Período Regencial

13.376 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.376
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.570
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
440
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Período Regencial

  1. 1. Brasil – Império:Brasil – Império: Período RegencialPeríodo Regencial (1831 – 1840)(1831 – 1840)
  2. 2. O significado histórico da abdicação de D.O significado histórico da abdicação de D. Pedro I (7 de abril de 1831)Pedro I (7 de abril de 1831) • A ascensão da aristocracia rural: o povo passa a se manifestar, exigindo o direito à participação política e à descentralização político-administrativa (autonomia provincial).
  3. 3. Grupos políticos que disputaram oGrupos políticos que disputaram o poder durante a Regência:poder durante a Regência: Partido Composição Interesses defendidos Restauradores ou Caramurus Comerciantes e militares portugueses (José Bonifácio) • Retorno de D. Pedro I • Absolutismo monárquico • Desapareceram em 1834. Liberais Moderados ou Chimangos Aristocracia rural (Padre Feijó) * Manutenção da Monarquia centralizada e do voto censitário. Liberais Exaltados ou Farroupilhas Classes médias urbanas (Cipriano Barata) Descentralização (autonomia provincial) e república (direito de voto)
  4. 4. As Regências Trinas:As Regências Trinas: RRegência Trina Provisória (abril/junho de 1831)egência Trina Provisória (abril/junho de 1831) • Senadores Nicolau Vergueiro e Carneiro de Campos e o Brigadeiro Francisco de Lima e Silva.
  5. 5. Regência Trina Permanente (1831-1834):Regência Trina Permanente (1831-1834): • Brigadeiro Francisco de Lima e Silva, Bráulio Muniz e José da Costa Carvalho. Costa Carvalho Bráulio MunizBráulio Muniz
  6. 6. Criação da Guarda Nacional (1831) • Milícia armada criada por iniciativa do ministro da Justiça: Padre Diogo Feijó; • Comandada por aristocratas regionais que adquiriam o título de “Coronel”; • Composta por eleitores recrutados nas províncias; Barão de Aiuruoca, Cel da Guarda Nacional • Objetivos: reprimir os movimentos populares e assegurar a manutenção da ordem e da unidade territorial.
  7. 7. O Ato Adicional de 1834: Ato Substitutivo Miranda Ribeiro (1833) • Criou as Assembleias Legislativas Provinciais (autonomia provincial); • Suspendeu o Poder Moderador (exclusivo do imperador) e extinguiu o Conselho de Estado; • Transformou a Regência Trina em Una; • Criou o Município Neutro (Rio de Janeiro).
  8. 8. As Regências UnasAs Regências Unas Regência Una de Padre DiogoRegência Una de Padre Diogo Antônio Feijó (1835-37)Feijó (1835-37) • Foi Ministro da Justiça (1831-32) • Defendeu a colonização agrária por imigrantes em substituição ao trabalho escravo, a regulamentação do ensino primário e a reorganização do serviço alfandegário. • Representante do Partido Liberal, não conseguiu conter a Cabanagem e a Farroupilha; • Intrigas com a “Santa Sé” – Bispo Eleito do Rio de Janeiro (Antônio Maria de Moura) • Pressionado pelos conservadores, renunciou, em 1837.
  9. 9. Regência Una de Pedro de Araújo Lima (1837-40)Regência Una de Pedro de Araújo Lima (1837-40) • Adversário político do Feijó, foi por este indicado como regente do Império após sua renúncia (1837)– Ministério das Capacidades – Eleito em 1838. • Representante do Partido Conservador, não conseguiu reprimir as revoltas. • Lei interpretativa do Ato Adicional (1840): centralização administrativa – controle da polícia e do judiciário.
  10. 10. Revoltas do Período RegencialRevoltas do Período Regencial • No geral, foram consequências da excessiva centralização do poder político, da estrutura social excludente, latifundiária e escravista e da opressão tributária.
  11. 11. Cabanagem (Pará, 1835-40) • Movimento popular sem caráter separatista; • Fatores principais: Divergências entre as elites locais – direito de escolher o presidente da província. • José Mariani – Lobo de Souza = indicados pela regência – não aceitos pelas elites locais = Félix Malcher, Manuel Vinagre e Eduardo Angelim.
  12. 12. • Manuel Vinagre foi assassinado (líder cabano) – Cabanos matam Lobo de Souza • A adesão em massa dos “cabanos” deu ao movimento um caráter popular; • A falta de organização (plano de governo) e as traições sofridas pelos cabanos enfraqueceram a revolta; • A mais destacada revolta popular de nossa história.
  13. 13. 9.2. Farroupilha (Sul do país, 1835-45)9.2. Farroupilha (Sul do país, 1835-45) • Movimento elitista dirigido pelos estancieiros gaúchos; • Causa principal: revolta contra as elevadas tarifas alfandegárias cobradas sobre os produtos do Sul: charque, couro, muares etc.; • Liderança: Bento Gonçalves = Proclamou a República do Rio Grande e a República do Piratini (após prisão e fuga da Bahia); Casa da Câmara e Cadeia de Laguna –Casa da Câmara e Cadeia de Laguna – SC. Sede da República Juliana (Laguna)SC. Sede da República Juliana (Laguna) • A mais longa guerra civil da história brasileira;
  14. 14. • Movimento emancipacionista e republicano (influência dos vizinhos platinos);
  15. 15. • Após uma década, a paz foi assegurada a partir das concessões feitas pelo governo imperial. • Anistia Duque de CaxiasDuque de Caxias Giuseppe GaribaldiGiuseppe Garibaldi "herói de dois mundos“ Exilado no Rio de JaneiroExilado no Rio de Janeiro Davi CanabarroDavi Canabarro Bento GonçalvesBento Gonçalves
  16. 16. Revolta dos Malês (Salvador, 1835) • Negros islamizados das etnias haussás e nagô (escravos de ganho) revoltaram-se contra os maus-tratos e a imposição do catolicismo; Os planos dos malês foram traçados em árabe. • Os rebeldes pretendiam assassinar brancos e mulatos, mas foram delatados e a Guarda Nacional acabou massacrando-os, impedindo o êxito da revolta.
  17. 17. Sabinada (Bahia, 1837-38)Sabinada (Bahia, 1837-38) • Movimento dirigido pelas camadas médias da sociedade de Salvador contra o centralismo da Regência – Governo de Araújo Lima (conservador); Representantes da camada média da população baiana. • Líder = Médico Francisco Sabino – Separar do Brasil até a maioridade de D. Pedro II • Foi fundada a república Baiense; • Teve duração efêmera, sendo sufocada por tropas governistas. • Anistiados ou degredados para outras províncias do Brasil.
  18. 18. Balaiada (Maranhão, 1838-41)Balaiada (Maranhão, 1838-41) • Revolta popular contra o centralismo e o descaso dos governantes e latifundiários com a situação de miséria do povo; • Liberais=“bem-te- vis” x Conservadores=“Ca banos”.
  19. 19. • Início – Lei dos Prefeitos – nomeados pelo presidente da província = Cabanos monopolizaram os cargos – perseguiram aos ”Bem-te-vis”; • Manuel Francisco dos Anjos Ferreira – filhos recrutados para servir nas tropas oficiais – filhas estupradas. • Preto Cosme – revolta dos escravos; • Apesar de dominar Caxias (1839), a desorganização enfraqueceu o movimento, favorecendo o massacre comandado pelo brigadeiro Luís Alves de Lima e Silva, entre 1840 e 1841. • Manuel dos Anjos morreu em combate; • Outros foram anistiados para lutar contra a revolta liderada pelo Preto Cosme.
  20. 20. O Golpe da Maioridade (23 de julho/1840)O Golpe da Maioridade (23 de julho/1840) • Iniciativa dos liberais, com destaque para o senador José Martiniano de Alencar, visando retornar ao poder; • Tentativa de evitar a fragmentação política e territorial do país, a partir da ascensão antecipada do imperador com 15 anos incompletos, na época. Senador José Martiniano de AlencarSenador José Martiniano de Alencar Aclamação de D. Pedro II

×