Imperialismo na áfrica

312 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
312
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Imperialismo na áfrica

  1. 1. A colonização da África ocorreu no intuito de obter lucros por parte dos europeus. Os missionários religiosos iniciaram a partilha da África em áreas de influência das diversas denominações cristãs. Muitos dos reinos africanos que existiam se fragmentaram, outros acabaram dissolvidos pela dominação europeia. Países europeus elaboraram teorias explicativas para justificar a política imperialista, como: missão civilizatória dos europeus sobre os povos "bárbaros“; divisão das riquezas materiais do mundo; necessidade de evangelizar os povos "bárbaros" na doutrina cristã; e superioridade racial.
  2. 2. Os países da Europa forçaram os povos africanos a seguirem aspectos culturais europeus, justificando que estavam levando o progresso e a ciência para o continente. Eles praticamente obrigaram os africanos a consumirem os produtos fabricados nas indústrias europeias. A descoberta de diamantes, despertaram ainda mais os europeus sobre a importância econômica do continente. Os europeus exploraram os recursos naturais do solo da África, sem que os africanos tivessem qualquer benefício neste processo. O território da África foi dividido entre as nações europeias, ignorando os povos que ali viviam.
  3. 3. Apesar do constante diálogo, dos países e dos congressos, houve uma série de pontos de confronto entre os europeus na África. Explodiram revoltas e movimentos de resistência contra a invasão e as medidas colonizatórias. O imperialismo aplicado pelos europeus na África na segunda metade do século XIX deixou feridas no continente: Em várias regiões houve um sistema de discriminação racial - o apartheid - que considerava os africanos seres humanos de segunda classe. A cultura africana foi muito prejudicada neste processo, divergências quanto à partilha de territórios aprofundou as tensões entre os países europeus, que acabou culminado na Primeira Guerra Mundial. Atualmente, vários organismos de natureza internacional tentam auxiliar na recuperação das regiões mais gravemente assoladas. Paralelamente, vários ativistas políticos defendem que o prejuízo causado pela ação imperialista seja parcialmente aplacado pelo perdão da dívida externa das nações prejudicadas pelo imperialismo.
  4. 4. O desenvolvimento do imperialismo levou as grandes nações capitalistas a promoverem a Conferência de Berlim. O principal objetivo do encontro foi definir as regras que determinariam as conquistas imperiais sobre o continente africano. Os povos africanos não foram convidados. Após as decisões, muitos deles resistiram e lutaram como puderam. Embora os europeus estivessem presentes no continente há 4 séculos, pela primeira vez a dominação foi efetiva. Essa foi a configuração do mapa do continente por cerca de 60 anos, até o fim da Segunda Guerra Mundial, quando os movimentos de independência ganharam força.

×