Origens
 As Revoltas Liberais ocorreram em toda a
Europa, como uma reação contra a
Restauração empreendida pelas potência...
 A Primeira Onda – ocorreu entre 1820 a 1824 e ficou
restrita à Espanha, Portugal, Reino de Nápoles e Grécia.
 A Segunda...
A Terceira Onda
 Teve seu auge em 1948, foi a mais forte e também atingiu quase
simultaneamente toda a Europa Ocidental, ...
Principais fatos históricos das
Revoluções Liberais
Movimentos Operários
Ludismo
Cartismo
Doutrinas Operárias
Socialismo...
A UNIFICAÇÃO ITALIANA E
ALEMÃ
SÍNTESE DO PROCESSO
 O nacionalismo foi a ideologia [ideia
motivadora] que justificou a unificação;
 O Estado-nação se a...
Unificação Italiana
• A maior interessada: alta burguesia. A unificação
garantia o comércio interno e lhe permitiria
conco...
Processo Histórico
 Depois do Congresso de Viena e Itália ficou sob a tutela do Império
Austríaco, dividida em sete Estad...
Reinos italianos
Reino do Piemonte - Sardenha
Reino da Lombardia – Venezia
Parma, Toscana e Modena
2 Sicílias
Estados Pont...
Unificação da Alemanha
Características
• O desenvolvimento econômico e social dos Estados
germânicos foi o principal fator...
A inteligência diplomática de Bismarck
 Napoleão III, que foi conivente com Bismarck no início da Guerra
Austro-Prussiana...
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Unificação ita ale xix

163 visualizações

Publicada em

unificação século XIX

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
163
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Unificação ita ale xix

  1. 1. Origens  As Revoltas Liberais ocorreram em toda a Europa, como uma reação contra a Restauração empreendida pelas potências Absolutistas  A Restauração ocorreu após o Congresso de Viena (Napoleão derrotado), onde tentaram manter a ordem Absolutista através da Santa Aliança (exército nobre).
  2. 2.  A Primeira Onda – ocorreu entre 1820 a 1824 e ficou restrita à Espanha, Portugal, Reino de Nápoles e Grécia.  A Segunda Onda – ocorreu entre 1829 e 1834. Esta dividiu praticamente toda a Europa Ocidental e, mais uma vez, a França foi onde o movimento foi mais radical e trouxe as maiores alterações, já que o rei foi deposto e colocado em seu lugar um rei burguês, Luis Felipe. A partir dessa época, a burguesia chega definitivamente ao poder em vários países e a classe governante passa a ser formada, principalmente, pela alta burguesia (banqueiros, industriais etc.) As Ondas Revolucionárias
  3. 3. A Terceira Onda  Teve seu auge em 1948, foi a mais forte e também atingiu quase simultaneamente toda a Europa Ocidental, sendo por isso denominada de “Primavera dos Povos” . As manifestações foram mais violentas e, dessa vez, não se voltaram somente contra os representantes do Antigo Regime (Absolutismo), mas principalmente contra os novos governantes.  Foi nesse contexto que surgiu o “Manifesto Comunista” de Karl Marx e Engels; conclamando a classe trabalhadora a lutar contra o Capitalismo.  Ao mesmo tempo, foi quando os reinos italianos e alemães, subordinados desde o Congresso de Viena à tutela do Império Austríaco, testemunham o surgimento de movimentos nacionalistas, que reivindicam a afirmação desses povos.
  4. 4. Principais fatos históricos das Revoluções Liberais Movimentos Operários Ludismo Cartismo Doutrinas Operárias Socialismo Utópico Socialismo Científico Socialismo Cristão Anarquismo OBS: O cerne da questão sobre as Rvoluções Liberais é que todas lutaram pela implantação dos princípios Iluministas, ou seja, igualdade perante à lei, liberdade religiosa, divisão do poder em três esferas etc.
  5. 5. A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ
  6. 6. SÍNTESE DO PROCESSO  O nacionalismo foi a ideologia [ideia motivadora] que justificou a unificação;  O Estado-nação se apropriou do nacionalismo a fim de construir a identidade nacional;  A unificação da Itália foi semelhante à da Alemanha: as primeiras tentativas de ambas, fracassadas, foram em 1848, e as duas só conseguiram a unificação em 1870- 1871; a da Itália deu-se em torno de Piemonte-Sardenha, enquanto a da Alemanha foi liderada pela Prússia.
  7. 7. Unificação Italiana • A maior interessada: alta burguesia. A unificação garantia o comércio interno e lhe permitiria concorrer no mercado exterior. • Para a alta burguesia italiana a unificação tinha um significado apenas liberal: o nacionalismo servia-lhe somente instrumento.
  8. 8. Processo Histórico  Depois do Congresso de Viena e Itália ficou sob a tutela do Império Austríaco, dividida em sete Estados, sendo o mais importante o Reino de Piemonte e da Sardenha, governado pela casa de Savóia.  Em 1860, Garibaldi, depois de várias disputas, invadiu a Sicília apoderando-se dela, e na volta passou com sua tropa em Nápoles, pondo em fuga ao rei local Francisco II. As tropas piamontesas, ao mesmo tempo, invadiram Estados papais – os únicos do centro da Itália que ainda não tinham sido integrados.  A Itália aliou-se à Prússia, conseguiu anexar Veneza. • O problema criado com o papa só seria resolvido em 1929, com o Tratado do Latrão, firmados entre Mussolini e Pio XI, criando o Estado de Vaticano.
  9. 9. Reinos italianos Reino do Piemonte - Sardenha Reino da Lombardia – Venezia Parma, Toscana e Modena 2 Sicílias Estados Pontifícios
  10. 10. Unificação da Alemanha Características • O desenvolvimento econômico e social dos Estados germânicos foi o principal fator da unificação alemã. • Esse desenvolvimento deu-se graças ao Zollverein – liga aduaneira dos Estados germânicos -, apesar das pressões contrarias do Império Austríaco. • Na Prússia, o mais desenvolvido dos estados germânicos, a burguesia tentou controlar as despesas reais, o que provocou violento conflito político, que só acabou quando o Rei Guilherme I convocou Bismarck para ser seu ministro.
  11. 11. A inteligência diplomática de Bismarck  Napoleão III, que foi conivente com Bismarck no início da Guerra Austro-Prussiana, pensando tirar vantagens, viu-se em má situação com a rápida vitória de Bismarck, pois a unificação alemã punha em risco a supremacia da França na Europa.  Em 1870, Bismarck conseguiu armar uma intriga contra Napoleão III e fazer com que a França declarasse guerra à Alemanha.  A vitória alemã foi fulminante: o Império de Napoleão III desapareceu, surgindo em seu lugar a III Republica Francesa.  Ao mesmo tempo despontava o Império Alemão, proclamando na Sala dos Espelhos do palácio de Versálhes, em 1871.  Começava a hegemonia da Alemanha na Europa continental; a França foi obrigada a aceitar o humilhante Tratado de Frankfurt e perdeu a Alsácia-Lorena.

×