Lição 10 - O jovem e a consagração

28.459 visualizações

Publicada em

Assista ao vídeo referente a este arquivo de slides no meu blog:

http://goo.gl/PPDRnr

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Educação
2 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
28.459
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25.424
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
252
Comentários
2
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 10 - O jovem e a consagração

  1. 1. Pare! Antes de iniciar a lição, favor se inscrever no meu blog “www.natalinodasneves.blogspot.com.br” e nos canais do Youtube e Slideshare, que podem ser acessados pelo próprio blog. Ao acessar o blog aproveite para assistir o vídeo com comentários referente a este arquivo de slides.
  2. 2. OBJETIVOS
  3. 3. Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. Reconhecer que o conhecimento natural e racional de Deus não é suficiente para salvação. 2. Conscientizar-se de que a idolatria (desprezo pela glória de Deus) induz o ser humano à perversão. 3. Reconhecer que somente o conhecimento experiencial de Deus liberta da ira de Deus. 4. Aplicar o conteúdo aprendido à sua vida pessoal.
  4. 4. INTERAÇÃO
  5. 5. • De forma geral, em nossas igrejas, quando se ouve algum comentário a respeito do texto bíblico de Rm 12.1,2, a ênfase é dada para a liturgia do culto, destacando o culto onde há bastante movimento com o culto mais racional e intelectual. • O ensino de Paulo vai além, desmistificando a cultura do AT de que o único local para oferecer o culto a Deus é no Templo. • Paulo esclarece que o culto deve ser espiritual e oferecido em todo momento e lugar e envolve todas as áreas do ser humano. • Portanto, o nosso culto de domingo começa logo após o seu encerramento, ou seja, não tem fim. • Devemos estar constantemente oferecendo-nos como culto espiritual a Deus, assim poderemos verdadeiramente experimentar qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.
  6. 6. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
  7. 7. • Questões pouco comentadas e ensinadas em nosso meio, mas que são fundamentais para a vida cristã bem-sucedida. • O primeiro tema é a respeito da mordomia do corpo (primeiro tópico), item 3, a consagração do corpo a Deus. • Em geral os crentes não recebem orientações a respeito da necessidade de termos uma alimentação saudável e dos cuidados que devemos ter com a nossa saúde. • Infelizmente, nas cantinas e comemorações de nossas igrejas, geralmente não há opções saudáveis, como por exemplo, frutas e sucos naturais. • A falta de cuidado com o corpo tem consequências terríveis. Os problemas de saúde impedem que as pessoas trabalhem em prol do Reino de Deus. • Outro tema importante e com respeito a identificação da vontade de Deus. Muita vezes, o fazer a vontade divina está cercado de misticismo, prejudicando muitos crentes.
  8. 8. INTRODUÇÃO
  9. 9. • O culto racional mencionado por Paulo não é o culto oferecido semanalmente nos templos. Na realidade, no templo o crente abastece sua fé com a Palavra e a comunhão com Deus e com a comunidade cristã. • Portanto, o desafio está em oferecer o culto racional no dia a dia, onde devemos expor a nossa espiritualidade. • Nesta lição vamos refletir sobre como: a) consagrar um culto racional a Deus; b) ter uma mente renovada; e c) experimentar qual seja a boa, perfeita e agradável vontade de Deus.
  10. 10. I – O JOVEM E A CONSAGRAÇÃO DO CULTO RACIONAL (V.1)
  11. 11. Consagrando o corpo como sacrifício vivo • Estes rituais serviram para apontar para Cristo e encobrir os pecados, mas não eram eficazes para removê-los (Hb 10.3-4). • A justificação e possível somente por meio do sacrifício único e perfeito de cristo. • Na nova aliança a consagração deve ser autêntica e não simplesmente algo mecânico e repetitivo. • O corpo do crente passa a ser o lugar de encontro e da comunhão, lugar privilegiado na adoração, o templo do Espírito Santo (1 Co 3.16; 6.19).
  12. 12. Consagrando o corpo em santidade • O apóstolo orienta ao crente para oferecer o corpo como sacrifício vivo, mas ele acrescenta que deve ser um corpo santo. • No AT, o sacerdote, para oferecer o sacrifício, deveria tomar as precauções previstas na lei mosaica, tanto para quem oferecia como para o sacrifício em si (Ex 28.1-4; Lv 4.3; 21; 23.12; Hb 8.7-8). • Oferecer um corpo santo é oferecer corpo e alma de forma exclusiva (separada) para Deus, o culto espiritual e agradável a Deus (1 Pe 2.5).
  13. 13. Consagrando o corpo de forma agradável à Deus • Deus se interessa pelo interior das pessoas, onde está o verdadeiro eu, mas é inegável que o interior reflete no exterior. • Como devemos cuidar do templo do Espírito Santo? • Um bom momento para refletir sobre a mordomia do corpo para que possamos consagrá-lo a Deus de forma agradável. • Dentre vários cuidados, pode ser citado a alimentação e exercícios físicos (Pv 23.2; Gl 5.22-23). • Muitos cristãos negligenciam a mordomia do corpo e acham que Deus é obrigado e curar as consequências.
  14. 14. II – O JOVEM E A RENOVAÇÃO DA MENTE (V.2A)
  15. 15. A mente renovada não se acomoda ao padrão estabelecido pelo sistema dominante do mundo (v 2a). • A cultura tem um poder expressivo na formação da cosmovisão e no comportamento das pessoas. • O sistema dominante do mundo “jaz no maligno” (1 Jo 5.19). • A educação, a mídia, a televisão, os jornais, entre outros meios de comunicação se tornam ferramentas eficazes para moldar a mente das pessoas. • O cristão deve estar atento, conhecendo a Bíblia e mantendo uma vida de comunhão com Deus para ser influenciado pelas coisas que são de cima (Jo 3) .
  16. 16. A mente renovada pelo Espirito Santo(v 2a). • Só o Espírito Santo por meio da Palavra é capaz de renovar a nossa mente, mas esse processo não acontece de forma passiva. • A mente do cristão deve priorizar as coisas de Deus (Fp 4.8) e, por meio do ES, terá o discernimento das coisas espirituais (1 Co 2.14-16). • As maiores batalhas espirituais acontecem no campo da mente. • Jesus disse que onde estiver o tesouro do ser humano ai estará seu coração e sua mente (Mt 6.21-24).
  17. 17. A mente renovada transforma o modo de vida(v 2a). • O cristão não deve viver de acordo com o padrão estabelecido pelo mundo, mas ter uma vida de forma que tudo o que fizerem seja para a glória de Deus (1 Co 10.31). • Não significa que deve se excluir do mundo, rejeitar os amigos, se isolar dos relacionamentos, mas pela conduta demonstrar o poder transformador do evangelho. • Devemos seguir a vida no espírito “de poder, amor e equilíbrio” (2 Tm 1.7), sendo fiel a Deus independente das circunstâncias (Fp 4.11-13).
  18. 18. III – JOVEM E A BOA, PERFEITA E AGRADÁVEL VONTADE DE DEUS (V. 2B)
  19. 19. O jovem e a boa vontade de Deus • Para se conhecer a vontade de Deus, em primeiro lugar, se faz necessário conhecer a Bíblia por meio de um estudo sistemático e com compromisso. • Como saber se estou na boa vontade de Deus? • Diferenciar a “boa vontade universal” e a “boa vontade específica” de Deus. • O cristão pode estar fazendo algo que agrada a Deus, mas não a “boa vontade específica” de Deus para ele (ver At 16.7).
  20. 20. O jovem e a agradável vontade de Deus • A Bíblia nos exorta a aprender como discernir o que é agradável a Deus (Ef 5.10). • Cuidado com algumas práticas comuns no meio evangélico para identificar a “agradável vontade de Deus. Como por exemplo: porta aberta (tudo dá certo) ou porta fechada (barreiras na hora de realizar algo). • O cristão que consagra sua vida estará em harmonia com Deus, conectado com o Espírito Santo e saberá discernir o que é agradável a Deus (Ef 5.10). • Torne a paz de Deus o árbitro em suas decisões.
  21. 21. O jovem e a perfeita vontade de Deus • A Bíblia revela a vontade de Deus, principalmente, a vontade moral. Exemplo: “que vos abstenham da imoralidade sexual” (1 Ts 4.1-3). Este é um parâmetro da perfeita vontade de Deus, independente da região ou era. • Aos colossenses a prescrição é frutificar em toda boa obra, crescer no conhecimento de Deus, perseverar nas dificuldades, ter alegria do Espírito e dar graças em tudo (Cl 1.10-12). • Ainda que a perfeita vontade de Deus não parece ser justa ou adequada para você, confie em Deus, pois tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus (Rm 8.28).
  22. 22. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  23. 23. Nesta lição nos aprendemos que: 1) O culto racional que agrada a Deus não é a rotina da participação do templo, mas o culto espiritual contínuo na vida do crente. 2) a renovação da mente é um processo. O crente precisa fazer uma entrega completa para que o Espírito Santo governe sua mente (Rm 8.1-4). 3) Paulo roga para que seja apresentado um culto espiritual diário e agradável à Deus, pois somente assim poderemos experimentar qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.
  24. 24. REFERÊNCIAS
  25. 25. BALL, Charles Fergunson. A vida e os tempos do apóstolo Paulo. Rio de Janeiro: CPAD, 1998. BARTH, Karl. Carta aos Romanos: Tradução e comentários Lindolfo K. Anders. São Paulo: Novo Século, 2003. BRUCE, F.F. Romanos: introdução e comentário. São Paulo: Editora Vida Nova, 2004. CABRAL, Elienai. Mordomia Cristã: aprenda como servir melhor a Deus. Rio de Janeiro: CPAD, 2003. CABRAL, Elienai. Romanos: o evangelho da justiça de Deus. 7a edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2003. CALVINO, João. Romanos. 2a Edição. São Paulo: Edições Parakletos, 2001. GABY, Wagner Tadeu dos Santos. As doenças do Século. Rio de Janeiro: CPAD, 2008. GILBERTO, Antônio. O fruto do Espírito: a plenitude de Cristo na vida do crente. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
  26. 26. HENRY, Matthew. Comentário Bíblico de Matthew Henry. Tradução: Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2002 JEREMIAS, Joaquim. A mensagem central do Novo Testamento. São Paulo: Editora Academia Cristã, 2005 KASEMANN, Ernest. Perspectivas paulinas. 2a edição. São Paulo: Teológica, 2003. KÜMMEL, Werner Georg. Sintese teológica do Novo Testamento. São Paulo: Teológica, 2003. LOHSE, E. Contexto e Ambiente do Novo Testamento. 2ª ed. São Paulo: Paulinas, 2004. LUTERO, Martin. Comentarios de Martin Lutero: Romanos. Volumen I. Traducción de Erich Sexauer. Barcelona: Editorial Clie, 1998. MACARTHUR JR., John et all. Justificação pela fé somente: a marca da vitalidade espiritual da igreja. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2005. MOODY. Comentário bíblico Moody: Romanos à Apocalipse. V. 5. São Paulo: Editora Batista Regular, 2001.
  27. 27. • MURRAY, John. Romanos: comentário bíblico fiel. São Paulo: Editora Fiel, 2003. • POHL, Adolf. Carta aos romanos. Curitiba: Editora Evangélica Esperança, 1999. • REGA, Lourenço Stelio e BERGMANN, Johannes. Noções do Grego Bíblico: gramática fundamental. São Paulo: Editora Vida Nova, 2004. • RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. Tradução de Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2014. • RICHARDS, Lawrence O. Guia do leitor da Bíblia: uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. • RIDDERBOS, Herman. A teologia do apóstolo Paulo: a obra definitiva sobre o pensamento do apóstolo dos gentios. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2004. • RONIS, Osvaldo. Geografia bíblica. 3a Edição. Rio de Janeiro: SEGRAFE, 1978.
  28. 28. • SANDERS, E. P. Paulo, a lei e o povo judeu. São Paulo: Edições Paulinas, 1990. • SCHNELLE, Udo. A evolução do pensamento paulino. São Paulo: Edições Loyola, 1999. • STOTT, John. Romanos. São Paulo: ABU editora, 2000. • SCHRAGE, Wolfgang. Ética do Novo Testamento. São Leopoldo: Sinodal/IEPG, 1994. • STUHLMACHER, Peter. Lei e graça em Paulo: uma reafirmação da doutrina da justificação. São Paulo: Vida Nova, 2002. • TRASK, Thomas E.; GOODALL, Waide I. Um retorno à Vida Santificada. In: De volta para a Palavra: um chamado à autoridade da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, P. 187-205. • ZUCK, Roy B. Teologia do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
  29. 29. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094

×