SUMÁRIO
A Revolta
Por Claudio Barbosa
Era uma vez, uns ratos que
viviam em uma casa, que onde
também morava um gato; eles
estavam muito aborrecidos de tanta
ins...
Jovem e Juventino
Por Ddijane Vieira
Em um lugar muito distante do centro, numa cidadezinha do
interior morava em uma casinha muito modesta um casal de
senhore...
Jovem chegou a um lago e resolveu parar para se banhar, ao
descer do cavalo avistou uma jovem mulher muito bonita amarrada...
Os dois se casaram e um belo dia ao olhar da janela de sua
casa Jovem viu uma fumaça ao longe e perguntou a sua esposa:
­ ...
Assim que Jovem amarrou o cabelo a velhinha que
na verdade era uma fera, falou:
­ Se transforma meu cabelo numa forte corr...
Chegando lá a velhinha apareceu e ofereceu os cabelos para prender a espada
dele. Joventino fingiu amarrar e quando a ferr...
O Chupa­Cabra
Por Denilton Santos
Um dia conversando com meus amigos na rua, descobri o nome de um
bicho que estava deixando todo mundo, de adulto a criança...
A partir desse dia, todo mundo só falava de Chupa­cabras. Na televisão
jornais e programas entrevistavam pessoas que havia...
Certa noite, ouvimos dizer que o Chupa­cabras havia chegado a
Brasília e como lá não existem cabras em todos os lugares, o...
Caipora
Por Marcelo de Jesus
Ainda na infância, Santo Amaro era o destino das minhas férias. Lá morava
parte da minha família, entretanto era na casa d...
Lembro-me muito bem da vez em que um homem foi à floresta e
assoviou para provocar a caipora, ele não acreditava nela, e p...
Muitas foram as histórias que adentravam na noite. Histórias como
esta me tiravam o sono, e eu só conseguia dormir quando ...
A História do Boto
Por Raiane Novais
Essa historia é sobre um cão chamado Boto. Quando meu pai era
criança e a rua ainda não era asfaltada, os moleques faziam ...
Novamente a molecada nem ligou. O cachorro continuou latindo,
um latido muito forte e insistente. Quando D. Nira percebeu ...
Algum tempo depois, quando os meninos já não eram tão meninos
assim e a ladeira já não era mais de barro, uma notícia muit...
Livro das Histórias Populares
Livro das Histórias Populares
Livro das Histórias Populares
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Livro das Histórias Populares

1.152 visualizações

Publicada em

Trabalho Realizado para a disciplina Literatura e Educação no Departamento de Educação - Campus I na Universidade do Estado da Bahia.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.152
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro das Histórias Populares

  1. 1. SUMÁRIO
  2. 2. A Revolta Por Claudio Barbosa
  3. 3. Era uma vez, uns ratos que viviam em uma casa, que onde também morava um gato; eles estavam muito aborrecidos de tanta insistência do gato em persegui-los; resolveram fazer uma assembleia para terminarem de vez com esse problema que tanto os incomodavam.
  4. 4. Jovem e Juventino Por Ddijane Vieira
  5. 5. Em um lugar muito distante do centro, numa cidadezinha do interior morava em uma casinha muito modesta um casal de senhores que tinham dois filhos gêmeos, Jovem e Joventino. Eles criavam dois cavalos, viviam de maneira muito simples, sem luxos, nem uso de tecnologias muito avançada e todos se amavam muito. Ao completar 18 anos os dois meninos resolveram que queriam sair para conhecer o mundo. Isto causou muita tristeza aos seus pais que choraram bastante até se conformar. Antes que os filhos fossem embora eles lhes deu de presente uma espada mágica. E lhes disseram: ­ Filhos nunca se separem destas espadas, porque elas os livrarão de todos os perigos. Jovem e Joventino seguiram a estrada, cada um com seu cavalo, conheceram muitos lugares e pessoas, passaram por muitas experiências novas, até que um belo dia enquanto andavam por um caminho apareceu uma bifurcação e cada um queria seguir por um lado. Tomaram a decisão de se separar e Joventino disse ao irmão: ­ Irmão nos separamos aqui, mas se você correr perigo a minha espada pingará sangue e se eu correr perigo a sua espada pingará sangue. Seguiram então, cada um por um lado.
  6. 6. Jovem chegou a um lago e resolveu parar para se banhar, ao descer do cavalo avistou uma jovem mulher muito bonita amarrada a um banco próximo ao lago. Desamarrou­a e perguntou o motivo de ela estar ali daquela maneira, ao que ela respondeu. ­ Você não pode me desamarrar, estou aqui para salvar meu povo. Existe uma fera muito poderosa que ameaçou matar a todos em meu reino se não me dessem em sacrifício. Enquanto os dois conversavam a fera aproximou­se. Jovem então ordenou à sua espada: ­ Corta minha espada em sete línguas de carne esta fera. A espada então cortou a fera em sete pedaços. Ao ver o que aconteceu a jovem ficou muito agradecida, pois Jovem não tinha salvado apenas sua vida e sim a de todo um povoado. Jovem levou a moça para casa. Ao chegar lá, descobriu que ela era a princesa do reino e seu pai, o rei, permitiu que os dois se casassem.
  7. 7. Os dois se casaram e um belo dia ao olhar da janela de sua casa Jovem viu uma fumaça ao longe e perguntou a sua esposa: ­ Amor o que é aquela fumaça? A esposa respondeu: ­ Aquela é a fumacinha da Fera do Vai Não Torna. Lá é muito perigoso, ninguém jamais foi até lá e retornou. Após ouvir a história contada pela esposa, Jovem resolveu que ia àquele lugar. Mesmo sob os protestos de sua amada, arrumou suas coisas e partiu em viagem. Ao chegar lá encontrou uma senhora de cabelos muito longos que lhe falou de maneira muito simpática: ­ Ô meu filho, você por aqui? Ele respondeu: ­Eu por aqui minha vozinha. Posso chegar a frente? Ela falou: ­ Tenho medo do seu animal e de sua espada. Posso te dá um fio do meu cabelo para que você os prenda? Daí ficarei mais tranquila. Jovem acreditando na bondade da velhinha e no fato de que um fio de cabelo nunca seguraria realmente a espada e o cavalo, então, aceitou a proposta.
  8. 8. Assim que Jovem amarrou o cabelo a velhinha que na verdade era uma fera, falou: ­ Se transforma meu cabelo numa forte corrente de bronze. Assim Jovem ficou preso com a Fera do Vai não Torna. No mesmo momento a espada de Joventino pingou sangue. Quando Joventino foi procurar o irmão descobriu que ele havia se casado, pois ao chegar à cidade a esposa de Jovem correu para ele muito alegre pensando ser seu marido. Joventino fingiu ser Jovem para descobrir o que tinha acontecido. Na manhã seguinte chegando à janela e avistando a fumaça perguntou a mulher do que se tratava. Ela ficou confusa, perguntando se ele não tinha ido até lá. Joventino percebeu onde seu irmão estava e seguiu viagem.
  9. 9. Chegando lá a velhinha apareceu e ofereceu os cabelos para prender a espada dele. Joventino fingiu amarrar e quando a ferra ordenou que o cabelo se transformasse em corrente de bronze ele gritou. ­ Corta minha espada em sete línguas de carne esta ferra. A espada cortou a fera em sete pedaços e Joventino salvou seu irmão. Ao voltar para casa, a esposa de Jovem ficou surpresa ao ver os dois. Os irmãos resolveram não mais se separar e foram buscar os pais para morar ali naquele reino com eles.
  10. 10. O Chupa­Cabra Por Denilton Santos
  11. 11. Um dia conversando com meus amigos na rua, descobri o nome de um bicho que estava deixando todo mundo, de adulto a criança preocupados. O nome desse tal bicho era "CHUPA­CABRA. O Chupa­cabra era um bicho que ninguém via, ela só andava de noite e atacava as cabras a noite para chupar o sangue delas. Em outro dia, assistindo a um programa na televisão, vi uma reportagem que fala que alguém havia visto o Chupa­cabra e que inclusive haviam criado um retrado­falado dele. Segundo o retrado, o Chupa­cabras era um bicho horrivel com grandes dentes e olhieras de cachorro. Ele não atacava humanos, somente as cabras.
  12. 12. A partir desse dia, todo mundo só falava de Chupa­cabras. Na televisão jornais e programas entrevistavam pessoas que haviam visto o bicho. As pessoas diziam que ele parecia o lobisomen , outros diziam que ele parecia um cachorro. As canais de noticias apresentavam os locais onde o Chupa­cabras havia passado e atacado, mostravam as fotos das cabras sem vida. Lembro que comecei a ficar com medo, quando soube que o Chupa­ cabras estava atacando cabras de diferentes regiões do país e que parecia estar caminhando em direção ao meu estado, pois estava ficando constante o número de relatos de cabras mortes e que seguiam sempre para Brasília ­ cidade onde morava. A polícia começava a procurar o bicho, as conversas sobre o surgimento do Chupa­cabras estavam sendo debatidas nas escolas e nas casas. Uma dessas histórias dizia que na verdade o Chupa­cabras era um homem que matou toda a sua família e que perambúla por ai matando as cabras para se livrar do sofrimento. Outra história da origem do Chupa­cabras diz que ele era também um homem e que toda noite se transforma em um bicho que precisa de sangue para sobreviver.
  13. 13. Certa noite, ouvimos dizer que o Chupa­cabras havia chegado a Brasília e como lá não existem cabras em todos os lugares, o bicho resolver matar cachorros. Foram vários cachorros mortos em vários pontos da cidade. Mas isso foi por pouco tempo, pois em um dia, todos estavamos assistindo televisão para saber notícias do Chupa­cabras, quando passou que moradores haviam encontrado e tentado matá­lo. Só que ele conseguiu fugir. Depois desse dia, nunca mais o Chupa­cabras apareceu e ninguém teve notícias de cabras ou cachorros mortos.
  14. 14. Caipora Por Marcelo de Jesus
  15. 15. Ainda na infância, Santo Amaro era o destino das minhas férias. Lá morava parte da minha família, entretanto era na casa da minha tia Dina que eu sempre me hospedava. Com meus três primos a diversão era garantida, especialmente quando minha tia e meu tio iam trabalhar à noite. Nestas noites ficávamos até tarde brincando, assistindo televisão e contando histórias. Eu sempre fui o mais medroso dos quatro e meus primos se faziam valer desta minha característica para se divertirem às minhas custas. A hora das histórias era uma excelente oportunidade a qual eles nunca perdiam, as histórias que me contavam sempre me faziam tremer e os sustos eram sempre seguidos de longas risadas, até que eu pedisse para a brincadeira parar aos prantos e debulhados em lágrimas que corriam como cascata. As histórias que meus primos contavam sempre tinham como cenário o morro que dava pra ser visto da casa da minha tia, logo depois de umas casinhas que ficavam atrás do trilho do trem. O morro era perto, e a vegetação que o cobria além de dar margem às partes mais assustadoras das histórias me fazia acreditar que a qualquer hora o lobisomem, a caipora, a mula sem cabeça ou outros seres horripilantes poderiam vir me pegar a qualquer momento, pois sempre estavam atrás de pessoas medrosas, teimosas ou meninos traquinas.
  16. 16. Lembro-me muito bem da vez em que um homem foi à floresta e assoviou para provocar a caipora, ele não acreditava nela, e por isto fora a floresta provar sua inexistência. A caipora só apareceria se a pessoa assoviasse três vezes, e assim ele o fez. Eis que então ao terceiro assovio, o mato em volta do homem se fechou, ficando com as folhas duras como aço e cortantes como vidro. O homem tentara sair a todo custo, sem sucesso, se cortando cada vez mais. Desprecavido, ele não levara fumo, alho ou pedaços de galinha (especiarias que tanto agradavam a caipora que ela libertava quem a agraciava com tais oferendas). O homem continuou tentando sair, correndo pelo mato que mais parecia um labirinto, se cortando, chorando, gritando, pedindo ajuda, chamando pela sua mãe, mas ninguém o ouvia, apenas a caipora. O homem ficou preso por muito tempo, até que seus amigos, sentindo sua falta foram procurá-lo e ao perceber a formação peculiar da vegetação colocaram num toco de árvore fumo e um pedaço de galinha cozida. Aos poucos a mata foi voltando ao normal e eles puderam resgatar o homem que já estava em desespero há muito. Nunca mais ele duvidou da existência dos seres da floresta, bem como nunca mais adentrou naquele lugar. Até hoje ele tem o corpo todo marcado, e quando as pessoas o perguntam ele conta a história horripilante que lhe ocorrera.
  17. 17. Muitas foram as histórias que adentravam na noite. Histórias como esta me tiravam o sono, e eu só conseguia dormir quando meus tios chegavam. Hoje damos risadas de tudo isto, mas na época... Lembreime agora da vez em que o lobisomem foi perseguiu o menino chorão, porém esta história fica para outra vez.
  18. 18. A História do Boto Por Raiane Novais
  19. 19. Essa historia é sobre um cão chamado Boto. Quando meu pai era criança e a rua ainda não era asfaltada, os moleques faziam muita bagunça. Corriam feito loucos na ladeira de barro. Nessa rua tinha uma vizinha, chamada Dona Nira. Ela vivia incomodada com a correria da molecada. Toda vez que os meninos desciam alvoroçados pela ladeira a dona Nira gritava do portão: –Não quero molequeira na minha porta, meninos danados da peste! Mas os garotos pareciam não se importar. Muito incomodada com essa situação, dona Nira resolveu fazer queixa aos familiares dos meninos e, apesar deles terem recebido muitos castigos, continuaram a fazer as mesmas brincadeiras. Um dia fazendo algazarra próximo a casa da vizinha, os meninos ouviram latidos insistentes vindo do portão. Era um cão. Parecia ser um cão bravo mas, como o cachorro estava preso, eles nem deram muita importância e continuaram a brincar. Outro dia, muito chateada com a bagunça dos meninos, a vizinha voltou a gritar do portão: –Não quero molequeira na minha porta! Se vocês não saírem, vocês vão ver! Vou soltar o Boto pra pegar vocês “tudinho”, seus “peste”!
  20. 20. Novamente a molecada nem ligou. O cachorro continuou latindo, um latido muito forte e insistente. Quando D. Nira percebeu que os garotos não tinham se importado com o aviso, começou a liberar os trincos do portão. Dessa vez, diante do cão desconhecido a molecada começou a correr desesperadamente para suas casas. Foi aquela gritaria! Foi menino pulando muro, menino pulando janela e aquele fuzuê. Nem sequer olharam para trás. Desde esse evento, os meninos passaram a evitar brincar nas proximidades da casa da dona Nira.
  21. 21. Algum tempo depois, quando os meninos já não eram tão meninos assim e a ladeira já não era mais de barro, uma notícia muito triste é recebida pelos moradores: Dona Nira havia falecido. Sem parentes próximos e sem muitos amigos, a única coisa que restou da vizinha ranzinza foi o tal do cão Boto. Com a morte dela, os amigos inevitavelmente acabaram por reviver a história do cão e deram muitas gargalhadas ao lembrar-se das brincadeiras da infância e do quanto eles tinham medo daquele cachorro. Diante da situação, eles chegaram a conclusão de que Boto, fazia parte daquele grupo tanto quanto cada um deles e por isso todos se comprometeram a cuidar do pobre cachorro até o último dia da vida dele.

×