O imperialismo na áfrica

5.149 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
324
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O imperialismo na áfrica

  1. 1. O Imperialismo na África:
  2. 2. • Até o início do século XIX, o interior da África era desconhecido para os europeus. A partir de 1850, com a divisão de quase todo o território asiático completada, os governos europeus voltaram seus interesses para o continente africano. Foram organizadas as primeiras missões religiosas e expedições exploradoras para esse continente.
  3. 3. David Livingstone – Missionário inglês:
  4. 4. Tropas inglesas no Egito:
  5. 5. • Em 1867, foram descobertas as jazidas de diamantes do Transvaal. Logo depois, importantes reservas de cobre foram encontradas no território da futura Rodésia. Iniciou- se então a partilha do território africano. Em troca de álcool ou algumas garrafas de gim, os chefes ou reis, induzidos pelos exploradores, cediam todo o seu território às sociedades anônimas. A ocupação desse território foi uma das mais sangrentas da história do colonialismo europeu. A população local foi escravizada, milhares de pessoas morreram de fome, pelos trabalhos forçados, pelas doenças trazidas pelos brancos e pelos massacres coletivos promovidos contra as aldeias que se rebelavam.
  6. 6. Região de Transvaal disputada pelos ingleses e holandeses:
  7. 7. • A Guerra dos Bôeres é o nome dado aos dois conflitos travados entre o Reino Unido e as duas repúblicas bôeres independentes, o Estado Livre de Orange e a República Sul- Africana (República do Transvaal). Os dois conflitos ocorreram, respectivamente, de 16 de dezembro de 1880 a 23 de março de 1881 e de 11 de outubro de 1899 a 31 de maio de 1902.
  8. 8. • Em 1887 foi descoberta a maior jazida de ouro do mundo próximo a Pretória, então capital do Transvaal (colônia holandesa). Assim, milhares de colonos britânicos passam a fronteira para buscar a riqueza em território bôer . Os líderes britânicos queriam anexar o território bôer e dominar a exploração do ouro; os bôeres (descendentes de holandeses) queriam cobrar mais impostos sobre o ouro.
  9. 9. • Na primeira Guerra dos Bôeres, os ingleses são derrotados, em 12 de outubro de 1899, estoura a segunda guerra entre Grã-Bretanha e as Repúblicas Bôeres. Desta vez os britânicos são vencedores, e o destino daqueles que tiveram propriedades e posses arrasadas são os campos de concentração criados pelas autoridades inglesas.
  10. 10. A guerra dos Bôeres:
  11. 11. • Os bôeres se rendem assinando o tratado de Vereeniging, onde era dado a eles 3 milhões de libras esterlinas pela derrota e a promessa de um eventual governo, o estabelecimento da União da África do Sul em 1910. O tratado extinguiu as repúblicas bôeres e colocou seus cidadãos sob a autoridade do Império Britânico.
  12. 12. A guerra dos bôeres:
  13. 13. • Atrás das companhias, vinha o governo, organizando a infra-estrutura para a exploração da colônia, preservando os direitos de exploração do território da concorrência estrangeira e submetido os nativos “rebeldes”. Assim, em menos de 20 anos, todo o território ao sul do Saara foi submetido ao colonialismo europeu.
  14. 14. • A França foi um dos primeiros países a conquistar colônias na África. Em 1830, a Argélia foi ocupada com o auxilio da legião estrangeira, corpo expedicionário criado pelo governo francês e composto por criminosos, desertares, imigrados políticos e aventureiros. Em 1844, o Marrocos foi parcialmente submetido ao controle francês e, em 1854, foi a vez do Senegal. Partindo desses pontos, a França avançou para o interior do continente, conquistando a Guiné, o Gabão, uma parte dos territórios do Congo e do Sudão. Em 1910, esses territórios formavam a África Ocidental Francesa.
  15. 15. • Na mesma época, Madagascar e a Tunísia foram incorporados ao império colonial francês, apesar da disputa com a Itália pela Tunísia. O projeto colonial inglês, definido na expressão “do Cairo ao Cabo”, era unificar numa única colônia todos os territórios compreendidos entre a colônia do Cabo (Sul da África) e o Egito (Norte da África). A construção do canal de Suez impulsionou a Inglaterra em direção ao Egito, apesar da presença francesa na região.
  16. 16. O Canal de Suez:
  17. 17. • A colonização inglesa no Sul do continente africano foi iniciada por Cecil Rodhes, que explorava as reservas de ouro e diamantes encontradas nessa região. Em 1888, a companhia dirigida por Cecil Rodhes iniciou a conquista da Rodésia. Entre 1888 e 1891, o Quênia, a Somália e Uganda foram incorporados ao império britânico. Em 1899, os ingleses tornaram o Sudão da França e o Transvaal dos bôeres, população de origem holandesa que lá estava desde o século XVIII.
  18. 18. Cecil Rhodes:
  19. 19. Os países europeus disputam a África:
  20. 20. • Mas as pretensões coloniais inglesas esbarraram em um empecilho – a Alemanha, que reclamava para si o território de Zanzibar. Além dessa colônia, a Alemanha havia conquistado, entre 1884 e 1885, os territórios de Camarões, Togo e Namíbia (Sudoeste africano). Não podemos esquecer Portugal, que havia muito tempo tinha colonizado a costa de Angola e Moçambique, Guiné-Bissau e as ilhas de Cabo Verde.
  21. 21. • A região central do continente africano era disputada por vários países europeus. Para decidir a questão, foi organizado um con- gresso internacional em Berlim. Foi a denominada Conferência de Berlim (1884- 1885).
  22. 22. • O congresso reconheceu a soberania belga sobre o Congo, garantindo liberdade de comércio para todos os países presentes no congresso. A ocupação desse território foi uma das mais sangrentas da história do colonialismo europeu. A população local foi escravizada, milhares de pessoas morreram de fome, pelos trabalhos forçados, pelas doenças trazidas pelos brancos e pelos massacres coletivos promovidos contra as aldeias que se rebelavam.
  23. 23. Fardo do Homem Branco:

×