Evolução dos osteichthyes

1.819 visualizações

Publicada em

Evolução dos peixes ósseos - osteichthyes. Seminário apresentado na faculdade. Adaptações.

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.819
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
61
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evolução dos osteichthyes

  1. 1. Evolução dos Osteichthyes Prof.: Joaquim Buchaim Acadêmicos: Katlin Fernandes Samara Jung
  2. 2. Evolução dos Osteichthyes • Origens e relações filogenéticas; • Divisão dos osteichthyes; • Evolução dos peixes ósseos; • Divertículo esofágico: pulmões e bexiga natatória; • Evolução para o meio terrestre.
  3. 3. Evolução dos Osteichthyes
  4. 4. Evolução dos Osteichthyes
  5. 5. Acanthodii: Provável grupo irmão dos peixes ósseos modernos Justificado por três sinapomorfias: estruturas branquiais livres do septo interbranquial; presença de opérculo ósseo e de raios branquiostegais
  6. 6. Osteichthyes Actinopterygii: peixes com nadadeiras raiadas Sacopterygii: peixes com nadadeiras lobadas
  7. 7. Osteichthyes: origens e relações filogenéticas • Actinopterygii: elementos basais das nadadeiras peitorais alargados, raios medianos das nadadeiras articulam-se com elementos esqueléticos que não penetram na nadadeira, o maior grupo de vertebrados viventes, os Teleósteos origina-se dos Actinopterygii; • Sarcopterygii: elementos únicos para suporte das nadadeiras no esqueleto da cintura pélvica e escapular, nadadeiras lobadas com músculos a partir dos quais derivou o membro dos tetrapodas; • Origem dos tetrapodas: quatro patas caracterizadas por um único osso na porção proximal e dois ossos na porção distal.
  8. 8. Evolução dos peixes ósseos Características comuns Possuem ossos dérmicos e divertículo esofágico. A presença de osso não é uma característica exclusiva dos Osteichthyes, pois os Agnata, os Placodermi e Acanthodi possuem. A ausência de ossos em Chondricththyes é uma condição derivada (esqueleto ósseo substituído por cartilaginoso)
  9. 9. Evolução dos peixes ósseos • Chave da evolução: especialização dos mecanismos de alimentação; • Aumento da mobilidade dos ossos do crânio; • Aumento da mobilidade dos ossos da maxila;
  10. 10. Especialização dos mecanismos de alimentação • Especializações na locomoção; • Habitats • Comportamentos • Hábitos de vida
  11. 11. Evolução dos peixes ósseos • Divertículo esofágico: evaginação do trato digestivo embrionário, impermeável à difusão de gases que dá origem ao pulmão ou bexiga natatória; • O divertículo esofágico é capaz de regular a flutuabilidade ou de funcionar como um pulmão – inovação evolutiva que possibilitou a colonização do ambiente terrestre; • Pulmões são um caráter ancestral dos peixes ósseos e seus descendentes tetrápodes.
  12. 12. Divertículo esofágico • O desenvolvimento do divertículo reflete as mudanças que ocorreram durante a evolução dos peixes ósseos: Pulmão primitivo: divertículo ventral, com ligação ventral, divertículo ainda presente em peixes pulmonados da América do Sul e África e nos tetrapodes. Problema para os peixes que nadavam ativamente: mais pesado na parte superior
  13. 13. Pulmão primitivo • Solução para o problema de instabilidade: pulmão dorsal com ligação ventral. Divertículo ainda presente no peixe pulmonado australiano • Pulmão dorsal com ligação dorsal em Teleosteos primitivos (pirarucu, enguias, manjubas, salmões, carpas) ainda mantém a conexão (ducto pneumático)
  14. 14. Fisóstomos (physa: vesícula; stoma:boca) Fisóclisto (physa: vesícula; clystere: fechado)
  15. 15. Funcionamento da bexiga natatória
  16. 16. Funcionamento da bexiga natatória
  17. 17. O peixe ajusta sua densidade em diferentes profundidades Nadando para a superfície: tendência a submergir (densidade do peixe > que densidade da água)
  18. 18. O peixe ajusta sua densidade em diferentes profundidades Flutuabilidade neutra (densidade do peixe = densidade da água)
  19. 19. O peixe ajusta sua densidade em diferentes profundidades Nadando para o fundo (densidade do peixe > que densidade da água)
  20. 20. O peixe ajusta sua densidade em diferentes profundidades Flutuabilidade neutra Densidade do peixe = densidade da água
  21. 21. A evolução para o meio terrestre
  22. 22. As nadadeiras lobadas têm grande homologia com as patas dos primeiros tetrápodes. Provavelmente no passado, peixes primitivos utilizaram as nadadeiras lobadas para transitar do meio aquático para o meio terrestre.
  23. 23. Referências Evolução dos Osteichthyes: Zoologia. Disponível em <http://www.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Zoologia/VirginiaSanchesUieda/4_t eoria.pdf> acessado em 30 de março de 2014 Osteicties: Planeta Bio. Disponível em <http://planetabio.com/cordadosI.html> acessado em 30 de março de 2014 Sistema esquelético: Animallia III. Disponível em <http://www.ufpa.br/lobio/AulasAnimaliaIIeIIIpdf/AnimaliaIII/Sistema%20Esqueletico. pdf> acessado em 30 de março de 2014 Filogenia e chordata: Aula de zoologia. Disponível em <http://www.uff.br/biodiversidade/images/stories/Zoologia/Aula_1._Revisao_- _Sist_Filogenetica_e_Chordata.pdf> acessado em 30 de março de 2014 Vertebrados. Disponível em <http://midia.atp.usp.br/impressos/lic/modulo03/vertebrados_PLC0024/Vertebrados _top03.pdf> acessado em 30 de março de 2014 Vertebrados. Disponível em <http://portal.virtual.ufpb.br/biologia/novo_site/Biblioteca/Livro_4/4- Vetebrados.pdf> acessado em 30 de março de 2014

×