Poesia
CoralinaPoeminha AmorosoEste é um poema de amortão meigo, tão terno, tão teu...É uma oferenda aos teus momentosde luta e d...
Revista Isto É d e 1 4/ 1 / 984                       1 1                                         N asceu prem aturo e car...
Poem inho d o C ontra  Tod os esses que aí estãoAtravancand o m eu cam inho,      Eles passarão...      Eu passarinho!   (...
•Expressou em sua obra as angústias e contradições do mundo moderno. Trabalhou como tradutor autônomos     em escritórios ...
Cecilia Meireles
Poesias infantis    •   O mosquito escreve        O mosquito pernilongo     trança as pernas, faz um M,    depois, treme, ...
Poesias infantis            •    O cavalinho branco               À tarde, o cavalinho branco                  está muito ...
Como a poesia é considerada.MoralizantePequenininhaTemas patrióticosAssuntos piegasA poesia tem que ser antes de tudo muit...
Brincando com as as palavras           Brincando com               palavras    Ludicidade verbal, sonora , musical,    eng...
Cecília Meireles                                           “Moda da menina trombuda”                                      ...
Ritmo  Musical  Falado Corporal   ForteCadenciado Marcado
A poesia e sensações
Poesia que provoca e envocasensações trazidas na reminiscênciae na vivência do leitor. “A espuma escreve com letras de alg...
Cantigas de roda são recheadas de              poesia
A poesia e os sonhos   Fazem surgir no leitor avisualização de seus própriosanseios ou idéia de felicidade, através de son...
A poesia e as emoçõesPoesia fala sobretudo deemoções... De sentimentosvividos, sentidos,provocados.
“O pirataO menino brinca de piratasua espada é de ouroSua roupa de prata .Atravessa os sete maresEm busca do grande tesour...
A poesia e a vivencia infantil
Relato duma saudade próxima àcriança, sentimento que permitetoda sorte de viagens imaginariaspara dentro e para fora dela ...
A poesia narrativaNa nossa literatura infantil, há inúmeras narrativascontadas sobre forma de verso. Rimadas, melodiosas,o...
A prosa poéticaMuitas histórias infantis brasileiras podemser desfrutadas de pura prosa poética.
Sugestões de livros, cds e umahomenagem à Mario Quintana
Biografia         *07/11/1901 +09/11/1964               Década de 20             Biblioteca Infantil        Academia Brasi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação poesia1

2.102 visualizações

Publicada em

Feito no curso de pedagogia na Universidade do Estado de Santa Catarina

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.102
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
284
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação poesia1

  1. 1. Poesia
  2. 2. CoralinaPoeminha AmorosoEste é um poema de amortão meigo, tão terno, tão teu...É uma oferenda aos teus momentosde luta e de brisa e de céu...E eu,quero te servir a poesianuma concha azul do marou numa cesta de flores do campo.Talvez tu possas entender o meu amor.Mas se isso não acontecer,não importa.Já está declarado e estampadonas linhas e entrelinhasdeste pequeno poema,o verso;te deixará pasmo, surpreso, perplexo...eu te amo, perdoa-me, eu te amo!!!
  3. 3. Revista Isto É d e 1 4/ 1 / 984 1 1 N asceu prem aturo e carregou esteN asci em Alegrete, em 30 d e com plexo até d escobrir que Isaacjulho d e 1 906. N ewton tam b ém , tratou logo d eM inha vid a está nos m eus d eixar isso d e lad o. U m poetapoem as, m eus poem as são eu satisfeito n ão satisfaz. D izem quem esm o, nunca escrevi um a sou tím id o. N ad a d isso! sou évírgula que n ão fosse um a calad ão, introspectivo. N ão seiconfissão. Ah! m as o que porque sujeitam os introvertid os aquerem são d etalhes, cruezas, tratam entos. S ó por n ão pod eremfofocas... Aí vai! Estou com 78 ser chatos com o os outros?anos, m as sem id ad e. Id ad es só Exatam ente por execrar a chatice,h á d uas: ou se está vivo ou a longuid ão, é que eu ad oro am orto. N este últim o caso é id ad e síntese. O utro elem ento d a poesiad em ais, pois foi-nos prom etid a a é a busca d a form a (n ão d a fôrm a),Eternid ad e. a d osagem d as palavras.
  4. 4. Poem inho d o C ontra Tod os esses que aí estãoAtravancand o m eu cam inho, Eles passarão... Eu passarinho! (Prosa e Verso, 1 978) Falece, em Porto Alegre, no d ia 5 d e m aio d e 1 994, próxim o d e seus 87 anos. Escreveu Q uintana: "Am igos n ão consultem os relógios quand o um d ia m e for d e vossas vid as... Porque o tem po é um a inven ção d a m orte: n ão o conhece a vid a - a verd ad eira - em que basta um m om ento d e poesia para nos d ar a eternid ad e inteira".
  5. 5. •Expressou em sua obra as angústias e contradições do mundo moderno. Trabalhou como tradutor autônomos em escritórios comerciais. •1912-1914 criou seus principaisheterônimos: Alberto Caeiro, Álvaro deCampos e Ricardo Reis. Que elaborou com minúcia suas biografias e características.•Publicou em vida apenas duas obras, mas deixou uma vasta produção. A partir de 1942 são publicadas suas outras obras.•Forma de se expressar e contemplaras diversas multiplicidades pessoais e plurais do ser humano.
  6. 6. Cecilia Meireles
  7. 7. Poesias infantis • O mosquito escreve O mosquito pernilongo trança as pernas, faz um M, depois, treme, treme, treme, faz um O bastante oblongo, faz um S.   • O mosquito sobe e desce. Com artes que ninguém vê, faz um Q, faz um U, e faz um I.   • Este mosquito esquisito cruza as patas, faz um T. E aí, se arredonda e faz outro O, mais bonito.   • Oh! Já não é analfabeto, esse inseto, pois sabe escrever seu nome.   • Mas depois vai procurar alguém que possa picar, pois escrever cansa, não é, criança?   • E ele está com muita fome.
  8. 8. Poesias infantis • O cavalinho branco À tarde, o cavalinho branco está muito cansado:   • Mas há um pedacinho do campo onde é sempre feriado.   • O cavalo sacode a crina loura e comprida   • e nas verdes ervas atira sua branca vida.   • Seu relincho estremece as raízes e ele ensina aos ventos   • A alegria de sentir livre seus movimentos.   • Trabalhou todo o dia, tanto! Desde a madrugada!   • Descansa entre as flores, cavalinho branco, de crina dourada!
  9. 9. Como a poesia é considerada.MoralizantePequenininhaTemas patrióticosAssuntos piegasA poesia tem que ser antes de tudo muitoboa
  10. 10. Brincando com as as palavras Brincando com palavras Ludicidade verbal, sonora , musical, engraçada. “ A galinha “Dia de festaE tudo que lá havia, e tudo o Todo o ovo que eu botoque havia lá que se chamasse Me chocoalegria que se chamasse poesiaSó sabia o sabiá. De novo.Ouçam como ele assobia Todo ovo é a cara é a claraassobia o sabiá Do vovôSidônio MURALHA Chico Buarque de holanda
  11. 11. Cecília Meireles “Moda da menina trombuda” É a moda muda da menina trombuda que muda de modos e dá medo (A menina mimada!) É moda da menina muda que muda de modos e já não é trombuda. ( A menina amada!) Bartolomeu Campos de Queiros. Raul e luar Mesmo nome escrito de duas maneiras diferentes Neste belo poema gráfico, ele fazum paralelo entre RAUL /menino que gosta do luar / luz da lua no luar.
  12. 12. Ritmo Musical Falado Corporal ForteCadenciado Marcado
  13. 13. A poesia e sensações
  14. 14. Poesia que provoca e envocasensações trazidas na reminiscênciae na vivência do leitor. “A espuma escreve com letras de alga o sonho de Olga A espuma escreve com algas na água o sonho de Olga” Ricardo de Azevedo
  15. 15. Cantigas de roda são recheadas de poesia
  16. 16. A poesia e os sonhos Fazem surgir no leitor avisualização de seus própriosanseios ou idéia de felicidade, através de sonhos, desejos,vontades que são retratados.
  17. 17. A poesia e as emoçõesPoesia fala sobretudo deemoções... De sentimentosvividos, sentidos,provocados.
  18. 18. “O pirataO menino brinca de piratasua espada é de ouroSua roupa de prata .Atravessa os sete maresEm busca do grande tesouro.” Roseana Murray
  19. 19. A poesia e a vivencia infantil
  20. 20. Relato duma saudade próxima àcriança, sentimento que permitetoda sorte de viagens imaginariaspara dentro e para fora dela própria Relato duma saudade próxima à criança,.sentimento que permite toda sorte deviagens imaginárias para dentro e parafora dela própria.
  21. 21. A poesia narrativaNa nossa literatura infantil, há inúmeras narrativascontadas sobre forma de verso. Rimadas, melodiosas,obedecendo à cadencia escolhida pelo autor.
  22. 22. A prosa poéticaMuitas histórias infantis brasileiras podemser desfrutadas de pura prosa poética.
  23. 23. Sugestões de livros, cds e umahomenagem à Mario Quintana
  24. 24. Biografia *07/11/1901 +09/11/1964 Década de 20 Biblioteca Infantil Academia Brasileira de Letras• ABROMOVICH,Fanny.Literatura infantil:Gostosuras e bobices.São Paulo:Scipione,1995.

×