A COLUNA PRESTES – PODER LOCAL E A CIDADE DE SERTÃOZINHO –UMA HISTÓRIA NUNCA CONTADA1Arlete Aparecida MantoaniOrientadora:...
porque a guerra desorganizou o mercado internacional, trazendo novas dificuldades para aexportação do café que teve o seu ...
As disputas acirradas criaram um clima de grande tensão, agravado ainda mais peloepisódio das Cartas Falsas, publicadas no...
A insatisfação no país era geral, mas a jovem oficialidade do Exército e da Marinhaque assumiram juntas a liderança das op...
A CIDADE DE SERTÃOZINHOEnquanto os tenentes revoltosos se põem a fugir da capital paulista com as tropas legalistasao seu ...
em favor da legalidade e contra abominável atentado ao regime nacional. Felicitações quese resumem ao mesmo tempo numa vee...
Foi recebida no município de Sertãozinho com enorme alegria e entusiasmo a vitória dastropas legalistas sobre a malta de v...
tendo feito convites a meio mundo para tomar parte no assalto um deles, ao que nos constajá esta prestando contas ao seu a...
durante muitos dias e desassossegados que os revoltosos aqui residentes espalhavam nestacidade, pondo esta população intei...
Jose Izaias Ferreira – Prepeito MunicipalNo documento IV observamos que os acontecimentos mencionados no documento III,pri...
Documentário “O Velho” por Igor PretesO Bandeirantes – jornal do município de Sertãozinho na década de 20.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Coluna prestes em sertãozinho estudoazul.com professora arlete mantoani

501 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
501
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coluna prestes em sertãozinho estudoazul.com professora arlete mantoani

  1. 1. A COLUNA PRESTES – PODER LOCAL E A CIDADE DE SERTÃOZINHO –UMA HISTÓRIA NUNCA CONTADA1Arlete Aparecida MantoaniOrientadora: Prof. ª Dr. ª Ana Maria Ramos EstevãoNas últimas décadas muito se pesquisou sobre a Coluna Prestes, muito se falou sobre oCavaleiro da Esperança e homem político Luiz Carlos Prestes. Muito se exaltou sobre os25 mil quilômetros percorridos pela coluna e a prova disso é o calhamaço escrito porDomingos Meirelles intitulado “As Noites Das Grandes Fogueiras – Uma Historia daColuna Prestes”, onde o autor narra em forma de um diário os fatos que culminaram nograndioso movimento intitulado A Coluna Prestes. Tantos outros escreveram sobre Prestes,inclusive seus filhos, que muito valorizaram seu legado, como Anita Leocádia Prestes emseu livro “A Coluna Prestes – uma epopeia brasileira” e seu filho Igor Prestes nodocumentário “O Velho”.Encontramos relatos na internet de antigos moradores de cidades por onde a Coluna passou,mapas das cercanias percorridas pelos revolucionários, mas relatos à respeito de como osmoradores do interior de São Paulo reagiram diante da tomada e quase destruição daCapital de seu Estado pouco se falou. O intuito deste trabalho é, através dos jornais doperíodo, elucidar sobre o que ocorreu com os habitantes de uma cidade no interior doEstado de São Paulo, localizada a aproximadamente 400 km de distância da capital,chamada Sertãozinho, no momento em que Isidoro Dias Lopes e seus asseclas tomaram deassalto a cidade de São Paulo, expulsando de lá o próprio governador. De l898 a l9l9, aproximadamente, a república foi a expressão quase que exclusiva do governo dos grandes fazendeiros de café, isto é, dos grandes estados da federação: São Paulo e Minas Gerais, fato que ficou conhecido como política do café com leite. Com a eclosão da Primeira Grande Guerra (l9l4-l9l8), o Brasil, cuja economia era baseada na importação de produtos industrializados, sofreu imediatamente suas consequências1 Este artigo faz parte de uma proposta de projeto de pesquisa para doutorado, em fase de coleta de dados, aser trabalhado no Programa de Pós-Graduação na Faculdade de História, Direito e Serviço Social –UNESP/Franca. Portanto, os documentos aqui apresentados serão somente analisados e não interpretados.
  2. 2. porque a guerra desorganizou o mercado internacional, trazendo novas dificuldades para aexportação do café que teve o seu preço em declínio.A crise cafeeira foi resolvida somente em l9l8, com a geada e o fim da guerra.No Brasil, respondendo a esta nova situação, criou-se em São Paulo, o Instituto do Café,destinado a controlar inteiramente o comércio exportador do produto.Precisamente por causa desta política de valorização que mantinha em alta o preço do café,estimulou-se ainda mais a sua produção.Esta situação artificial não poderia ser sustentada, pois, a capacidade de estocagem estavadiretamente ligada ao apoio financeiro que obtinha no exterior. Em 1929, a crise geral docapitalismo precipitou os acontecimentos.O desenvolvimento industrial no Brasil, particularmente depois da Primeira Grande Guerrae crise do café, conferiu a indústria um lugar de grande relevo na economia do país.Além das mudanças econômicas ocorreu também uma mudança de mentalidade das elitesintelectuais da época que apresentavam seu descontentamento em relação ao padrãotradicional social e econômico da época, organizando-se e apresentando a Semana de ArteModerna (1922).A crise política que surge na Primeira República, após a Primeira Guerra Mundial, revela-se em dois aspectos: no descontentamento de um grupo funcional - o Exército, e nacrescente insatisfação da população urbana, de algum modo associada à classe média, que osistema não absorve. Deve-se considerar também as tensões regionais da classe dominanteembora não apresentassem uma linha contínua. A crise política reapareceu, entretanto, em 1922, nas eleições para sucessão deEpitácio Pessoa, quando Minas e São Paulo resolveram a questão indicando ArturBernardes (mineiro) para a presidência e já acertando a candidatura de Washington Luiz(paulista) para futuro sucessor de Bernardes. Contra esse arranjo político uniram-se os seguintes estados: Rio Grande do Sul,Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro, nesta ordem em termos de importância eleitoral.Formou-se então a Reação Republicana, que apresentou Nilo Peçanha como candidato eopositor de Bernardes, o candidato do café com leite. Novamente o Exército inclinou-separa a oposição contra a oligarquia dominante.
  3. 3. As disputas acirradas criaram um clima de grande tensão, agravado ainda mais peloepisódio das Cartas Falsas, publicadas no jornal Correio da Manhã em outubro de 1921atribuídas ao candidato oficial Artur Bernardes. Tais cartas continham violentas acusaçõescontra o Exército e os tenentes revoltaram-se ainda mais com o fechamento do ClubeMilitar, fato que ocasionou a eclosão das conspirações contra o próprio governo. Com a adesão dos militares, a campanha de Reação Republicana atingiu grandesproporções nas principais cidades do Brasil. Mas devido ao sistema eleitoral mantido naRepública Velha que era o bico de pena, os oficiais acreditavam que não venceriam aeleição. Em 1o de março de 1922, ocorreram as eleições para sucessão presidencial e como jáera previsto, o vencedor foi o candidato oficial Artur Bernardes. O movimento tenentista teve suas raízes nas eleições para sucessão presidencial de1922, principalmente por estarem descontentes com o governo do país, que estava sempresob o monopólio das oligarquias cafeeiras - paulista e mineira. Ao se organizarem para o levante, os tenentes e alguns capitães do Exército tinhampor objetivo principal derrubar o então, eleito presidente, Artur Bernardes, antes mesmoque este tomasse posse e edificar um novo governo. Um governo militar, moralista ehonesto, onde não haveria mais corrupção e a elite do país não participasse mais dessegoverno. Com tais idéias revolucionárias foi que se iniciou o levante. A partir de 05 de julhode 1922 começaram a ocorrer rebeliões em quartéis do Mato Grosso e ao mesmo tempo noRio de Janeiro, episódio que marcaria profundamente o movimente Tenentista que ficouconhecido como Os Dezoito do Forte. “Os dezoito do forte” constituiu no levante ocorrido no Forte de Copacabana ondeos tenentes sobreviveram bravamente ao ataque das tropas do governo por três dias e logoem seguida, apenas 18 tenentes sobreviventes saíram do forte unidos e marchando pelaavenida Nossa Senhora de Copacabana, levando junto do coração um pedaço da bandeirabrasileira. Estes tenentes foram fuzilados juntamente com um civil que se compadeceu como movimento e seguiu com eles. Dos dezoito, sobreviveram somente dois: Eduardo Gomese Antônio Siqueira Campos que se tornaria mais tarde, peça imprescindível na luta contra ogoverno opressor e corrupto do já então empossado Dr. Artur Bernardes.
  4. 4. A insatisfação no país era geral, mas a jovem oficialidade do Exército e da Marinhaque assumiram juntas a liderança das oposições e novamente eles que no denominadosegundo 5 de julho, que seria o segundo aniversário do massacre dos Dezoito do Forte,estourou em São Paulo uma nova revolta tenentista. Neste dia, levantaram-se vários grupamentos policiais e várias unidades do exércitoda cidade de São Paulo, tendo aí o início de fato do novo levante. Os tenentes eram comandados pelo então general reformado do Exército IsidoroDias Lopes e o tenente chave do movimento foi o capitão do Exército Joaquim Távora, quena companhia de seu irmão viajou por todo país atrás de mais adeptos ao movimento, nodia marcado para o levante, várias unidades em todo país comprometidas com a rebeliãonão se levantaram. E as que se levantaram foram completamente esmagadas pelas tropas dogoverno. Em São Paulo a rebelião também não foi bem organizada, mas a fuga do entãogovernador do Estado Carlos de Campos permitiu que os rebeldes tomassem toda cidadesem maiores esforços. Durante três semanas, a cidade de São Paulo foi bombardeada e completamentedestruída pelas tropas do governo, enquanto os rebeldes aí resistiram bravamente. Antes deserem derrotados pelas tropas do governo e sacrificar mais ainda a população de São Paulo,sob o comando do general Isidoro, decidiram deixar a cidade e tentaram ir rumo ao MatoGrosso, mas, diante da resistência inimiga na região de Três Lagoas, decidiram retroceder edescer o Rio Paraná, em direção ao oeste do estado do Paraná. Os rebeldes seguiram pela Estrada de Ferro Sorocabana e desceram o Rio Paraná,chegando ao estado do Paraná foram imobilizados por mais de seis meses, entre o RioParaná e a Serra de Medeiros, pelas tropas legalistas comandadas pelo general CândidoMariano Rondon até o momento em que os sublevados do sul chegam a Catanduvas, localonde os paulistas ficaram sitiados, e Luiz Carlos Prestes, em uma manobra inteligentíssimae arriscada, fez com que a já formada Coluna Prestes atravessasse o Rio Paraná, riocaudaloso com aproximadamente 500 metros de largura e a Coluna segue seu caminho.
  5. 5. A CIDADE DE SERTÃOZINHOEnquanto os tenentes revoltosos se põem a fugir da capital paulista com as tropas legalistasao seu encalço uma pequena localidade no interior paulista vive momentos angustiososquando surge a notícia de que os revoltosos vindos da capital estão na cidade em busca dearmas e víveres.Tudo começa quando algumas pessoas, ainda não se sabe precisamente quantas e nem osseus nomes, simpatizantes da causa dos rebeldes tenentes, espalham pela cidade deSertãozinho que estes, após a fuga da cidade de São Paulo, estariam ali em busca de armase alimentos para reabastecer a tropa enquanto fugiam. Segundo estes cidadãos sertanezinos,os rebeldes estariam escondidos em um sítio nas proximidades da cidade.Segundo o livro de Anita Leocádia Prestes “Uma Epopeia brasileira – A Coluna Prestes” agrande marcha teria se iniciado com a fuga da Coluna Paulista de São Paulo, passando porBarretos, Bauru, chegando a Presidente Epitácio e daí para o Paraná. Portando, afirmar quea Coluna Paulista de fato esteve na cidade de Sertãozinho ainda não nos é possível, mas aseguir transcrevo os artigos encontrados no jornal da cidade de Sertãozinho chamado de OBandeirantes, que muito nos esclarecerão sobre os acontecimentos daqueles dias de agostode 1924. Estes artigos serão utilizados para a elaboração da análise do objetivo proposto que éo de avaliar os impactos da tomada da cidade de São Paulo pelos tenentes comandados porIsidoro Dias Lopes no cotidiano da pequena cidade de Sertãozinho.DOCUMENTO ISERTÃOZINHO 5 DE AGOSTO DE 1924EXMO. SR. DR. CARLOS DE CAMPOS – PRESIDENTE DO ESTADOA Câmara municipal desta cidade por seus vereadores abaixo assinados, externandoprimeiramente a sua admiração pela absoluta calma e impavidez com que V. Excia. Semanteve durante o primeiro ataque à mão armada que insolitamente e insidiosamente sofreuo governo de São Paulo, em dias angustiosos do mês passado, vem por meio destamensagem transmitir-vos as mais sinceras felicitações pelo triunfo obtido pela Federação
  6. 6. em favor da legalidade e contra abominável atentado ao regime nacional. Felicitações quese resumem ao mesmo tempo numa veemente censura aos vândalos arvorado em déspotasde São Paulo, por alguns dias, ambiciosos de poderes e sequiosos de sangue que nãotrepidaram em lanças o leito e ao orfandade na Família Brasileira, etilizando contra seuspróprios irmãos raciais, dos apetrechos bélicos que o Governo da nação lhes confiara para adefesa e garantia da pátria como um pai confiante entrega a seus filhos queridos a garantiado lar e a defesa da família justamente numa época em todos os brasileiros, na mais santadas comunhões devem cooperar e concorrer para a propriedade e engrandecimento doBrasil.O canhoneiro que assertou ao governo de V. Exma. e que provocou indignação e repulsade todos os que como nos trabalhamos nesta casa para a grandeza e prosperidade do Estado,condenam a traição a selvageria e a pilhagem em vez de abate-lo na sua moral e no seucrédito, fez crescer mais a confiança que o povo lhe depositava, fez crescer mais a estimaque a população paulista tem por V. Exma. e fez crescer ainda mais o espírito desolidariedade dos que militam na política em São Paulo, ao lado do direito e da legalidade.Dr. Crispiniano Martins de Siqueira – Presidente Câmara MunicipalCarlos Carvalho – Vice PresidenteJosé Izaias Ferreira – PrefeitoManoel Mariano da Silva Jotta – Vice PrefeitoFrederico Marques – VereadorAnanias Costa Freitas – VereadorEsta seria uma carta de felicitações encaminhada ao então presidente do estado Dr. Carlosde Campos. Onde muito se exalta a coragem, o senso de justiça e dever do ilustríssimo Dr.Presidente do Estado. Não nos esquecendo que o mesmo ilustríssimo Dr. Presidente doEstado juntamente com todo seu secretariado fugiu da cidade de São Paulo, não oferecendonenhuma resistência aos rebeldes.DOCUMENTO IIO BANDEIRANTES – 11 DE AGOSTO DE 1924MOVIMENTO SEDICIOSO EM SÃO PAULO
  7. 7. Foi recebida no município de Sertãozinho com enorme alegria e entusiasmo a vitória dastropas legalistas sobre a malta de vilões e asseclas de Isidoro e João Francisco, quearvorados em reformadores de costume não vacilaram em praticar traiçoeiramente o maisignominioso e revoltante atentado ao governo do Exmo. Sr. Dr. Carlos de Campos e o maisvergonhoso assalto a uma população laboriosa como é a de São Paulo, impondo-lhe umasituação verdadeiramente humilhante e desoladora.Escudeiros, biltres, sob o pretexto enganoso de reformar o regime político social do paísprometendo ao povo riqueza e conforto exagerados, conseguiram arrastar ao movimentorevolucionário alguns ambiciosos. Movimento criminoso cujo seus autores estão a merecersevera punição é incapaz de trazer a mais insignificante melhoria no país, pois, não é com arevolução e com o assalto a propriedade alheia, semeando a destruição e o crime, que sereformam costumes e regimes políticos, não é com o canhão de bandoleiros que seconseguem dum governo o perdão a outros bandoleiros, não é com insídia e com a feloniade assalariados estrangeiros que se consegue poderes, e não é com a destruição de cidades emorticínios de mulheres e crianças que se conseguem a prosperidade de uma nação, comopretendiam os celebres revoltosos fazer a custa da fuzilaria e roubalheiras aumentarem asnossas forças de terra e mar de modo que surgissem a tona dos mares brasileiros melhoresesquadras do mundo, nascerem a flor da terra as fabulosas arvores de libras esterlinas,quitar-se a nação da divida que tem para com o estrangeiro, terem surtos de progressonunca vistos a nossa industria, lavoura e comércio, não existindo mais o operariado, porquetriunfa a santa causa, como diziam os vilões boateiros, todos os operários seriam patrõesde bolsas e dispensas cheias. Pretensões e promessas que ficaram reduzidas a expressõesmais simples, vergonhosas e degradantes: saquear e matar. E pela prática desses crimes irãopagar os revoltosos sinônimo de ambiciosos, invejosos e ladrões, pois a justiça os esperacom sua inexorável punição.Frisar que essa alegria partiu dos que sempre se conservaram ao lado da legalidade e nãodos Caim e dos Iscariote, revoltosos aqui residentes, que se declararam abertamentepropagandistas do movimento revolucionário e espalharam boatos terroristas e alarmantespondo esta população em sobressalto, desde o inicio até o final da revolução.Desses piratas que pretendiam tomar de assalto os Poderes Municipais e por instinto demacaquice ou imitação dos feitos isidorianos, saquear talvez, a população desta cidade,
  8. 8. tendo feito convites a meio mundo para tomar parte no assalto um deles, ao que nos constajá esta prestando contas ao seu amo, com quem pretendeu jogar as peras, outros estãotirando cipó as margens do rio da Onça e os demais estão com as barbas de molho. E ajustiça irá puni-los inevitavelmente.No documento II observamos ao analisar este pequeno trecho “... Caim e Iscariote,revoltosos aqui residentes... e espalharam boatos terroristas e alarmantes...” que de fatopessoas residentes na cidade se declararam a favor do movimento revoltoso dos tenentes eainda afirmaram que os rebeldes estariam escondidos nos arredores da cidade.Num outro trecho onde diz “... tomar de assalto os Poderes Municipais e por instinto depura macaquice ou imitação dos feitos isidorianos, saquear talvez, a população destacidade...” faz alusão a um suposto episódio onde revoltosos residentes na cidade invadem adelegacia do município para tentar roubar armas, assim como fizeram os tenentes.Na sequência o documento II ainda traz uma informação preciosa “... ao que nos consta jáestá prestando contas ao seu amo, com quem pretendeu jogar as peras, outros estão catandocipó as margens do Rio da Onça...” neste trecho o autor do artigo, talvez no intuito deassustar e impedir novas investidas dos munícipes revoltosos, fala do castigo exemplaraplicado aos culpados, pois catar cipó no Rio da Onça indicasse talvez possíveis mortes dealguns dos envolvidos.DOCUMENTO III15 DE AGOSTO DE 1924GUARDA MUNICIPALEstão ainda prestando seus inestimáveis serviços a Guarda Municipal desta cidade o Sr. Piode Oliveira, Antonio de Souza Abranches, Joaquim de Oliveira, Raimundo Cruz Vidoca deOliveira.Sempre ao lado da legalidade esse grupo de homens intrépidos e patriotas não de afastaramdos seus postos, passando noites e noites ao relento na vigilância da população sertanense,gesto esse digno de louvores e aplausos de todos os que sabem avaliar e meditaram sobre asconsequências desagradáveis que poderiam advir da falta de garantias em que nos vimos
  9. 9. durante muitos dias e desassossegados que os revoltosos aqui residentes espalhavam nestacidade, pondo esta população inteira em sobressaltos.O documento III se refere a Guarda Municipal da cidade que foi criada especialmente nesteperíodo para proteger os seus concidadãos dos delituosos revoltosos residentes na cidade,para salvaguardar a ordem e os poderes municipais.DOCUMENTO IV24 DE AGOSTO DE 1924RESTABELECENDO A VERDADETendo chegado ao nosso conhecimento que pessoas malévolas com intuito de nosantipatizar perante o publico desta cidade que sempre acatamos, haviam propalado que nãopediramos ao Sr. Dr. Carlos Vasques, delegado de polícia desta cidade, para efetuar prisõesde aderentes ao movimento revolucionário operado em São Paulo, aqui residentes, por seruma mentira crassa e torpe tais afirmações procuramos ontem o Sr. Delegado afim deficarem restabelecida a verdade dos fatos.Em companhia do respeitável ancião o Sr. Major Francisco de Souza Portugal nosdirigimos a casa do Sr. Dr. Pompeu de Andrade, onde se achava o Sr. Dr. Carlos Vasques ena presença do Sr. Ernesto Scatena e daquele conceituado clínico, a referida autoridadepolicial concordou de um modo irrefutável que nos absolutamente não lhe pediramos queefetuasse a prisão de quem quer que seja e somente lhe disséramos que procedesse comtoda imparcialidade na abertura de inquérito mandado abrir pelo Sr. Dr. Delegado geral depolícia de São Paulo, com fim de ser apurada a responsabilidade das pessoas que semostrando francamente ao lado dos revoltosos espalharam boato terrorista e alarmantesnesta cidade, pondo as nossas famílias em completo desassossego.Ficando assim patente a nossa irresponsabilidade de quanto às ilusórias ameaças de prisãofeitas a certos responsáveis pelas desagradáveis ocorrências verificadas nesta cidade, nosdias angustiosos do mês de julho ultimo, fazendo esta declaração para o devido julgamentodas pessoas que acatamos e que desconheciam estas verdades.Sertãozinho 23 de agosto de 1924.Carlos Carvalho – membro do Diretório do PRT desta cidade
  10. 10. Jose Izaias Ferreira – Prepeito MunicipalNo documento IV observamos que os acontecimentos mencionados no documento III,principalmente no que diz respeito a prisões e mortes dos revoltosos da cidade, trouxeramconsequências aos representantes dos poderes municipais, pois se transformaram em alvodas investigações de inquérito policial aberto por ordem do delegado geral do estado.CONSIDERAÇÕES FINAISSe a Coluna Paulista de fato esteve na cidade de Sertãozinho, como disse anteriormente,não podemos ainda provar. A verdade é que naqueles dias tumultuosos, dias cheios deangustias e de presságios de calamidades, os habitantes da cidade acreditaram que ostenentes revoltosos, vindo em desabalada fuga da capital paulista, estivessem emSertãozinho.Um contingente de homens foi mobilizado e armando em torno desta ideia. Assaltos eprisões sem justificativas foram cometidos. Talvez algumas pessoas tenham perdido a vidapor também acreditarem que os revoltosos paulistas estivessem na cidade.O cotidiano de toda uma cidade foi alterado no mês de agosto de 1924, suas vidas semodificaram nestes dias, talvez tenham sido aprisionados por seu próprio imaginário, talveznão. Mas a verdade é que naqueles dias de agosto a Coluna esteve na cidade deSertãozinho, ela fez parte da vida daquelas pessoas, ela transformou mesmo que por poucosdias a realidade daquela gente.A Coluna Paulista, que mais tarde ao se juntar com a Coluna Invicta se transformou naColuna Prestes, fez parte do imaginário coletivo daquela cidade, ela marcou para sempre ahistória da cidade de Sertãozinho. BIBLIOGRAFIAMEIRELLES, Domingos.(1995) “As Noites das Grandes Fogueiras- Uma Historia daColuna Prestes”, Ed. Record, 2 ª Ed., Rj e SP.PRESTES, Anita L.. “A Coluna Prestes – uma epopeia brasileira”SILVA, Hélio “Sangue na Areia de Copacabana”
  11. 11. Documentário “O Velho” por Igor PretesO Bandeirantes – jornal do município de Sertãozinho na década de 20.

×