Universidade Estadual do Maranhão 
Centro de Estudos Superiores de Caxias 
Departamento de Química e Biologia 
Disciplina:...
 Alessandra Maria 
 Anderson Felipe 
 Gleiciane Bacelar 
 Heloísa Regina 
 Hilda Raianne 
 Jéssica Vale 
 Laiane Ja...
Sobre a obra: palavra iniciais
• Destinada aqueles educadores que, movidos por impulsos 
transformadores; 
• Querem concretizar mudanças em sua vidas; 
•...
“...Aqueles educadores que jamais se acomodaram 
totalmente ao sistema e desejam ardentemente sair do 
círculo de alienaçã...
“...Esperar que os acomodados aos 
cargos e os efeitos ao autoritarismo 
sirvam como pontes para o processo 
de mudanças é...
“E em terreno que 
existe alienação é 
preciso renovar o solo, 
encontrar os motivos 
das desgraças e 
executar ações 
cor...
A coisificação do professor
O que significa COISIFICAR 0 professor? 
Significa triturar a sua consciência de modo a impedi-lo de 
exercer a prática da...
Indiferença Greve Ódio 
O cerco de estacas ideológicas é fincado quase 
que invisivelmente ao longo dos anos.
O frenético ritmo de vida do professor, voando de escola para 
escola à procura do pão, não lhe permite viver com 
dignida...
Estratégias que visam a coisificação do professor 
• A nível legal: impede-se a sindicalização; 
• A nível estrutural: seg...
A descoisificação do professor: saídas viáveis*
Controle e 
repressão 
Burguesia 
estatal 
Burguesia 
legislativa 
Burguesia 
administrativa
GREVE: semente que pode germinar bons frutos 
Transformação da sociedade
Saídas viáveis para a descoisificação do professor 
• Recuperação da 
dignidade 
Professor deve pensar 
sobre as formas de...
Não pense os professores que um novo projeto 
educacional, de natureza crítica e 
transformadora, cairá do céu por obra do...
De como ser um mau professor
• Perca da esperança; 
• Falta de valorização; 
• Perca de didática e 
motivação para com seus 
alunos
≠
De como ser um bom professor
• Características eternas e imutáveis; 
• Postura segundo a metodologia; 
• Consciência das contradições sociais, luta e s...
O Pelego do Setor Educacional
Preceitos Éticos Preceitos Morais 
Os pelegos invadiram a seara educacional, 
gostaram do lugar e ali se encravaram.
O pelego é:
NA LINGUAGEM DO 
ADOLESCENTE.
NA LINGUAGEM DO 
ADULTO 
Bloqueava a busca de liberdade Hoje, o capital compra consciência 
O pelego – uma criatura, que n...
No mundo escolar, o desabrochamento e 
a abrochatura dos pelegos são 
geralmente facilitados devido, 
primeiramente, à fal...
Em Essência: 
A ganância do “ter” massacra os valores do “ser e conviver”. 
O pelego é um aparelho ideológico do estado....
• Precipitação 
Precipitação
Cursos de extensão 
Aperfeiçoamento 
Reciclagem de 
professores
Imposições pedagógicas 
Tecnicismo 
Manutenção do status quo 
Rotina
Educar/ensinar é um ato político 
Ato pedagógico 
Objetivos 
Conteúdos 
Métodos 
 Ato reflexivo sobre a prática pedagógic...
Educar/ensinar é um ato político 
Agência legitimadora das desigualdades sociais 
Atualização dos professores através de c...
O estudo do método pedagógico 
Se faz necessário 
Estudo dos elementos 
Verificação da potencialidade 
Repertório metodoló...
Revolução qualitativa 
1. Não ocorre da noite para o dia: 
2. Os educadores e os relatos de insatisfação política; 
3. Cur...
Professor e autocrítica 
Conhecer a si mesmo melhor; 
Identificar potencialidades e necessidades de atualização; 
Recup...
Professor e autocrítica 
Nenhum educador trabalha “no vazio”, operário da 
cultura, que trabalha e opera a partir de 
refe...
Aperfeiçoamento 
Extensão 
Formação continuada 
Reciclagem de professores 
1. Quem define a natureza e o teor de um cu...
De repente, a consciência das contradições (lances autobiográficos 
de um educador)
Diálogo com Dermeval Dias 
Reaprender 
Bons Professores 
Influencias do 
professor 
Dinâmico 
Relacionando com 
a vida
Degradação do ensino 1960, consolidando-se em 1970 
Ensino Seriado 
O professor é uma autoridade no seu campo de 
conhecim...
Minha primeira experiência no magistério: 
calamidade... 
 Curso de Aperfeiçoamento do normal 
Intimado ás sete da manha,...
Minha primeira experiência no magistério: 
calamidade... 
Quantos professores, ao 
iniciarem-se no 
magistério, efetivamen...
Vivendo as delicias do tecnicismo... 
“Em educação, um método nunca pode exigir uma importância 
centralizadora. Com tal, ...
A base do método constitui-se de exercícios de repetição e 
memorização 
Não critica a pratica 
Se não seguisse o método d...
Entrada nos recônditos da conscientização 
Teoria da Educação 
Interpretação de 
Gramsci
Revendo a especificidade da função da 
escola
 Local de estudo ou de acesso à merenda? 
 Local de aquisição de conhecimento ou de orientação 
psicoterapêutica? 
 Loc...
Especificidade da função da escola 
Com o acirramento das contradições do capitalismo (1980- 
1990) e reverberações da cr...
Especificidade da função da escola 
“Merenda escolar” e 
a sua natureza. 
Correlação entre a frequência escolar e a ofert...
Especificidade da função da escola 
É melhor oferecer merenda ou deixar as crianças com fome?
especificidade da função da escola 
Afetam alunos e professores; 
Professores obtém a necessidade de complementação de s...
Especificidade da função da escola 
Autoridades abarrotam as escolas com novas finalidades 
Impedindo a finalidade especí...
A metodologia de ensino como uma das 
dimensões da prática pedagógica
• Amarrada a três fatos: 
 As lutas travadas pelo povo em 
direção a democracia; 
 As reflexões feitas sobre a crise 
ou...
• Traz uma visão da educação na Ditadura 
militar 
Poder 
Dominante 
Eliminação 
relação escola e 
sociedade
 não era dever da escola questionar a estrutura social e nem 
refletir os problemas concretos do povo brasileiro;
• Após 1977 houve a recolocação dos problemas atinentes á relação 
escola/sociedade. 
Teorias 
reprodutivistas Ideias de A...
• Essas reflexões vieram mostrar 
Escolas em número 
insuficiente e sem estruturas 
Altos índices de repetência e 
evasão ...
Péssimos salários 
Métodos tradicionais
Tais reflexões afetaram positivamente a postura dos educadores; 
“O magistério é 
um dom e 
sacrifício” 
“Ensinar é um 
s...
• Esse acontecimentos fizeram com que a área de metodologia entrasse num 
processo de fibrilação. 
1° sintoma 
Critica ao ...
“ O ensino brasileiro 
estava se 
transformando em um 
processo cartorial, 
levando os nossos 
alunos a aprender 
nada ou ...
Por um lado, a recuperação do teor politico do ato pedagógico foi 
necessária e produtiva em termos de conscientização e a...
Antes da pergunta “ Como eu devo 
ensinar?” existem duas outras mais 
importantes: “O que eu preciso saber 
para ensinar?”...
Conclusão 
Muitas vezes o professor é alienado e essa 
alienação imposta nem sempre é combatida, pois 
depende do caráter ...
PROFESSOR E O COMBATE A ALIENAÇAO IMPOSTA
PROFESSOR E O COMBATE A ALIENAÇAO IMPOSTA
PROFESSOR E O COMBATE A ALIENAÇAO IMPOSTA
PROFESSOR E O COMBATE A ALIENAÇAO IMPOSTA
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PROFESSOR E O COMBATE A ALIENAÇAO IMPOSTA

594 visualizações

Publicada em

O professor e o combate a alienação imposta escrito por Ezequiel Theodoro da Silva

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
594
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROFESSOR E O COMBATE A ALIENAÇAO IMPOSTA

  1. 1. Universidade Estadual do Maranhão Centro de Estudos Superiores de Caxias Departamento de Química e Biologia Disciplina: Didática O Professor e o Combate a Alienação Imposta Caxias/MA Ezequiel Theodoro da Silva
  2. 2.  Alessandra Maria  Anderson Felipe  Gleiciane Bacelar  Heloísa Regina  Hilda Raianne  Jéssica Vale  Laiane Jancielly  Maiara Sousa
  3. 3. Sobre a obra: palavra iniciais
  4. 4. • Destinada aqueles educadores que, movidos por impulsos transformadores; • Querem concretizar mudanças em sua vidas; • Que não suportam o sufoco da exploração e opressão; • Que não pactuam com a ignorância e mentira; • Que querem lutar pela construção de uma nova sociedade.
  5. 5. “...Aqueles educadores que jamais se acomodaram totalmente ao sistema e desejam ardentemente sair do círculo de alienação que veio e vem de “cima para baixo”.” Fonte: juntos.org.br Fonte: blogdopaulofrancis.blogspot.com
  6. 6. “...Esperar que os acomodados aos cargos e os efeitos ao autoritarismo sirvam como pontes para o processo de mudanças é, em verdade, chover no molhado e prolongar indefinidamente a espera.”
  7. 7. “E em terreno que existe alienação é preciso renovar o solo, encontrar os motivos das desgraças e executar ações corretivas para produzir um magistério digno desse nome.” Fonte: lunaticalunna.blogspot.com
  8. 8. A coisificação do professor
  9. 9. O que significa COISIFICAR 0 professor? Significa triturar a sua consciência de modo a impedi-lo de exercer a prática da liberdade. Ensino não exige trabalho, não é trabalho. Ensino é “bico”, é improvisação, é reprodução de uma realidade estática.
  10. 10. Indiferença Greve Ódio O cerco de estacas ideológicas é fincado quase que invisivelmente ao longo dos anos.
  11. 11. O frenético ritmo de vida do professor, voando de escola para escola à procura do pão, não lhe permite viver com dignidade, fazendo crescer a sua real vocação. A insatisfação se instala e impede o trabalho conscientizador.
  12. 12. Estratégias que visam a coisificação do professor • A nível legal: impede-se a sindicalização; • A nível estrutural: segmenta-se o conhecimento proposto pelas escolas; • A nível intelectual: levanta-se barreiras contra a atualização do professor; • A nível ideológico: prega-se uma só concepção do mundo; • A nível salarial: abaixa-se o preço hora-aula a fim automatizar o trabalho.
  13. 13. A descoisificação do professor: saídas viáveis*
  14. 14. Controle e repressão Burguesia estatal Burguesia legislativa Burguesia administrativa
  15. 15. GREVE: semente que pode germinar bons frutos Transformação da sociedade
  16. 16. Saídas viáveis para a descoisificação do professor • Recuperação da dignidade Professor deve pensar sobre as formas de restauração de sua autoridade moral perante a sociedade. Atualização do conhecimento • Engolir seco ou contestar? O professor deve sair dessa submissão, superando, libertando-se, politizar e conceber uma nova conduta • Busca de uma nova pedagogia Reanalisar às experiências educacionais positivas, avalia-las mediante precisões da realidade social. Novo que fazer educativo
  17. 17. Não pense os professores que um novo projeto educacional, de natureza crítica e transformadora, cairá do céu por obra do Divino. Esperar de braços cruzados, é dar terreno a novas investidas do poder opressor e continuar na submissão.
  18. 18. De como ser um mau professor
  19. 19. • Perca da esperança; • Falta de valorização; • Perca de didática e motivação para com seus alunos
  20. 20.
  21. 21. De como ser um bom professor
  22. 22. • Características eternas e imutáveis; • Postura segundo a metodologia; • Consciência das contradições sociais, luta e superação dessas contradições; • Considerações sobre circunstâncias vividas em seu dia-a-dia
  23. 23. O Pelego do Setor Educacional
  24. 24. Preceitos Éticos Preceitos Morais Os pelegos invadiram a seara educacional, gostaram do lugar e ali se encravaram.
  25. 25. O pelego é:
  26. 26. NA LINGUAGEM DO ADOLESCENTE.
  27. 27. NA LINGUAGEM DO ADULTO Bloqueava a busca de liberdade Hoje, o capital compra consciência O pelego – uma criatura, que na sua aparente indefinição, aciona a máquina da “caguetagem” a fim de obter privilégios do sistema.
  28. 28. No mundo escolar, o desabrochamento e a abrochatura dos pelegos são geralmente facilitados devido, primeiramente, à falta de união e organização da classe dos educadores.
  29. 29. Em Essência: A ganância do “ter” massacra os valores do “ser e conviver”. O pelego é um aparelho ideológico do estado. Subir na vida ou conseguir impor-se pela prática da espionagem. Esquecer conscientemente a sua origem social e preceitos da solidariedade.
  30. 30. • Precipitação Precipitação
  31. 31. Cursos de extensão Aperfeiçoamento Reciclagem de professores
  32. 32. Imposições pedagógicas Tecnicismo Manutenção do status quo Rotina
  33. 33. Educar/ensinar é um ato político Ato pedagógico Objetivos Conteúdos Métodos  Ato reflexivo sobre a prática pedagógica concreta e sobre o social onde ela será aplicada.
  34. 34. Educar/ensinar é um ato político Agência legitimadora das desigualdades sociais Atualização dos professores através de cursos de reciclagem e extensão Imediatismo pedagógico
  35. 35. O estudo do método pedagógico Se faz necessário Estudo dos elementos Verificação da potencialidade Repertório metodológico limitado Consequência direta no aluno
  36. 36. Revolução qualitativa 1. Não ocorre da noite para o dia: 2. Os educadores e os relatos de insatisfação política; 3. Cursos estruturados e não estruturados a partir de interesses difusos; 4. Os educadores atuam fora da escola. Calma Paciência
  37. 37. Professor e autocrítica Conhecer a si mesmo melhor; Identificar potencialidades e necessidades de atualização; Recuperar sua imaginação criadora; Redefinir sua função social. Reciclagem -Quadro de valores do processo educativo -Alienação -Improvisação -Planejamento
  38. 38. Professor e autocrítica Nenhum educador trabalha “no vazio”, operário da cultura, que trabalha e opera a partir de referenciais ou conteúdos selecionados e previstos. Novos conhecimentos Repertório pré-adquirido
  39. 39. Aperfeiçoamento Extensão Formação continuada Reciclagem de professores 1. Quem define a natureza e o teor de um curso de reciclagem? 2. Quem determina a época e a duração de um curso de reciclagem? Estruturação dos cursos
  40. 40. De repente, a consciência das contradições (lances autobiográficos de um educador)
  41. 41. Diálogo com Dermeval Dias Reaprender Bons Professores Influencias do professor Dinâmico Relacionando com a vida
  42. 42. Degradação do ensino 1960, consolidando-se em 1970 Ensino Seriado O professor é uma autoridade no seu campo de conhecimento Escola não se separa da sociedade
  43. 43. Minha primeira experiência no magistério: calamidade...  Curso de Aperfeiçoamento do normal Intimado ás sete da manha, ás oito, uniformizado, estava em uma turma de 40 alunos As crianças estavam com medo e apreensivas Sofrimento á ambos: sem experiência e autoridade fardada
  44. 44. Minha primeira experiência no magistério: calamidade... Quantos professores, ao iniciarem-se no magistério, efetivamente sabem o que e como ensinar? Quantos são concretamente preparados para analisar as consequências de suas opções e do seu trabalho numa escola?
  45. 45. Vivendo as delicias do tecnicismo... “Em educação, um método nunca pode exigir uma importância centralizadora. Com tal, ele é importante e deve ser cultivado com toda perspicácia e profundidade. Mas não pode ser nunca o principio e o fim do esforço educativo.” (Hans Aebli,Prática de ensino,p.20) Um método é melhor que o outro? Criar métodos
  46. 46. A base do método constitui-se de exercícios de repetição e memorização Não critica a pratica Se não seguisse o método da moda era taxado como tradicional. As licenciaturas estão distantes dos cursos de origem (graduação) Estrutura Apendiciforme
  47. 47. Entrada nos recônditos da conscientização Teoria da Educação Interpretação de Gramsci
  48. 48. Revendo a especificidade da função da escola
  49. 49.  Local de estudo ou de acesso à merenda?  Local de aquisição de conhecimento ou de orientação psicoterapêutica?  Local de formação/informação ou de comércio de bijuterias?
  50. 50. Especificidade da função da escola Com o acirramento das contradições do capitalismo (1980- 1990) e reverberações da crise econômica A escola brasileira passou a desempenhar funções Transmissão de conhecimento Técnicas de trabalho Normas e valores de conhecimento
  51. 51. Especificidade da função da escola “Merenda escolar” e a sua natureza. Correlação entre a frequência escolar e a oferta Trabalhadores (Pais) Engolidos pela exploração capitalista
  52. 52. Especificidade da função da escola É melhor oferecer merenda ou deixar as crianças com fome?
  53. 53. especificidade da função da escola Afetam alunos e professores; Professores obtém a necessidade de complementação de salário; Inventam mecanismos para ganhar dinheiro extra
  54. 54. Especificidade da função da escola Autoridades abarrotam as escolas com novas finalidades Impedindo a finalidade específica da escola Ensinar!!! Como as escolas pode arcar com outras responsabilidades? Assistência Social Orientação psicológica Vacinação Alimentação
  55. 55. A metodologia de ensino como uma das dimensões da prática pedagógica
  56. 56. • Amarrada a três fatos:  As lutas travadas pelo povo em direção a democracia;  As reflexões feitas sobre a crise ou ameaça de falência do nosso sistema educacional;  Os questionamentos feitos sobre a necessidade de conscientizaçao e educação dos educadores
  57. 57. • Traz uma visão da educação na Ditadura militar Poder Dominante Eliminação relação escola e sociedade
  58. 58.  não era dever da escola questionar a estrutura social e nem refletir os problemas concretos do povo brasileiro;
  59. 59. • Após 1977 houve a recolocação dos problemas atinentes á relação escola/sociedade. Teorias reprodutivistas Ideias de Antonio Gramsci
  60. 60. • Essas reflexões vieram mostrar Escolas em número insuficiente e sem estruturas Altos índices de repetência e evasão escolar
  61. 61. Péssimos salários Métodos tradicionais
  62. 62. Tais reflexões afetaram positivamente a postura dos educadores; “O magistério é um dom e sacrifício” “Ensinar é um sacerdócio”
  63. 63. • Esse acontecimentos fizeram com que a área de metodologia entrasse num processo de fibrilação. 1° sintoma Critica ao tecnicismo 2° sintoma Conteúdos das escolas 3° sintoma Relação teoria e prática
  64. 64. “ O ensino brasileiro estava se transformando em um processo cartorial, levando os nossos alunos a aprender nada ou coisa alguma durante a sua trajetória escolar.”
  65. 65. Por um lado, a recuperação do teor politico do ato pedagógico foi necessária e produtiva em termos de conscientização e avanço, por outro ela gerou algumas consequências desastrosas para as escolas. “Politicismo” “Ideologia da pressa”
  66. 66. Antes da pergunta “ Como eu devo ensinar?” existem duas outras mais importantes: “O que eu preciso saber para ensinar?” e “Porque e para que ensinar?”
  67. 67. Conclusão Muitas vezes o professor é alienado e essa alienação imposta nem sempre é combatida, pois depende do caráter e dos valores que cada um tem. A todo momento esses educadores se deparam com esse tipo de questão e cabe a eles a decisão de combater ou não. Todavia a educação precisa de educadores que movidos por impulsos transformadores, queiram concretizar mudanças no âmbito educacional.

×