SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Baixar para ler offline
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA 
Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 
Beatriz Jordão Paranhos 
Embrapa Semiárido 
Petrolina-PE 
Controle biológico de 
moscas-das-frutas 
Semiárido
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
O que é o Controle Biológico de Pragas? 
Quais os meios? 
Patógenos : vírus, fungos, bactérias, protozoários 
Descoberto em 1836 
Predadores: joaninha, crysoperla, percevejos, tesourinha- Primeira Constatação – séc III 
Parasitoides: Himenópteros, dípteros, etc. 
Primeira Constatação - 1685
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Controle Biológico natural 
Controle biológico inundativo 
Liberações do agente biológico 
Controle Biológico clássico
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA 
Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 
Semiárido 
 Entomopatógenos 
 Nematoides 
 Parasitoides 
Controle Biológico de 
Moscas-das-Frutas
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Bactérias – Bacillus thuringiensis (Bt): 
Potencial controle de larvas e adultos de Bactrocera oleae, Anastrepha ludens e A. obliqua 
Entomopatógenos no controle de moscas-das-frutas
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Beauveria bassiana e Metarhizium anisopliae 
- Iscas-tóxicas 
- Aplicação no solo via fertirrigação 
- Transferência horizontal através insetos estéreis (A. ludens e C. capitata). 
Fungos entomopatogênicos no controle de moscas-das-frutas
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Nematoides virulentos às moscas-das-frutas 
penetram nas aberturas naturais 
A. ludens (Heterorhabditis indica e Steinernema feltiae) e C. capitata (Steinernema riobrave) com mais de 70 % de controle em campo.
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Virus – Grupo de microorganismo pouco explorado. 
Resultados preliminares em adultos de D. oleae e C. capitata, porém ainda não há indicação de uso. 
Vírus contra moscas-das-frutas
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
 Asobara anastrephae 
 Asobara sp. 
 Doryctobracon areolatus 
 Doryctobracon brasiliensis 
 Doryctobracon fluminensis 
 Doryctobracon sp. 
 Microcrasis lonchaeae 
 Opius bellus 
 Opius sp. 
 Opius bucki 
 Opius itatiayensis 
 Opius tomoplagiae 
 Utetes anastrephae 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ESCALA 1: 15000000 
Parasitoides de Moscas-das-frutas no Brasil
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Parasitóides exóticos de moscas-das-frutas no Brasil 
1937- IB de São Paulo introduziu Opius tryoni, O. fletcri (Hym.: Braconidae) e Tetrastichus giffardianus (Hym.: Eulophidae). 
1994 – Embrapa introduziu Diachasmimorpha longicaudata (Braconidae) 
2012 - Embrapa introduziu o Fopius arisanus 
Ataca ovos
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA 
Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 
Semiárido Como atacam as moscas-das-frutas ?
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Etapas para criação do parasitóide 
Duas etapas: 
•Criar o hospedeiro (larvas de moscas- das-frutas) 
•Criar o parasitoide sobre as larvas hospedeiras
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Criação artesanal de C. capitata- CNPMF 
Colônia da mosca 
Larvas desenvolvidas em dieta artificial 
Inoculação de 
ovos na dieta 
Larva moscamed 
3º estagio 
Dieta de adultos 
na tela de nylon
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Unidade de parasitismo 
Criação pequena sobre moscamed 
Larvas + dieta 
Exposição por 4-8 h no interior da gaiola 
Parasitismo de 75 a 85 % 
Criação artesanal de D. longicaudata- CNPMF
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Unidade de parasitismo 
60 a 70 % de parasitismo 
Larvas nuas expostas na parte superior externa por 1-2 horas 
Voil 
Tampa 
Fêmeas ovipositando 
Criação semi- artesanal de D. longicaudata - CNPMF
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Exposição das larvas ao parasitismo 
Pupação em vermiculita
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Criação de C. capitata: Sistema industrial
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Ovos semeados em dietas de larvas 
Coletas de larvas de C. capitata
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Evitar emergência da praga 
Raios gama Co-60 CENA/USP 
Raios X – Biofábrica Moscamed 
Irradiação das larvas- criação limpa
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Criação industrial de Anastrepha ludens México
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Criação industrial de D. longicaudata sobre A. ludens no México
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Parasitoide criado sobre duas moscas 
C. capitata vs Anastrepha spp. 
Fig.2: Fêmeas de D. longicaudata, provenientes de larvas de A. fraterculus 
(esquerda) e de C. capitata (direita). Quadrados com 2,54 mm de lado. 
Fig.1: Exemplares de larvas de C. capitata (menor) e de A. fraterculus 
(maior) provenientes da criação massal. Quadrados com 2,54 mm de lado. 
Fonte: Walder et al., 2008
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
0 
10 
20 
30 
40 
50 
60 
70 
50 
100 
200 
300 
Número de casais do parasitoide exótico liberados por gaiola 
Parasitismo (%) 
MAX 
MÉDIA 
MIN 
FONTE - CNPq, 1999 – Relatório Técnico 
Parasitismo por D. longicaudata sobre C. capitata 
gaiolas de campo -Embrapa Semiárido (1999)
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
0 
5 
10 
15 
20 
25 
30 
35 
40 
50 
100 
200 
300 
Número de casais do parasitoide exótico liberados por gaiola 
MAX 
MÉDIA 
MIN 
FONTE - CNPq, 1999 – Relatório Técnico 
Parasitismo (%) 
Parasitismo por D. longicaudata sobre A. obliqua 
gaiolas de campo -Embrapa Semiárido (1999)
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
EFICIÊNCIA DE PARASITISMO EM DIFERENTES 
FRUTEIRAS –Piracicaba-SP (Paranhos et al, 2001 e 2002) 
0 
5 
10 
15 
20 
25 
30 
35 
Tangerina 
Ponkan 
laranja lima 
Goiaba Paluma 
Goiaba kumagai 
Pêssego 
Carambola 
Seriguela 
Parasitismo (%)
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Liberação em campo 
 População: 600 a 1000 adultos/ha/semana 
 Horário: bem cedo ou no fim da tarde 
 Liberações em pomares domiciliares e caatingas  
Sobrevivência e berçário na entressafra
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
MEDIDAS QUE CONTRIBUEM PARA O CONTROLE BIOLÓGICO 
Interação com outros métodos não tóxicos: controle cultural, entomopatógenos e TIE 
Uso de inseticidas seletivos e pouco tóxicos aos parasitoides
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Seletividade de spinosad a 
Diachasmimorpha longicaudata 
Índice de parasitismo de D. longicaudata vs SPINOSAD e Malathion 
T 1 - 1+1,5 (litro de SPINOSAD+litros de água) 
T 2 - 1+24 (litro de SPINOSAD+litros de água) 
T 3 - Isca atrativa padrão (Malathion+H.P.) 
T 4 - Testemunha
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
TIE x CB e Controle Convencional (Knipling, 1992) 
TIE + CB = 2,16 dólares/ha 
Convencional = 30,80 dólares/ha 
Eficiência TIE x CB (Wong et al, 2002) 
42,7% de parasitismo contra 20,3% em áreas convencionais 
9,8 larvas/kg de fruto contra 92,6 larvas/kg de fruto
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Exemplos de controle biológico de 
moscas-da-frutas 
Havaí: 
Triplicou o parasitismo de Ceratitis capitata - liberando-se 200 
adultos de D. longicaudata/ha (Wong et al., 1991). 
Flórida: 
Reduziu em 90 - 95% a população de A. suspensa com liberações 
semanais de 200-600 parasitoides/ha (Sivinski, 1998) 
México: 
Reduziu a população de Anastrepha em 67% liberando-se cerca 
de 940 parasitoides/ha (Montoya et al., 2000).
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
8th International Symposium on Fruit Fly of Economic Importance (ISFFEI) 
Valencia -Spain , from 26 Sept to 01 Oct 2010 
XXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA 
Curitiba-PR, 16 a 21 de setembro de 2012 
O IDEAL 
Ter disponível pelo menos um parasitoide para cada estágio 
imaturo de moscas-das-frutas 
Fopius arisanus (ATACA OVOS) 
e 
Diachasmimorpha longicaudata + nativos (ATACA LARVAS) 
e 
Coptera haywardi (ATACA PUPAS) 
XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA 
Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 
Semiárido 
Foto: Aguiar-Menezes et al., 2003
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Ciclo das moscas-das-frutas com 
CB e TIE
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
8th International Symposium on Fruit Fly of Economic Importance (ISFFEI) 
Valencia -Spain , from 26 Sept to 01 Oct 2010 
OBRIGADA PELA ATENÇÃO! 
Contatos: 
beatriz.paranhos@embrapa.br 
b_paranhos@hotmail.com 
Embrapa Semiárido 
Fone: (87)3866-3747 
XXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA 
Curitiba-PR, 16 a 21 de setembro de 2012 
XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA 
Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 
Semiárido
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Cycloneda sanguinea 
Cycloneda conjugata 
PREDADORES
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Ovos, larvas e adultos de crisopídeos 
PREDADORES
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais”
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Sucessos de CB aplicados no Brasil 
Cotesia flavipes x broca da cana-de-açúcar 
(3.300.000 ha) 
Baculovírus x lagarta da soja ( 200.000 
ha) 
Trichogramma galloi x cana e milho 
(350.000 ha )
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Ácaro predador Neoseiulus californicus x ácaro rajado (500 ha) 
Metarhizium anisopliae x cigarrinhas das folhas em cana-de-açúcar (>2.000.000 ha) 
Trichogramma pretiosum x em tomate (28.000 ha )
XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 
Ageniaspis citricola x minador dos citros 
Aphytis yanonensis x pulgão do trigo (economizou 24 milhões de dólares/ano) 
Controle Biológico Clássico no BRASIL 
Trissolcus basalis x percevejos na soja

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilNetNexusBrasil
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnoserfoltran
 
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e PiretróidesPortfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e PiretróidesGeagra UFG
 
Reino monera prof Ivanise Meyer
Reino monera prof Ivanise MeyerReino monera prof Ivanise Meyer
Reino monera prof Ivanise MeyerIvanise Meyer
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEmbrapa Milho e Sorgo
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaJuan Rodríguez
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalOxya Agro e Biociências
 
O intercâmbio e a quarentena de germoplasma vegetal no brasil
O intercâmbio e a quarentena de germoplasma vegetal no brasilO intercâmbio e a quarentena de germoplasma vegetal no brasil
O intercâmbio e a quarentena de germoplasma vegetal no brasilRenato Ferraz de Arruda Veiga
 
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...Oxya Agro e Biociências
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologiabjsjd
 

Mais procurados (14)

Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no Brasil
 
Fungos Entomopatogênicos
Fungos EntomopatogênicosFungos Entomopatogênicos
Fungos Entomopatogênicos
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnose
 
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e PiretróidesPortfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
 
Cap01
Cap01Cap01
Cap01
 
Reino monera prof Ivanise Meyer
Reino monera prof Ivanise MeyerReino monera prof Ivanise Meyer
Reino monera prof Ivanise Meyer
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
 
Técnica do inseto estéril
Técnica do inseto estérilTécnica do inseto estéril
Técnica do inseto estéril
 
Ousadia recompensada
Ousadia recompensadaOusadia recompensada
Ousadia recompensada
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
 
O intercâmbio e a quarentena de germoplasma vegetal no brasil
O intercâmbio e a quarentena de germoplasma vegetal no brasilO intercâmbio e a quarentena de germoplasma vegetal no brasil
O intercâmbio e a quarentena de germoplasma vegetal no brasil
 
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
IV WSF, Vilhena - Luis Carlos Ribeiro - Ameaças Fitossanitárias para o Brasil...
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 

Destaque

O mundo das plantas
O mundo das plantasO mundo das plantas
O mundo das plantasAna Gmail
 
As partes das plantas
As partes das plantasAs partes das plantas
As partes das plantasElainebega
 
Funções das plantas
Funções das plantasFunções das plantas
Funções das plantaseducacaoxxi
 
As partes das plantas
As partes das plantasAs partes das plantas
As partes das plantasluciamilk
 
PLANTAS - PARTES/ FUNÇÕES/ FOTOSSÍNTESE
PLANTAS - PARTES/ FUNÇÕES/ FOTOSSÍNTESEPLANTAS - PARTES/ FUNÇÕES/ FOTOSSÍNTESE
PLANTAS - PARTES/ FUNÇÕES/ FOTOSSÍNTESEprofadrianapigatto
 

Destaque (9)

O mundo das plantas
O mundo das plantasO mundo das plantas
O mundo das plantas
 
As partes das plantas
As partes das plantasAs partes das plantas
As partes das plantas
 
Funções das plantas
Funções das plantasFunções das plantas
Funções das plantas
 
As partes das plantas
As partes das plantasAs partes das plantas
As partes das plantas
 
PLANTAS - PARTES/ FUNÇÕES/ FOTOSSÍNTESE
PLANTAS - PARTES/ FUNÇÕES/ FOTOSSÍNTESEPLANTAS - PARTES/ FUNÇÕES/ FOTOSSÍNTESE
PLANTAS - PARTES/ FUNÇÕES/ FOTOSSÍNTESE
 
Meus papéis de parede
Meus papéis de paredeMeus papéis de parede
Meus papéis de parede
 
Estrutura e partes das plantas
Estrutura e partes das plantasEstrutura e partes das plantas
Estrutura e partes das plantas
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDEDROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
 

Semelhante a Controle biológico

Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...Rodrigo Penna
 
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021Blanco agriCultura
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologiabjsjd
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologiabjsjd
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfCarmenRamos248457
 
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhasControle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhasfaccamp
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle BiológicoJoão Felix
 
MIP EM ALGODOEIRO (1)
MIP EM ALGODOEIRO (1)MIP EM ALGODOEIRO (1)
MIP EM ALGODOEIRO (1)Diego Santos
 
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed BrasilTécnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed BrasilIzabella Menezes
 
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoTécnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoAgricultura Sao Paulo
 

Semelhante a Controle biológico (20)

Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
 
Mosquitos e vetores abate basf
Mosquitos e vetores   abate basfMosquitos e vetores   abate basf
Mosquitos e vetores abate basf
 
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
 
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhasControle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
MIP EM ALGODOEIRO (1)
MIP EM ALGODOEIRO (1)MIP EM ALGODOEIRO (1)
MIP EM ALGODOEIRO (1)
 
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed BrasilTécnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
 
Nyre boone
Nyre booneNyre boone
Nyre boone
 
Nyre boone
Nyre booneNyre boone
Nyre boone
 
A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008
 
000583175
000583175000583175
000583175
 
Coccinellidae
CoccinellidaeCoccinellidae
Coccinellidae
 
Apresentação fernando jardim - seminário cianobactérias
Apresentação  fernando jardim - seminário cianobactériasApresentação  fernando jardim - seminário cianobactérias
Apresentação fernando jardim - seminário cianobactérias
 
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoTécnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
 
Mod iv fitopatologia
Mod iv fitopatologiaMod iv fitopatologia
Mod iv fitopatologia
 
Mod iv
Mod iv Mod iv
Mod iv
 
Controle Biológico dos Pulgões do Trigo
Controle Biológico dos Pulgões do TrigoControle Biológico dos Pulgões do Trigo
Controle Biológico dos Pulgões do Trigo
 

Mais de Agropec Consultoria

Mais de Agropec Consultoria (15)

Legislação em PE
Legislação em PELegislação em PE
Legislação em PE
 
Situação atual
Situação atualSituação atual
Situação atual
 
Captura massal
Captura massalCaptura massal
Captura massal
 
Controle químico
Controle químicoControle químico
Controle químico
 
Palestra angela embrapa analise risco
Palestra angela embrapa analise riscoPalestra angela embrapa analise risco
Palestra angela embrapa analise risco
 
Seminário ar embrapa1-11-12
Seminário ar  embrapa1-11-12Seminário ar  embrapa1-11-12
Seminário ar embrapa1-11-12
 
Bsb 2012 avaliação e comunicação de riscos
Bsb 2012 avaliação e comunicação de riscosBsb 2012 avaliação e comunicação de riscos
Bsb 2012 avaliação e comunicação de riscos
 
Apresentacao Fonesa Abr 2009
Apresentacao Fonesa Abr 2009Apresentacao Fonesa Abr 2009
Apresentacao Fonesa Abr 2009
 
Acompanhamento Das Acoes N E
Acompanhamento Das Acoes  N EAcompanhamento Das Acoes  N E
Acompanhamento Das Acoes N E
 
Acompanhamento Das Acoes Ne
Acompanhamento Das Acoes NeAcompanhamento Das Acoes Ne
Acompanhamento Das Acoes Ne
 
QuestõEs Para Encontro Regional Alagoas
QuestõEs Para Encontro Regional AlagoasQuestõEs Para Encontro Regional Alagoas
QuestõEs Para Encontro Regional Alagoas
 
Modelo Apresentacao Estados
Modelo Apresentacao EstadosModelo Apresentacao Estados
Modelo Apresentacao Estados
 
Cartaz Al
Cartaz AlCartaz Al
Cartaz Al
 
Apresentacao Omc Fev 2009
Apresentacao Omc Fev 2009Apresentacao Omc Fev 2009
Apresentacao Omc Fev 2009
 
Encontro de Fiscalização e Seminário Regional sobre Agrotóxicos 2009 - Goiâni...
Encontro de Fiscalização e Seminário Regional sobre Agrotóxicos 2009 - Goiâni...Encontro de Fiscalização e Seminário Regional sobre Agrotóxicos 2009 - Goiâni...
Encontro de Fiscalização e Seminário Regional sobre Agrotóxicos 2009 - Goiâni...
 

Controle biológico

  • 1. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 Beatriz Jordão Paranhos Embrapa Semiárido Petrolina-PE Controle biológico de moscas-das-frutas Semiárido
  • 2. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” O que é o Controle Biológico de Pragas? Quais os meios? Patógenos : vírus, fungos, bactérias, protozoários Descoberto em 1836 Predadores: joaninha, crysoperla, percevejos, tesourinha- Primeira Constatação – séc III Parasitoides: Himenópteros, dípteros, etc. Primeira Constatação - 1685
  • 3. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Controle Biológico natural Controle biológico inundativo Liberações do agente biológico Controle Biológico clássico
  • 4. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 Semiárido  Entomopatógenos  Nematoides  Parasitoides Controle Biológico de Moscas-das-Frutas
  • 5. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Bactérias – Bacillus thuringiensis (Bt): Potencial controle de larvas e adultos de Bactrocera oleae, Anastrepha ludens e A. obliqua Entomopatógenos no controle de moscas-das-frutas
  • 6. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Beauveria bassiana e Metarhizium anisopliae - Iscas-tóxicas - Aplicação no solo via fertirrigação - Transferência horizontal através insetos estéreis (A. ludens e C. capitata). Fungos entomopatogênicos no controle de moscas-das-frutas
  • 7. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Nematoides virulentos às moscas-das-frutas penetram nas aberturas naturais A. ludens (Heterorhabditis indica e Steinernema feltiae) e C. capitata (Steinernema riobrave) com mais de 70 % de controle em campo.
  • 8. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Virus – Grupo de microorganismo pouco explorado. Resultados preliminares em adultos de D. oleae e C. capitata, porém ainda não há indicação de uso. Vírus contra moscas-das-frutas
  • 9. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais”  Asobara anastrephae  Asobara sp.  Doryctobracon areolatus  Doryctobracon brasiliensis  Doryctobracon fluminensis  Doryctobracon sp.  Microcrasis lonchaeae  Opius bellus  Opius sp.  Opius bucki  Opius itatiayensis  Opius tomoplagiae  Utetes anastrephae                                                                ESCALA 1: 15000000 Parasitoides de Moscas-das-frutas no Brasil
  • 10. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Parasitóides exóticos de moscas-das-frutas no Brasil 1937- IB de São Paulo introduziu Opius tryoni, O. fletcri (Hym.: Braconidae) e Tetrastichus giffardianus (Hym.: Eulophidae). 1994 – Embrapa introduziu Diachasmimorpha longicaudata (Braconidae) 2012 - Embrapa introduziu o Fopius arisanus Ataca ovos
  • 11. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 Semiárido Como atacam as moscas-das-frutas ?
  • 12. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Etapas para criação do parasitóide Duas etapas: •Criar o hospedeiro (larvas de moscas- das-frutas) •Criar o parasitoide sobre as larvas hospedeiras
  • 13. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Criação artesanal de C. capitata- CNPMF Colônia da mosca Larvas desenvolvidas em dieta artificial Inoculação de ovos na dieta Larva moscamed 3º estagio Dieta de adultos na tela de nylon
  • 14. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Unidade de parasitismo Criação pequena sobre moscamed Larvas + dieta Exposição por 4-8 h no interior da gaiola Parasitismo de 75 a 85 % Criação artesanal de D. longicaudata- CNPMF
  • 15. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Unidade de parasitismo 60 a 70 % de parasitismo Larvas nuas expostas na parte superior externa por 1-2 horas Voil Tampa Fêmeas ovipositando Criação semi- artesanal de D. longicaudata - CNPMF
  • 16. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Exposição das larvas ao parasitismo Pupação em vermiculita
  • 17. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Criação de C. capitata: Sistema industrial
  • 18. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Ovos semeados em dietas de larvas Coletas de larvas de C. capitata
  • 19. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Evitar emergência da praga Raios gama Co-60 CENA/USP Raios X – Biofábrica Moscamed Irradiação das larvas- criação limpa
  • 20. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Criação industrial de Anastrepha ludens México
  • 21. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Criação industrial de D. longicaudata sobre A. ludens no México
  • 22. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Parasitoide criado sobre duas moscas C. capitata vs Anastrepha spp. Fig.2: Fêmeas de D. longicaudata, provenientes de larvas de A. fraterculus (esquerda) e de C. capitata (direita). Quadrados com 2,54 mm de lado. Fig.1: Exemplares de larvas de C. capitata (menor) e de A. fraterculus (maior) provenientes da criação massal. Quadrados com 2,54 mm de lado. Fonte: Walder et al., 2008
  • 23. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 0 10 20 30 40 50 60 70 50 100 200 300 Número de casais do parasitoide exótico liberados por gaiola Parasitismo (%) MAX MÉDIA MIN FONTE - CNPq, 1999 – Relatório Técnico Parasitismo por D. longicaudata sobre C. capitata gaiolas de campo -Embrapa Semiárido (1999)
  • 24. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 0 5 10 15 20 25 30 35 40 50 100 200 300 Número de casais do parasitoide exótico liberados por gaiola MAX MÉDIA MIN FONTE - CNPq, 1999 – Relatório Técnico Parasitismo (%) Parasitismo por D. longicaudata sobre A. obliqua gaiolas de campo -Embrapa Semiárido (1999)
  • 25. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” EFICIÊNCIA DE PARASITISMO EM DIFERENTES FRUTEIRAS –Piracicaba-SP (Paranhos et al, 2001 e 2002) 0 5 10 15 20 25 30 35 Tangerina Ponkan laranja lima Goiaba Paluma Goiaba kumagai Pêssego Carambola Seriguela Parasitismo (%)
  • 26. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Liberação em campo  População: 600 a 1000 adultos/ha/semana  Horário: bem cedo ou no fim da tarde  Liberações em pomares domiciliares e caatingas  Sobrevivência e berçário na entressafra
  • 27. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” MEDIDAS QUE CONTRIBUEM PARA O CONTROLE BIOLÓGICO Interação com outros métodos não tóxicos: controle cultural, entomopatógenos e TIE Uso de inseticidas seletivos e pouco tóxicos aos parasitoides
  • 28. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Seletividade de spinosad a Diachasmimorpha longicaudata Índice de parasitismo de D. longicaudata vs SPINOSAD e Malathion T 1 - 1+1,5 (litro de SPINOSAD+litros de água) T 2 - 1+24 (litro de SPINOSAD+litros de água) T 3 - Isca atrativa padrão (Malathion+H.P.) T 4 - Testemunha
  • 29. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” TIE x CB e Controle Convencional (Knipling, 1992) TIE + CB = 2,16 dólares/ha Convencional = 30,80 dólares/ha Eficiência TIE x CB (Wong et al, 2002) 42,7% de parasitismo contra 20,3% em áreas convencionais 9,8 larvas/kg de fruto contra 92,6 larvas/kg de fruto
  • 30. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Exemplos de controle biológico de moscas-da-frutas Havaí: Triplicou o parasitismo de Ceratitis capitata - liberando-se 200 adultos de D. longicaudata/ha (Wong et al., 1991). Flórida: Reduziu em 90 - 95% a população de A. suspensa com liberações semanais de 200-600 parasitoides/ha (Sivinski, 1998) México: Reduziu a população de Anastrepha em 67% liberando-se cerca de 940 parasitoides/ha (Montoya et al., 2000).
  • 31. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 8th International Symposium on Fruit Fly of Economic Importance (ISFFEI) Valencia -Spain , from 26 Sept to 01 Oct 2010 XXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA Curitiba-PR, 16 a 21 de setembro de 2012 O IDEAL Ter disponível pelo menos um parasitoide para cada estágio imaturo de moscas-das-frutas Fopius arisanus (ATACA OVOS) e Diachasmimorpha longicaudata + nativos (ATACA LARVAS) e Coptera haywardi (ATACA PUPAS) XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 Semiárido Foto: Aguiar-Menezes et al., 2003
  • 32. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Ciclo das moscas-das-frutas com CB e TIE
  • 33. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” 8th International Symposium on Fruit Fly of Economic Importance (ISFFEI) Valencia -Spain , from 26 Sept to 01 Oct 2010 OBRIGADA PELA ATENÇÃO! Contatos: beatriz.paranhos@embrapa.br b_paranhos@hotmail.com Embrapa Semiárido Fone: (87)3866-3747 XXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA Curitiba-PR, 16 a 21 de setembro de 2012 XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA Bento Gonçalves-RS, 22 a 26 de outubro de 2012 Semiárido
  • 34. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Cycloneda sanguinea Cycloneda conjugata PREDADORES
  • 35. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Ovos, larvas e adultos de crisopídeos PREDADORES
  • 36. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais”
  • 37. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Sucessos de CB aplicados no Brasil Cotesia flavipes x broca da cana-de-açúcar (3.300.000 ha) Baculovírus x lagarta da soja ( 200.000 ha) Trichogramma galloi x cana e milho (350.000 ha )
  • 38. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Ácaro predador Neoseiulus californicus x ácaro rajado (500 ha) Metarhizium anisopliae x cigarrinhas das folhas em cana-de-açúcar (>2.000.000 ha) Trichogramma pretiosum x em tomate (28.000 ha )
  • 39. XI SICONBIOL 2009, “Controle biológico de pragas de fruteiras tropicais” Ageniaspis citricola x minador dos citros Aphytis yanonensis x pulgão do trigo (economizou 24 milhões de dólares/ano) Controle Biológico Clássico no BRASIL Trissolcus basalis x percevejos na soja