ASSOCIAÇÃO
r
Programa
Socioambientar para a cidadania
R e l a t ó r i o
de Atividades1º Semestre de 2014
acesse: www.socio...
Mês 1 e 2: Março e Abril de 2014
	 O resgate da identidade individual, bem como dos valores
pessoais, é essencial para a c...
Mês 1 e 2: Março e Abril de 2014
No segundo mês de execução do projeto intensificamos as
atividades relacionadas às comuni...
Meses 3 a 7: Março a Julho de 2014
Objetivo 2:
Desenvolvimento de oficinas participativas e reflexivas sobre o Estatuto da...
Meses 3 a 7: Março a Julho de 2014
	 Um momento que merece destaque no tocante ao protagonismo do público atendido foi a
r...
Meses 3 a 7: Março a Julho de 2014
	 Noúltimoencontrodo1ºsemestreasturmasdaSocioambientar
visitaram a Câmara de Vereadores...
O primeiro mês de execução apresentou às formadoras
algumas dificuldades como o desinteresse com relação aos temas
e compo...
Apoio Institucional
Parque Dom Bosco - Itajaí
Equipe do programa Socio Ambientar para a CidadaniaExpediente
Programa Socio...
O Programa Socioambientar para a Cidadania, relatado
nesta newsletter é uma realização da Associação SocioAmbientar.
“A As...
Newsletter SocioAmbientar 2014/1
Newsletter SocioAmbientar 2014/1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Newsletter SocioAmbientar 2014/1

73 visualizações

Publicada em

Boletim informativo elaborado para a Associação SocioAmbientar referente as atividades do 1º Semestre de 2013.

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
73
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Newsletter SocioAmbientar 2014/1

  1. 1. ASSOCIAÇÃO r Programa Socioambientar para a cidadania R e l a t ó r i o de Atividades1º Semestre de 2014 acesse: www.socioambientar.org
  2. 2. Mês 1 e 2: Março e Abril de 2014 O resgate da identidade individual, bem como dos valores pessoais, é essencial para a construção de uma sociedade sadia. Eventos como a desestruturação familiar e a baixa auto- estima impedem que personalidade e inteligência desenvolvam-se por completo, impedindo o bom desenvolvimento da sociedade e dos indivíduos que a constroem. Uma vez que estamos trabalhando com adolescentes em situação de vulnerabilidade social, tratar tais assuntos foi a primeira etapa, para criar a consciência de “quem eu sou e de que forma eu influencio a sociedade com minhas ações”, a começar pela família, e à seguir para as demais esferas de interação social. Através de dinâmicas de apresentação pessoal, sensibilização e fortalecimento dos laços de grupo, foi possível perceber ao final do primeiro mês (março), uma sensível melhora em aspectos como a união do grupo e empatia com as formadoras. É natural que o processo aconteça de maneira gradual, que os resultados cresçam ao decorrer do ano, através da convivência e conseqüente criação de vínculos entre todos os atores do projeto. Foram realizadas rodas de diálogo sobre família, onde os adolescentes puderam compartilhar seu modelo de família, e avaliar as questões que poderiam ser melhoradas. Diversas outras atividades foram propostas; como a pesquisa da origem familiar através de construção de árvore genealógica e observações de modelos familiares para descobrir em quais tipos de família estão inseridos: se consangüínea, adotiva, homo afetiva, matrimonial, se advinda de união estável, entre outras; desafio de escrever cartas amorosas para os entes familiares. Objetivo 1: Realização de oficinas sobre autoconhecimento, relacionamento com a família, comunidade e sociedade com adolescentes em situação de vulnerabilidade social.
  3. 3. Mês 1 e 2: Março e Abril de 2014 No segundo mês de execução do projeto intensificamos as atividades relacionadas às comunidades nas quais os adolescentes atendidos estão inseridos. Estimulamos os adolescentes a lançarem um olhar mais crítico aos locais em que vivem e convivem, a fim de refletirmos sobre o que é bom e o que não é, e o que pode ser melhorado com a nossa participação. A saída de campo ao entorno do Parque Dom Bosco foi essencial e um grande passo na construção do presente objetivo. Divididos em grupos, os educandos puderam observar elementos como a presença de resíduos sólidos, ambientes naturais e infra-estrutura. Ao realizarem o registro escrito e fotográfico (para posterior exposição fotográfica) os adolescentes fizeram uma roda de diálogo onde compartilharam suas impressões sobre o bairro, através da leitura de paisagem coletiva. Tal atividade contribuiu com a construção de pensamento crítico em relação ao local onde vivemos, e nossa responsabilidade perante as problemáticas sociais e ambientais.
  4. 4. Meses 3 a 7: Março a Julho de 2014 Objetivo 2: Desenvolvimento de oficinas participativas e reflexivas sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, Cidadania, Democracia Participativa e sociedade, com adolescentes em situação de vulnerabilidade social. O estímulo ao protagonismo dos adolescentes iniciou no primeiro mês de execução do projeto, ao apresentar os trabalhos produzidos nas oficinas e ao expor opiniões e dúvidas nas rodas de diálogo. Dessa forma se inicia o protagonismo infanto juvenil; primeiro em sala de aula, para que depois sejam protagonistas em outros espaços sociais e no exercício dos direitos e deveres. Quando os educandos têm acesso aos seus direitos e deveres, quando manuseiam e descobrem os textos presentes na CF/88, quando conhecem exemplos de cidadãos que participam das decisões políticas, passam a se perceber como sujeitos de Direito e descobrem que podem ser protagonistas na história de suas próprias vidas e dos locais em que vivem. Um tema especial chamou a atenção no mês de maio: o ativismo socioambiental. Os adolescentes conheceram diversos exemplos de ativistas brasileiros, de várias áreas, que lutaram ou lutam para que os direitos fundamentais sejam preservados. A exibição do filme “Uma história de amor e fúria”, animação brasileira que conta a saga de um homem que vive durante 600 anos no Brasil e luta pelos direitos de grupos de minoria como indígenas, escravos e famílias em situação de vulnerabilidade social, econômica e ambiental, fez com que os educandos refletissem sobre a importância da participação popular no passado, presente e futuro do país.
  5. 5. Meses 3 a 7: Março a Julho de 2014 Um momento que merece destaque no tocante ao protagonismo do público atendido foi a realização da exposição fotográfica “Fiscal Socioambiental”. Além de realizarem os registros fotográficos, os adolescentes foram responsáveis pela organização da exposição, bem como acompanhar a visitação das demais turmas do Parque Dom Bosco. Um momento especial onde todos foram protagonistas, cada qual na área e momento em que mais se sentiu a vontade.
  6. 6. Meses 3 a 7: Março a Julho de 2014 Noúltimoencontrodo1ºsemestreasturmasdaSocioambientar visitaram a Câmara de Vereadores de Itajaí. A Teoria dos Três Poderes, que vinha sendo trabalhada nas oficinas, ganhou um aspecto prático e mais real para os adolescentes. Através de um bate papo descontraído com um dos vereadores em exercício, os adolescentes compreenderam quais as funções do vereador, e fizeram perguntas sobre a rotina de um representante do Poder Legislativo. A atividade vivencial enriquece os temas desenvolvidos em sala e também promove a conscientização do próprio adolescente enquanto um ator social e político, bem como seu direito de transitar pela Casa do Povo.
  7. 7. O primeiro mês de execução apresentou às formadoras algumas dificuldades como o desinteresse com relação aos temas e comportamento. O estranhamento é natural pois os adolescentes são convidados a utilizar reflexões e a agir, afastando-os da condição de inércia intelectual. A princípio sensíveis, os laços fortaleceram-se ao decorrer do semestre, tanto na relação dos adolescentes entre si, como na forma de lidar com as educadoras. O desconforto inicial tornou-se uma relação de confiança, através dos trabalhos em grupo e das dinâmicas. Ao quarto mês de execução do projeto os educandos já se mostravam mais abertos e interessados nas atividades. O sistema político do país, os objetivos, fundamentos, direitos e garantias fundamentais já começaram a ser trabalhados. Tais diálogos foram valiosos para que os adolescentes questionem de forma crítica os problemas socioambientais do país, e sintam- se responsáveis pelo diagnóstico, e pela solução dos desafios encontrados. Considerações Finais
  8. 8. Apoio Institucional Parque Dom Bosco - Itajaí Equipe do programa Socio Ambientar para a CidadaniaExpediente Programa Socio Ambientar para a Cidadania Sabrina Schneider Função: Coordenadora Pedagógica e Formadora Área de Formação: Direito Isabela David Função: Formadora Área de Formação: Ciências Biológicas e Ensino de Ciências Aghata Gonsalves Função: Coordenadora Administrativa Área de Formação: Administração Pública Apoio Financeiro: Apoio Institucional: As oficinas são realizadas sempre às terças-feiras e contam com 48 educandos participantes. As idades variam entre 12 e 13 anos. Eles realizam atividades de informática na Instituição parceira (Parque Dom Bosco) no período de contra turno escolar. São adolescentes que estão passando por um período de transição; a maioria é de classe média-baixa e encontra-se em situação de vulnerabilidade social. O objetivo geral do Programa é Promover a participação de adolescentes nas decisões políticas do município de Itajaí, através da participação e reflexão nos espaços dos Conselhos Municipais da Criança e do Adolescente e do Conselho Municipal da Educação. EmAgostoinicia-seasegundametadedoprograma.Oobjetivo agora é proporcionar a participação dos adolescentes nas reuniões do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e do Conselho Municipal da Educação de Itajaí. Paralelo à essas vivências, vamos intermediar a reflexão dos adolescentes em sala, sobre os assuntos tratados nas reuniões municipais.
  9. 9. O Programa Socioambientar para a Cidadania, relatado nesta newsletter é uma realização da Associação SocioAmbientar. “A Associação SocioAmbientar tem por finalidade(s) a promoção gratuita da educação, observando-se a forma complementar de participação das organizações de que trata esta lei; defesa, preservação e conservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; promoção do voluntariado; promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia, do esporte e saúde, da cultura e de outros valores universais; estudos e pesquisas técnico-científicos, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos que digam respeito às atividades acima”. (Estatuto Social da Associação SocioAmbientar). MISSÃO: Promover transformação socioambiental por meio da educação não formal a crianças e adolescentes, sobre os temas cidadania e meio ambiente. VISÃO: Tornar-se referência no terceiro setor, deixando às futuras gerações um legado de comprometimento socioambiental. VALORES: Respeito – Integração – Humildade – Compaixão – Solidariedade – Transparência – Ética – Cooperação – Equilíbrio. ASSOCIAÇÃO r Associação SocioAmbientar CNPJ: 15.470.028/0001-60 Rua Julio Kumm, 515 – Praia Brava – Itajaí/SC Elaboração deste documento: Bolívar Hetzer Salerno acesse: www.socioambientar.org

×