SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
       FACED - PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
           TÍTULO: EMANCIPAÇÃO SOCIAL E UNIVERSIDADE

   LEITURAS A PARTIR DE BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS
           PROFESSOR/ RESPONSÁVEL: Jaime José Zitkoski
          PROFESSORA/ COLABORADORA: Maria Elly Genro

                           LIVRO
Renovar a Teoria Crítica e Reiventar a Emancipação Social

                       CAPÍTULO I
A Sociologia das Ausências e a Sociologia das Emergências:
               para uma ecologia de saberes
                                                       Grupo II
                                                     Cesar dos Santos
                             Valério
                                                         Maria Terezinha
                            Stropper
                                                  Luis Paulo Arena
                                                  Maria Salete Aumond
                                                  Luciane Bello
I PARTE

      INTRODUÇÃO

SOCIOLOGIA DAS AUSÊNCIAS
PARA UMA SOCIOLOGIA DAS AUSÊNCIAS E UMA SOCIOLOGIA DAS
                       EMERGÊNCIAS
INTRODUÇÃO

 Projeto: A reinvenção da emancipação social – estuda alternativas à
Globalização Neoliberal.
 Objetivo: Determinar em que medida está sendo produzida uma
globalização alternativa, suas possibilidades e limites.
 Hipótese: Os conflitos entre globalização neoliberal hegemônica e
globalização     contra hegemônica são mais intensos nos países
periféricos.
    Justificativa:   -    Países    periféricos     e   semi-periféricos:
movimentos/Iniciativas: democracia participativa, sistemas de produção
alternativos, multiculturalismo, direitos coletivos, biodiversidade e
cidadania -> outros discursos e narrativas sobre o mundo: reflexões
epistemológicas (epistemologias do sul). Alguns exemplos: Seattle –
1999 (OMC); MAB; Movimento “chipko” e o “empate”; Orçamento
participativo.
Fatores que contribuíram para essa reflexão: Projeto conduzido fora
dos centros hegemônicos de poder. Interação entre o conhecimento
científico e o não científico.

 CRÍTICA DE BOAVENTURA: RAZÃO INDOLENTE (LEIBNIZ)

 A base de sustentação do pensamento hegemônico produz e reforça
as inexistências. A não credibilidade das experiências alternativas, leva
ao desperdício da experiência.
 Contexto sociopolítico no qual a razão indolente se desenvolveu:
 Revoluções industriais, colonialismo, imperialismo, neoliberalismo.

 Globalização: escala sem precedentes, privilegia realidades que se
alargam sobre o globo. O resto: local, particular -> vistas como
alternativas não credíveis.
 Lógica produtivista capitalista: lucro, trabalho produtivo. O resto:
improdutivo -> produção social da inexistência -> o resultado é a
subtração do mundo, a contração do presente e o desperdício das
experiências.
 Fora dos debates encontram-se os saberes não científicos, nem
filosóficos, saberes não ocidentais.
 A experiência social em todo mundo é mais ampla e variada do que a
tradição científica e filosófica ocidental reconhece.
 A experiência desperdiçada nutre a idéia de que não há alternativas;
 Tornar visíveis tais experiências, dar credibilidade a essas
experiências.
Ciências Sociais: responsável por desperdiçar alternativas.

 RAZÃO INDOLENTE:
  a)Razão Metonímica: – como é concebido o presente (contração).
     b)Razão Proléptica: – como é concebido o futuro a partir da
monocultura do tempo linear (futuro dilatado). História tem o sentido e
a direção conferidos pelo progresso -> ilimitado e infinito.
Razão Metonímica:
                          Metonímia
 É uma racionalidade que facilmente toma a parte pelo todo, pois tem
  um conceito de totalidade feito de partes homogêneas. E nada que
  fica de fora dessa totalidade interessa. Contrai, diminui, subtrai o
  presente e precisamos ter uma visão do nosso presente.
 O resto é considerado inexistente.
 Necessidade: propor um novo modelo de racionalidade.
 Propõe uma razão cosmopolita (sociologia das ausências, sociologia
  das emergências e trabalho de tradução). O presente seja expandido
  e o futuro contraído. A idéia de determinação do futuro é substituída
  pelo cuidado com o futuro. Ex: A economia ambiental pode ser
  substituída pela economia ecológica?
 Produz a inexistência do que não cabe na sua totalidade e no seu
  tempo linear.
 Pichação ou grafitismo?
- SOCIOLOGIA DAS AUSÊNCIAS - Movimento transgressivo insurgente.
A existência de cinco monoculturas que produzem as ausências em
nossa racionalidade ocidental. Uma racionalidade preguiçosa.

 - A primeira ausência, a do Saber e do Rigor - Toma como única
verdade o pensamento científico, Passa a reduzir o presente
desconsiderando os conhecimentos e práticas populares existentes
nas sociedades. O saber torna-se (ignorante). Não valoriza outras
culturas, povos e grupos sociais que produzem conhecimentos nas
práticas populares. Ex.: Centros urbanos e periferias das cidades.

 - A segunda ausência, a de Tempo Linear, - Culturalmente absorvemos
a idéia de que os conhecimentos científicos e culturais vindos do Norte
sempre      estariam     na    vanguarda      da     modernidade.
Com o pensamento neoliberalista passamos a desacreditar na
eficiência de nossas instituições, organizações e pensamento científico
por nos considerarmos países subdesenvolvidos, atrasados. O
pensamento de que o Norte proporcionaria as melhores idéias e formas
de viver e de estar neste mundo. O (residual).

- A terceira ausência, a da Naturalização das Diferenças – Baseia-se na
forma de organização das diferentes culturas em determinados países.
Ex.: Etnia, sexuais e de castas. Civilização Hinduísta, divididos em
castas, são povos politeístas marcados por grandes disparidades sócio-
econômicas. A Índia, abriga inúmeras castas e tribos, numa
multiplicidade de religiões e seitas. .Afeganistão e o Paquistão - Burca
A (inferioridade) é produzida pela hierarquia dominante
desconsiderando algumas vezes as relações capital – trabalho. Os
inferiores os são por natureza e por isso a hierarquia vem a ser a causa
das diferenças. Ex.: Mutilação das meninas na África (clitóris), Judeus-
circuncisão.
- A quarta ausência, a da Existência de uma Escala Dominante - Vem
ao longo dos tempos tendo como o universalismo, e atualmente a
globalização como representatividade de domínio e ocupação.

Universalismo - Pretende impor uma concepção de direitos a nível
universal, ou seja os direitos humanos desenvolvidos num conceito
ocidental devem segundo esta óptica, ser aplicados a todos os
indivíduos independentemente da sua cultura, ignorando
singularidades culturais e localismos específicos que poderão entrar em
conflito com esta posição, (o local ou particular).
Ex.: Amazônia - Água               - Patrimônio da Humanidade.

Globalização - O discurso hoje, a consagração de uma geopolítica
neoliberal que orienta as políticas ambientais, a transformação da
natureza em mercadoria e, por outro lado, as mobilizações por
reconhecimento de identidades coletivas em diversos países. Ex.:
direitos de cidadania. Cria ausências no particular e no local. Ex.: Mc’
Donalds.
- A quinta ausência, a         do Produtivismo Capitalista, -
Crescimento econômico e produtividade em um ciclo de produção
determinam a produtividade do trabalho humano ou da natureza, e
tudo o mais não conta. É improdutivo. Maneira contrária a cultura
indígena ou a dos camponeses de se organizar a terra. Ex:
Biodiversidade - Sustentabilidade-Plantio e o repouso da terra Índios-
Fertilizantes


EPISTEMICÍDIO

A morte de conhecimentos alternativos reduz a realidade, descredibiliza
não somente os conhecimentos alternativos mas também os povos, os
grupos sociais cujas práticas são construídas nesses conhecimentos.
Quem são os nossos Heróis e Heroínas? Walt Disney, Branca de Neve.
I I PARTE


SOCIOLOGIA DAS EMERGÊNCIAS

         PROJETO
SOCIOLOGIA DAS EMERGÊNCIAS

A Crítica da razão Proléptica é feita e enfrentada por outra sociologia
“ Sociologia das Emergências”.

Fala de sinais, possibilidades que existem no presente e que são
possibilidades emergentes (muitas vezes invisíveis) e são sinais do
futuro.
Devemos buscar credibilizar, ampliar simbolicamente as possibilidades
de ver o futuro (Ampliação da visão simbólica).

A sociologia das Emergência produz experiências possíveis, mas que não
estão dadas, porque não existem alternativas para isso, porém são
possíveis e já existem como emergências. Não se trata portanto de um
futuro abstrato, pois já temos pistas, sinais.
A sociologia das Emergências nos permite abandonar essa idéia de
“futuro sem limites” e substituir pelo futuro com algo concreto (que
está em construção por estas emergências).

           AMPLIAR O PRESENTE E CONTRAIR O FUTURO

Não temos “receitas para esse mundo” (Ex. Rosa Luxemburgo e Marx ).

É necessário criar inteligibilidade no interior da pluralidade sem
destruir a diversidade. Como por exemplo articular o movimento
feminista com o indígena, com o camponês com o urbano. E isso é
possível pela tradução .
Tradução, como um processo intercultural e intersetorial. Traduzir
“saberes” em “outros saberes”, traduzir práticas, sujeitos e buscar
inteligibilidade. Para isso é preciso fazer a tradução entre estes
diferentes movimentos observando o que é diferente e o que é
semelhante. Esse é o princípio fundamental da Epistemologia do qual
ele chama de “Epistemologia do Sul”.

“Não há justiça global sem justiça cognitiva global, ou seja, sem justiça
entre os conhecimentos”.

Boaventura coloca que “não há nenhuma cultura que seja completa,
então é preciso fazer a tradução para ver a diversidade sem
relativismo”. Desta forma este procedimento da tradução é um
processo em que se dá sentido ao mundo que não tem um sentido
único, porque ele é um sentido de todos nós. A fim de criar uma nova
concepção de dignidade humana e de consciência humana.
DEBATE COM O PÚBLICO
           Cuidado para não “canibalizar” ao traduzir
Boaventura propõe :
- -tradução recíproca (eu e você), transformando conceitos existentes;
--imaginação epistemológica distinguindo critérios cognitivos
(administram forma de saber) e critérios éticos-políticos (decidem
intervenção no real);
-- outro diálogo da humanidade;
-- conhecimento deve ser produzido de forma horizontal, compartilhada;
-- ecologia de saberes: extensão ao contrário;
-- somos uma cultura de palavras e não poesia e espiritualidade (ex:
#indígenas na UFRGS);
--erros da razão indolente: reducionismo, determinismo e dualismo
(ansiedade de pertença dificulta pensar o novo).
REFLEXÃO: Para a utopia conservadora do neoliberalismo, se
há desemprego e exclusão social, se há fome e pandemias na
periferia do sistema mundial, isso não é o efeito das deficiências
ou dos limites das leis do mercado. É antes o resultado do fato de
essas leis ainda não terem sido plenamente aplicadas. O
horizonte das utopias conservadoras é, assim, um horizonte
fechado, um fim da história. Por isso a pretensão do controle total
sobre a realidade presente através de saberes e de poderes
extremamente eficazes; a rejeição radical de alternativas ao
status quo. Devemos contrapor a ideia da totalidade do controle
(como poder ou como saber), escapar dessa perversão.
Segundo Boaventura devemos acreditar que há razões credíveis
para defender a possibilidade de alternativas. De que não
necessitamos obrigatoriamente de novos conhecimentos, mas de
que devemos encontrar alternativas às alternativas. Entender que
a modernidade ocidental produz a não contemporaneidade do
contemporâneo, e que a idéia de simultaneidade esconde as
assimetrias dos tempos históricos que nela convergem.
 BIBLIOGRAFIA

 SANTOS, Boaventura de Sousa, 1940 – Renovar a teoria crítica e
  reinventar a emancipação social / Boaventura de Sousa Santos;
  tradução Mouzar Benedito. – São Paulo: Boitempo, 2007.

 SANTOS, Boaventura de Sousa – A gramática do tempo: para uma
  nova cultura política / Boaventura de Sousa Santos – 3 ed. – São
  Paulo: Cortez, 2010 – (coleção para um novo senso comum; v 4.

 VÍDEO
Performance Teatral – O MENESTREL - Intérprete – Moacir Reis /
  TJSC - Florianópolis - 23/11/ 2001.
 http://www.youtube.com/watch?v=vlLh8K6FF8A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1- O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Aula 1-  O que e alienação? Prof. Noe AssunçãoAula 1-  O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Aula 1- O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Mudancas sociais
Mudancas sociaisMudancas sociais
Mudancas sociais
Governo de Rondônia
 
Atividades Filosofia Politica & Verdade
Atividades Filosofia Politica & VerdadeAtividades Filosofia Politica & Verdade
Atividades Filosofia Politica & Verdade
Doug Caesar
 
Norbert elias processo civilizador
Norbert elias  processo civilizadorNorbert elias  processo civilizador
Norbert elias processo civilizador
Lucio Braga
 
Apostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácilApostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácil
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Mary Alvarenga
 
Linguagem e pensamento
Linguagem e pensamentoLinguagem e pensamento
Linguagem e pensamento
Centro Universitario Claretiano
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia -  Política, poder e EstadoCruzadinha de Filosofia -  Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Mary Alvarenga
 
Sociologia - Os Movimentos Sociais
Sociologia  - Os Movimentos SociaisSociologia  - Os Movimentos Sociais
Sociologia - Os Movimentos Sociais
Dymerson Medson
 
Prova de sociologia eo gabarito (1)
Prova de sociologia eo gabarito (1)Prova de sociologia eo gabarito (1)
Prova de sociologia eo gabarito (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
7 Idade Moderna
7 Idade Moderna7 Idade Moderna
7 Idade Moderna
Robson Santos
 
Plano de curso sociologia 1 ano
Plano de curso  sociologia 1 anoPlano de curso  sociologia 1 ano
Plano de curso sociologia 1 ano
João Marcelo
 
Plano de aula quilombolas- francisca roseane
 Plano de aula quilombolas- francisca roseane Plano de aula quilombolas- francisca roseane
Plano de aula quilombolas- francisca roseane
Roseane Ribeiro
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
Roberto Izoton
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria cultural
roberto mosca junior
 
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Mary Alvarenga
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Andrea Parlen
 
Sociologia ENEM / 2018
Sociologia ENEM / 2018Sociologia ENEM / 2018
Sociologia ENEM / 2018
Paula Meyer Piagentini
 

Mais procurados (20)

Aula 1- O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Aula 1-  O que e alienação? Prof. Noe AssunçãoAula 1-  O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Aula 1- O que e alienação? Prof. Noe Assunção
 
Mudancas sociais
Mudancas sociaisMudancas sociais
Mudancas sociais
 
Atividades Filosofia Politica & Verdade
Atividades Filosofia Politica & VerdadeAtividades Filosofia Politica & Verdade
Atividades Filosofia Politica & Verdade
 
Norbert elias processo civilizador
Norbert elias  processo civilizadorNorbert elias  processo civilizador
Norbert elias processo civilizador
 
Apostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácilApostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácil
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
 
Linguagem e pensamento
Linguagem e pensamentoLinguagem e pensamento
Linguagem e pensamento
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia -  Política, poder e EstadoCruzadinha de Filosofia -  Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
 
Sociologia - Os Movimentos Sociais
Sociologia  - Os Movimentos SociaisSociologia  - Os Movimentos Sociais
Sociologia - Os Movimentos Sociais
 
Prova de sociologia eo gabarito (1)
Prova de sociologia eo gabarito (1)Prova de sociologia eo gabarito (1)
Prova de sociologia eo gabarito (1)
 
7 Idade Moderna
7 Idade Moderna7 Idade Moderna
7 Idade Moderna
 
Plano de curso sociologia 1 ano
Plano de curso  sociologia 1 anoPlano de curso  sociologia 1 ano
Plano de curso sociologia 1 ano
 
Plano de aula quilombolas- francisca roseane
 Plano de aula quilombolas- francisca roseane Plano de aula quilombolas- francisca roseane
Plano de aula quilombolas- francisca roseane
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria cultural
 
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
 
Sociologia ENEM / 2018
Sociologia ENEM / 2018Sociologia ENEM / 2018
Sociologia ENEM / 2018
 

Destaque

89869029 um-discurso-sobre-as-ciencias-boaventura-de-sousa-santos
89869029 um-discurso-sobre-as-ciencias-boaventura-de-sousa-santos89869029 um-discurso-sobre-as-ciencias-boaventura-de-sousa-santos
89869029 um-discurso-sobre-as-ciencias-boaventura-de-sousa-santos
bibliomiranda
 
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseResenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Juliana Gulka
 
Boaventura sliderschare
Boaventura sliderschareBoaventura sliderschare
Boaventura sliderschare
marialvamoogpinto
 
Boaventura de Souza Santos - Um discurso sobre ciencias
Boaventura de Souza Santos  - Um discurso sobre cienciasBoaventura de Souza Santos  - Um discurso sobre ciencias
Boaventura de Souza Santos - Um discurso sobre ciencias
Carlos Alberto Monteiro
 
Poderá o direito ser emancipatório. boaventura s.santos
Poderá o direito ser emancipatório. boaventura s.santosPoderá o direito ser emancipatório. boaventura s.santos
Poderá o direito ser emancipatório. boaventura s.santos
pictdireitofrbparalela
 
Sociologia das ausencias
Sociologia das ausenciasSociologia das ausencias
Sociologia das ausencias
rfolhes
 
Boaventura de souza santos
Boaventura de souza santosBoaventura de souza santos
Boaventura de souza santos
Ruy Cerqueira
 
Resumo sobre a questão cultural de stuart hall
Resumo sobre a questão cultural de stuart hallResumo sobre a questão cultural de stuart hall
Resumo sobre a questão cultural de stuart hallwilson-alencar
 
Tradução para legendagem e suas dificuldades
Tradução para legendagem e suas dificuldadesTradução para legendagem e suas dificuldades
Tradução para legendagem e suas dificuldades
LucyAlexandrini
 
Introducao aos Estudos da Tradução
Introducao aos Estudos da TraduçãoIntroducao aos Estudos da Tradução
Introducao aos Estudos da Tradução
Instituto Consciência GO
 
A educação para além do capital
A educação para além do capitalA educação para além do capital
A educação para além do capital
andersondel100
 
A gramática do tempo - cap 9
A gramática do tempo - cap 9A gramática do tempo - cap 9
A gramática do tempo - cap 9
Lívia Willborn
 
Resenha direitos humanos rubio
Resenha direitos humanos rubioResenha direitos humanos rubio
Resenha direitos humanos rubio
kapoars
 
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos HumanosConcepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Karla Amaral
 
La invención del tercer mundo arturo escobar resumen
La invención del tercer mundo arturo escobar   resumenLa invención del tercer mundo arturo escobar   resumen
La invención del tercer mundo arturo escobar resumen
cesarcastiblancoagudelo
 
Presidentielle-google-suggest
Presidentielle-google-suggestPresidentielle-google-suggest
Presidentielle-google-suggest
olivier
 
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
Aula de pós graduação   polítca social e questão social1Aula de pós graduação   polítca social e questão social1
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
Estevam Cesar
 
Computer graphic designer performance appraisal
Computer graphic designer performance appraisalComputer graphic designer performance appraisal
Computer graphic designer performance appraisal
garymobile15
 
A educação nas antigas civilizações.
A educação nas antigas civilizações.A educação nas antigas civilizações.
A educação nas antigas civilizações.
Ju Alenkar
 
Paradigma Educacional Emergente
Paradigma Educacional EmergenteParadigma Educacional Emergente
Paradigma Educacional Emergente
Norma Almeida
 

Destaque (20)

89869029 um-discurso-sobre-as-ciencias-boaventura-de-sousa-santos
89869029 um-discurso-sobre-as-ciencias-boaventura-de-sousa-santos89869029 um-discurso-sobre-as-ciencias-boaventura-de-sousa-santos
89869029 um-discurso-sobre-as-ciencias-boaventura-de-sousa-santos
 
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseResenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
 
Boaventura sliderschare
Boaventura sliderschareBoaventura sliderschare
Boaventura sliderschare
 
Boaventura de Souza Santos - Um discurso sobre ciencias
Boaventura de Souza Santos  - Um discurso sobre cienciasBoaventura de Souza Santos  - Um discurso sobre ciencias
Boaventura de Souza Santos - Um discurso sobre ciencias
 
Poderá o direito ser emancipatório. boaventura s.santos
Poderá o direito ser emancipatório. boaventura s.santosPoderá o direito ser emancipatório. boaventura s.santos
Poderá o direito ser emancipatório. boaventura s.santos
 
Sociologia das ausencias
Sociologia das ausenciasSociologia das ausencias
Sociologia das ausencias
 
Boaventura de souza santos
Boaventura de souza santosBoaventura de souza santos
Boaventura de souza santos
 
Resumo sobre a questão cultural de stuart hall
Resumo sobre a questão cultural de stuart hallResumo sobre a questão cultural de stuart hall
Resumo sobre a questão cultural de stuart hall
 
Tradução para legendagem e suas dificuldades
Tradução para legendagem e suas dificuldadesTradução para legendagem e suas dificuldades
Tradução para legendagem e suas dificuldades
 
Introducao aos Estudos da Tradução
Introducao aos Estudos da TraduçãoIntroducao aos Estudos da Tradução
Introducao aos Estudos da Tradução
 
A educação para além do capital
A educação para além do capitalA educação para além do capital
A educação para além do capital
 
A gramática do tempo - cap 9
A gramática do tempo - cap 9A gramática do tempo - cap 9
A gramática do tempo - cap 9
 
Resenha direitos humanos rubio
Resenha direitos humanos rubioResenha direitos humanos rubio
Resenha direitos humanos rubio
 
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos HumanosConcepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
 
La invención del tercer mundo arturo escobar resumen
La invención del tercer mundo arturo escobar   resumenLa invención del tercer mundo arturo escobar   resumen
La invención del tercer mundo arturo escobar resumen
 
Presidentielle-google-suggest
Presidentielle-google-suggestPresidentielle-google-suggest
Presidentielle-google-suggest
 
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
Aula de pós graduação   polítca social e questão social1Aula de pós graduação   polítca social e questão social1
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
 
Computer graphic designer performance appraisal
Computer graphic designer performance appraisalComputer graphic designer performance appraisal
Computer graphic designer performance appraisal
 
A educação nas antigas civilizações.
A educação nas antigas civilizações.A educação nas antigas civilizações.
A educação nas antigas civilizações.
 
Paradigma Educacional Emergente
Paradigma Educacional EmergenteParadigma Educacional Emergente
Paradigma Educacional Emergente
 

Semelhante a Slides Boaventura - grupo 2

Renovar a teoria crítica
Renovar a teoria críticaRenovar a teoria crítica
Renovar a teoria crítica
Lívia Willborn
 
Decolonial o outro e seu olhar
Decolonial  o outro e seu olharDecolonial  o outro e seu olhar
Decolonial o outro e seu olhar
Nana Fonseca
 
Moda, Opinião e Estetização do Mundo
Moda, Opinião e Estetização do MundoModa, Opinião e Estetização do Mundo
Moda, Opinião e Estetização do Mundo
emilianapomarico
 
Educação, pós modernidade e globalização
Educação, pós modernidade e globalizaçãoEducação, pós modernidade e globalização
Educação, pós modernidade e globalização
Silvânio Barcelos
 
Filosofia, capitalismo e formaçao social
Filosofia, capitalismo e formaçao socialFilosofia, capitalismo e formaçao social
Filosofia, capitalismo e formaçao social
cefaprodematupa
 
Filosofia, capitalismo e formaçao social
Filosofia, capitalismo e formaçao socialFilosofia, capitalismo e formaçao social
Filosofia, capitalismo e formaçao social
cefaprodematupa
 
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da OrdemPequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
Giba Canto
 
Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1
ingrid stefanny
 
Livro unico
Livro unicoLivro unico
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
mundica broda
 
Educação para mudança
Educação para mudançaEducação para mudança
Educação para mudança
Juçara Keylla
 
Antrop. contêmp
Antrop. contêmpAntrop. contêmp
Antrop. contêmp
roberto mosca junior
 
Encontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptxEncontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptx
AndrPlez1
 
Apresentaçãosocdir6
Apresentaçãosocdir6Apresentaçãosocdir6
Slides atualizados psicologia social (2)
Slides atualizados psicologia social (2)Slides atualizados psicologia social (2)
Slides atualizados psicologia social (2)
Conceição Gomes
 
Do pos moderno pos colonial boaventura_santos
Do pos moderno pos colonial boaventura_santosDo pos moderno pos colonial boaventura_santos
Do pos moderno pos colonial boaventura_santos
Adriana Bruno
 
Etica cultura sociedade
Etica cultura sociedadeEtica cultura sociedade
Etica cultura sociedade
Vinicio Pacifico
 
Cultura e diversidade.pptx
Cultura e diversidade.pptxCultura e diversidade.pptx
Cultura e diversidade.pptx
BrunoAndrade238623
 
2 vivencia-dos-votos-pos-modernidade
2 vivencia-dos-votos-pos-modernidade2 vivencia-dos-votos-pos-modernidade
2 vivencia-dos-votos-pos-modernidade
SITEclarissasmarilia
 
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques DerridaGilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Denise Oliveira
 

Semelhante a Slides Boaventura - grupo 2 (20)

Renovar a teoria crítica
Renovar a teoria críticaRenovar a teoria crítica
Renovar a teoria crítica
 
Decolonial o outro e seu olhar
Decolonial  o outro e seu olharDecolonial  o outro e seu olhar
Decolonial o outro e seu olhar
 
Moda, Opinião e Estetização do Mundo
Moda, Opinião e Estetização do MundoModa, Opinião e Estetização do Mundo
Moda, Opinião e Estetização do Mundo
 
Educação, pós modernidade e globalização
Educação, pós modernidade e globalizaçãoEducação, pós modernidade e globalização
Educação, pós modernidade e globalização
 
Filosofia, capitalismo e formaçao social
Filosofia, capitalismo e formaçao socialFilosofia, capitalismo e formaçao social
Filosofia, capitalismo e formaçao social
 
Filosofia, capitalismo e formaçao social
Filosofia, capitalismo e formaçao socialFilosofia, capitalismo e formaçao social
Filosofia, capitalismo e formaçao social
 
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da OrdemPequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
 
Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1
 
Livro unico
Livro unicoLivro unico
Livro unico
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
 
Educação para mudança
Educação para mudançaEducação para mudança
Educação para mudança
 
Antrop. contêmp
Antrop. contêmpAntrop. contêmp
Antrop. contêmp
 
Encontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptxEncontro Paper 3.pptx
Encontro Paper 3.pptx
 
Apresentaçãosocdir6
Apresentaçãosocdir6Apresentaçãosocdir6
Apresentaçãosocdir6
 
Slides atualizados psicologia social (2)
Slides atualizados psicologia social (2)Slides atualizados psicologia social (2)
Slides atualizados psicologia social (2)
 
Do pos moderno pos colonial boaventura_santos
Do pos moderno pos colonial boaventura_santosDo pos moderno pos colonial boaventura_santos
Do pos moderno pos colonial boaventura_santos
 
Etica cultura sociedade
Etica cultura sociedadeEtica cultura sociedade
Etica cultura sociedade
 
Cultura e diversidade.pptx
Cultura e diversidade.pptxCultura e diversidade.pptx
Cultura e diversidade.pptx
 
2 vivencia-dos-votos-pos-modernidade
2 vivencia-dos-votos-pos-modernidade2 vivencia-dos-votos-pos-modernidade
2 vivencia-dos-votos-pos-modernidade
 
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques DerridaGilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
 

Mais de Lívia Willborn

Memória dinâmica dos grupos
Memória dinâmica dos gruposMemória dinâmica dos grupos
Memória dinâmica dos grupos
Lívia Willborn
 
Universidade popular dos movimentos sociais parte 2
Universidade popular dos movimentos sociais parte 2Universidade popular dos movimentos sociais parte 2
Universidade popular dos movimentos sociais parte 2
Lívia Willborn
 
Universidade popular dos movimentos sociais parte 1
Universidade popular dos movimentos sociais parte 1Universidade popular dos movimentos sociais parte 1
Universidade popular dos movimentos sociais parte 1
Lívia Willborn
 
Universidade popular dos movimentos sociais
Universidade popular dos movimentos sociaisUniversidade popular dos movimentos sociais
Universidade popular dos movimentos sociais
Lívia Willborn
 
A encruzilhada
A encruzilhadaA encruzilhada
A encruzilhada
Lívia Willborn
 
A encruzilhada
A encruzilhadaA encruzilhada
A encruzilhada
Lívia Willborn
 
A encruzilhada
A encruzilhadaA encruzilhada
A encruzilhada
Lívia Willborn
 
Síntese: por uma democracia de alta intensidade
Síntese: por uma democracia de alta intensidadeSíntese: por uma democracia de alta intensidade
Síntese: por uma democracia de alta intensidade
Lívia Willborn
 
Pensamento de Freire
Pensamento de FreirePensamento de Freire
Pensamento de Freire
Lívia Willborn
 
Trabalho de Filosofia - grupo 2
Trabalho de Filosofia - grupo 2Trabalho de Filosofia - grupo 2
Trabalho de Filosofia - grupo 2
Lívia Willborn
 
Trabalho filosofia - grupo 1
Trabalho filosofia - grupo 1Trabalho filosofia - grupo 1
Trabalho filosofia - grupo 1
Lívia Willborn
 
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Lívia Willborn
 
QUO VADIS? Avaliação e internacionalização da Educação Superior na América La...
QUO VADIS? Avaliação e internacionalização da Educação Superior na América La...QUO VADIS? Avaliação e internacionalização da Educação Superior na América La...
QUO VADIS? Avaliação e internacionalização da Educação Superior na América La...
Lívia Willborn
 
Epistemologias do sul - cap 1
Epistemologias do sul - cap 1Epistemologias do sul - cap 1
Epistemologias do sul - cap 1
Lívia Willborn
 
A encruzilhada da Universidade Europeia
A encruzilhada da Universidade EuropeiaA encruzilhada da Universidade Europeia
A encruzilhada da Universidade Europeia
Lívia Willborn
 
A gramática do tempo - cap 4
A gramática do tempo - cap 4A gramática do tempo - cap 4
A gramática do tempo - cap 4
Lívia Willborn
 

Mais de Lívia Willborn (16)

Memória dinâmica dos grupos
Memória dinâmica dos gruposMemória dinâmica dos grupos
Memória dinâmica dos grupos
 
Universidade popular dos movimentos sociais parte 2
Universidade popular dos movimentos sociais parte 2Universidade popular dos movimentos sociais parte 2
Universidade popular dos movimentos sociais parte 2
 
Universidade popular dos movimentos sociais parte 1
Universidade popular dos movimentos sociais parte 1Universidade popular dos movimentos sociais parte 1
Universidade popular dos movimentos sociais parte 1
 
Universidade popular dos movimentos sociais
Universidade popular dos movimentos sociaisUniversidade popular dos movimentos sociais
Universidade popular dos movimentos sociais
 
A encruzilhada
A encruzilhadaA encruzilhada
A encruzilhada
 
A encruzilhada
A encruzilhadaA encruzilhada
A encruzilhada
 
A encruzilhada
A encruzilhadaA encruzilhada
A encruzilhada
 
Síntese: por uma democracia de alta intensidade
Síntese: por uma democracia de alta intensidadeSíntese: por uma democracia de alta intensidade
Síntese: por uma democracia de alta intensidade
 
Pensamento de Freire
Pensamento de FreirePensamento de Freire
Pensamento de Freire
 
Trabalho de Filosofia - grupo 2
Trabalho de Filosofia - grupo 2Trabalho de Filosofia - grupo 2
Trabalho de Filosofia - grupo 2
 
Trabalho filosofia - grupo 1
Trabalho filosofia - grupo 1Trabalho filosofia - grupo 1
Trabalho filosofia - grupo 1
 
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
 
QUO VADIS? Avaliação e internacionalização da Educação Superior na América La...
QUO VADIS? Avaliação e internacionalização da Educação Superior na América La...QUO VADIS? Avaliação e internacionalização da Educação Superior na América La...
QUO VADIS? Avaliação e internacionalização da Educação Superior na América La...
 
Epistemologias do sul - cap 1
Epistemologias do sul - cap 1Epistemologias do sul - cap 1
Epistemologias do sul - cap 1
 
A encruzilhada da Universidade Europeia
A encruzilhada da Universidade EuropeiaA encruzilhada da Universidade Europeia
A encruzilhada da Universidade Europeia
 
A gramática do tempo - cap 4
A gramática do tempo - cap 4A gramática do tempo - cap 4
A gramática do tempo - cap 4
 

Slides Boaventura - grupo 2

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACED - PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO TÍTULO: EMANCIPAÇÃO SOCIAL E UNIVERSIDADE LEITURAS A PARTIR DE BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS PROFESSOR/ RESPONSÁVEL: Jaime José Zitkoski PROFESSORA/ COLABORADORA: Maria Elly Genro LIVRO Renovar a Teoria Crítica e Reiventar a Emancipação Social CAPÍTULO I A Sociologia das Ausências e a Sociologia das Emergências: para uma ecologia de saberes Grupo II Cesar dos Santos Valério Maria Terezinha Stropper Luis Paulo Arena Maria Salete Aumond Luciane Bello
  • 2. I PARTE INTRODUÇÃO SOCIOLOGIA DAS AUSÊNCIAS
  • 3. PARA UMA SOCIOLOGIA DAS AUSÊNCIAS E UMA SOCIOLOGIA DAS EMERGÊNCIAS INTRODUÇÃO  Projeto: A reinvenção da emancipação social – estuda alternativas à Globalização Neoliberal.  Objetivo: Determinar em que medida está sendo produzida uma globalização alternativa, suas possibilidades e limites.  Hipótese: Os conflitos entre globalização neoliberal hegemônica e globalização contra hegemônica são mais intensos nos países periféricos.  Justificativa: - Países periféricos e semi-periféricos: movimentos/Iniciativas: democracia participativa, sistemas de produção alternativos, multiculturalismo, direitos coletivos, biodiversidade e cidadania -> outros discursos e narrativas sobre o mundo: reflexões epistemológicas (epistemologias do sul). Alguns exemplos: Seattle – 1999 (OMC); MAB; Movimento “chipko” e o “empate”; Orçamento participativo.
  • 4. Fatores que contribuíram para essa reflexão: Projeto conduzido fora dos centros hegemônicos de poder. Interação entre o conhecimento científico e o não científico.  CRÍTICA DE BOAVENTURA: RAZÃO INDOLENTE (LEIBNIZ)  A base de sustentação do pensamento hegemônico produz e reforça as inexistências. A não credibilidade das experiências alternativas, leva ao desperdício da experiência.  Contexto sociopolítico no qual a razão indolente se desenvolveu:  Revoluções industriais, colonialismo, imperialismo, neoliberalismo.  Globalização: escala sem precedentes, privilegia realidades que se alargam sobre o globo. O resto: local, particular -> vistas como alternativas não credíveis.
  • 5.  Lógica produtivista capitalista: lucro, trabalho produtivo. O resto: improdutivo -> produção social da inexistência -> o resultado é a subtração do mundo, a contração do presente e o desperdício das experiências.  Fora dos debates encontram-se os saberes não científicos, nem filosóficos, saberes não ocidentais.  A experiência social em todo mundo é mais ampla e variada do que a tradição científica e filosófica ocidental reconhece.  A experiência desperdiçada nutre a idéia de que não há alternativas;  Tornar visíveis tais experiências, dar credibilidade a essas experiências. Ciências Sociais: responsável por desperdiçar alternativas.  RAZÃO INDOLENTE: a)Razão Metonímica: – como é concebido o presente (contração). b)Razão Proléptica: – como é concebido o futuro a partir da monocultura do tempo linear (futuro dilatado). História tem o sentido e a direção conferidos pelo progresso -> ilimitado e infinito.
  • 6. Razão Metonímica: Metonímia  É uma racionalidade que facilmente toma a parte pelo todo, pois tem um conceito de totalidade feito de partes homogêneas. E nada que fica de fora dessa totalidade interessa. Contrai, diminui, subtrai o presente e precisamos ter uma visão do nosso presente.  O resto é considerado inexistente.  Necessidade: propor um novo modelo de racionalidade.  Propõe uma razão cosmopolita (sociologia das ausências, sociologia das emergências e trabalho de tradução). O presente seja expandido e o futuro contraído. A idéia de determinação do futuro é substituída pelo cuidado com o futuro. Ex: A economia ambiental pode ser substituída pela economia ecológica?  Produz a inexistência do que não cabe na sua totalidade e no seu tempo linear.  Pichação ou grafitismo?
  • 7. - SOCIOLOGIA DAS AUSÊNCIAS - Movimento transgressivo insurgente. A existência de cinco monoculturas que produzem as ausências em nossa racionalidade ocidental. Uma racionalidade preguiçosa. - A primeira ausência, a do Saber e do Rigor - Toma como única verdade o pensamento científico, Passa a reduzir o presente desconsiderando os conhecimentos e práticas populares existentes nas sociedades. O saber torna-se (ignorante). Não valoriza outras culturas, povos e grupos sociais que produzem conhecimentos nas práticas populares. Ex.: Centros urbanos e periferias das cidades. - A segunda ausência, a de Tempo Linear, - Culturalmente absorvemos a idéia de que os conhecimentos científicos e culturais vindos do Norte sempre estariam na vanguarda da modernidade.
  • 8. Com o pensamento neoliberalista passamos a desacreditar na eficiência de nossas instituições, organizações e pensamento científico por nos considerarmos países subdesenvolvidos, atrasados. O pensamento de que o Norte proporcionaria as melhores idéias e formas de viver e de estar neste mundo. O (residual). - A terceira ausência, a da Naturalização das Diferenças – Baseia-se na forma de organização das diferentes culturas em determinados países. Ex.: Etnia, sexuais e de castas. Civilização Hinduísta, divididos em castas, são povos politeístas marcados por grandes disparidades sócio- econômicas. A Índia, abriga inúmeras castas e tribos, numa multiplicidade de religiões e seitas. .Afeganistão e o Paquistão - Burca A (inferioridade) é produzida pela hierarquia dominante desconsiderando algumas vezes as relações capital – trabalho. Os inferiores os são por natureza e por isso a hierarquia vem a ser a causa das diferenças. Ex.: Mutilação das meninas na África (clitóris), Judeus- circuncisão.
  • 9. - A quarta ausência, a da Existência de uma Escala Dominante - Vem ao longo dos tempos tendo como o universalismo, e atualmente a globalização como representatividade de domínio e ocupação. Universalismo - Pretende impor uma concepção de direitos a nível universal, ou seja os direitos humanos desenvolvidos num conceito ocidental devem segundo esta óptica, ser aplicados a todos os indivíduos independentemente da sua cultura, ignorando singularidades culturais e localismos específicos que poderão entrar em conflito com esta posição, (o local ou particular). Ex.: Amazônia - Água - Patrimônio da Humanidade. Globalização - O discurso hoje, a consagração de uma geopolítica neoliberal que orienta as políticas ambientais, a transformação da natureza em mercadoria e, por outro lado, as mobilizações por reconhecimento de identidades coletivas em diversos países. Ex.: direitos de cidadania. Cria ausências no particular e no local. Ex.: Mc’ Donalds.
  • 10. - A quinta ausência, a do Produtivismo Capitalista, - Crescimento econômico e produtividade em um ciclo de produção determinam a produtividade do trabalho humano ou da natureza, e tudo o mais não conta. É improdutivo. Maneira contrária a cultura indígena ou a dos camponeses de se organizar a terra. Ex: Biodiversidade - Sustentabilidade-Plantio e o repouso da terra Índios- Fertilizantes EPISTEMICÍDIO A morte de conhecimentos alternativos reduz a realidade, descredibiliza não somente os conhecimentos alternativos mas também os povos, os grupos sociais cujas práticas são construídas nesses conhecimentos. Quem são os nossos Heróis e Heroínas? Walt Disney, Branca de Neve.
  • 11. I I PARTE SOCIOLOGIA DAS EMERGÊNCIAS PROJETO
  • 12. SOCIOLOGIA DAS EMERGÊNCIAS A Crítica da razão Proléptica é feita e enfrentada por outra sociologia “ Sociologia das Emergências”. Fala de sinais, possibilidades que existem no presente e que são possibilidades emergentes (muitas vezes invisíveis) e são sinais do futuro. Devemos buscar credibilizar, ampliar simbolicamente as possibilidades de ver o futuro (Ampliação da visão simbólica). A sociologia das Emergência produz experiências possíveis, mas que não estão dadas, porque não existem alternativas para isso, porém são possíveis e já existem como emergências. Não se trata portanto de um futuro abstrato, pois já temos pistas, sinais.
  • 13. A sociologia das Emergências nos permite abandonar essa idéia de “futuro sem limites” e substituir pelo futuro com algo concreto (que está em construção por estas emergências). AMPLIAR O PRESENTE E CONTRAIR O FUTURO Não temos “receitas para esse mundo” (Ex. Rosa Luxemburgo e Marx ). É necessário criar inteligibilidade no interior da pluralidade sem destruir a diversidade. Como por exemplo articular o movimento feminista com o indígena, com o camponês com o urbano. E isso é possível pela tradução .
  • 14. Tradução, como um processo intercultural e intersetorial. Traduzir “saberes” em “outros saberes”, traduzir práticas, sujeitos e buscar inteligibilidade. Para isso é preciso fazer a tradução entre estes diferentes movimentos observando o que é diferente e o que é semelhante. Esse é o princípio fundamental da Epistemologia do qual ele chama de “Epistemologia do Sul”. “Não há justiça global sem justiça cognitiva global, ou seja, sem justiça entre os conhecimentos”. Boaventura coloca que “não há nenhuma cultura que seja completa, então é preciso fazer a tradução para ver a diversidade sem relativismo”. Desta forma este procedimento da tradução é um processo em que se dá sentido ao mundo que não tem um sentido único, porque ele é um sentido de todos nós. A fim de criar uma nova concepção de dignidade humana e de consciência humana.
  • 15. DEBATE COM O PÚBLICO Cuidado para não “canibalizar” ao traduzir Boaventura propõe : - -tradução recíproca (eu e você), transformando conceitos existentes; --imaginação epistemológica distinguindo critérios cognitivos (administram forma de saber) e critérios éticos-políticos (decidem intervenção no real); -- outro diálogo da humanidade; -- conhecimento deve ser produzido de forma horizontal, compartilhada; -- ecologia de saberes: extensão ao contrário; -- somos uma cultura de palavras e não poesia e espiritualidade (ex: #indígenas na UFRGS); --erros da razão indolente: reducionismo, determinismo e dualismo (ansiedade de pertença dificulta pensar o novo).
  • 16.
  • 17. REFLEXÃO: Para a utopia conservadora do neoliberalismo, se há desemprego e exclusão social, se há fome e pandemias na periferia do sistema mundial, isso não é o efeito das deficiências ou dos limites das leis do mercado. É antes o resultado do fato de essas leis ainda não terem sido plenamente aplicadas. O horizonte das utopias conservadoras é, assim, um horizonte fechado, um fim da história. Por isso a pretensão do controle total sobre a realidade presente através de saberes e de poderes extremamente eficazes; a rejeição radical de alternativas ao status quo. Devemos contrapor a ideia da totalidade do controle (como poder ou como saber), escapar dessa perversão. Segundo Boaventura devemos acreditar que há razões credíveis para defender a possibilidade de alternativas. De que não necessitamos obrigatoriamente de novos conhecimentos, mas de que devemos encontrar alternativas às alternativas. Entender que a modernidade ocidental produz a não contemporaneidade do contemporâneo, e que a idéia de simultaneidade esconde as assimetrias dos tempos históricos que nela convergem.
  • 18.  BIBLIOGRAFIA  SANTOS, Boaventura de Sousa, 1940 – Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social / Boaventura de Sousa Santos; tradução Mouzar Benedito. – São Paulo: Boitempo, 2007.  SANTOS, Boaventura de Sousa – A gramática do tempo: para uma nova cultura política / Boaventura de Sousa Santos – 3 ed. – São Paulo: Cortez, 2010 – (coleção para um novo senso comum; v 4.  VÍDEO Performance Teatral – O MENESTREL - Intérprete – Moacir Reis / TJSC - Florianópolis - 23/11/ 2001.  http://www.youtube.com/watch?v=vlLh8K6FF8A