Recomendacoes tecnicas

395 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Recomendacoes tecnicas

  1. 1. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE QUESTÕES. Salvador 2011 SA-UAN Versão. 00
  2. 2. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Prezados (as) Professores (as) A avaliação constitui-se uma ação imprescindível para o desenvolvimento do processo de ensino aprendizagem, já que possibilita a obtenção de informações para a tomada de decisões que conduzam ao bom andamento do processo educacional. Nesta perspectiva, para os estudantes da área de saúde, a avaliação sistemática pode ser considerada o termômetro que possibilita a confirmação do estado em que se encontram os elementos envolvidos. E como é meta de todo mestre trabalhar em prol da educação, apresentamos este Guia de Recomendações Técnicas para a elaboração de questões, com o intuito de promover o aprimoramento da ação docente, na medida em que objetiva contribuir para que o momento da elaboração de questões de avaliação seja reflexivo e objetivo, expressando o processo avaliativo como ação para a aprendizagem. Saudações Pedagógicas, Profªs Ana Cristina Barbedo e Gidélia Alencar. SA-UAN Versão. 00
  3. 3. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA O que dizer da prática da avaliação? Do ponto de vista conceitual, a prática da avaliação é a mesma para qualquer nível de ensino. O que as diferenciam são as práticas metodológicas e técnicas que necessitam ser adequadas aos diversos níveis de ensino e aos diversos tipos de conteúdos e práticas. (Luckesi, 2000). O tipo de instrumento a ser elaborado para a verificação da aprendizagem depende da natureza, dos objetivos visados, das habilidades e competências construídas, do nível de maturidade da turma, dos recursos didáticos disponíveis, da relação estabelecida entre o professor e o aluno, e até das condições climáticas se considerarmos os exames aplicados, por exemplo, nas atividades realizadas ao ar livre. Caberá ao professor a escolha do instrumento adequado e a capacidade de transformação de velhos recursos em formas criativas de avaliar, tendo como principal referência o que deseja avaliar. QUESTÕES NORTEADORAS DO PROCESSO AVALIATIVO Para o planejamento do processo avaliativo faz-se necessário um momento de reflexão por parte do avaliador no que diz respeito aos objetivos para os quais se pretende avaliar. É pertinente interrogar sobre o que avaliar, quando avaliar e como se dará este processo avaliativo entre os envolvidos. Cabe então, repensar: O QUE? POR QUÊ? QUANDO? AVALIAR COMO? QUEM? São os objetivos que respondem sobre: 1. O que avaliar; 2. De que forma avaliar; SA-UAN Versão. 00
  4. 4. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA 3. Qual o instrumento ou técnica mais eficaz para avaliar; 4. O que registrar e de que forma; 5. Como discutir o instrumento da aprendizagem; 6. Qual o encaminhamento a ser dado a partir do feedback (a ser combinado com o aluno tendo em vista reiniciar o processo de aprendizagem). Objetivos de aprendizagem Processos para atingi-los Resultantes da aprendizagem OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Taxonomia de Bloom SA-UAN Versão. 00
  5. 5. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Conhecimento: processos que requerem que o estudante reproduza com exatidão uma informação adquirida, seja uma data, um relato, um procedimento, uma fórmula ou uma teoria. Compreensão: requer elaboração (modificação) de um dado ou informação original. O estudante deverá ser capaz de usar uma informação original e ampliá-la, reduzi-la, representá-la de outra forma ou prever consequências resultantes da informação original. Aplicação: reúne processos nos quais o estudante transporta uma informação genérica para uma situação nova e específica Análise: caracterizam-se por separar uma informação em elementos componentes e estabelecer relações entre eles. Síntese: representa os processos nos quais o estudante reúne elementos de informação para compor algo novo que terá, necessariamente, traços individuais distintivos. Avaliação: representa os processos cognitivos mais complexos. Consiste em confrontar um dado, uma informação, uma teoria, um produto etc... Com um critério ou conjunto de critérios, que podem ser internos ao próprio objeto de avaliação, ou externos a ele. Definir, reconhecer, recitar, identificar, rotular, compreender, examinar, mostrar, coletar, listar. Rótulos, datas, nomes, fatos, definições, conceitos. Traduzir, interpretar, explicar, descrever, Resumir, demonstrar. Argumento, explicação, descrição, resumo. Aplicar, solucionar, experimentar, demonstrar, construir, mostrar, fazer, ilustrar, registrar. Conectar, relacionar, diferenciar, classificar, arranjar, estruturar, agrupar, interpretar, organizar, categorizar, retirar, comparar, dissecar, investigar. Projetar, reprojetar, combinar, consolidar, agregar, compor, formular hipótese, construir, traduzir, imaginar, inventar, criar, inferir, produzir, predizer. Interpretar, verificar, julgar, criticar, decidir, discutir, disputar, escolher. Diagrama, ilustração, coleção, mapa, jogo ou quebra-cabeças, modelo, relato, fotografia, lição. Gráfico, questionário, categoria, levantamento, tabela, delineamento, diagrama, conclusão, lista, plano, resumo. Poema, projeto, resumo de projeto, fórmula, invenção, história, solução, máquina, filme, programa, produto. Opinião, julgamento, recomendação, veredicto, conclusão, avaliação, investigação, editorial. (adaptado de RODRIGUES, 1994) RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE QUESTÕES OBJETIVAS. A elaboração de itens de múltipla escolha deve seguir os seguintes critérios: 1. Relevância do conteúdo; 2. Clareza na redação da instrução, do suporte e das alternativas; 3. Inclusão apenas de elementos relevantes; 4. Enunciados que não contenham dicas verbais; 5. Enunciados apresentados de maneira positiva. Quando a questão exigir a negativa, deve ser grifado, em letras maiúsculas e em negrito; SA-UAN Versão. 00
  6. 6. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA 6. Nível de dificuldade adequado; 7. Ausência de elementos que favoreçam o acerto ao acaso ou a exclusão; 8. Evitar termos tais como, sempre, nunca, todo (a), provavelmente, totalmente, absolutamente, completamente, somente, às vezes; 9. Não elaborar questões com pegadinhas Ex. inversão simples de palavras e grades sequenciais; este tipo de questão induz ao erro; 10. Linguagem adequada ao nível em que se encontra o aluno; 11. Pontuação correta – se o enunciado for uma frase a ser completada, devem começar com letra minúscula e terminar com ponto final; 12. Se o enunciado for uma pergunta, a alternativa deve começar com letra maiúscula e terminar com ponto final. 13. Quando o enunciado for uma pergunta e as alternativas forem construídas com palavras ou frases incompletas, a alternativa deve começar com letra maiúscula e não apresentar pontuação final; 14. Evitar: a. Alternativas que provoquem controvérsia; b. A opção: “nenhuma das anteriores” ou” todas as anteriores”. c. Alternativas em com inversões artificiais, ou armadilhas verbais; d. Alternativas absurdas ou descontextualizadas; e. Alternativas com itens interligados; os itens devem ser independentes entre si; 15. As alternativas devem incluir uma única resposta correta e os distratores devem ser plausíveis em relação à primeira, evitando assim o acerto por exclusão. 16. As alternativas devem ser organizadas de maneira lógica, ou seja, em ordem numérica, alfabética ou cronológica; 17. Não incluir, nas alternativas, detalhes irrelevantes ou absurdos; 18. As alternativas devem ser mutuamente excludentes; (isso assegura apenas uma correta). Abaixo, elaboramos uma tabela prática que poderá auxiliá-lo no momento da elaboração de questões objetivas e subjetivas: QUESTÕES OBJETIVAS Recomendados para verificar se os objetivos cognitivos estão sendo atingidos Principais vantagens Principais desvantagens Avaliam vários objetos ao mesmo tempo Elaboração difícil e demorada Possibilitam julgamento rápido e objetivo Exigem digitação e impressão Limitam-se ao conteúdo, eliminando a subjetividade na Não avaliam as habilidades de expressão dos correção. alunos Os resultados podem virar dados estatísticos Condicionam a uma certa passividade dos alunos SA-UAN Versão. 00
  7. 7. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Facilitam a “cola” e requerem fiscalização cuidadosa FASES DA CONSTRUÇÃO Determinação dos objetivos e conteúdos a serem avaliados Escolha dos tipos de instrumentos (dissertativo e / ou objetivo) Fixação do número de questões e instruções Elaboração das questões e instruções  Bem distribuídas  Cuidadosamente elaboradas  Baseadas em ideias relevantes 5. Revisão e aperfeiçoamento das questões  Retenção e análise de cada item 1. 2. 3. 4.              ORGANIZAÇÃO Questões a partir de ideias e problemas relevantes Respeito pelo grau de formação escolar do aluno Instruções específicas para cada categoria ou item Não usar frases prontas Questões em ordem de dificuldade crescente Agrupamento de questões da mesma categoria Evitar dicas de respostas Apresentação esteticamente organizada (digitada) Evitar divisão de questões (na digitação) Separar uma questão da outra Somente utilizar ilustrações nítidas Determinar o critério de correção antes da aplicação da prova Preparar o gabarito de correção TIPOS DE QUESTÕES Resposta curta Lacuna Certo-errado Verdadeiro- falso Acasalamento / combinação Associação Múltipla Escolha Levam à recordação /evocação Memorização Levam ao reconhecimento Exigem ordenação Exigem resposta múltipla QUESTÕES SUBJETIVAS Recomendados para oportunizar a expressão dos alunos de maneira pessoal SA-UAN Versão. 00
  8. 8. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Principais vantagens De fácil organização Verifica a capacidade reflexiva do aluno Verifica a capacidade de organização das ideias Possibilita verificação da clareza e objetividade de expressão do aluno Principais desvantagens Favorece amostra reduzida das aprendizagens adquiridas Não anula a subjetividade na correção Exige tempo e definição prévia de critérios para correção Correção demorada 1. 2. 3. 4.    5.  FASES DA CONSTRUÇÃO Determinação dos objetivos e conteúdos a serem avaliados Escolha dos tipos de instrumentos (dissertativo e/ou objetivo) Fixação do número de questões e instruções Elaboração das questões e instruções Bem distribuídas Cuidadosamente elaboradas Baseadas em idéias relevantes Revisão e aperfeiçoamento das questões Retenção e análise de cada item       ORGANIZAÇÃO Planejar as questões com antecedência Elaborar questões coerentes com os objetivos propostos Questões claras e específicas Observar o tempo disponível para sua aplicação Observar o desenvolvimento intelectual do aluno Não utilizar questões optativas    CRITÉRIOS PARA CORREÇÃO Estabelecer critérios para cada questão Corrigir a mesma questão de todas as provas (se for este o instrumento) Manter o anonimato das provas       QUESTOES DISSERTATIVAS / SUBJETIVAS PODEM AVALIAR: Capacidade de organizar, analisar e aplicar conteúdos. Relacionar fatos e ideias Interpretar dados e princípios Analisar criticamente uma ideia Realizar interferências Expressar ideias e opiniões com clareza e exatidão TIPOS DE QUESTÕES SUBJETIVAS SA-UAN Versão. 00
  9. 9. SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Perguntas curtas  O que  Quem  Quando  Qual  Onde... Perguntas relativamente curta:  Relacione  Enumere  Defina  Diferencie... Perguntas dissertativas:  Descreva  Compare  Explique  Analise  Resuma  Interprete... Remetem à recordação de acontecimentos, nomes, datas e locais. Exigem respostas mais elaboradas Exigem respostas mais complexas e extensas (Adaptado de Haydt, 2008) REFERÊNCIAS ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Passate (org). Processos de Ensinagem no ensino superior: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 7 ed. Joinville: Univille, 2007. GIL, Antônio Carlos. Didática no ensino superior. São Paulo: Atlas, 2007. HAYDT, Regina Cazaux. Avaliação no processo de ensino aprendizagem. São Paulo: Ática, 2008. RODRIGUES, José. - A taxonomia de objetivos educacionais - um manual para o usuário. Editora UNB, 1994. LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa. Avaliação das aprendizagens dos alunos. Porto: Asa, 2002. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Malabares Comunicação e Eventos, 2003. MASETTO, Marcos. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003. SANT’ANNA, Ilza Maria. Por que avaliar? Como avaliar? Critérios e Instrumentos. Petrópolis: Vozes, 1995. SA-UAN Versão. 00

×