Lições Adultos Jeremias
Lição 2 - A crise (interna e externa) 3 a 10 de outubro
❉ Sábado à tarde Ano Bíblico: Malaquias
VE...
ofereceram sacrifícios ao Senhor. 6 Depois que Josué (Javé é salvação) despediu os israelitas, eles saíram para
ocupar a t...
► Resp. O medo de perder a influência sobre os israelitas, caso fossem adorar em Jerusalém, capital do
Reino de Judá, fez ...
► Resp. Manassés, Amom, Joaquim e Zedequias são exemplos de reis que fizeram o que era mau perante o
Senhor e levaram o po...
correu atrás dos baalins? Reveja o seu procedimento no vale e considere o que você tem feito. Você é como
uma camela jovem...
Dentro de poucos anos o terrível juízo recairia sobre Jeoaquim; mas antes o Senhor em Sua misericórdia
informou a impenite...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR

196 visualizações

Publicada em

O Objetivo deste material e colocar os textos bíblicos diretos em sublinhado, somados aos escritos de Ellen White que trazem mais luz sobre o assunto, para facilitar o entendimento, e capacitar a responder as questões da lição com maior amplitude.

“Sempre darei a fonte, para que o conteúdo não seja anônimo, e todos tenham a oportunidade de achar, pesquisar e questionar”.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2.

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
196
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR

  1. 1. Lições Adultos Jeremias Lição 2 - A crise (interna e externa) 3 a 10 de outubro ❉ Sábado à tarde Ano Bíblico: Malaquias VERSO PARA MEMORIZAR: “‘Israel, Meu povo, era santo para o Senhor, os primeiros frutos de sua colheita; todos os que o devoravam eram considerados culpados, e a desgraça os alcançava’, declara o Senhor”. Jr 2:3, NVI. Quando Cristo ressurgiu, trouxe do sepulcro uma multidão de cativos. O terremoto, por ocasião de Sua morte, abrira-lhes o sepulcro e, ao ressuscitar Ele, ressurgiram juntamente. Eram os que haviam colaborado com Deus, e que à custa da própria vida tinham dado testemunho da verdade. Agora deviam ser testemunhas dAquele que os ressuscitara dos mortos. Durante Seu ministério, Jesus ressuscitara mortos. Fizera reviver o filho da viúva de Naim, a filha do principal, e Lázaro. Estes não foram revestidos de imortalidade. Ressurgidos, estavam ainda sujeitos à morte. Aqueles, porém, que ressurgiram por ocasião da ressurreição de Cristo, saíram para a vida eterna. Ascenderam com Ele, como troféus de Sua vitória sobre a morte e o sepulcro. Estes, disse Cristo, não mais são cativos de Satanás. Eu os redimi. Trouxe-os da sepultura como as primícias de Meu poder, para estarem comigo onde Eu estiver, para nunca mais verem a morte nem experimentarem a dor. Esses entraram na cidade e apareceram a muitos, declarando: Cristo ressurgiu dos mortos, e nós ressurgimos com Ele. Assim foi imortalizada a sagrada verdade da ressurreição. Os ressurgidos santos deram testemunho da veracidade das palavras: "Os Teus falecidos viverão; juntamente com o Meu cadáver eles se levantarão." Sua ressurreição era um símile do cumprimento da profecia: "Acordai, e gritai jubilando, vós que habitais no pó; porque o teu orvalho é um orvalho de ervas; e a Terra dará de si os defuntos." Isa. 26:19, Versão Trinitariana. Para o crente, Cristo é a ressurreição e a vida. (O Desejado de Todas as Nações, 786). ❉ Domingo - Uma história intensa Ano Bíblico: Vista geral do Antigo Testamento ● 1. Leia Juízes 2:1-15. O que causou a crise, e de que forma ela se manifestou? Jz 2:1-15, (NVI); 1 O anjo do Senhor subiu de Gilgal (roda, rolo) a Boquim (choro) e disse: "Tirei vocês do Egito e os trouxe para a terra que prometi com juramento que daria a seus antepassados. Eu disse: Jamais quebrarei a minha aliança com vocês. 2 E vocês não farão acordo com o povo desta terra, mas demolirão os altares deles. Por quê vocês não me obedeceram? 3 Portanto, agora lhes digo que não os expulsarei da presença de vocês; eles serão seus adversários, e os deuses deles serão uma armadilha para vocês". 4 Quando o anjo do Senhor acabou de falar a todos os israelitas, o povo chorou em alta voz, 5 e ao lugar chamaram Boquim. Ali Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  2. 2. ofereceram sacrifícios ao Senhor. 6 Depois que Josué (Javé é salvação) despediu os israelitas, eles saíram para ocupar a terra, cada um a sua herança. 7 O povo prestou culto ao Senhor durante toda a vida de Josué e dos líderes que continuaram vivos depois de Josué e que tinham visto todos os grandes feitos que o Senhor realizara em favor de Israel. 8 Josué, filho de Num, servo do Senhor, morreu com a idade de cento e dez anos. 9 Foi sepultado na terra de sua herança, em Timnate-Heres, nos montes de Efraim, ao norte do monte Gaás. 10 Depois que toda aquela geração foi reunida a seus antepassados, surgiu uma nova geração que não conhecia o Senhor e o que ele havia feito por Israel (Deus prevalece). 11 Então os israelitas fizeram o que o Senhor reprova e prestaram culto aos baalins. 12 Abandonaram o Senhor, o Deus dos seus antepassados, que os havia tirado do Egito, e seguiram e adoraram vários deuses dos povos ao seu redor, provocando a ira do Senhor. 13 Abandonaram o Senhor e prestaram culto a Baal e aos postes sagrados. 14 A ira do Senhor se acendeu contra Israel, e ele os entregou nas mãos de invasores que os saquearam. Ele os entregou aos inimigos ao seu redor, aos quais já não conseguiam resistir. 15 Sempre que os israelitas saíam para a batalha, a mão do Senhor era contra eles para derrotá-los, conforme lhes havia advertido e jurado. Grande angústia os dominava. ► Resp. Os israelitas das gerações seguintes deixaram de olhar para o passado e começarem a se afastar do Senhor; isso fez com que eles caíssem nas práticas que Deus havia proibido. Jz 2:16, (ARC); 16 E levantou o SENHOR juízes, que os livraram da mão dos que os roubaram. As tribos vinham há muito tempo sofrendo cruéis injustiças sob as medidas opressivas do governante anterior. A extravagância do reinado de Salomão durante sua apostasia o havia levado a tributar o povo pesadamente, e a requerer dele muito trabalho servil. (Profetas e Reis, p. 88, 89). O mau uso de nobres talentos no caso de Salomão deve ser uma advertência para todos. Somente a bondade é verdadeira grandeza. Todos transmitirão uma herança do bem ou do mal. Carta 8b, 1891. Deus havia colocado Seu povo em Canaã como poderosa proteção, a fim de conter a onda do mal moral, de modo que este não inundasse o mundo. Sendo fiel a Ele, era o intuito de Deus que Israel prosseguisse de vitória em vitória. Ele daria em suas mãos nações maiores e mais poderosas do que a dos cananeus. A promessa era: “Se diligentemente guardarem todos estes mandamentos que os ordeno… também o Senhor de diante de vocês lançará fora todas as nações, e possuirão nações maiores e mais poderosas do que vocês. Todo o lugar que pisar a planta do seu pé será de vocês; desde o deserto, e desde o Líbano, desde o rio, o rio Eufrates, até o mar ocidental, será seu termo. Ninguém subsistirá diante de vocês; o Senhor seu Deus porá sobre toda a terra que pisarem o seu terror e o seu temor, como já lhes tem dito” (Dt 11:22-25). Mas, sem consideração para com seu alto destino, preferiram o caminho da comodidade e da condescendência própria; deixaram escapar sua oportunidade para completar a conquista da terra; e por muitas gerações foram afligidos pelos remanescentes desses povos idólatras, que, conforme havia predito o profeta, eram como “espinhos nos… olhos [deles]”, e como “aguilhões nas [suas] ilhargas”. Nm 33:55. (Patriarcas e Profetas, p. 544). ❉ Segunda - Os dois reinos Ano Bíblico: Mt 1–4 Após a divisão da nação, as coisas foram de mal a pior. No reino do norte, o rei Jeroboão fez algumas escolhas espirituais terríveis, que tiveram um impacto duradouro para o mal. ● 2. Leia 1 Reis 12:26-31. De que maneira as circunstâncias imediatas podem cegar nossa percepção? 1Rs 12:26-31, (KJA); 26 Então Jeroboão refletiu consigo mesmo: “Desse jeito, o reino pode voltar à casa de Davi. 27 Se este povo continua subindo ao Templo de Yahweh, em Jerusalém, para oferecer sacrifícios, o coração do povo se voltará para o seu senhor, Rehavam, Roboão, rei de Judá, e acabará por me matar” . 28 Depois de ter recebido alguns conselhos, o rei fez dois bezerros de ouro e declarou ao povo: “Ó Israel, já chega de subires a Jerusalém; aqui estão teus deuses e divindades que te tiraram da terra do Egito!” 29 Erigiu um bezerro em Bet-El, Betel, e o outro colocou em Dan, Dã. 30 E, com esta atitude, todo o povo veio a cometer pecado, porquanto passou a ir até a cidade de Dã para adorar e cultuar aquele bezerro. 31 Jeroboão também construiu altares idólatras e designou sacerdotes dentre o povo, apesar de não serem levitas. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  3. 3. ► Resp. O medo de perder a influência sobre os israelitas, caso fossem adorar em Jerusalém, capital do Reino de Judá, fez com que Jeroboão ficasse espiritualmente cego e induzisse o povo à idolatria, abandonando o Senhor. As pessoas se deixam levar por outras pessoas e pelas circunstâncias, e acabam se desviando do que é correto. O maior temor de Jeroboão era que em qualquer tempo no futuro o coração de seus súditos se deixasse cativar pelo ocupante do trono de Davi. Raciocinou ele que se às dez tribos fosse permitido visitar com frequência a antiga sede da realeza judaica, onde os cultos do templo eram ainda dirigidos como nos anos do reinado de Salomão, muitos poderiam sentir-se inclinados a renovar sua submissão ao governo centralizado em Jerusalém. Trocando ideia com seus conselheiros, Jeroboão determinou, num ousado golpe, desfazer, tanto quanto possível, a probabilidade de uma revolta contra seu governo. Isto pretendia ele levar a termo criando dentro dos limites de seu recém-formado reino dois centros de adoração: um em Betel e o outro em Dã. Nesses lugares deviam as dez tribos ser convidadas a se reunir, em vez de em Jerusalém, para adorar a Deus. Planejando esta transferência, intentava Jeroboão apelar à imaginação dos israelitas, colocando perante eles alguma representação visível para simbolizar a presença do Deus invisível. Consequentemente, mandou fazer dois bezerros de ouro, e estes foram postos dentro de nichos nos centros indicados para adoração. Nesta tentativa para representar a divindade, Jeroboão violou o claro mandamento de Deus: "Não farás para ti imagem de escultura. ... Não te encurvarás a elas nem as servirás." Êxo. 20:4 e 5. Tão forte era o desejo de Jeroboão de conservar as dez tribos afastadas de Jerusalém, que perdeu de vista a fraqueza fundamental de seu plano. Ele deixou de tomar em consideração o grande perigo a que estava expondo os israelitas, pelo colocar perante eles o símbolo idólatra da divindade, com os quais seus ancestrais haviam estado tão familiarizados durante os séculos de seu cativeiro no Egito. A estada recente de Jeroboão no Egito devia tê-lo ensinado a loucura de colocar perante o povo tais representações pagãs. Mas seu decidido propósito de induzir as tribos do norte a não continuar sua visita anual à cidade santa, levou-o a adotar a mais imprudente das medidas. "Muito trabalho vos será o subir a Jerusalém", insistiu ele; "vês aqui teus deuses, ó Israel, que te fizeram subir da terra do Egito". I Reis 12:28. Assim foram eles convidados a se prostrarem perante imagens de ouro e a adotar estranhas formas de culto. O rei procurara persuadir os levitas, alguns dos que estavam vivendo em seus domínios, a servirem como sacerdotes nos altares recém-erguidos em Betel e Dã; mas nesta tentativa ele foi ao encontro do fracasso. Foi então compelido a elevar ao sacerdócio homens "dos mais baixos do povo". I Reis 12:31. Alarmados com as perspectivas, muitos dos fiéis, incluindo-se um grande número de levitas, fugiram para Jerusalém, onde podiam adorar em harmonia com os divinos reclamos. Profetas e Reis, 99-101. “A apostasia introduzida durante o reinado de Jeroboão se tornou cada vez mais acentuada, até que finalmente resultou em ruína total do reino de Israel”. (Profetas e Reis, p. 107). ● 3. O que os versos seguintes dizem sobre o reinado de alguns dos reis de Judá? 2Cr 33:9, 10, 21-23; 2Rs 24:18, 19 2Cr 33:9-10, (ARC); 9 E Manassés tanto fez errar a Judá e aos moradores de Jerusalém, que fizeram pior do que as nações que o SENHOR tinha destruído de diante dos filhos de Israel. 10 E falou o SENHOR a Manassés e ao seu povo, porém não deram ouvidos. 2Cr 33:21-23, (ARC); 21 Era Amom da idade de vinte e dois anos quando começou a reinar e dois anos reinou em Jerusalém. 22 E fez o que era mal aos olhos do SENHOR, como havia feito Manassés, seu pai, porque Amom sacrificou a todas as imagens de escultura que Manassés, seu pai, tinha feito e as serviu. 23 Mas não se humilhou perante o SENHOR, como Manassés, seu pai, se humilhara; antes, multiplicou Amom os seus delitos. 2Cr 24:18-19, (NVI); 18 Então abandonaram o templo do Senhor, o Deus dos seus antepassados, e prestaram culto aos postes sagrados e aos ídolos. Por culpa deles, a ira de Deus veio sobre Judá e Jerusalém. 19 Embora o Senhor tivesse enviado profetas ao povo para trazê-los de volta para ele e os profetas tivessem testemunhado contra eles, o povo não quis ouvi-los. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  4. 4. ► Resp. Manassés, Amom, Joaquim e Zedequias são exemplos de reis que fizeram o que era mau perante o Senhor e levaram o povo à apostasia. Aos transgressores foram dadas muitas oportunidades para se arrependerem. Em sua hora de mais profunda apostasia e maior necessidade, a mensagem de Deus a eles foi de perdão e esperança. “Para tua perda, ó Israel”, Ele declarou, “tu te rebelaste contra Mim, contra o teu Ajudador. Onde está agora o teu rei, para que te guarde?” (Os 13:9, 10). “Venham, tornemos para o Senhor”, o profeta suplicava, “porque Ele despedaçou, e nos sarará; fez a ferida, e a ligará. Depois de dois dias nos dará a vida; ao terceiro dia nos ressuscitará, e viveremos diante dEle. Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva será a Sua saída; e Ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra” (Os 6:1-3). Aos que tinham perdido de vista o plano dos séculos para o livramento dos pecadores iludidos pelo poder de Satanás, o Senhor ofereceu restauração e paz. “Eu sararei a sua perversão, Eu voluntariamente os amarei”, o Senhor declarou; “porque a Minha ira se apartou dele. Eu serei para Israel como orvalho; ele florescerá como o lírio, e espalhará as suas raízes como o Líbano. Voltarão os que se assentarem à sua sombra; serão vivificados como o trigo, e florescerão como a vide; a sua memória será como o vinho do Líbano. Efraim dirá: Que mais tenho eu com os ídolos? Eu o tenho ouvido, e isso considerarei; eu sou como a faia verde; de mim é achado o teu fruto…” De geração em geração o Senhor tinha tratado pacientemente com Seus filhos transviados; e mesmo então, em face de ousada rebelião, Ele ainda ansiava revelar-Se a eles como desejoso de salvar. (Profetas e Reis, p. 283, 285). ❉ Terça - Dois males Ano Bíblico: Mt 5–7 ● 4. Leia Jeremias 2:1-28 e responda às seguintes perguntas: a) Que promessas Deus havia feito à nação quando ela ainda era fiel? (v. 2, 3) Jr 2:13, (ARC); 1 E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: 2 Vai e clama aos ouvidos de Jerusalém, dizendo: Assim diz o SENHOR: Lembro-me de ti, da beneficência da tua mocidade e do amor dos teus desposórios, quando andavas após mim no deserto, numa terra que se não semeava. 3 Então, Israel era santidade para o SENHOR e era as primícias da sua novidade; todos os que o devoravam eram tidos por culpados; o mal vinha sobre eles, diz o SENHOR. ► Resp. Ele os tornaria as primícias dos povos e faria vir o mal sobre seus inimigos. b) Que pecado estavam cometendo alguns dos sacerdotes, pastores e profetas? (v. 8) Jr 2:8, (ARC); 8 Os sacerdotes não disseram: Onde está o SENHOR? E os que tratavam da lei não me conheceram, e os pastores prevaricaram contra mim, e os profetas profetizaram por Baal e andaram após o que é de nenhum proveito. ► Resp. Os sacerdotes não perguntaram pelo Senhor, os pastores se rebelaram contra Deus e os profetas profetizavam em nome de Baal, seguindo deuses inúteis. c) De que maneira as pessoas enganavam a si mesmas a respeito de sua verdadeira condição espiritual? (v. 23, 24). Jr 2:20-24, (NVI); 20 "Há muito tempo, eu quebrei o seu jugo e despedacei as correias que a prendiam. Mas você disse: "Eu não servirei! " Ao contrário, em todo monte elevado e debaixo de toda árvore verdejante, você se deitava como uma prostituta. 21 Eu a plantei como uma videira seleta, de semente absolutamente pura. Como, então, contra mim você se tornou uma videira degenerada e selvagem? 22 Mesmo que você se lave com soda e com muito sabão, a mancha da sua iniquidade (injustiça, transgressão da lei 1Jo 3:4) permanecerá diante de mim", diz o Soberano Senhor. 23 "Como você pode dizer que não está contaminada e que não Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  5. 5. correu atrás dos baalins? Reveja o seu procedimento no vale e considere o que você tem feito. Você é como uma camela jovem e arisca que corre para todos os lados; 24 como uma jumenta selvagem habituada ao deserto, cheirando o vento em seu desejo. Quem é capaz de controlá-la quando está no cio? Os machos que a procuram não precisam se cansar, porque logo encontrarão a que está no mês do cio. ► Resp. O povo dizia que não estava contaminado e que não corria atrás dos ídolos, mas é retratado como um animal selvagem, que não queria se submeter ao controle de Deus, mas que ansiava pelos ídolos e estava sempre pronto a se entregar a eles. Sacerdotes e príncipes fixaram-se numa rotina de cerimonialismo. Satisfizeram-se com uma religião legal e era-lhes impossível dar a outros as vivas verdades do Céu. Consideravam suficiente sua própria justiça e não desejavam a intromissão de um novo elemento em sua religião. A boa vontade de Deus para com os homens não era por eles aceita como algo à parte deles mesmos, mas a relacionavam com seus próprios méritos por causa de suas boas obras. A fé que opera por amor e purifica a alma não achava lugar na união com a religião dos fariseus, feita de cerimonialismo e injunções humanas. (Atos dos Apóstolos, p. 15). Por intermédio de Moisés o Senhor expôs ao povo as consequências da infidelidade. Recusando-se a guardar Seu pacto, eles se segregariam da vida de Deus e Suas bênçãos não poderiam descer sobre eles. “Guarda-te”, disse Moisés, “para que te não esqueças do Senhor, teu Deus, não guardando os Seus mandamentos, e os Seus juízos, e os Seus estatutos, que hoje te ordeno; para que, porventura, havendo tu comido, e estando farto, e havendo edificado boas casas, e habitando-as, e se tiverem aumentado as tuas vacas e as tuas ovelhas, e se acrescentar a prata e o ouro, e se multiplicar tudo quanto tens, se não eleve o teu coração, e te esqueças do Senhor, teu Deus. … E não digas no teu coração: A minha força e a fortaleza do meu braço me adquiriram este poder. Será, porém, que, se, de qualquer sorte, te esqueceres do Senhor, teu Deus, e se ouvires outros deuses, e os servires, e te inclinares perante eles, hoje eu protesto contra vós que certamente perecereis…” (Dt 8:11-14, 17, 19, 20). A advertência não foi atendida pelo povo judeu. Esqueceram-se de Deus, e perderam de vista o alto privilégio de ser representantes Seus. As bênçãos que receberam não reverteram em bênçãos para o mundo. Todas as prerrogativas foram usadas para a glorificação própria. Roubaram a Deus do serviço que deles requeria, e roubaram a seus semelhantes a direção religiosa e o santo exemplo. Como os habitantes do mundo antediluviano, seguiam toda imaginação de seu coração mau. Assim faziam as coisas sagradas parecerem uma farsa, dizendo: “Templo do Senhor, templo do Senhor, templo do Senhor é este” (Jr 7:4), ao passo que representavam falsamente o caráter de Deus, desonrando-Lhe o nome, e poluindo Seu santuário. (Parábolas de Jesus, p. 291, 292). ❉ Quarta - A ameaça babilônica Ano Bíblico: Mt 8–10 ● 5. Leia Jeremias 27:6. Como devemos entender esse texto? Jr 27:6, (ARA); 6 E agora eu entreguei todas estas terras na mão de Nabucodonozor, rei de Babilônia, meu servo; e ainda até os animais do campo lhe dei, para que o sirvam. ► Resp. Deus disse que entregaria todas as terras mencionadas, inclusive Judá, ao poder de Nabucodonosor, rei da Babilônia. Deus usaria Babilônia como instrumento para punir Seu povo. O castigo mínimo que um Deus misericordioso podia infligir a tão rebelde povo, era a submissão ao rei de Babilônia; mas se eles se rebelassem contra o Seu decreto de servidão, haviam de experimentar o pleno rigor dos Seus castigos. (Profetas e Reis, p. 444). ● 6. Leia Jeremias 25:8-12. Qual foi a mensagem de Jeremias ao povo de Judá? ► Resp. Uma vez que eles não haviam dado ouvidos às palavras de Deus, Ele enviaria o rei de Babilônia para destruir a terra, e eles iriam servi-lo por 70 anos. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  6. 6. Dentro de poucos anos o terrível juízo recairia sobre Jeoaquim; mas antes o Senhor em Sua misericórdia informou a impenitente nação de Seu decidido propósito. No quarto ano do reinado de Jeoaquim, “falou o profeta Jeremias a todo o povo de Judá, e a todos os habitantes de Jerusalém”, ressaltando o fato de que, por mais de vinte anos, “desde o ano treze de Josias… até este dia” (Jr 25:2 e 3), ele havia dado testemunho do desejo de Deus para salvar, mas que suas mensagens haviam sido desdenhadas. E então a palavra do Senhor a eles era: “Assim diz o Senhor dos Exércitos: Visto que vocês não escutaram as Minhas palavras, eis Eu enviarei, e tomarei a todas as gerações do norte, diz o Senhor, como também a Nabucodonosor, rei de Babilônia, Meu servo, e os trarei sobre esta terra, e sobre os seus moradores, e sobre todas estas nações em redor, e os destruirei totalmente, e os porei em espanto, e em assobio, e em perpétuos desertos. E farei perecer entre eles a voz de folguedo, e a voz de alegria, a voz do esposo, e a voz da esposa, o som das mós, e a luz do candeeiro. E toda esta terra virá a ser um deserto e um espanto; e estas nações servirão ao rei de Babilônia setenta anos” (Jr 25:8-11. (Profetas e Reis, p. 430, 431). Até o fim do tempo surgirão homens para criar confusão e rebelião entre o povo que professa obedecer à lei de Deus. Mas tão certamente como o juízo divino visitou os falsos profetas no tempo de Jeremias, da mesma forma os maus obreiros de hoje receberão sua plena medida de retribuição, pois o Senhor não mudou. (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 4, p. 1276). ❉ Quinta - Falso juramento Ano Bíblico: Zc 9–11 Em Jeremias 5:1, o Senhor disse aos judeus: “Percorram as ruas de Jerusalém, olhem e observem [...] se podem encontrar alguém que aja com honestidade e que busque a verdade. Então Eu perdoarei a cidade” (NVI). ● 7. Leia Jeremias 5:2, 3. Qual foi a evidência de que a situação estava terrível? Lv 19:12 Jr 5:2-3, (ARC); 2 E ainda que digam: Vive o SENHOR, decerto falsamente juram. 3 Ah! SENHOR, não atentam os teus olhos para a verdade? Feriste-os, e não lhes doeu; consumiste-os, e não quiseram receber a correção; endureceram as suas faces mais do que uma rocha; não quiseram voltar. Lv 19:12, (KJA); 12 Não jurareis falsamente pelo meu Nome, pois profanarias o Nome de Deus. Eu Sou Yahweh. ► Resp. Eles usavam o nome do Senhor, mas juravam falsamente. Além disso, não quiseram receber a disciplina do Senhor e não se arrependeram. Por meio da parábola do semeador, Cristo descreve os diversos resultados da semeadura como dependentes do solo. O semeador e as sementes são em cada caso os mesmos. Desta maneira nos ensina que, se a Palavra de Deus não executar sua obra em nosso coração e vida, devemos em nós mesmos procurar a razão disso. Mas o resultado não está além de nosso controle. É certo que não podemos transformar-nos, mas temos o poder de escolha, e depende de nós o que queremos ser. Os ouvintes comparados com o caminho, ou com os pedregais ou com o chão cheio de espinhos não precisam permanecer assim. O Espírito de Deus procura continuamente quebrar o encantamento da arrogância que mantém os homens absortos em coisas mundanas, e despertar anelo pelo tesouro imperecível. Resistindo os homens ao Espírito, tornam-se desatentos ou negligentes para com a Palavra de Deus. Eles mesmos são responsáveis pelo endurecimento do coração, que impede a boa semente de enraizar-se, e pelas ervas daninhas que lhe reprimem o desenvolvimento. O jardim do coração precisa ser cultivado. O solo precisa ser sulcado por profundo arrependimento. As plantas venenosas e diabólicas devem ser arrancadas. O terreno, uma vez coberto de espinhos, só pode ser reconquistado por diligente trabalho. Assim, as más tendências do coração natural só podem ser vencidas por sincero esforço em nome de Jesus e por Sua virtude. O Senhor nos ordena pelos profetas: “Lavrem seus campos não arados e não semeiem entre espinhos” (Jr 4:3). “Semeiem para vocês em justiça, ceifem segundo a misericórdia” (Os 10:12). Essa obra Ele deseja realizar para nós e nos pede cooperação. (Parábolas de Jesus, p. 56). Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com

×