Fazer o bem e evitar o mal

275 visualizações

Publicada em

Um «a história para refletir...

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
275
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fazer o bem e evitar o mal

  1. 1. Fazer o bem e evitar o mal Trabalho realizado por: Tomaz Moura Soares, Nº 30 Colégio Marista de Carcavelos
  2. 2. Uma raposa era perseguida por caçadores. Passando por isto, desesperada fugiu para uma floresta e subiu a uma árvore. Em cima da árvore, a raposa encontrou um pardal escondido entre as folhas. Ao ver o pardal a raposa perguntou: - O que fazes aí escondido? - Estou escondido dos caçadores que andam a caçar nesta floresta. - A sério? Também eu. - exclamou a raposa. - Chiu! Cala-te, eles vêm aí. – Pediu o pardal. Os caçadores não os viram, pois aqueles dois estavam muito bem escondidos. 2
  3. 3. Fugiram os dois para a aldeia mais próxima. Ao chegarem à aldeia foram para a casa do padeiro Carl. O pardal mais aliviado perguntou à raposa: - Como te chamas? - Betty, e tu? - Eu chamo-me Tom. - Que bonito nome. Queres ser minha amiga?- perguntou o pardal. - Claro! Já agora não te cheira bem? - Sim agora que falas nisso cheira muito bem!- exclamou o pardal. - Cheira a pão!- festejou a raposa pois estava cheia de fome. - Vamos comer! 3
  4. 4. Deliciados, não conseguiram parar e o padeiro Carl estava mesmo a observar tudo. - Para onde é que estás a olhar!? - Vocês falam!- exclamou o padeiro. - Sim pois, mas podes fazer-nos um grande favor?- perguntaram em coro. - Qual é? - Podias esconder-nos dos caçadores. Eles daqui a nada vão aparecer, vão perguntar se nos viram. - Sem problemas! – respondeu o padeiro. - Muito obrigado!- exclamaram os dois mais aliviados. Os caçadores passaram e o padeiro Carl não lhes falou. - Obrigado! Se não fosses tu já estávamos na barriga de alguém! 4
  5. 5. Depois, fugiram os dois para chaminé da casa do policia Eduardo, que estava bastante doente. Ele estava a dormir num sono bastante pesado, pois eles caíram na cozinha e acertaram num monte de panelas e o policia não acordou sequer. Mais aliviados aproveitaram para tomar banho e “satisfazerem” as suas vontades. Passados uns minutos, os caçadores bateram à porta. O policia acordou e disse-lhes: - Eu, animais em casa? A minha mulher e eu achamos-lhes repugnantes! São porcos e sujos. Nunca deixaria tal coisa! - Ok acalme-se já percebemos que esses animais não estivem em sua casa.- disseram os caçadores. Cansados de tanta correria foram os dois para a casa mais próxima, a casa do lenhador. 5
  6. 6. Entraram pela janela e perguntaram-lhe assim: - Será que nos pode ajudar a esconder dos caçadores? - Ah! Vocês falam… - Sim claro! Mas pode dizer se nos ajuda a esconder-nos dos caçadores. - Sim ajudo, mas só com uma condição! - E qual é? - Tem de me ajudar a roubar as moedas de ouro que estão no baú do governador da aldeia! - Está loco- diziam um para o outro espantados. - Nunca! Terás de o fazer sozinho!- disseram eles. - Então está bem. Não vos vou ajudar, até vou fazer o contrário, vou dizer onde vocês estão! 6
  7. 7. - Está bem, nós escondemo-nos sem a tua ajuda. A raposa e o pardal como já sabiam que ele iria contar foram os dois esconder-se nas traseiras. Com tanta pressa a raposa ficou com a cauda presa num grande tronco e o pardal com a asa nuns galhos e paus. Ficaram ali presos. Passados 10 minutos e os dois ainda presos e a tentarem salvar- se os caçadores bateram à porta do lenhador. - Por a caso não viu uma raposa de tamanho médio e um pardal comum?- perguntaram os caçadores. - Sim, vi estão os dois na garagem. Os caçadores estavam quase a apanhá-los, mas nesse momento o lenhador tirou-os dali e deu-os diretamente aos caçadores. 7
  8. 8. Ai mesmo a raposa mordeu um deles pois ela tinha os dentes bem afiados e pardal fazia cocegas com as suas penas macias. Conseguiram fugir e prometeram que jamais se separariam. 8
  9. 9. 9

×