Lequesne e ducroquet

20.507 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.507
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
59
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
171
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lequesne e ducroquet

  1. 1. LEQUESNE / DUCROQUET ECROSS TABLE OU ARCELIM Boa mobilização
  2. 2. RX quadril – AP RE N RIRE – Colos femorais grandemente encurtados; Trocanteres menores visíveis em perfilinternamenteN – Colos femorais parcialmente encurtados; Trocanteres menores parcialmente visíveisRI – incidência correta em AP de quadril; Trocanteres menores não mobilização Boa visíveis ouligeiramente visíveis em alguns pacientes
  3. 3. RETROVERSÃO ACETABULAR > Excesso de osso antero-superior do rebordo acetabular. > Crossover - Sign Num acetábulo comsobrecobertura antero-superior, a linhado rebordo anterior começaproximalmente por ser lateral à linhado rebordo posterior, depois cruza-a etorna-se medial. Esse cruzamento daslinhas dos rebordos, no RX AP, éconhecido por "crossover sign", sinaldo 8 ou sinal da laçada.
  4. 4. Já numa bacia normal a linha do rebordo anteriordo acetábulo (a azul na imagem) é interna relativa àlinha do rebordo posterior (a vermelha da imagem).Estas linhas dos rebordos apenas se tocam naextremidade proximal.
  5. 5. História A faixa etária mais afetada é de 25 a 55 anos e o paciente temperfil bem ativo fisicamente. São pacientes muito jovens que irão desenvolver artrose precoce se não tratados. Os sintomas de dor inguinal ocorrem principalmente durante as atividades que causam o impacto. Após correr, jogar futebol, alongar-se por exemplo. Esses pacientes também temdesconforto ao ficar sentados por muito tempo, cruzar aspernas, dirigir ou sentar em bancos muito baixos. Em geral as queixas são leves (fase inicial) e aliviam temporariamente com repouso ou evitando essas atividades.
  6. 6. SÍNDROME DO IMPACTOO quadril é uma articulação do tipo bola e soquete, na qual a cabeça do fêmur (esférica), se relaciona com a cavidade da bacia, que tem a forma côncava,chamado de acetábulo. Quando existe qualquer alteração no formato da cabeça ou doacetábulo haverá um impacto entre essas partes, oque irá provocar a destruição da cartilagem articular e conseqüentemente artrose.
  7. 7. IMPACTO DE TIPO CAMOsso a mais na parte anteriorda junção cabeça-colo e perda de esfericidade da cabeça O osso excedentário no femur localiza-se tipicamente na parteanterior da junção cabeça colo, podendo ou não ter extensão superior. Esse tipo de causa é responsável pela perda de esfericidadeda cabeça do femur e pela diminuição ou mesmo inversão do “offset”,criando neste último caso uma giba ou bossa, como se lhe queirachamar. É responsável pelo conflito de efeito “Cam”.
  8. 8. IMPACTO DE TIPO CAM
  9. 9. Quadril alterado na Quadril alterado em Quadril Normal posição em pé posição sentado
  10. 10. Representação de lesão do Labrum
  11. 11. RX quadril – falso perfil (Lequesne) 65º 65ºInicialmente colocar o paciente em perfil com o lado a serestudado próximo ao filme. Partindo deste perfil rodar opaciente no sentido posterior formando um ângulo de 25 Boa mobilizaçãocom o perfil ou 65 em uma oblíqua posterior.
  12. 12. Boa mobilização
  13. 13. Boa mobilização
  14. 14. Boa mobilização
  15. 15. Boa mobilização
  16. 16.  Em uma incidência de lequesne, podemos observar uma possível impactação entre a cabeça do fêmur e a região do acetábulo, diminuição do espaço articular e a cobertura do acetábulo. Este exame normalmente é pedido para pacientes jovens com queixa de Boa mobilização dores na região do quadril principalmente durante as atividades físicas.
  17. 17. D Boa mobilização
  18. 18. Boa mobilização
  19. 19. A B (A) Radiografia Normal: interlinha articular aumenta deinferior para superior. Em uma radiografia bem feita otrocanter maior é projetado sobre o colo.(B) Redução da interlinha articular em seu segmento inferiorpara superior.
  20. 20. RX quadril – perfil Ducroquet Esta incidência normalmente é realizado quando o paciente tem uma suspeita de impacto fêmoro- acetabular. Nesta incidência o paciente deve estar em decúbito dorsal . Flexionar o quadril e o joelho a ser estudado em 90°. Abduzir o membro em cerca de 45°. Boa mobilização
  21. 21. DUCROQUET 90° 45° Posição supina com Quadril fletido à 90 grause abduzido à 45 graus. Raio perpendicular à mesa ecentrado no ponto médio entre a sínfise púbica e aespinha ilíaca ântero-superior.
  22. 22. Boa mobilização
  23. 23. Boa mobilização
  24. 24. Boa mobilização
  25. 25. Boa mobilização
  26. 26.  Esta radiografia mostra bem uma boa mobilização na incidência de Ducroquet. Podemos visualizar o colo femoral bem alongado, trocanter menor visível em perfil internamente. Boa mobilização
  27. 27. Borda antero-lateral da transição cabeça colo femoral Cabeça femoral arredondada Trocanter menorEspaço art. bemdefinido Trocanter maior Colo alongado Boa mobilização
  28. 28. PERFIL CIRÚRGICO DE ARCELIN ( CROSS TABLE) Posição supina com flexão do quadril contralateral e raio horizontal e perpendicular ao colo femoral e ao filme, incidindo á face interna da raiz da coxa que se quer avaliar em um ângulo de 45°.
  29. 29. Assim como na incidência de Ducroquet, o colo femoral é visto em perfil permitindo uma boaavaliação do colo e da porção anterior da transição cabeça colo femoral.
  30. 30. OBRIGADO

×