SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE
DOENÇAS E PRAGAS NAS
OLERÍCOLAS
Grupo 4 : ANDREI F. V. SAMPEDRO
CRISTIANO LOPES HAYASHI
IVAN NITC...
1 – Rotação de culturas: evitar rotação com plantas da mesma família
2 – Controle cultural: desinfecção de ferramentas e i...
Manejo Ecológico de Pragas - MEP
O MEP consiste na adoção do manejo integrado de pragas (MIP)
dentro do enfoque agroecológ...
Manejo Ecológico de Pragas - MEP
A implementação do MEP depende das seguintes ações:
1. Reconhecer as pragas e suas injúri...
Manejo Ecológico de Pragas - MEP
Alguns grupos de Pragas de Hortaliças e as medidas de controle específica a serem adotada...
Manejo Ecológico de Pragas - MEP
Alguns grupos de Pragas de Hortaliças e as medidas de controle específica a serem adotada...
Manejo Ecológico de Pragas - MEP
Alguns grupos de Pragas de Hortaliças e as medidas de controle específica a serem adotada...
- Solarização do solo: depositar o solo em camadas em uma caixa e deixar coberto
com lona para aquecê-la durante um longo ...
“O espaço é um repositório de informações referentes ao projeto “Diagnóstico
e Controle de Pragas em Sistemas de Produção ...
PAST
Sistema desenvolvido pela Embrapa Hortaliças para a previsão de doenças no
tomateiro, utilizado inicialmente em lavou...
- http://www.cnph.embrapa.br/noticias/not_24.htm
- http://www.dag.ufla.br/site/_adm/upload/file/Luciane%20Vilela%20Rese
nd...
Obrigado
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação 9

714 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
714
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação 9

  1. 1. SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DOENÇAS E PRAGAS NAS OLERÍCOLAS Grupo 4 : ANDREI F. V. SAMPEDRO CRISTIANO LOPES HAYASHI IVAN NITCHEPURENCO ROBSON PEREIRA DE SOUZA Tópicos Esp. Agricultura de Precisão Professor: André G. de Andrade
  2. 2. 1 – Rotação de culturas: evitar rotação com plantas da mesma família 2 – Controle cultural: desinfecção de ferramentas e implementos, arranquio e queima de restos culturais, solarização ou inundação para desinfecção do solo. 3 – Controle biológico: implantação de organismos antagônicos ás pragas e doenças. ex. trichograma spp >traça do tomateiro 4 – Controle ambiental: Estufas Irrigação 5 – Controle químico: Importante no controle de doenças. Observar: recomendações, classe toxicológica, efeito residual. 6 – Resistência varietal: resistência da variedade às doenças. 7 – Manejo integrado: conhecimento do nível de dano econômico nem sempre disponível para olerícolas. Manejo Integrado de Pragas - MIP
  3. 3. Manejo Ecológico de Pragas - MEP O MEP consiste na adoção do manejo integrado de pragas (MIP) dentro do enfoque agroecológico. Base e estrutura do manejo ecológico de pragas (MEP). Adaptado de Gonzales (1971)
  4. 4. Manejo Ecológico de Pragas - MEP A implementação do MEP depende das seguintes ações: 1. Reconhecer as pragas e suas injúrias. 2. Reconhecer os inimigos naturais das pragas. 3. Vistoriar periodicamente o cultivo. 4. Selecionar e adotar de forma planejada os métodos de controle. Ref: Emprapa ( Circular Técnica 119)
  5. 5. Manejo Ecológico de Pragas - MEP Alguns grupos de Pragas de Hortaliças e as medidas de controle específica a serem adotadas: Formiga Cortadeira (saúva-cabeça-de-vidro): • Utilização de Barreiras • Plantas com ação inseticida • Plantas repelente Foto:MarcioAraujoFoto:MiguelMichereffFilho
  6. 6. Manejo Ecológico de Pragas - MEP Alguns grupos de Pragas de Hortaliças e as medidas de controle específica a serem adotadas: Insetos Sugadores: • Armadilhas adesivas • Catação Manual • Plantas repelente •Calda de Farinha de trigo e água Foto: Francisco G. V. Schmidt Cherre Shade Miguel Michereff FilhoFoto: Miguel Michereff Filho
  7. 7. Manejo Ecológico de Pragas - MEP Alguns grupos de Pragas de Hortaliças e as medidas de controle específica a serem adotadas: Lagartas: • Inseticida Biológico • Vespinhas parasitóides de ovos • Plantas repelente • Ensacamento de frutos Foto: Jorge A. Guimarães Foto: Miguel Michereff Filho Foto: Leandro S. Lobo Foto: José Ronaldo de Macedo
  8. 8. - Solarização do solo: depositar o solo em camadas em uma caixa e deixar coberto com lona para aquecê-la durante um longo período (~8 semanas) - Alqueive: trata-se da remoção da vegetação do solo (1 ou 2 anos) por capina, aração ou outra forma, associado a irrigação. Utilizado para controle de nematoides pela eliminação por meio de inanição (falta de alimento). - Cobertura do solo com palha: evita que respingos de chuva ou irrigação levem patógenos do solo para a parte aérea da planta. - Aplicação de leite cru: eficiente no controle de oídio em pepino e abobrinha (solução de 5% a 10%) Outras ferramentas para o controle de pragas e doenças:
  9. 9. “O espaço é um repositório de informações referentes ao projeto “Diagnóstico e Controle de Pragas em Sistemas de Produção de Tomate”” - http://www.cnph.embrapa.br/fttomateiro/index.html
  10. 10. PAST Sistema desenvolvido pela Embrapa Hortaliças para a previsão de doenças no tomateiro, utilizado inicialmente em lavouras para industrialização. Monitora condições favoráveis ao surgimento de: - Pinta-preta; - Requeima; - Septoriose. DSV (Valores de Severidade de Doenças): - 0 (condição não favorável) - 4 (condição altamente favorável) Ex. Cristalina – requeima 18 / pinta-preta 22...
  11. 11. - http://www.cnph.embrapa.br/noticias/not_24.htm - http://www.dag.ufla.br/site/_adm/upload/file/Luciane%20Vilela%20Rese nde/Manejo_integrado_de_pragas_e_doencas1[1].pdf - http://www.grupocultivar.com.br/site/content/artigos/artigos.php?id=673 - http://www.sebrae.com.br/customizado/gestao-ambiental- biblioteca/bib_manual_saneamento.pdf - http://www.apmppr.org.br/promed/index.php?option=com_content&task =view&id=117&Itemid=8 - http://www.cnph.embrapa.br/fttomateiro/index.html - http://www.cnph.embrapa.br/paginas/serie_documentos/publicacoes201 3/ct_119.pdf Bibliografia
  12. 12. Obrigado

×