Trabalho filosofia - grupo 1

867 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
867
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho filosofia - grupo 1

  1. 1. Trabalho apresentado no dia 26 de setembro de 2012 pelas alunas: Cláudia Barbosa, Luciana Bartholomeu, Mariana Aguero e Silvia Vanderlise para a disciplina EDU 01050: Filosofia II
  2. 2. Capítulos do livro = conferências realizadas em 2005 na cidade de Buenos Aires. Capítulo 1: "Sociologia das Ausências e Sociologia das Emergências: para uma ecologia de saberes".•Reinventar a Emancipação Social a partir do sul;•Contradições: Norte x Sul.
  3. 3. Metonímica: desperdício da experiência = contrai o presente. Proléptica: expansão do futuro.
  4. 4. "Muito do que não existe em nossarealidade é produzido ativamente como não-existente [...]". As monoculturas:•Saber e do rigor;•Tempo linear;•Naturalização das diferenças;•Escala dominante;•Produtivismo capitalista.
  5. 5. Que a ciência não seja uma monocultura e•Ecologia dos saberes sim, saiba dialogar com todos os saberes: laico, popular, indígena.•Ecologia das temporalidades Embora haja um tempo linear, há também outros tempos.
  6. 6. Descolonizar nossas mentes para poder produzir algo que• Ecologia do reconhecimento distinga, em uma diferença, o que é produto da hierarquia e o que não é.• Ecologia da "transescala" Os movimentos locais só são importantes se podem tornar-se• Ecologia das produtividade nacionais. Recuperação e valorização dos sistemas alternativos de produção.
  7. 7. “Marxização” do mundo: a ideia de que o mundo era cada vez mais parecido com o que Marx havia diagnosticado.A teoria marxista = permanente tentativa de renovação em diversos lugares do mundo apresenta limitações:•vinculada à ideia de progresso e de superação dedeterminadas condições sociais sob os presságios deuma lógica racionalista.
  8. 8. Teoria crítica: a razão que critica não pode ser a mesma que pensa, constrói e legitima o que é criticável.  Marxismo Boaventura Colonialismo como fator do  Colonialismo é capitalismo capitalismo.  Uma nova relação entre respeito Tornou invisível, escondeu da igualdade e o principio do outras formas de opressão, conhecimento da diferença, pois o discriminação e exclusão. importante não é a homogeneização, mas sim as Compartilha o ideal da diferençias iguais. unidade de saber, da universalidade do saber  Não há conhecimento geral, científico e sua primazia. tampouco ignorância geral
  9. 9. Desafios: •Reinventar as possibilidades emancipatórias emancipadoras que havia nesse conhecimento emancipador. •Como fazer o silêncio falar de uma maneira que produza autonomia e não a reprodução do “silenciamento”. •Saber fazer a distinção entre objetividade e neutralidade. •Necessidade de nos concentrarmos em como desenvolver subjetividades rebeldes e não apenas subjetividades conformistas.•Temos a ideia de que é necessário encontrar quadros teóricos e políticos que continuem tentando não ser enganados , mas ao mesmo tempo não desistir.
  10. 10. • O espaço – tempo doméstico, onde a forma de poder é o patriarcado, as relações sociais de sexo.• O espaço – tempo da produção, onde o modo de poder é a exploração. • O espaço – tempo da comunidade, onde a forma de poder é a diferenciação desigual entre quem pertence a comunidade quem não pertence.• O espaço estrutural do mercado, onde a forma de poder é o fetichismo das mercadorias.
  11. 11. • O espaço - tempo da cidadania, o que normalmente chamamos de espaço público: aí a forma de poder é a dominação, o fato de que há uma solidariedade vertical entre cidadão e Estado.• O espaço – tempo mundial em cada sociedade, que está incorporado em cada país, onde a forma de poder é intercâmbio desigual.
  12. 12. Uma das inovações teóricas é a necessidade que temos de construir a emancipação a partir deuma nova relação entre respeito da igualdade oprincipio do reconhecimento da diferença, poiso importante não é a homogeneização, mas sim as diferenças iguais.
  13. 13. Temos que tentar uma renovação teórica, a sociedade capitalista tem vários sistemas, masos seis diferentes tipos podem se reduzir a duas formas de domínio hierarquizado. Eles são: o sistema de desigualdade e do de exclusão. O sistema de desigualdade nas sociedades capitalistas é a relação capital / trabalho. Existem formas híbridas que se identificamcom, elementos de desigualdade e de exclusão ,o racismo e o sexismo. Racismo: uma forma de exclusão que esta cada vez mais esta se encaixando no sistema de desigualdade, e o sexismo ocorre o mesmo.
  14. 14. Instrumentos Hegemônicos: desenvolver conceitos que os transformem em instrumentos “contra hegemônicos”. Democracia nos anos 60 •Vários tipos de democracia;•Discussão central da teoria da democracia em geral; •Tensão entre capitalismo e democracia; •O Estado é a solução e a sociedade é o problema.
  15. 15. •Democracia liberal representativa;•Fim da tensão entre democracia e capitalismo; •A fórmula: o Estado como solução e a sociedade como problema se inverteu.
  16. 16. É democrática somente uma sociedade na qualninguém seja tão pobre que tenha de se vender, nem ninguém seja tão rico que possa comprar alguém”. (Rousseau) •Reinventar e reconstruir algumas formas de Demo diversidade.
  17. 17. • Cidadania bloqueada;• Assimilacionismo. Como desenvolver uma complementaridade:• Nível local;• Nível nacional e global.• A democracia participativa consegue ampliar a agenda política;• Deslegitimação dos partidos políticos.
  18. 18. Santos, Boaventura de Sousa. Renovar ateoria critica e reinventar a emancipaçãosocial. SãoPaulo: Boitempo, 2007.

×