Plano 6

2.201 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.201
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano 6

  1. 1. Universidade do estado da BahiaDepartamento de Ciências Exatas e da TerraOrientadora: Claudia ReginaRegente: Andréa BezerraEstagiaria: Milena de Brito ImprotaTurma: 91 m3Data 29/10/10 Plano de aula 06Tema: Reino PlantaeSubtemaFotossínteseHormônio vegetalObjetivos:Verificar como ocorre a obtenção de energia nas plantasIdentificar quais os fatores que interferem na fotossínteseDistinguir os tipos de hormônios vegetais e sua função na plantaConteúdo:ConceitualIdentificação dos fatores que interferem na fotossínteseAnálise dos tipos de hormônios vegetais e sua função na plantaProcedimentaisObservação de esquema da obtenção de energia nas plantasCorreção da atividade da aula anteriorLeitura de texto para resolução de estudo dirigidoAtitudinaisValorização da influência dos hormônios no desenvolvimento vegetalProcedimentos metodológicosAula expositiva dialógicaEstudo dirigidoSeqüência didática
  2. 2. Primeiro momento (10 min)Corrigir a atividade da ultima aulaSegundo momento (20 min)Pedir para os alunos responderem um estudo dirigido sobre as adaptações das estruturasvegetais para sobreviver ao ambiente.Terceiro momento (20 min)Apresentação dialogada do assunto através da exposição oral, usando como perguntasde mediação: se eles conhecem como os vegetais adquirem energia; se conhecem aimportância dos hormônios para o desenvolvimento vegetal. Os recursos didáticosutilizados serão o quadro e gravuras sobre o assunto, se for possível também seráutilizado a TV pendrive.RecursosTV pendriveEstudo dirigidoAvaliação:FreqüênciaComportamentoParticipação em salaReferenciasLOPES, Sônia. Bio Volume único. 2. ed. São Paulo: Saraiva Editora, 2003.PAULINO, Wilson. Biologia: seres vivos fisiologia. 2 ed. São Paulo: Ática Editora,2005.Comentário: ao me dirigir para a sala de aula encontrei com a professora regente, estame avisou que não iria haver aula, já como os alunos não tinham comparecido com aexceção de duas alunas, porem estas também já teriam ido embora, desta forma seránecessário haver um novo planejamento do cronograma.AnexosEstudo dirigidoObjetivo: é conhecer as adaptações sofridas pelas plantas para a sobrevivência noambientes.
  3. 3. Morfologia e adaptações vegetais Por adaptação entende-se a possível harmonia entre o organismo e o meio.Quando as plantas estão naturalmente ajustadas às condições ambientais, todas ascaracterísticas estruturais e funcionais capazes de atenderem a tal ajustamento serãoadaptativas (Rizzini 1997). Segundo a definição de Combes (1946), adaptação é o conjunto de modificaçõesprovocadas na constituição de um organismo pela ação contínua de um meio diferentedaquele onde, inicialmente, este se desenvolveu ou seus ascendentes. Conforme Rizzini (1997), os fatores morfogenéticos são aqueles que influenciam aforma e a estrutura dos vegetais. São, portanto, condições de clima e de solo capazes dedeterminarem ou modificarem, mais ou menos visivelmente, a organização vegetal. Embora para cada ser vivo haja um padrão de desenvolvimento estabelecido ecomandado pelo seu patrimônio genético (genótipo), os fatores abióticos atuam sobre osgenes, modificando a sua expressão em vários sentidos. Durante a história evolutiva dasplantas, diversas alterações ambientais drásticas ocorreram no ambiente, isso direcionouo desenvolvimento de caracteres adaptativos a essas novas condições, eliminando asplantas que não apresentavam características adaptadas a elas (Raven et al. 1996). Porforça da seleção natural esses caracteres adaptativos foram fixados geneticamente, demaneira que a forma atual é o produto final da interação genótipo ambiente, que aevolução apresentou nos habitats naturais.RaizA raiz faz parte do eixo da planta. É em geral subterrânea e exerce funções de fixaçãoda planta ao substrato e de absorção de sais minerais (FERRI, 1990). Mas podem àsvezes, desempenhar outras funções relacionadas a adaptação das plantas a diferentescondições ecológicas. Raízes-suporte: raízes que se originam a partir do caule e vão até o solo, servem de suporte para as árvores. Raízes estrangulantes: raízes possuem uma grande quantidade de ramificações, que têm o tronco das árvores como suporte para se enrolarem. Esse tipo de raiz não permite o desenvolvimento do vegetal, pois seu crescimento em espessura determina o estrangulamento da planta. Raízes tubulares: raízes que se desenvolvem na horizontal sobre a superfície do solo, e exercem a função de respiração e fixação. Sua principal característica é a forma aplanada Raízes respiratórias ou pneumatóforos: São as raízes encontradas em ambientes aquáticos e estéreis; apresentam geotropismo negativo, e possuem pneumatódios, que são poros apropriados para captar oxigênio Raiz Tuberosa: atuam também como órgãos especiais de reserva. Exemplo: beterraba, batata-doce.CauleOs caules atuam como uma estrutura de conexão entre as raízes e as folhas. Aorganização básica de um caule consiste em um eixo de sustentação que possui nós,
  4. 4. onde existem as gemas laterais, e entrenós, que são os intervalos entre dois nósconsecutivos. As gemas laterais são responsáveis pela formação de ramos e folhas. Troncos: são caules robustos, desenvolvidos na parte inferior e ramificados no ápice. São encontrados na maioria das árvores e arbustos do grupo das dicotiledôneas. Estipes: são caules geralmente não ramificados, que apresentam em seu ápice um tufo de folhas. São típicos das palmeiras. Colmos: são caules não-ramificados que se distinguem dos estipes por apresentarem, em toda a sua extensão, divisão nítida em gomos. Os gomos dos colmos podem ser ocos como no bambu, ou cheios como no milho ou na cana- de-açúcar. Caules trepadores: estão presentes em plantas trepadeiras e crescem enrolados sobre diversos tipos de suporte. Esse tipo de caule representa uma adaptação à obtenção de locais mais iluminados, em que há mais luz para a fotossíntese. Rizomas são caules subterrâneos que acumulam substâncias nutritivas. Em alguns rizomas ocorre acúmulo de material nutritivo em certas regiões, formando tubérculos. Rizomas podem ser distinguidos de raízes pelo fato de apresentarem gemas laterais. O gengibre, usado como tempero na cozinha oriental, é um caule tipo rizoma. Cladódios são caules modificados, adaptados à realização de fotossíntese. As plantas que os possuem perderam as folhas no curso da evolução, geralmente como adaptação a regiões de clima seco. A ausência de folhas permite à planta economizar parte da água que será perdida por evaporação. Gavinhas são ramos modificados que servem para a fixação de plantas trepadeiras. Ao encontrar um substrato adequado as gavinhas crescem enrolando-se sobre ele. Bulbo: é a um só tempo caule e folhas subterrâneas, como ocorre na cebola - a parte central o prato, corresponde ao caule e dele partem catafilos folhas modificadas que protegem gemas dormentes e que no bulbo tem a função de acumular substâncias nutritivas. O alho é outro exemplo de bulbo; nele cada dente é um pequeno bulbo e por isso é classificado como bulbo compostoo.FolhaAs folhas são órgãos vegetativos das plantas, geralmente verdes, cujas principaisfunções são a de realizar a fotossíntese e as trocas gasosas com o meio.Uma folha completa é constituída de limbo (ou lâmina), pecíolo, bainha e estípulas Pecíolo - é a haste que sustenta a folha e a liga ao caule Limbo - é a parte achatada e dilatada da folha especializada para receber a luz do sol e para realizar as trocas gasosas com o ambiente, Baínha - expansão achatada do pecíolo para aumentar a fixação
  5. 5. Estípulas - pequenos apêndices localizados na base do pecíolo, podem servir para aumentar a área fotossintetizante ou se transformam em espinhosSão folhas que têm funções especiais e, por isso mesmo, suas formas se adaptam a essasespecializações. São exemplos: Bráctea - folha modificada que acompanha as flores com função de proteção ou atração Espinho - folha modificada para economia de água Carnívorora ou insetívora - folha adaptada para atrair, capturar e digerir pequenos animais que vão ser utilizados como adubo.De acordo com o texto e a ajuda do livro didático responda as seguintes questões: 1) Muitas pessoas colocam batata-inglesa para brotar e dar um novo pé de batata. Por que elas não fazem o mesmo com a batata-doce? 2) Caracterize e dê exemplos das seguintes raízes: suporte, respiratória, tabular, sugadora e tuberosa 3) Diferencie tronco, colmo e estipe 4) Conceitue estolho e dê um exemplo 5) Cite as adaptações de um cacto em relação ao ambiente 6) Esquematize uma folha completa nomeando suas partesReferenciahttp://www.sobiologia.com.br/conteudos/Morfofisiologia_vegetal/morfovegetal6.phpLOPES, Sônia. Bio Volume único. 2. ed. São Paulo: Saraiva Editora, 2003.PAULINO, Wilson. Biologia: seres vivos fisiologia. 2 ed. São Paulo: Ática Editora,2005.
  6. 6. Slides da aula Fotossíntese• É o processo através do qual as plantas, seres autotróficos transformam energia luminosa em energia química processando o dióxido de carbono (CO2), água (H2O) e minerais em compostos orgânicos e produzindo oxigênio gasoso (O2). 6CO2 ₊ 12H2O → C6H12O6 ₊6O2 ₊6 H2O • As folhas são normalmente os órgão-sede da fotossíntese • A velocidade de ocorrência da fotossíntese é influenciada por diversos fatores. Externos: disponibilidade de gás carbônico e água, a luminosidade e a temperatura Interno: grau de abertura dos estomatos, o teor de clorofila nas folhas, etc Temperatura • Influencia na atividade das enzimas que atuam na fotossíntese • A velocidade de fotossíntese é máxima em uma faixa térmica entre 30 °C e 40 °C • Em temperaturas baixas as enzimas se encontram pouco ativas; em temperaturas muito altas, a fotossíntese pode ser anulada por causa da desnaturação enzimática
  7. 7. Ponto de Compensação • É a intensidade luminosa na qual a taxa de fotossíntese se iguala à da respiração. Nessa intensidade de luz, todo o oxigênio produzido por fotossíntese é consumido pela respiração, e todo o gás carbônico produzido por respiração é consumido pela fotossíntese • Existe as plantas Heliófilas que necessitam de muita luz para viver e possuem um PC muito elevado • Existe as plantas umbrófilas que necessitam de pouca luz para viver e possuem PC baixo Hormônios vegetais • São substâncias orgânicas capazes de determinar um considerável efeito no metabolismo do órgão em que atuam • Atuam sobre o crescimento e desenvolvimento das plantas • Os principais hormônios vegetais são: Auxinas • As auxinas são hormônios vegetais do crescimento • Auxinas • Giberelinas • A principal auxina natural é AIA( ácido-indol- • Citocininas acético) • Acido abscísico • Etileno • É produzido no ápice caulinar, em folhas jovens e em sementes em desenvolvimento Efeitos das auxinas• Crescimento do caule: promove o alongamento das células e não sua divisão. Em baixas concentrações a auxina pode ser suficiente para estimular o crescimento da raiz, já em concentrações elevadas estimula o crescimento do caule e inibe o crescimento da raiz.

×