BIBLIOGRAFIA ANOTADA
Elizabeth Batista – #ppel8
Unidade Curricular: Materiais e Recursos e-Learning
Professora: Ana Nobre
Amiel, T., Orey, M. & West, R. (2011). Recursos Educacionais Abertos (REA): modelos para
localização e adaptação. ETD – Ed...
Hilu, L., Torres, P. L. & Behrens, M. A. (2015). REA (Recursos Educacionais Abertos) -
conhecimentos e (des)conhecimentos....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PPT Bibliografia Anotada Materiais e Recursos e-Learning

288 visualizações

Publicada em

Bibliografias anotadas sobre a temática Recursos Educacionais Abertos - REA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PPT Bibliografia Anotada Materiais e Recursos e-Learning

  1. 1. BIBLIOGRAFIA ANOTADA Elizabeth Batista – #ppel8 Unidade Curricular: Materiais e Recursos e-Learning Professora: Ana Nobre
  2. 2. Amiel, T., Orey, M. & West, R. (2011). Recursos Educacionais Abertos (REA): modelos para localização e adaptação. ETD – Educação Temática Digital, v 12, n esp., pp 112-125, Campinas. Recuperado em 22 novembro, 2015, de https://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/etd/article/view/2284 O artigo Recursos Educacionais Abertos (REA): modelos para localização e adaptação, de Amiel, Orey e West (2011), propõe uma reflexão acerca do design de recursos educacionais, abordando a complexidade envolvida no trabalho de acomodação dos mesmos aos diferentes contextos culturais. Os autores apontam aspectos de localização e adaptação dentro do movimento para Recursos Educacionais Abertos (REA). O texto parte da diferenciação entre o conceito de REA e Objetos de Aprendizagem, em seguida, passam a argumentar em favor do fomento e da busca de possibilidades para a facilitação dos processos de adaptação e localização destes recursos, de modo que possam ser facilmente aproveitados em contextos diversos. Apresentam e discutem ao longo do texto os conceitos de “saliência cultural” e “affordance”, afirmando sua importância para o design educacional que garanta a produção de recursos mais abertos e facilmente adaptados para contextos culturais diferentes. Apresentam ainda os modelos de adaptação e localização de recursos educacionais, explicitando os atributos que os fazem mais ou menos restritivos para reutilização. Considera-se o presente artigo relevante, por apresentar de maneira didática e objetiva os principais aspectos que permeiam os designs educacionais que buscam se traduzir em recursos abertos e, que se pretendem capazes de possibilitar efetiva prática de reutilização em contextos culturais distintos. Além disso, amplia a discussão sobre REA para além dos aspectos já bastante debatidos, como os que dizem respeito às licenças de atribuição, agregando questões relativas aos formatos e características de design destes recursos.
  3. 3. Hilu, L., Torres, P. L. & Behrens, M. A. (2015). REA (Recursos Educacionais Abertos) - conhecimentos e (des)conhecimentos. Revista e-Curriculum, v 13, n 1, pp 130-146. São Paulo. Recuperado em 23 novembro, 2015, de http://www.redalyc.org/pdf/766/76638304007.pdf As autoras, ao longo do texto, discutem a importância dos Recursos educacionais abertos sob a perspectiva de possibilitar uma educação do século XXI. Defendem um cenário que delimita e resguarda as autorias, mas que ao mesmo tempo estimula a coletivização, a atitude colaborativa, a co-criação e a conexão. Para promoção deste debate as autoras partem de uma pesquisa com um grupo de doutorandos e coordenadores, realizada durante o Seminário de aprofundamento de tese, no Programa de Doutorado em Educação da PUC PR. O texto apresenta e discute os resultados da pesquisa, reforçando aspectos que atribuem ao desconhecimento um dos principais entraves para a ampliação das iniciativas de REA no meio acadêmico, associado a questões de infraestrutura e conservadorismo das principais Teorias da Aprendizagem, o que impediria a realização de práticas mais condizentes com uma cultura digital. Por fim, considera-se importante a leitura deste artigo, por trazer ao debate questões fundamentais que estão na base das transformações para uma efetiva pratica pedagógica alinhada as necessidades do século XXI, onde uma cultura da propriedade seria substituída por uma cultura digital e haveria um espaço maior para a colaboração e co-criação.

×