo produtivo, mas sim ao seu destino após o
uso (descarte). Assim, iniciativas que procurem reentroduzir estes
materiais descartados no processo proodutivo, como é o caso da coleta
seletiva e reciclagem, devem ser valorizados. Este trabalho estudou os
canais reversos de captação de lixo em vigência no município de
Curitiba/PR com ênfase no programa Câmbio Verde, que além do viés
ambiental, contempla em sua estrutura também aspectos econômicos e
sociais.

Palavras-chaves: Logística Reversa, Reciclagem, Coleta Seletiva,
Câmbio Verde
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                            A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                        Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




1.1


      1. Introdução
      Segundo afirma Epelbaum (2004), já há algum tempo algumas empresas têm redirecionado
      seus sistemas produtivos rumo a adoção de tecnologias mais limpas, revendo seus projetos de
      produtos e processos com vistas a redução do impacto ambiental de suas atividades.
      Além deste movimento observado com bastante nitidez nos setores produtivos privados, a
      administração pública também vem sinalizando ações focadas na presevação ambiental, com
      destaque à gestão das questões ambientais por parte de alguns municípios brasileiros.
      Porém, a adequada gestão dos resíduos, sobretudo dos resíduos sólidos, ainda se constitui em
      um desafio, tanto para a iniciativa privada quanto para a esfera pública,
      pois como ressalta Rodrigues et al (2006), para a maior parte dos produtos, os maiores
      impactos ao meio ambiente não ocorrem durante sua produção, mas no seu pós-uso (descarte).
      A preocupação com esta questão unida a interesses econômicos, têm levado ao surgimento de
      empresas interessadas em reciclar materiais e embalagens, que passam a se destacar como
      matérias-primas, deixando de ser tratados apenas como lixo (BRUSTEIN & BUZZINI, 1999).
      Desta maneira, seja por razões ambientais ou econômicas, é desejável que produtos
      descartados como bens de pós-consumo passem a ter seus componentes ou materiais
      constituintes reintegrados ao ciclo produtivo ou de negócios, num processo denominado de
      “logística reversa” (RODRIGUES et al, 2006).
      Gerir de forma adequada os chamados canais de distribuição reversos passa, então, a ser de
      fundamental importância para que se possa garantir a reintegração no processo produtivo de
      destes materias descartados. Neste contexto, os programas articulados pelos organismos
      públicos como, por exemplo, a coleta seletiva de resíduos sólidos em âmbito municipal, passa
      a ter papel relevante, tornando-se coadjuvante no mecanismo de reaproveitamento dos
      materiais descartados.
      No que diz respeito a estas iniciciativas o município de Curitiba, capital do Estado do Paraná,
      merece destaque, uma vez que esta cidade foi a pioneira no país a implantar um programa de
      coleta seletiva de lixo domiciliar. Denominado “Lixo que não é lixo”, este programa iniciou-
      se em 1989 e levou o município a receber da ONU o título de capital ecológica. Este
      programa pode ser considerado como o início da estruturação da coleta seletiva e,
      consequentemente, da reciclagem, no país.
      Segundo Fernandes (2001 p. 94), “reciclagem deve ser considerada, sob todos os aspectos, um
      processo extremamente vantajoso à humanidade. É a forma mais adequada de tratamento de
      lixo, por razões ecológicas e também econômicas, pois retira do fluxo terminal os resíduos
      cujos destinos seriam os aterros, a incineração ou a compostagem, e reintroduz o lixo no
      processo industrial”.
      A coleta seletiva vem sendo considerada uma solução para o problema do lixo, pois através
      dela pode-se separar os materiais recicláveis dos não recicláveis. Isso quer dizer que uma
      parte do lixo pode ser reaproveitada, deixando de se tornar uma fonte de degradação para o
      meio ambiente, podendo se tornar uma solução econômica e social, com geração de empregos
      e renda (RODRIGUES et al, 2005a).




                                                                                                                           2
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                       A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                   Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




Mediante este contexto, surgiu o interesse pelo estudo dos mecanismos associados à coleta
seletiva do município de Curitiba. Este artigo apresenta os resultados deste estudo sendo que,
dada a amplitude dos mecanismos de coleta seletiva utilizados pelo município, aqui é
enfatizado, especificamente, o mecanismo de reintegração de resíduos denominado “Câmbio
Verde”. A escolha pela descrição deste mecanismo se deve à sua forte interação com a
comunidade envolvida no projeto, proporcionando uma valorização evidente do lixo e de sua
coleta, trazendo para esta comunidade ganhos ambientais e sociais.
Na sequência são explorados alguns assuntos considerados inportantes para a compreensão
deste trabalho.
2. Política de gestão de resíduos sólidos
Resíduos sólidos são definidos como materiais heterogêneos resultantes das atividades
humanas, produtivas e da natureza, podendo ser total ou parcialmente reutilizados, e assim
gerando proteção à saúde pública e economia de recursos naturais (LIMA, 2004).
A resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA nº 005/1993, estabelece
como “resíduos sólidos” os resíduos nos estados sólidos e semi-sólidos que resultam de
atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola e de serviços de
varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistema de tratamento de
água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como
determinados líquidos cujas particularidades tornam inviável o seu lançamento na rede
pública de esgoto ou corpos de água, ou exijam, para isso, soluções técnicas e
economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível (CONAMA, 1999).
Os resíduos sólidos são classificados com relação à origem e à natureza, sendo separados em
dois grandes grupos. O primeiro grupo refere-se aos resíduos sólidos urbanos, compreendendo
os resíduos domésticos ou residenciais, os resíduos comerciais e os resíduos públicos. Já o
segundo grupo refere-se aos resíduos de fontes especiais, compreendidos pelos resíduos
industriais, resíduos da construção civil, resíduos radioativos, resíduos de portos, aeroportos e
terminais rodo ferroviários, os resíduos agrícolas e os resíduos de serviços da saúde.
As normas e resoluções existentes classificam os resíduos sólidos em função dos riscos
potenciais ao meio ambiente, saúde e em função da natureza de origem. A norma NBR
10.004:2004 da ABNT classifica os resíduos sólidos com relação aos riscos potenciais ao
meio ambiente e à saúde pública em duas classes: classe I e classe II-A e classe II-B.
− Classe I – Perigosos: são os que apresentam riscos ao meio ambiente e exigem tratamento
  e disposição especiais, ou que apresentam riscos à saúde pública.
− Classe II-A – Não-inertes: são basicamente os resíduos com características do lixo
  doméstico.
− Classe II-B – Inertes: são os resíduos que não se degradam ou não se decompõem quando
  dispostos no solo, são resíduos como restos de construção, os entulhos de demolição,
  pedras e areias retirados de escavação (NBR 10.004: 2004).
O Brasil ainda não tem uma lei que regulamente de forma abrangente a gestão de resíduos
sólidos no território nacional. No entanto, os órgãos reguladores como o CONAMA e a
Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, vêm exercendo, por meio de
resoluções, a regulamentação da gestão de resíduos sólidos (CONAMA, 1999; ANVISA,
2008).




                                                                                                                      3
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                       A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                   Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




Enquanto aguardam o país estabelecer sua Política Nacional de Resíduos Sólidos, alguns
estados brasileiros (CE, GO, MT, PE, PR, RJ, RO e RS) se anteciparam e estabeleceram suas
políticas estaduais de resíduos sólidos por meio de legislação específica. No Paraná, é a Lei nº
12493 de 22/01/1999 que estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes à
geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte, tratamento e destinação final
dos resíduos sólidos, objetivando o controle da poluição, da contaminação e a minimização
de seus impactos ambientais, adotando, ainda, outras providências (LEIPARANA, 2007).
2.1 Gestão de resíduos sólidos: a logística reversa
Quando se fala em gestão de resíduos sólidos, a logística reversa passa a ser um instrumento
de grande valia para o planejamento da re-inserção no processo produtivo de, pelo menos,
parte dos resíduos sólidos coletados.
Define-se a logística reversa como o planejamento, a operação e o controle do fluxo
responsável por dar destino a produtos já consumidos e que podem voltar a sua origem para
serem reutilizados e reciclados, ou que necessitam ser depositados em locais adequados.
Segundo Leite (2003, p.16) a logística reversa se constitui na "área da logística empresarial
que planeja, opera e controla o fluxo de informações logísticas correspondentes, do retorno
dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, por meio
dos canais de distribuição reversos, agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico,
ecológico, legal, logístico, de imagem corporativa, entre outros”.
Os canais de distribuição reversos, por sua vez, se constituem nas formas e meios em que os
produtos pós-consumo e pós-venda retornam ao ciclo produtivo ou de negócios, readquirindo
valor em mercados ditos secundários pelo reuso ou pela reciclagem de seus constituintes.
Porém, para desenvolver a rede de distribuição reversa e saber qual o destino a ser dado a
cada material coletado, é preciso conhecer aspectos importantes de seu ciclo de vida. Um bem
é considerado durável quando se trata de um produto que pode ser usado diversas vezes,
desde que sua vida útil esteja compreendida entre dois anos e algumas décadas. Já os ditos
semiduráveis se referem os produtos que podem ser utilizados diversas vezes, mas sua vida
útil não ultrapassa dois anos. Por fim, a classificação descartável é dada ao produto que se
utiliza apenas uma vez ou limitado há algumas semanas (LEITE, 2003).
Desta maneira, a logística reversa vai além da distribuição em si, pois a vida dos produtos não
termina quando da sua entrega ao cliente; ela tem sua continuidade nos processos chamados
de pós-venda e de pós-consumo, discutidos a seguir.
2.1.1 Canais de distribuição reversos de bens de pós-venda (CDR-PV)
Os bens de pós-venda são caracterizados pelo pouco ou nenhum uso, podendo retornar à
cadeia produtiva em seus diferentes elos, devido geralmente a problemas relacionados à
qualidade do produto, término de validade, estoques excessivos no canal de distribuição,
consignação, questões comerciais e à substituição de componentes.
O destino dos bens de pós-venda pode ser a reciclagem, a remanufatura, o ciclo de negócios
partindo do mercado secundário ou um destino final quanto não houver possibilidade de
reaproveitamento (RODRIGUES et al, 2005b).




                                                                                                                      4
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                     A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




2.1.2 Canais de distribuição reversos de bens de pós-consumo (CDR-PC)
São aqueles utilizados extensivamente e então descartados ainda em condição de uso ou
aqueles que chegam ao final da sua vida útil seja pelo desinteresse do consumidor ou pela
inutilização do mesmo. Os bens pós-consumo se originam tanto de bens duráveis quanto de
descartáveis, podendo ser destinados ao reuso ou desmanche, ou ainda remanufaturados e,
após o processo de desmanche, destinados à reciclagem ou à disposição final em aterros
sanitários, lixões ou incineração (LEITE, 2003).
O fluxo inverso de bens pós-consumo tem sido bastante observado nas últimas décadas, sendo
conhecido por muitas empresas e pessoas como processo de reciclagem e reaproveitamento de
produtos e embalagens. A logística reversa de pós-consumo cuida do equacionamento e da
operacionalização do fluxo físico e de informações dos bens descartados pela sociedade
depois de utilizados. Assim, após sua coleta, dependendo das condições apresentadas pelo
bem pós-consumo, ele pode tomar dois caminhos em sua volta ao ciclo produtivo de
negócios: reuso ou desmanche.
Os produtos que ainda apresentarem condições de serem utilizados são reaproveitados em
mercados chamados de segunda mão. Já os produtos que chegam ao final de sua vida útil
podem ser destinados ao desmanche, para o reaproveitamento de suas peças e componentes,
ou seguem o destino da reciclagem (RODRIGUES et al, 2005b).
O retorno destes produtos aos ciclos produtivos ou de negócios, no entanto, ocorre por meio
de canais de distribuição reversos específicos, tais como por meio da coleta seletiva de
inservíveis praticada tanto por órgãos públicos quanto pelos chamados catadores de lixo
(LEITE, 2003).
Para detalhar o processo de retorno ao ciclo de negócio de um bem pós-consumo, a Figura 1
ilustra os diferentes caminhos que um bem percorre logo após o seu descarte.




                                                                                                                    5
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                                         A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                                        Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




                                                                 Indústria




                                                                Comércio




                                                           Bens de pós-consumo




                                      Fim da vida útil                           Em condição de uso




                                   Desmanche                                            Reuso




                                      Componentes                              Mercado de segunda mão




                Disposição final            Reciclagem                Remanufatura




                                        Mercado secundário           Disposição final
                                        de matérias-primas



                                          Retorno ao ciclo
                                             produtivo



Fonte: Adaptado de Leite (2003).
                             Figura 1 - Caminhos percorrido por um bem após descarte


Na seqüência descrevem-se os canais reversos utilizados para a coleta de resíduos sólidos no
município de Curitiba/PR.


3. Mapeamento dos canais reversos do município de Curitiba/PR
3.1 Metodologia de pesquisa
O presente estudo consistiu em pesquisar, descrever e analisar os mecanismos formais e
informais de coleta de resíduos sólidos do município de Curitiba. O trabalho abordou todo o
ciclo logístico reverso, desde o descarte até seu recolhimento.
Para sua realização, foram utilizados tanto dados primários quanto secundários, como
demonstrado resumidamente na Tabela 1. Com relação às entrevistas, citadas na referida
tabela, como o município não possui um detalhamento do processo dos canais reversos,
optou-se pela entrevista não estruturada para conferir maior flexibilidade e obter a maior
gama de conhecimento qualitativo possível, fornecendo informações que não seriam possíveis
em outro tipo de entrevistas.




                                                                                                                                           6
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                                 A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                             Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




   FONTE
                  TÉCNICA DE
    DOS                                                               ALVO DA COLETA
                    COLETA
   DADOS

                 Entrevista pessoal       Profissionais qualificados, selecionados dentre grupos representantes da
                 e visita aos locais      Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Secretaria Municipal de
 Primários                                Abastecimento e da Fundação de Ação Social (FAS) do município de
                 onde se aplicam
                 os programas             Curitiba/PR e empresas da iniciativa privada.

                 Pesquisa                 Literatura sobre logística, logística reversa, gestão ambiental, lixo e
                 Bibliográfica            processos de reciclagem do lixo urbano.

 Secundários                              Fontes disponíveis nos sites relacionados à prefeitura do município,
                 Análise
                                          apostilas distribuídas à população, matérias publicadas em jornais e
                 Documental
                                          revistas da cidade.

Fonte: Fagotte (2007).
                                       Tabela 1: Estratégias de coletas de dados.




3.2 Estrutura geral da coleta de resíduos sólidos do município
De acordo com dados coletados na pesquisa de campo, o município de Curitiba produz por
volta de 2.034 toneladas de lixo domiciliar por dia. A gestão total dos resíduos do município é
executada, desde 1995, pela CAVO Serviço e Meio Ambiente S.A., empresa do Grupo
Camargo Corrêa especializada na prestação de serviços ambientais. Suas atividades incluem a
Gestão Total dos Resíduos (GTR) do município, serviço da saúde, indústrias e grandes
geradores.
A estrutura dos canais reversos de bens pós-consumo do município está representada na
Figura 2. Nesta ilustração é possível notar duas estruturas de coleta que conduzem os resíduos
sólidos recolhidos a caminhos distintos, denominados na figura por A e B.




                                                                                                                                7
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                               A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                           Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




                                 A             Bens de pós-                 B
                                                consumo



                Descartáveis /                                                    Duráveis /
                Semiduráveis                                                     Semiduráveis



    Coleta domiciliar        Outros                 Coleta seletiva                                     Coleta informal
         do lixo            serviços


                                                                                                           Catadores
       Aterro do                                                                                         (Carrinheiros)
       Cachimba

                                                                                             Coopera-           Atravessa-
                                                                                               tivas              dores
     Incineração




                        Compra       Câmbio          PEV          Caminhão            Condo-
                         lixo         verde                                            mínio




                                                  Intermediários




                                              Indústria da Reciclagem




Fonte: Rodrigues et al (2006); Fagotte (2007).
               Figura 2 - Estrutura dos canais reversos de bens pós-consumo do município de Curitiba/PR


A ramificação A ilustra o caminho da coleta domiciliar tradicional realizada pela prefeitura do
município, representando aproximadamente 68% do lixo domiciliar coletado (1.589
toneladas). Esta coleta é realizada sem nenhuma separação prévia entre os resíduos, e
coletados tanto o lixo orgânico quanto o inorgânico. Estes resíduos coletados não sofrerão
qualquer tipo de triagem ou aproveitamento, sendo seu destino o fim tradicional, aterramento.
O aterramento é feito no chamado Aterro Sanitário do Cachimba, que, além de Curitiba,
recebe resíduos de 14 outros municípios de sua região metropolitana. Além deste serviço, a




                                                                                                                              8
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                      A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                  Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




coleta tradicional ainda agrega outros serviços como: varrição manual, limpeza de feiras-
livres, programa compra do lixo e os Resíduos de Serviço da Saúde (RSS). Sendo este último
encaminhado para a central de tratamento de resíduos industriais de Curitiba (C.T.R.I.).
Já a ramificação B representa a coleta seletiva, realizada no município, que é composta pelos
programas: Câmbio Verde, Lixo que não é Lixo, Ponto de Entrega Voluntária (PEV), Grandes
Geradores e a Coleta de Resíduos vegetais.
Assim a ramificação B consiste em sistema de recolhimento de materiais potencialmente
recicláveis (papéis, plásticos, vidros e metais), onde os resíduos coletados são encaminhados
para depósitos cadastrados e para a Unidade de Valorização de Rejeitos (UVR) que após o
trabalho de separação e vendido a Intermediários e para a Indústria da Reciclagem.
Além desta coleta seletiva formalizada, realizada pelo município, aponta-se também a
existência da chamada coleta informal. O que diferencia estes dois canais de coleta é a sua
formalização no município: enquanto a coleta seletiva é realizada sob responsabilidade da
Prefeitura Municipal, a coleta informal é realizada pelos chamados catadores (carrinheiros). O
material coletado nestas duas vias segue o mesmo destino: a indústria da reciclagem.
Ressalta-se, entretanto, que o material coletado pelos catadores acaba sempre nas mãos de
atravessadores (sucateiros) que os repassa para a indústria da reciclagem.
Todas as vias que compõem os canais reversos da coleta seletiva no município de Curitiba
têm suas características próprias com seus meios de coleta e o destino dos resíduos coletados.
No entanto, o presente trabalho tem como proposta descrever em detalhes o programa Câmbio
Verde. A escolha por explorar com maior profundidade este programa deve-se às suas
características peculiares e à sua originalidade no que tange aos mecanismos usados para
incentivar a participação da sociedade na coleta seletiva.
3.3 Programa Câmbio Verde
O programa nasceu em junho de 1991 como uma derivação do Programa Compra do Lixo. O
programa consiste na troca de material reciclável por produtos hortifrutigranjeiros e, além de
incentivar os moradores a separarem os resíduos orgânicos dos inorgânicos, visa à promoção
do reforço alimentar de famílias carentes, através da troca de seus recicláveis por produtos
hortifrutigranjeiros de época.
A idéia surgiu pela constatação da dificuldade prática e técnica em se fazer a coleta de lixo
junto às populações localizadas em regiões precárias como favelas, áreas de risco ou áreas
invadidas. Nestas regiões pode-se observar problemas intrinsicamente correlacionados que
são os problemas de baixa renda e precariedade na saúde e problemas de degradação
ambiental. De fato, as áreas escolhidas na ocasião da implantação do projeto eram marcadas
por surtos de doençãs infecto-contagiosas e problemas ambientais decorrentes da não coleta
de lixo, tais como degradação física do meio ambiente e cheias na época de chuvas
(OLIVEIRA, 2001).
Além destas motivações, o programa visa atender a outra demanda regional: a colocação no
mercado da produção de hortifrutigranjeiros de pequenos produtores da região metropolitana
de Curitiba, atendendo a uma antiga reinvidicação deste segmento, que tinha nesta produção
sua única fonte de renda e, às vezes, destruíam sua produção antes mesmo da colheita pela
falta de perspectiva de mercado ou de remuneração.




                                                                                                                     9
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                          A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                      Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




Hoje em dia, o programa evoluiu em seu discurso e incorporou aspectos mais abragentes. Seu
objetivo geral agora é "estabelecer bases para a sustentabilidade da vida no planeta", enquanto
seus objetivos específicos são "promover a educação ambiental, gerar empregos diretos e
indiretos, prolongar a vida útil do aterro sanitário, racionalizar a exploração dos recursos
naturais, melhorar a limpeza do ambiente e facilitar o escoamento da safra de
hortifrutigranjeiros do cinturão verde de Curitiba" (PMC, 2008).
No período compreendido entre 1991 até inicio de 2007, a prefeitura do minicípio destaca que
recolheu e encaminhou para reciclagem cerca de 45.125 toneladas de lixo (PMC, 2008).
Ainda segundo a prefeitura, esta quantidade de material reciclado representa uma economia
de 195.252.646 litros de água que teriam sido utilizados caso 45 mil toneladas de novos
materiais tivessem que ser produzidos.
Um dos resíduos recuperados pelo projeto são o papel e o papelão. É importante destacar que
a cada 50 quilos de papel reciclado evita-se o corte de uma árvore. Assim, é possível afirmar
que as 4.513 toneladas de papel encaminhadas pelo Câmbio Verde para a reciclagem evitaram
o corte de 90.263 árvores.
Outra economia proporcionada pela reciclagem é a de petróleo. A reciclagem do plástico
economiza 50% de petróleo em comparação à produção do plástico a partir da matéria prima
virgem. Foram coletadas no Câmbio Verde 10.379 toneladas de plástico, encaminhados para a
reciclagem, o que representa economia de 5.190 toneladas de petróleo.
Além disso, o Câmbio Verde também ajuda diretamente na preservação do meio ambiente,
pois evita que o lixo seja descartado em córregos, ruas e terrenos vazios, fazendo com que a
reciclagem seja vista como uma alternativa para amenizar as conseqüências do lixo gerado
pela sociedade. A Tabela 2 mostra a composição do lixo recolhido de 1991 ao início de 2007.
                      MATERIAL                                %                     TONELADAS
      Sucata                                                  35                         15.794
      Vidro                                                   15                          6.769
      Plástico                                                23                         10.379
      Papel                                                   10                          4.513
      Tetrapack                                                2                           903
      Rejeito                                                 15                          6.769
      TOTAL                                                   100                        45.125
     Fonte: PMC (2008).
       Tabela 2 - Quantidade dos materiais coletados no programa Câmbio Verde (1991 a março/2007)
Além das associações de moradores, os pontos de troca se localizam nas áreas externas dos
supermercados e dos órgãos municipais e funcionam em data e horários pré-determinados.
Cada pessoa deve levar cinco quilos de material reciclável para receber em troca uma sacola
com um quilo de produto hortifrutigranjeiro.
O câmbio e realizado através de 8 caminhões de 40m³ em 80 postos volantes de troca, e em
dias e horários pré-determinados, com freqüência semanal ou quinzenal, sempre de dois em
dois, pois enquanto um pesa e recolhe os resíduos sólidos o outro distribui os produtos
hortifrutigranjeiros.




                                                                                                                       10
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                           A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                       Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




O programa sempre oferece no mínimo três produtos diferentes, sendo que em datas especiais
como dia da criança a troca é feita por brinquedo e no Natal por produtos natalinos. Além da
coleta de material tradicional como papéis, plásticos, vidros e metais, coleta-se todo tipo de
materiais inusitados: fogões, bicicletas, óleo descartado, entre outros.
Após a troca os resíduos coletados são transportados até a balança onde são feitas a pesagem e
a distribuição. A Tabela 3 mostra a quantidade de resíduos coletados, em cada mês, nos
período de 2000 a 2005.



                  Resultados do programa câmbio verde de 2000 a 2005 (em toneladas)
    Mês              2000       2001          2002             2003               2004                2005
    Janeiro          265,78     310,24        230,07           188,34             194,70              139,40
    Fevereiro        349,99     306,63        309,56           312,90             224,54              174,31
    Março            376,20     414,44        308,41           280,31             251,81              194,50
    Abril            321,01     264,50        297,43           242,49             179,74              186,94
    Maio             373,67     328,97        279,86           269,99             218,44              157,31
    Junho            361,03     308,96        285,74           209,17             217,08              181,87
    Julho            364,60     295,89        287,07           267,44             223,51              178,41
    Agosto           392,88     351,34        308,74           259,79             192,60              162,88
    Setembro         340,87     274,66        243,01           229,83             190,58              162,61
    Outubro          358,54     297,81        289,37           288,75             200,02              166,68
    Novembro         365,77     268,89        271,77           244,31             165,17              171,97
    Dezembro         338,35     251,28        249,99           200,59             130,38              147,51
    Total Anual      4.208,69   3.673,61      3.361,02         2.993,91           2.388,57            2.024,39
    Ton/ Mês         350,72     306,13        280,09           249,49             199,05              168,70
    Ton/Dia          14,03      12,25         11,20            9,98               7,96                6,75
    Fonte: Fagotte (2007).
     Tabela 3 – Quantidade de lixo recolhido no programa Câmbio Verde de 2000 a 2005, em toneladas.
Em 2000 foram distribuídos aproximadamente 70 ton/mês de produtos hortifrutigranjeiros à
população. No entanto, a partir da Figura 3 é possível observar que a coleta vem diminuindo
ano a ano e que em 2005 deixaram de ser distribuídos aproximadamente 37 ton/mês de
produtos hortifrutigranjeiros a população.




                                                                                                                        11
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                             A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                         Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




    4.500,00
    4.000,00
    3.500,00
    3.000,00
    2.500,00
    2.000,00
    1.500,00
    1.000,00
      500,00
         -
                        2000       2001          2002            2003             2004              2005

Fonte: Fagotte (2007)
                         Figura 3 - Evolução do programa Câmbio Verde de 2000 a 2005
A pesquisa de campo mostrou que a população tem preferido vender os materiais de maior
valor agregado, como o papelão e a latinha de alumínio, e trocar somente material com baixo
ou sem valor agregado no programa câmbio verde, isto explica a queda na coleta do
programa.
De certa forma isto é compreensível pois notoriamente as populações de baixa renda têm
diversas demandas a serem atendenidas e a remuneração que estes materiais de maior valor
agregado oferencem tem crescido ao longo do tempo na medida que a reciclagem se ampliou.
Infelizmente, do ponto de vista social, este fato chama atenção pois justamente a população
que o programa visa atender seria a mais benefeciada com a inserção em sua dieta de produtos
hortifrutigranjeiros.
4. Considerações Finais.
Em primeiro lugar é preciso destacar a iniciativa que o município de Curitiba teve de
enfrentar de forma firme o desafio de equacionar a gestão de seus resíduos sólidos. A
reciclagem de parte relevante dos materiais descartados pela sociedade curitibana, só é
possível devido a estrutura robusta que o poder público implantou, e vem mantendo ao longo
dos anos, que permite que os diversos canais reversos funcionem e se complementem.
Como o trabalho de campo permitiu identificar, os diversos programas de recebimento dos
materiais, chamados tecnicnicamente de canais reversos, atuam em diversas frentes e
sinalizam, apesar de com um mesmo objetivo, de forma diferente para os diversos estratos da
população.
Com relação especificamente ao programa Câmbio Verde, objeto de estudo do presente
trabalho, pode-se verificar que sua performance cumpre objetivos que suplantam os de apenas
recolher material descartado, assumindo também um relevante papel social na medida em que
promove o interesse pela coleta visando a reciclagem do lixo, através de um incentivo
econômico.




                                                                                                                          12
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                      A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                  Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




É bom lembrar que o público alvo deste programa, além de condições socioeconômicas
precárias, possuem um nível de conscientização ambiental muito baixo, senão inexistente. Isto
faz com que qualquer outro tipo de proposta de sensibilização para a coleta de lixo não tenha
o mesmo sucesso. Ao mesmo tempo, são nas localidades que esta população habita (favelas,
regiões de risco e invasões), que as condições de saneamento e coleta de lixo deixam mais a
desejar, expondo esta população à degradação ambiental e a toda sorte de doenças.
Assim, a coleta de lixo por esta população, com intuito de entregar para o programa, atua
também como agente saneador na medida em que colabora nas condições ambientais da
localidade.
O programa Câmbio Verde, no entanto, ao contrário de outros programas que também
sinalizam com incentivos econômicos, como o de compra do lixo por exemplo, vai além
quando “força” que a remuneração vinda do esforço em coletar e entregar o lixo, vá para
gêneros alimentícios. Além do mais, por serem produtos hortifrutigranjeiros, estes alimentos
acabam melhorando a dieta da população contemplada, que presumidamente é tida como uma
dieta carente.
Outro fator que torna este programa peculiar é o fato de aproveitar a produção local de
hortifrutisgranjeiros que, no caso dos produtores do cinturão verde do município, sempre
tiveram problemas em colocar a totalidade de sua produção.
É importante ainda destacar que a forma como o município decidiu enxergar o lixo, atribuindo
a ele valor e possibilidade de reuso/reciclagem, está de acordo com as correntes modernas de
gestão ambiental. Valorizar economicamente o lixo ao invés de simplesmente enxergá-lo
como um fardo a ser depositado em aterros ou lixões, de preferência bem longe dos olhos da
sociedade, mostra um amadurecimento da gestão pública do município.
Portanto o programa Câmbio Verde alcansa metas tanto no plano financeiro, quanto social,
tanto na área de saúde quanto na do meio ambiente. Possue pontos positivos que merecem
destaque: o meio ambiente é poupado na medida que menos resíduos necessitam ser tratados e
menos recursos são consumidos devido à reciclagem; e há também benefícios sociais quando
gera renda (ou benefícios) para aqueles que integram o programa, qual sejam: a comunidade e
e os pequenos agricultores da localidade.
Isto vem ao encontro do que acredita Cardoso et al (2002 apud RODRIGUES et al , 2005a),
quando afirma ter a certeza de que a preservação dos recursos ambientais do planeta precisa
andar lado a lado com medidas de combate à pobreza e da promoção da segurança e da
dignidade humana.
Finalmente, cabe ressaltar que dados os 19 anos transcorridos desde a implantação do
programa “Lixo que não é lixo”, início de todo o processo, pode-se dizer que o município de
Curitiba já apresenta junto à sociedade curitibana e perante outros municípios uma tradição na
coleta seletiva de resíduos sólidos domiciliares.
 Isto permite que o município seja utilizado como exemplo para outras cidades que
pretendam transformar sua coleta domiciliar em um canal reverso para o reaproveitamento e
reciclagem de materiais, e sobretudo, utilizar o exemplo de Curitiba para enxergar de forma
distinta a questão do lixo.


Referências




                                                                                                                   13
XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
                                            A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável.
                                                                        Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008




ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: <https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/
manuais/manualgerenciamentoresiduos.pdf> Acesso em: 20 de fev 2008.
BRUNSTEIN, I.; BUZZINI, R. R. Modelo de sistema de gestão ambiental em empresas certificadas com a
ISO 9000: estudos de caso. In: Anais do VI SIMPEP. Bauru: UNESP, 1999.
CONAMA. Diretrizes Técnicas para a Gestão de Resíduos Sólidos. Conselho Nacional do Meio Ambiente.
Resolução n. 259, de 30 de junho de 1993. 1999.
EPELBAUM, M. A influência da gestão ambiental na competitividade e no sucesso empresarial. Dissertação
(Mestrado). Escola Politécnica - USP. São Paulo, 2004.
FAGOTTE, A. Gestão de resíduos sólidos: mapeamento dos canais reversos do município de Curitiba/PR.
Faculdade de Ciências Administrativas. Centro Universitário Curitiba. (Monografia). Curitiba, 2007.
FERNANDES, J. U. J. Lixo: limpeza pública urbana. Belo Horizonte: De Rey, 2001.
LEIPARANA. Disponível em: < http://www.lixo.com.br/leiparana.doc > Acesso em: 25 de fev de 2008.
LEITE, P. R. Logística Reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Prentice Hall, 2003.
LIMA, J. D. Gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil. Campina Grande: Inspira, 2004.
NBR 10.004: 2004 Classificação dos resíduos sólidos. ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio
de Janeiro, 2004.
OLIVEIRA, M. The trajectory of environmental discourse in Curitiba (1960-2000). Rev. Sociol. Polit. ,
Curitiba, n. 16, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
44782001000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 de fev 2008.
PMC. Programa câmbio verde. Curitiba : Prefeitura Municipal de Curitiba.                                Disponível        em
<http://www.curitiba.pr.gov.br/Noticia.aspx?n=8848>. Acesso em: 20 de fev 2008.
RODRIGUES, A. M.; RODRIGUES, I. C.; REBELATO, M. G.; SCHUINAT, A. A logística Reversa como
instrumento de geração de renda e inclusão social: o caso de uma empresa produtora de pneus remoldados. In:
Anais do XII Simpósio de Engenharia de Produção ( SIMPEP). Bauru/SP, 2005a.
RODRIGUES, A. M.; RODRIGUES, I. C.; REBELATO, M. G. Gestão Ambiental e Responsabilidade
Social: uma Discussão Sobre os Novos Papéis da Gestão Empresarial. In: Anais do VIII Simpósio de
Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais (SIMPOI). São Paulo: FGV, 2005b.
RODRIGUES, A. M.; RODRIGUES, I. C. ; REBELATO, M. G.; FAGOTTE, A. A Gestão Municipal de
Resíduos Sólidos no Contexto da Logística reversa: O caso do Município de Curitiba/PR. In: Anais do XXVI
Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP). Fortaleza/CE, 2006.




                                                                                                                         14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama da gestão dos resíduos sólidos da construção civil no brasil
Panorama da gestão dos resíduos sólidos da construção civil no brasilPanorama da gestão dos resíduos sólidos da construção civil no brasil
Panorama da gestão dos resíduos sólidos da construção civil no brasilDECIO BARRETO
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoGiovanna Ortiz
 
BIOTERA- ESCOLA SUSTENTÁVEL
BIOTERA- ESCOLA SUSTENTÁVELBIOTERA- ESCOLA SUSTENTÁVEL
BIOTERA- ESCOLA SUSTENTÁVELBiotera
 
ECCC : Economia Circular, Compartilhada e Criativa
ECCC : Economia Circular, Compartilhada e CriativaECCC : Economia Circular, Compartilhada e Criativa
ECCC : Economia Circular, Compartilhada e CriativaBiotera
 
A.Benini_TCCI_San Diego_Califórnia_2014 - Logística Reversa de Celulares, Prá...
A.Benini_TCCI_San Diego_Califórnia_2014 - Logística Reversa de Celulares, Prá...A.Benini_TCCI_San Diego_Califórnia_2014 - Logística Reversa de Celulares, Prá...
A.Benini_TCCI_San Diego_Califórnia_2014 - Logística Reversa de Celulares, Prá...Alyne Benini
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Jorge Moreira
 
Seminário política nacional de resíduos sólidos 19-08-2010 - apresentação d...
Seminário política nacional de resíduos sólidos   19-08-2010 - apresentação d...Seminário política nacional de resíduos sólidos   19-08-2010 - apresentação d...
Seminário política nacional de resíduos sólidos 19-08-2010 - apresentação d...FecomercioSP
 
Gerenciamento de resíduos químicos
Gerenciamento de resíduos químicos Gerenciamento de resíduos químicos
Gerenciamento de resíduos químicos Paloma Dianas
 
Art sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para rec...
Art sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para rec...Art sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para rec...
Art sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para rec...Petiano Camilo Bin
 
Implantação da Logística Reversa no Município de Xapuri - Acre
Implantação da Logística Reversa no Município de Xapuri - AcreImplantação da Logística Reversa no Município de Xapuri - Acre
Implantação da Logística Reversa no Município de Xapuri - AcreRony Quadros
 
Tcc (walter e grupo)
Tcc (walter e grupo)Tcc (walter e grupo)
Tcc (walter e grupo)André Luiz
 
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge RoccoSeminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Roccociespjacarei
 
Resíduos de logística reversa final
Resíduos de logística reversa finalResíduos de logística reversa final
Resíduos de logística reversa finalMaster Ambiental
 
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1cmoitinho
 

Mais procurados (20)

Panorama da gestão dos resíduos sólidos da construção civil no brasil
Panorama da gestão dos resíduos sólidos da construção civil no brasilPanorama da gestão dos resíduos sólidos da construção civil no brasil
Panorama da gestão dos resíduos sólidos da construção civil no brasil
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
 
BIOTERA- ESCOLA SUSTENTÁVEL
BIOTERA- ESCOLA SUSTENTÁVELBIOTERA- ESCOLA SUSTENTÁVEL
BIOTERA- ESCOLA SUSTENTÁVEL
 
Introdução aula 6
Introdução   aula 6Introdução   aula 6
Introdução aula 6
 
ECCC : Economia Circular, Compartilhada e Criativa
ECCC : Economia Circular, Compartilhada e CriativaECCC : Economia Circular, Compartilhada e Criativa
ECCC : Economia Circular, Compartilhada e Criativa
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
 
José cláudio junqueira ribeiro
José cláudio junqueira ribeiroJosé cláudio junqueira ribeiro
José cláudio junqueira ribeiro
 
A.Benini_TCCI_San Diego_Califórnia_2014 - Logística Reversa de Celulares, Prá...
A.Benini_TCCI_San Diego_Califórnia_2014 - Logística Reversa de Celulares, Prá...A.Benini_TCCI_San Diego_Califórnia_2014 - Logística Reversa de Celulares, Prá...
A.Benini_TCCI_San Diego_Califórnia_2014 - Logística Reversa de Celulares, Prá...
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
 
Seminário política nacional de resíduos sólidos 19-08-2010 - apresentação d...
Seminário política nacional de resíduos sólidos   19-08-2010 - apresentação d...Seminário política nacional de resíduos sólidos   19-08-2010 - apresentação d...
Seminário política nacional de resíduos sólidos 19-08-2010 - apresentação d...
 
Gerenciamento de resíduos químicos
Gerenciamento de resíduos químicos Gerenciamento de resíduos químicos
Gerenciamento de resíduos químicos
 
Logistica verde
Logistica verdeLogistica verde
Logistica verde
 
Art sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para rec...
Art sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para rec...Art sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para rec...
Art sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para rec...
 
Implantação da Logística Reversa no Município de Xapuri - Acre
Implantação da Logística Reversa no Município de Xapuri - AcreImplantação da Logística Reversa no Município de Xapuri - Acre
Implantação da Logística Reversa no Município de Xapuri - Acre
 
Tcc (walter e grupo)
Tcc (walter e grupo)Tcc (walter e grupo)
Tcc (walter e grupo)
 
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge RoccoSeminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
 
Resíduos de logística reversa final
Resíduos de logística reversa finalResíduos de logística reversa final
Resíduos de logística reversa final
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
 
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
 

Destaque

Consultoria Negócios Internacionais - Cibele Souza
Consultoria Negócios Internacionais - Cibele SouzaConsultoria Negócios Internacionais - Cibele Souza
Consultoria Negócios Internacionais - Cibele SouzaCibele Souza
 
Portfólio - Acm Consultoria Empresarial
Portfólio - Acm Consultoria EmpresarialPortfólio - Acm Consultoria Empresarial
Portfólio - Acm Consultoria EmpresarialFabricio Macedo
 
Guia Prático do Homolognet | IOB e-Store
Guia Prático do Homolognet | IOB e-StoreGuia Prático do Homolognet | IOB e-Store
Guia Prático do Homolognet | IOB e-StoreIOB News
 
Pensar Consultoria - Apresentação dos nossos serviços
Pensar Consultoria - Apresentação dos nossos serviçosPensar Consultoria - Apresentação dos nossos serviços
Pensar Consultoria - Apresentação dos nossos serviçosPensar Consultoria
 
Proposta de Consultoria
Proposta de ConsultoriaProposta de Consultoria
Proposta de ConsultoriaTR Consulting
 
Carta proprosta de prestacao de servicos de consultoria gerencial
Carta proprosta de prestacao de servicos de consultoria gerencialCarta proprosta de prestacao de servicos de consultoria gerencial
Carta proprosta de prestacao de servicos de consultoria gerencialVitor Albuquerque
 
Como montar um portfolio?
Como montar um portfolio?Como montar um portfolio?
Como montar um portfolio?Danilo Aroeira
 
Proposta de Consultoria
Proposta de ConsultoriaProposta de Consultoria
Proposta de ConsultoriaTR Consulting
 
Proposta para prestação de serviços de consultoria (empresa de agronegócios)
Proposta para prestação de serviços de consultoria (empresa de agronegócios)Proposta para prestação de serviços de consultoria (empresa de agronegócios)
Proposta para prestação de serviços de consultoria (empresa de agronegócios)Adriano Alves de Aquino
 

Destaque (16)

Palestra Logistica
Palestra LogisticaPalestra Logistica
Palestra Logistica
 
Act institucional
Act  institucionalAct  institucional
Act institucional
 
About Me
About MeAbout Me
About Me
 
Consultoria Negócios Internacionais - Cibele Souza
Consultoria Negócios Internacionais - Cibele SouzaConsultoria Negócios Internacionais - Cibele Souza
Consultoria Negócios Internacionais - Cibele Souza
 
Projeto de Importação de óculos de sol
Projeto de Importação de óculos de solProjeto de Importação de óculos de sol
Projeto de Importação de óculos de sol
 
Análise de Viabilidade de Exportação
Análise de Viabilidade de ExportaçãoAnálise de Viabilidade de Exportação
Análise de Viabilidade de Exportação
 
Proposta Comercial - Empresa Jr. Adm Ufba
Proposta Comercial - Empresa Jr. Adm UfbaProposta Comercial - Empresa Jr. Adm Ufba
Proposta Comercial - Empresa Jr. Adm Ufba
 
Portfólio - Acm Consultoria Empresarial
Portfólio - Acm Consultoria EmpresarialPortfólio - Acm Consultoria Empresarial
Portfólio - Acm Consultoria Empresarial
 
Guia Prático do Homolognet | IOB e-Store
Guia Prático do Homolognet | IOB e-StoreGuia Prático do Homolognet | IOB e-Store
Guia Prático do Homolognet | IOB e-Store
 
Pensar Consultoria - Apresentação dos nossos serviços
Pensar Consultoria - Apresentação dos nossos serviçosPensar Consultoria - Apresentação dos nossos serviços
Pensar Consultoria - Apresentação dos nossos serviços
 
Proposta de Consultoria
Proposta de ConsultoriaProposta de Consultoria
Proposta de Consultoria
 
Carta proprosta de prestacao de servicos de consultoria gerencial
Carta proprosta de prestacao de servicos de consultoria gerencialCarta proprosta de prestacao de servicos de consultoria gerencial
Carta proprosta de prestacao de servicos de consultoria gerencial
 
Como montar um portfolio?
Como montar um portfolio?Como montar um portfolio?
Como montar um portfolio?
 
Proposta de Consultoria
Proposta de ConsultoriaProposta de Consultoria
Proposta de Consultoria
 
Proposta para prestação de serviços de consultoria (empresa de agronegócios)
Proposta para prestação de serviços de consultoria (empresa de agronegócios)Proposta para prestação de serviços de consultoria (empresa de agronegócios)
Proposta para prestação de serviços de consultoria (empresa de agronegócios)
 
Portfólio pronto
Portfólio prontoPortfólio pronto
Portfólio pronto
 

Semelhante a Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR

G6 trabalho de física - reciclagem
G6   trabalho de física - reciclagemG6   trabalho de física - reciclagem
G6 trabalho de física - reciclagemcristbarb
 
Lei da logística reversa
Lei da logística reversaLei da logística reversa
Lei da logística reversaAnderson Santos
 
337-13-1686-1-10-20200505 (2).pdf
337-13-1686-1-10-20200505 (2).pdf337-13-1686-1-10-20200505 (2).pdf
337-13-1686-1-10-20200505 (2).pdfnATALIA848281
 
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...Fernando Alcoforado
 
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...Fernando Alcoforado
 
A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioLareska Rocha
 
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfSimoneHelenDrumond
 
gestao ambiental
gestao ambientalgestao ambiental
gestao ambientalguto101
 
Gerenciamento de residuos solidos tintas - estudo de caso
Gerenciamento de residuos solidos   tintas - estudo de casoGerenciamento de residuos solidos   tintas - estudo de caso
Gerenciamento de residuos solidos tintas - estudo de casoPérola Veiga
 
O CIRCUITO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E A INSERÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE...
O CIRCUITO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E A INSERÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE...O CIRCUITO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E A INSERÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE...
O CIRCUITO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E A INSERÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE...1sested
 
Material Pedagogico complementar - 9º ano
Material Pedagogico complementar - 9º anoMaterial Pedagogico complementar - 9º ano
Material Pedagogico complementar - 9º anoDalilla Costa
 
E2009 t00481 pcn81956
E2009 t00481 pcn81956E2009 t00481 pcn81956
E2009 t00481 pcn81956leonardo2710
 
Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Ananda Helena
 

Semelhante a Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR (20)

G6 trabalho de física - reciclagem
G6   trabalho de física - reciclagemG6   trabalho de física - reciclagem
G6 trabalho de física - reciclagem
 
Lei da logística reversa
Lei da logística reversaLei da logística reversa
Lei da logística reversa
 
Bv rio pt
Bv rio ptBv rio pt
Bv rio pt
 
337-13-1686-1-10-20200505 (2).pdf
337-13-1686-1-10-20200505 (2).pdf337-13-1686-1-10-20200505 (2).pdf
337-13-1686-1-10-20200505 (2).pdf
 
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
 
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
 
A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meio
 
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
 
gestao ambiental
gestao ambientalgestao ambiental
gestao ambiental
 
Gerenciamento de residuos solidos tintas - estudo de caso
Gerenciamento de residuos solidos   tintas - estudo de casoGerenciamento de residuos solidos   tintas - estudo de caso
Gerenciamento de residuos solidos tintas - estudo de caso
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
O CIRCUITO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E A INSERÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE...
O CIRCUITO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E A INSERÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE...O CIRCUITO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E A INSERÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE...
O CIRCUITO ECONÔMICO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E A INSERÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE...
 
Tcc
TccTcc
Tcc
 
Aula 5 res solidos
Aula 5 res solidosAula 5 res solidos
Aula 5 res solidos
 
Material Pedagogico complementar - 9º ano
Material Pedagogico complementar - 9º anoMaterial Pedagogico complementar - 9º ano
Material Pedagogico complementar - 9º ano
 
A logistica reversa_e_a_sustentabilidade_empresarial
A logistica reversa_e_a_sustentabilidade_empresarialA logistica reversa_e_a_sustentabilidade_empresarial
A logistica reversa_e_a_sustentabilidade_empresarial
 
521
521521
521
 
E2009 t00481 pcn81956
E2009 t00481 pcn81956E2009 t00481 pcn81956
E2009 t00481 pcn81956
 
Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4
 

Mais de ProjetoBr

Tutorial Vídeos
Tutorial VídeosTutorial Vídeos
Tutorial VídeosProjetoBr
 
Tutorial Vídeos
Tutorial VídeosTutorial Vídeos
Tutorial VídeosProjetoBr
 
Tutorial Vídeos
Tutorial VídeosTutorial Vídeos
Tutorial VídeosProjetoBr
 
Potencial de uso dos recursos vegetais
Potencial de uso dos recursos vegetaisPotencial de uso dos recursos vegetais
Potencial de uso dos recursos vegetaisProjetoBr
 
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosDiagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosProjetoBr
 
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosDiagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosProjetoBr
 
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosDiagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosProjetoBr
 
Unidades de conservação no Brasil : o plano estrategico nacional de areas pro...
Unidades de conservação no Brasil : o plano estrategico nacional de areas pro...Unidades de conservação no Brasil : o plano estrategico nacional de areas pro...
Unidades de conservação no Brasil : o plano estrategico nacional de areas pro...ProjetoBr
 
Comendo a Amazônia
Comendo a AmazôniaComendo a Amazônia
Comendo a AmazôniaProjetoBr
 
Greendex 2009: Consumer Choice and the Environment
Greendex 2009: Consumer Choice and the EnvironmentGreendex 2009: Consumer Choice and the Environment
Greendex 2009: Consumer Choice and the EnvironmentProjetoBr
 
Osmose Reversa X Troca Iônica
Osmose Reversa X Troca IônicaOsmose Reversa X Troca Iônica
Osmose Reversa X Troca IônicaProjetoBr
 
Ser for 2020
Ser for 2020Ser for 2020
Ser for 2020ProjetoBr
 
Ser for 2020
Ser for 2020Ser for 2020
Ser for 2020ProjetoBr
 
Pesquisa G8 Climate Socrecards 2009
Pesquisa G8 Climate Socrecards 2009Pesquisa G8 Climate Socrecards 2009
Pesquisa G8 Climate Socrecards 2009ProjetoBr
 
O mercado mundial de biocombustíveis na expansão da Agricultura Brasileira e ...
O mercado mundial de biocombustíveis na expansão da Agricultura Brasileira e ...O mercado mundial de biocombustíveis na expansão da Agricultura Brasileira e ...
O mercado mundial de biocombustíveis na expansão da Agricultura Brasileira e ...ProjetoBr
 
Tecnologia Esgoto
Tecnologia EsgotoTecnologia Esgoto
Tecnologia EsgotoProjetoBr
 
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...ProjetoBr
 
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilCrise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilProjetoBr
 
Sistemas Agroflorestais e Reflorestamento para Captura de Carbono e Renda
Sistemas Agroflorestais e Reflorestamento para Captura de Carbono e RendaSistemas Agroflorestais e Reflorestamento para Captura de Carbono e Renda
Sistemas Agroflorestais e Reflorestamento para Captura de Carbono e RendaProjetoBr
 
Renewable energy country attractiveness indices
Renewable energy country attractiveness indicesRenewable energy country attractiveness indices
Renewable energy country attractiveness indicesProjetoBr
 

Mais de ProjetoBr (20)

Tutorial Vídeos
Tutorial VídeosTutorial Vídeos
Tutorial Vídeos
 
Tutorial Vídeos
Tutorial VídeosTutorial Vídeos
Tutorial Vídeos
 
Tutorial Vídeos
Tutorial VídeosTutorial Vídeos
Tutorial Vídeos
 
Potencial de uso dos recursos vegetais
Potencial de uso dos recursos vegetaisPotencial de uso dos recursos vegetais
Potencial de uso dos recursos vegetais
 
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosDiagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
 
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosDiagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
 
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos UrbanosDiagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos
 
Unidades de conservação no Brasil : o plano estrategico nacional de areas pro...
Unidades de conservação no Brasil : o plano estrategico nacional de areas pro...Unidades de conservação no Brasil : o plano estrategico nacional de areas pro...
Unidades de conservação no Brasil : o plano estrategico nacional de areas pro...
 
Comendo a Amazônia
Comendo a AmazôniaComendo a Amazônia
Comendo a Amazônia
 
Greendex 2009: Consumer Choice and the Environment
Greendex 2009: Consumer Choice and the EnvironmentGreendex 2009: Consumer Choice and the Environment
Greendex 2009: Consumer Choice and the Environment
 
Osmose Reversa X Troca Iônica
Osmose Reversa X Troca IônicaOsmose Reversa X Troca Iônica
Osmose Reversa X Troca Iônica
 
Ser for 2020
Ser for 2020Ser for 2020
Ser for 2020
 
Ser for 2020
Ser for 2020Ser for 2020
Ser for 2020
 
Pesquisa G8 Climate Socrecards 2009
Pesquisa G8 Climate Socrecards 2009Pesquisa G8 Climate Socrecards 2009
Pesquisa G8 Climate Socrecards 2009
 
O mercado mundial de biocombustíveis na expansão da Agricultura Brasileira e ...
O mercado mundial de biocombustíveis na expansão da Agricultura Brasileira e ...O mercado mundial de biocombustíveis na expansão da Agricultura Brasileira e ...
O mercado mundial de biocombustíveis na expansão da Agricultura Brasileira e ...
 
Tecnologia Esgoto
Tecnologia EsgotoTecnologia Esgoto
Tecnologia Esgoto
 
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
 
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilCrise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
 
Sistemas Agroflorestais e Reflorestamento para Captura de Carbono e Renda
Sistemas Agroflorestais e Reflorestamento para Captura de Carbono e RendaSistemas Agroflorestais e Reflorestamento para Captura de Carbono e Renda
Sistemas Agroflorestais e Reflorestamento para Captura de Carbono e Renda
 
Renewable energy country attractiveness indices
Renewable energy country attractiveness indicesRenewable energy country attractiveness indices
Renewable energy country attractiveness indices
 

Último

Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...E-Commerce Brasil
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...imostorept
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...E-Commerce Brasil
 
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfb2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfRenandantas16
 
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerPesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerMarina Evangelista
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxEduardoRodriguesOliv2
 

Último (7)

Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfb2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
 
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerPesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 

Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR

  • 1. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 GESTÃO DE CANAIS REVERSOS DE CAPTAÇÃO DE RESÍDUOS: O CÂMBIO VERDE EM CURITIBA/PR Andréia Marize Rodrigues (FCAV-UNESP) andreiamarize@fcav.unesp.br Isabel Cristina Rodrigues (FAN) isabelrodrigues2@yahoo.com.br Marcelo Giroto Rebelato (FCAV-UNESP) mgiroto@fcav.unesp.br Adriana Fagotte (UniCuritiba) adriana@casadascanetas.com.br Os impactos ambientais de alguns produtos não estão necessariamente vinculados ao seu processo produtivo, mas sim ao seu destino após o uso (descarte). Assim, iniciativas que procurem reentroduzir estes materiais descartados no processo proodutivo, como é o caso da coleta seletiva e reciclagem, devem ser valorizados. Este trabalho estudou os canais reversos de captação de lixo em vigência no município de Curitiba/PR com ênfase no programa Câmbio Verde, que além do viés ambiental, contempla em sua estrutura também aspectos econômicos e sociais. Palavras-chaves: Logística Reversa, Reciclagem, Coleta Seletiva, Câmbio Verde
  • 2. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 1.1 1. Introdução Segundo afirma Epelbaum (2004), já há algum tempo algumas empresas têm redirecionado seus sistemas produtivos rumo a adoção de tecnologias mais limpas, revendo seus projetos de produtos e processos com vistas a redução do impacto ambiental de suas atividades. Além deste movimento observado com bastante nitidez nos setores produtivos privados, a administração pública também vem sinalizando ações focadas na presevação ambiental, com destaque à gestão das questões ambientais por parte de alguns municípios brasileiros. Porém, a adequada gestão dos resíduos, sobretudo dos resíduos sólidos, ainda se constitui em um desafio, tanto para a iniciativa privada quanto para a esfera pública, pois como ressalta Rodrigues et al (2006), para a maior parte dos produtos, os maiores impactos ao meio ambiente não ocorrem durante sua produção, mas no seu pós-uso (descarte). A preocupação com esta questão unida a interesses econômicos, têm levado ao surgimento de empresas interessadas em reciclar materiais e embalagens, que passam a se destacar como matérias-primas, deixando de ser tratados apenas como lixo (BRUSTEIN & BUZZINI, 1999). Desta maneira, seja por razões ambientais ou econômicas, é desejável que produtos descartados como bens de pós-consumo passem a ter seus componentes ou materiais constituintes reintegrados ao ciclo produtivo ou de negócios, num processo denominado de “logística reversa” (RODRIGUES et al, 2006). Gerir de forma adequada os chamados canais de distribuição reversos passa, então, a ser de fundamental importância para que se possa garantir a reintegração no processo produtivo de destes materias descartados. Neste contexto, os programas articulados pelos organismos públicos como, por exemplo, a coleta seletiva de resíduos sólidos em âmbito municipal, passa a ter papel relevante, tornando-se coadjuvante no mecanismo de reaproveitamento dos materiais descartados. No que diz respeito a estas iniciciativas o município de Curitiba, capital do Estado do Paraná, merece destaque, uma vez que esta cidade foi a pioneira no país a implantar um programa de coleta seletiva de lixo domiciliar. Denominado “Lixo que não é lixo”, este programa iniciou- se em 1989 e levou o município a receber da ONU o título de capital ecológica. Este programa pode ser considerado como o início da estruturação da coleta seletiva e, consequentemente, da reciclagem, no país. Segundo Fernandes (2001 p. 94), “reciclagem deve ser considerada, sob todos os aspectos, um processo extremamente vantajoso à humanidade. É a forma mais adequada de tratamento de lixo, por razões ecológicas e também econômicas, pois retira do fluxo terminal os resíduos cujos destinos seriam os aterros, a incineração ou a compostagem, e reintroduz o lixo no processo industrial”. A coleta seletiva vem sendo considerada uma solução para o problema do lixo, pois através dela pode-se separar os materiais recicláveis dos não recicláveis. Isso quer dizer que uma parte do lixo pode ser reaproveitada, deixando de se tornar uma fonte de degradação para o meio ambiente, podendo se tornar uma solução econômica e social, com geração de empregos e renda (RODRIGUES et al, 2005a). 2
  • 3. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 Mediante este contexto, surgiu o interesse pelo estudo dos mecanismos associados à coleta seletiva do município de Curitiba. Este artigo apresenta os resultados deste estudo sendo que, dada a amplitude dos mecanismos de coleta seletiva utilizados pelo município, aqui é enfatizado, especificamente, o mecanismo de reintegração de resíduos denominado “Câmbio Verde”. A escolha pela descrição deste mecanismo se deve à sua forte interação com a comunidade envolvida no projeto, proporcionando uma valorização evidente do lixo e de sua coleta, trazendo para esta comunidade ganhos ambientais e sociais. Na sequência são explorados alguns assuntos considerados inportantes para a compreensão deste trabalho. 2. Política de gestão de resíduos sólidos Resíduos sólidos são definidos como materiais heterogêneos resultantes das atividades humanas, produtivas e da natureza, podendo ser total ou parcialmente reutilizados, e assim gerando proteção à saúde pública e economia de recursos naturais (LIMA, 2004). A resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA nº 005/1993, estabelece como “resíduos sólidos” os resíduos nos estados sólidos e semi-sólidos que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola e de serviços de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistema de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornam inviável o seu lançamento na rede pública de esgoto ou corpos de água, ou exijam, para isso, soluções técnicas e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível (CONAMA, 1999). Os resíduos sólidos são classificados com relação à origem e à natureza, sendo separados em dois grandes grupos. O primeiro grupo refere-se aos resíduos sólidos urbanos, compreendendo os resíduos domésticos ou residenciais, os resíduos comerciais e os resíduos públicos. Já o segundo grupo refere-se aos resíduos de fontes especiais, compreendidos pelos resíduos industriais, resíduos da construção civil, resíduos radioativos, resíduos de portos, aeroportos e terminais rodo ferroviários, os resíduos agrícolas e os resíduos de serviços da saúde. As normas e resoluções existentes classificam os resíduos sólidos em função dos riscos potenciais ao meio ambiente, saúde e em função da natureza de origem. A norma NBR 10.004:2004 da ABNT classifica os resíduos sólidos com relação aos riscos potenciais ao meio ambiente e à saúde pública em duas classes: classe I e classe II-A e classe II-B. − Classe I – Perigosos: são os que apresentam riscos ao meio ambiente e exigem tratamento e disposição especiais, ou que apresentam riscos à saúde pública. − Classe II-A – Não-inertes: são basicamente os resíduos com características do lixo doméstico. − Classe II-B – Inertes: são os resíduos que não se degradam ou não se decompõem quando dispostos no solo, são resíduos como restos de construção, os entulhos de demolição, pedras e areias retirados de escavação (NBR 10.004: 2004). O Brasil ainda não tem uma lei que regulamente de forma abrangente a gestão de resíduos sólidos no território nacional. No entanto, os órgãos reguladores como o CONAMA e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, vêm exercendo, por meio de resoluções, a regulamentação da gestão de resíduos sólidos (CONAMA, 1999; ANVISA, 2008). 3
  • 4. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 Enquanto aguardam o país estabelecer sua Política Nacional de Resíduos Sólidos, alguns estados brasileiros (CE, GO, MT, PE, PR, RJ, RO e RS) se anteciparam e estabeleceram suas políticas estaduais de resíduos sólidos por meio de legislação específica. No Paraná, é a Lei nº 12493 de 22/01/1999 que estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes à geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte, tratamento e destinação final dos resíduos sólidos, objetivando o controle da poluição, da contaminação e a minimização de seus impactos ambientais, adotando, ainda, outras providências (LEIPARANA, 2007). 2.1 Gestão de resíduos sólidos: a logística reversa Quando se fala em gestão de resíduos sólidos, a logística reversa passa a ser um instrumento de grande valia para o planejamento da re-inserção no processo produtivo de, pelo menos, parte dos resíduos sólidos coletados. Define-se a logística reversa como o planejamento, a operação e o controle do fluxo responsável por dar destino a produtos já consumidos e que podem voltar a sua origem para serem reutilizados e reciclados, ou que necessitam ser depositados em locais adequados. Segundo Leite (2003, p.16) a logística reversa se constitui na "área da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo de informações logísticas correspondentes, do retorno dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, por meio dos canais de distribuição reversos, agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico, ecológico, legal, logístico, de imagem corporativa, entre outros”. Os canais de distribuição reversos, por sua vez, se constituem nas formas e meios em que os produtos pós-consumo e pós-venda retornam ao ciclo produtivo ou de negócios, readquirindo valor em mercados ditos secundários pelo reuso ou pela reciclagem de seus constituintes. Porém, para desenvolver a rede de distribuição reversa e saber qual o destino a ser dado a cada material coletado, é preciso conhecer aspectos importantes de seu ciclo de vida. Um bem é considerado durável quando se trata de um produto que pode ser usado diversas vezes, desde que sua vida útil esteja compreendida entre dois anos e algumas décadas. Já os ditos semiduráveis se referem os produtos que podem ser utilizados diversas vezes, mas sua vida útil não ultrapassa dois anos. Por fim, a classificação descartável é dada ao produto que se utiliza apenas uma vez ou limitado há algumas semanas (LEITE, 2003). Desta maneira, a logística reversa vai além da distribuição em si, pois a vida dos produtos não termina quando da sua entrega ao cliente; ela tem sua continuidade nos processos chamados de pós-venda e de pós-consumo, discutidos a seguir. 2.1.1 Canais de distribuição reversos de bens de pós-venda (CDR-PV) Os bens de pós-venda são caracterizados pelo pouco ou nenhum uso, podendo retornar à cadeia produtiva em seus diferentes elos, devido geralmente a problemas relacionados à qualidade do produto, término de validade, estoques excessivos no canal de distribuição, consignação, questões comerciais e à substituição de componentes. O destino dos bens de pós-venda pode ser a reciclagem, a remanufatura, o ciclo de negócios partindo do mercado secundário ou um destino final quanto não houver possibilidade de reaproveitamento (RODRIGUES et al, 2005b). 4
  • 5. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 2.1.2 Canais de distribuição reversos de bens de pós-consumo (CDR-PC) São aqueles utilizados extensivamente e então descartados ainda em condição de uso ou aqueles que chegam ao final da sua vida útil seja pelo desinteresse do consumidor ou pela inutilização do mesmo. Os bens pós-consumo se originam tanto de bens duráveis quanto de descartáveis, podendo ser destinados ao reuso ou desmanche, ou ainda remanufaturados e, após o processo de desmanche, destinados à reciclagem ou à disposição final em aterros sanitários, lixões ou incineração (LEITE, 2003). O fluxo inverso de bens pós-consumo tem sido bastante observado nas últimas décadas, sendo conhecido por muitas empresas e pessoas como processo de reciclagem e reaproveitamento de produtos e embalagens. A logística reversa de pós-consumo cuida do equacionamento e da operacionalização do fluxo físico e de informações dos bens descartados pela sociedade depois de utilizados. Assim, após sua coleta, dependendo das condições apresentadas pelo bem pós-consumo, ele pode tomar dois caminhos em sua volta ao ciclo produtivo de negócios: reuso ou desmanche. Os produtos que ainda apresentarem condições de serem utilizados são reaproveitados em mercados chamados de segunda mão. Já os produtos que chegam ao final de sua vida útil podem ser destinados ao desmanche, para o reaproveitamento de suas peças e componentes, ou seguem o destino da reciclagem (RODRIGUES et al, 2005b). O retorno destes produtos aos ciclos produtivos ou de negócios, no entanto, ocorre por meio de canais de distribuição reversos específicos, tais como por meio da coleta seletiva de inservíveis praticada tanto por órgãos públicos quanto pelos chamados catadores de lixo (LEITE, 2003). Para detalhar o processo de retorno ao ciclo de negócio de um bem pós-consumo, a Figura 1 ilustra os diferentes caminhos que um bem percorre logo após o seu descarte. 5
  • 6. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 Indústria Comércio Bens de pós-consumo Fim da vida útil Em condição de uso Desmanche Reuso Componentes Mercado de segunda mão Disposição final Reciclagem Remanufatura Mercado secundário Disposição final de matérias-primas Retorno ao ciclo produtivo Fonte: Adaptado de Leite (2003). Figura 1 - Caminhos percorrido por um bem após descarte Na seqüência descrevem-se os canais reversos utilizados para a coleta de resíduos sólidos no município de Curitiba/PR. 3. Mapeamento dos canais reversos do município de Curitiba/PR 3.1 Metodologia de pesquisa O presente estudo consistiu em pesquisar, descrever e analisar os mecanismos formais e informais de coleta de resíduos sólidos do município de Curitiba. O trabalho abordou todo o ciclo logístico reverso, desde o descarte até seu recolhimento. Para sua realização, foram utilizados tanto dados primários quanto secundários, como demonstrado resumidamente na Tabela 1. Com relação às entrevistas, citadas na referida tabela, como o município não possui um detalhamento do processo dos canais reversos, optou-se pela entrevista não estruturada para conferir maior flexibilidade e obter a maior gama de conhecimento qualitativo possível, fornecendo informações que não seriam possíveis em outro tipo de entrevistas. 6
  • 7. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 FONTE TÉCNICA DE DOS ALVO DA COLETA COLETA DADOS Entrevista pessoal Profissionais qualificados, selecionados dentre grupos representantes da e visita aos locais Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Secretaria Municipal de Primários Abastecimento e da Fundação de Ação Social (FAS) do município de onde se aplicam os programas Curitiba/PR e empresas da iniciativa privada. Pesquisa Literatura sobre logística, logística reversa, gestão ambiental, lixo e Bibliográfica processos de reciclagem do lixo urbano. Secundários Fontes disponíveis nos sites relacionados à prefeitura do município, Análise apostilas distribuídas à população, matérias publicadas em jornais e Documental revistas da cidade. Fonte: Fagotte (2007). Tabela 1: Estratégias de coletas de dados. 3.2 Estrutura geral da coleta de resíduos sólidos do município De acordo com dados coletados na pesquisa de campo, o município de Curitiba produz por volta de 2.034 toneladas de lixo domiciliar por dia. A gestão total dos resíduos do município é executada, desde 1995, pela CAVO Serviço e Meio Ambiente S.A., empresa do Grupo Camargo Corrêa especializada na prestação de serviços ambientais. Suas atividades incluem a Gestão Total dos Resíduos (GTR) do município, serviço da saúde, indústrias e grandes geradores. A estrutura dos canais reversos de bens pós-consumo do município está representada na Figura 2. Nesta ilustração é possível notar duas estruturas de coleta que conduzem os resíduos sólidos recolhidos a caminhos distintos, denominados na figura por A e B. 7
  • 8. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 A Bens de pós- B consumo Descartáveis / Duráveis / Semiduráveis Semiduráveis Coleta domiciliar Outros Coleta seletiva Coleta informal do lixo serviços Catadores Aterro do (Carrinheiros) Cachimba Coopera- Atravessa- tivas dores Incineração Compra Câmbio PEV Caminhão Condo- lixo verde mínio Intermediários Indústria da Reciclagem Fonte: Rodrigues et al (2006); Fagotte (2007). Figura 2 - Estrutura dos canais reversos de bens pós-consumo do município de Curitiba/PR A ramificação A ilustra o caminho da coleta domiciliar tradicional realizada pela prefeitura do município, representando aproximadamente 68% do lixo domiciliar coletado (1.589 toneladas). Esta coleta é realizada sem nenhuma separação prévia entre os resíduos, e coletados tanto o lixo orgânico quanto o inorgânico. Estes resíduos coletados não sofrerão qualquer tipo de triagem ou aproveitamento, sendo seu destino o fim tradicional, aterramento. O aterramento é feito no chamado Aterro Sanitário do Cachimba, que, além de Curitiba, recebe resíduos de 14 outros municípios de sua região metropolitana. Além deste serviço, a 8
  • 9. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 coleta tradicional ainda agrega outros serviços como: varrição manual, limpeza de feiras- livres, programa compra do lixo e os Resíduos de Serviço da Saúde (RSS). Sendo este último encaminhado para a central de tratamento de resíduos industriais de Curitiba (C.T.R.I.). Já a ramificação B representa a coleta seletiva, realizada no município, que é composta pelos programas: Câmbio Verde, Lixo que não é Lixo, Ponto de Entrega Voluntária (PEV), Grandes Geradores e a Coleta de Resíduos vegetais. Assim a ramificação B consiste em sistema de recolhimento de materiais potencialmente recicláveis (papéis, plásticos, vidros e metais), onde os resíduos coletados são encaminhados para depósitos cadastrados e para a Unidade de Valorização de Rejeitos (UVR) que após o trabalho de separação e vendido a Intermediários e para a Indústria da Reciclagem. Além desta coleta seletiva formalizada, realizada pelo município, aponta-se também a existência da chamada coleta informal. O que diferencia estes dois canais de coleta é a sua formalização no município: enquanto a coleta seletiva é realizada sob responsabilidade da Prefeitura Municipal, a coleta informal é realizada pelos chamados catadores (carrinheiros). O material coletado nestas duas vias segue o mesmo destino: a indústria da reciclagem. Ressalta-se, entretanto, que o material coletado pelos catadores acaba sempre nas mãos de atravessadores (sucateiros) que os repassa para a indústria da reciclagem. Todas as vias que compõem os canais reversos da coleta seletiva no município de Curitiba têm suas características próprias com seus meios de coleta e o destino dos resíduos coletados. No entanto, o presente trabalho tem como proposta descrever em detalhes o programa Câmbio Verde. A escolha por explorar com maior profundidade este programa deve-se às suas características peculiares e à sua originalidade no que tange aos mecanismos usados para incentivar a participação da sociedade na coleta seletiva. 3.3 Programa Câmbio Verde O programa nasceu em junho de 1991 como uma derivação do Programa Compra do Lixo. O programa consiste na troca de material reciclável por produtos hortifrutigranjeiros e, além de incentivar os moradores a separarem os resíduos orgânicos dos inorgânicos, visa à promoção do reforço alimentar de famílias carentes, através da troca de seus recicláveis por produtos hortifrutigranjeiros de época. A idéia surgiu pela constatação da dificuldade prática e técnica em se fazer a coleta de lixo junto às populações localizadas em regiões precárias como favelas, áreas de risco ou áreas invadidas. Nestas regiões pode-se observar problemas intrinsicamente correlacionados que são os problemas de baixa renda e precariedade na saúde e problemas de degradação ambiental. De fato, as áreas escolhidas na ocasião da implantação do projeto eram marcadas por surtos de doençãs infecto-contagiosas e problemas ambientais decorrentes da não coleta de lixo, tais como degradação física do meio ambiente e cheias na época de chuvas (OLIVEIRA, 2001). Além destas motivações, o programa visa atender a outra demanda regional: a colocação no mercado da produção de hortifrutigranjeiros de pequenos produtores da região metropolitana de Curitiba, atendendo a uma antiga reinvidicação deste segmento, que tinha nesta produção sua única fonte de renda e, às vezes, destruíam sua produção antes mesmo da colheita pela falta de perspectiva de mercado ou de remuneração. 9
  • 10. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 Hoje em dia, o programa evoluiu em seu discurso e incorporou aspectos mais abragentes. Seu objetivo geral agora é "estabelecer bases para a sustentabilidade da vida no planeta", enquanto seus objetivos específicos são "promover a educação ambiental, gerar empregos diretos e indiretos, prolongar a vida útil do aterro sanitário, racionalizar a exploração dos recursos naturais, melhorar a limpeza do ambiente e facilitar o escoamento da safra de hortifrutigranjeiros do cinturão verde de Curitiba" (PMC, 2008). No período compreendido entre 1991 até inicio de 2007, a prefeitura do minicípio destaca que recolheu e encaminhou para reciclagem cerca de 45.125 toneladas de lixo (PMC, 2008). Ainda segundo a prefeitura, esta quantidade de material reciclado representa uma economia de 195.252.646 litros de água que teriam sido utilizados caso 45 mil toneladas de novos materiais tivessem que ser produzidos. Um dos resíduos recuperados pelo projeto são o papel e o papelão. É importante destacar que a cada 50 quilos de papel reciclado evita-se o corte de uma árvore. Assim, é possível afirmar que as 4.513 toneladas de papel encaminhadas pelo Câmbio Verde para a reciclagem evitaram o corte de 90.263 árvores. Outra economia proporcionada pela reciclagem é a de petróleo. A reciclagem do plástico economiza 50% de petróleo em comparação à produção do plástico a partir da matéria prima virgem. Foram coletadas no Câmbio Verde 10.379 toneladas de plástico, encaminhados para a reciclagem, o que representa economia de 5.190 toneladas de petróleo. Além disso, o Câmbio Verde também ajuda diretamente na preservação do meio ambiente, pois evita que o lixo seja descartado em córregos, ruas e terrenos vazios, fazendo com que a reciclagem seja vista como uma alternativa para amenizar as conseqüências do lixo gerado pela sociedade. A Tabela 2 mostra a composição do lixo recolhido de 1991 ao início de 2007. MATERIAL % TONELADAS Sucata 35 15.794 Vidro 15 6.769 Plástico 23 10.379 Papel 10 4.513 Tetrapack 2 903 Rejeito 15 6.769 TOTAL 100 45.125 Fonte: PMC (2008). Tabela 2 - Quantidade dos materiais coletados no programa Câmbio Verde (1991 a março/2007) Além das associações de moradores, os pontos de troca se localizam nas áreas externas dos supermercados e dos órgãos municipais e funcionam em data e horários pré-determinados. Cada pessoa deve levar cinco quilos de material reciclável para receber em troca uma sacola com um quilo de produto hortifrutigranjeiro. O câmbio e realizado através de 8 caminhões de 40m³ em 80 postos volantes de troca, e em dias e horários pré-determinados, com freqüência semanal ou quinzenal, sempre de dois em dois, pois enquanto um pesa e recolhe os resíduos sólidos o outro distribui os produtos hortifrutigranjeiros. 10
  • 11. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 O programa sempre oferece no mínimo três produtos diferentes, sendo que em datas especiais como dia da criança a troca é feita por brinquedo e no Natal por produtos natalinos. Além da coleta de material tradicional como papéis, plásticos, vidros e metais, coleta-se todo tipo de materiais inusitados: fogões, bicicletas, óleo descartado, entre outros. Após a troca os resíduos coletados são transportados até a balança onde são feitas a pesagem e a distribuição. A Tabela 3 mostra a quantidade de resíduos coletados, em cada mês, nos período de 2000 a 2005. Resultados do programa câmbio verde de 2000 a 2005 (em toneladas) Mês 2000 2001 2002 2003 2004 2005 Janeiro 265,78 310,24 230,07 188,34 194,70 139,40 Fevereiro 349,99 306,63 309,56 312,90 224,54 174,31 Março 376,20 414,44 308,41 280,31 251,81 194,50 Abril 321,01 264,50 297,43 242,49 179,74 186,94 Maio 373,67 328,97 279,86 269,99 218,44 157,31 Junho 361,03 308,96 285,74 209,17 217,08 181,87 Julho 364,60 295,89 287,07 267,44 223,51 178,41 Agosto 392,88 351,34 308,74 259,79 192,60 162,88 Setembro 340,87 274,66 243,01 229,83 190,58 162,61 Outubro 358,54 297,81 289,37 288,75 200,02 166,68 Novembro 365,77 268,89 271,77 244,31 165,17 171,97 Dezembro 338,35 251,28 249,99 200,59 130,38 147,51 Total Anual 4.208,69 3.673,61 3.361,02 2.993,91 2.388,57 2.024,39 Ton/ Mês 350,72 306,13 280,09 249,49 199,05 168,70 Ton/Dia 14,03 12,25 11,20 9,98 7,96 6,75 Fonte: Fagotte (2007). Tabela 3 – Quantidade de lixo recolhido no programa Câmbio Verde de 2000 a 2005, em toneladas. Em 2000 foram distribuídos aproximadamente 70 ton/mês de produtos hortifrutigranjeiros à população. No entanto, a partir da Figura 3 é possível observar que a coleta vem diminuindo ano a ano e que em 2005 deixaram de ser distribuídos aproximadamente 37 ton/mês de produtos hortifrutigranjeiros a população. 11
  • 12. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 4.500,00 4.000,00 3.500,00 3.000,00 2.500,00 2.000,00 1.500,00 1.000,00 500,00 - 2000 2001 2002 2003 2004 2005 Fonte: Fagotte (2007) Figura 3 - Evolução do programa Câmbio Verde de 2000 a 2005 A pesquisa de campo mostrou que a população tem preferido vender os materiais de maior valor agregado, como o papelão e a latinha de alumínio, e trocar somente material com baixo ou sem valor agregado no programa câmbio verde, isto explica a queda na coleta do programa. De certa forma isto é compreensível pois notoriamente as populações de baixa renda têm diversas demandas a serem atendenidas e a remuneração que estes materiais de maior valor agregado oferencem tem crescido ao longo do tempo na medida que a reciclagem se ampliou. Infelizmente, do ponto de vista social, este fato chama atenção pois justamente a população que o programa visa atender seria a mais benefeciada com a inserção em sua dieta de produtos hortifrutigranjeiros. 4. Considerações Finais. Em primeiro lugar é preciso destacar a iniciativa que o município de Curitiba teve de enfrentar de forma firme o desafio de equacionar a gestão de seus resíduos sólidos. A reciclagem de parte relevante dos materiais descartados pela sociedade curitibana, só é possível devido a estrutura robusta que o poder público implantou, e vem mantendo ao longo dos anos, que permite que os diversos canais reversos funcionem e se complementem. Como o trabalho de campo permitiu identificar, os diversos programas de recebimento dos materiais, chamados tecnicnicamente de canais reversos, atuam em diversas frentes e sinalizam, apesar de com um mesmo objetivo, de forma diferente para os diversos estratos da população. Com relação especificamente ao programa Câmbio Verde, objeto de estudo do presente trabalho, pode-se verificar que sua performance cumpre objetivos que suplantam os de apenas recolher material descartado, assumindo também um relevante papel social na medida em que promove o interesse pela coleta visando a reciclagem do lixo, através de um incentivo econômico. 12
  • 13. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 É bom lembrar que o público alvo deste programa, além de condições socioeconômicas precárias, possuem um nível de conscientização ambiental muito baixo, senão inexistente. Isto faz com que qualquer outro tipo de proposta de sensibilização para a coleta de lixo não tenha o mesmo sucesso. Ao mesmo tempo, são nas localidades que esta população habita (favelas, regiões de risco e invasões), que as condições de saneamento e coleta de lixo deixam mais a desejar, expondo esta população à degradação ambiental e a toda sorte de doenças. Assim, a coleta de lixo por esta população, com intuito de entregar para o programa, atua também como agente saneador na medida em que colabora nas condições ambientais da localidade. O programa Câmbio Verde, no entanto, ao contrário de outros programas que também sinalizam com incentivos econômicos, como o de compra do lixo por exemplo, vai além quando “força” que a remuneração vinda do esforço em coletar e entregar o lixo, vá para gêneros alimentícios. Além do mais, por serem produtos hortifrutigranjeiros, estes alimentos acabam melhorando a dieta da população contemplada, que presumidamente é tida como uma dieta carente. Outro fator que torna este programa peculiar é o fato de aproveitar a produção local de hortifrutisgranjeiros que, no caso dos produtores do cinturão verde do município, sempre tiveram problemas em colocar a totalidade de sua produção. É importante ainda destacar que a forma como o município decidiu enxergar o lixo, atribuindo a ele valor e possibilidade de reuso/reciclagem, está de acordo com as correntes modernas de gestão ambiental. Valorizar economicamente o lixo ao invés de simplesmente enxergá-lo como um fardo a ser depositado em aterros ou lixões, de preferência bem longe dos olhos da sociedade, mostra um amadurecimento da gestão pública do município. Portanto o programa Câmbio Verde alcansa metas tanto no plano financeiro, quanto social, tanto na área de saúde quanto na do meio ambiente. Possue pontos positivos que merecem destaque: o meio ambiente é poupado na medida que menos resíduos necessitam ser tratados e menos recursos são consumidos devido à reciclagem; e há também benefícios sociais quando gera renda (ou benefícios) para aqueles que integram o programa, qual sejam: a comunidade e e os pequenos agricultores da localidade. Isto vem ao encontro do que acredita Cardoso et al (2002 apud RODRIGUES et al , 2005a), quando afirma ter a certeza de que a preservação dos recursos ambientais do planeta precisa andar lado a lado com medidas de combate à pobreza e da promoção da segurança e da dignidade humana. Finalmente, cabe ressaltar que dados os 19 anos transcorridos desde a implantação do programa “Lixo que não é lixo”, início de todo o processo, pode-se dizer que o município de Curitiba já apresenta junto à sociedade curitibana e perante outros municípios uma tradição na coleta seletiva de resíduos sólidos domiciliares. Isto permite que o município seja utilizado como exemplo para outras cidades que pretendam transformar sua coleta domiciliar em um canal reverso para o reaproveitamento e reciclagem de materiais, e sobretudo, utilizar o exemplo de Curitiba para enxergar de forma distinta a questão do lixo. Referências 13
  • 14. XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2008 ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: <https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/ manuais/manualgerenciamentoresiduos.pdf> Acesso em: 20 de fev 2008. BRUNSTEIN, I.; BUZZINI, R. R. Modelo de sistema de gestão ambiental em empresas certificadas com a ISO 9000: estudos de caso. In: Anais do VI SIMPEP. Bauru: UNESP, 1999. CONAMA. Diretrizes Técnicas para a Gestão de Resíduos Sólidos. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n. 259, de 30 de junho de 1993. 1999. EPELBAUM, M. A influência da gestão ambiental na competitividade e no sucesso empresarial. Dissertação (Mestrado). Escola Politécnica - USP. São Paulo, 2004. FAGOTTE, A. Gestão de resíduos sólidos: mapeamento dos canais reversos do município de Curitiba/PR. Faculdade de Ciências Administrativas. Centro Universitário Curitiba. (Monografia). Curitiba, 2007. FERNANDES, J. U. J. Lixo: limpeza pública urbana. Belo Horizonte: De Rey, 2001. LEIPARANA. Disponível em: < http://www.lixo.com.br/leiparana.doc > Acesso em: 25 de fev de 2008. LEITE, P. R. Logística Reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Prentice Hall, 2003. LIMA, J. D. Gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil. Campina Grande: Inspira, 2004. NBR 10.004: 2004 Classificação dos resíduos sólidos. ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio de Janeiro, 2004. OLIVEIRA, M. The trajectory of environmental discourse in Curitiba (1960-2000). Rev. Sociol. Polit. , Curitiba, n. 16, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 44782001000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 de fev 2008. PMC. Programa câmbio verde. Curitiba : Prefeitura Municipal de Curitiba. Disponível em <http://www.curitiba.pr.gov.br/Noticia.aspx?n=8848>. Acesso em: 20 de fev 2008. RODRIGUES, A. M.; RODRIGUES, I. C.; REBELATO, M. G.; SCHUINAT, A. A logística Reversa como instrumento de geração de renda e inclusão social: o caso de uma empresa produtora de pneus remoldados. In: Anais do XII Simpósio de Engenharia de Produção ( SIMPEP). Bauru/SP, 2005a. RODRIGUES, A. M.; RODRIGUES, I. C.; REBELATO, M. G. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social: uma Discussão Sobre os Novos Papéis da Gestão Empresarial. In: Anais do VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais (SIMPOI). São Paulo: FGV, 2005b. RODRIGUES, A. M.; RODRIGUES, I. C. ; REBELATO, M. G.; FAGOTTE, A. A Gestão Municipal de Resíduos Sólidos no Contexto da Logística reversa: O caso do Município de Curitiba/PR. In: Anais do XXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP). Fortaleza/CE, 2006. 14