Página 1 de 5
Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a
aprendizagem do futuro
Open Educational Resource...
Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro
Hélder Pereira
2
Desta forma, a informa...
Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro
Hélder Pereira
3
do conhecimento que di...
Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro
Hélder Pereira
4
2009). A clareza do se...
Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro
Hélder Pereira
5
REA.
Ficou claro que a...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro

538 visualizações

Publicada em

O presente artigo centra-se na reflexão sobre o conceito de Recursos Educacionais Abertos, enquanto princípio orientador da aprendizagem do futuro, enquadrando-a no contexto social e educativo no qual se desenvolve, a sociedade em rede em que vivemos. O percurso metodológico foi a revisão de literatura, com o intento de se atingirem os objetivos do artigo, triangulando a informação recolhida. Os resultados demonstram que o futuro da aprendizagem, dado o avanço tecnológico e digital, envolve Recursos Educacionais Abertos, promotores de uma aprendizagem colaborativa e ajustada às exigências da sociedade atual. Neste sentido, os ambientes de aprendizagem deixam de estar limitados a um espaço físico, promovendo-se o elearning de forma evidente. Assim, são apresentados os benefícios dos Recursos Educacionais Abertos, com um exemplo ilustrativo do Brasil, demonstrando o seu potencial para a promoção de uma aprendizagem de futuro sucesso.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
538
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
169
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro

  1. 1. Página 1 de 5 Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro Open Educational Resources – highlight for the future of learning Hélder Pereira [helderbrunopereira@gmail.com] Universidade Aberta, Rua da Escola Politécnica 147, 1269-001 Lisboa, Portugal [http://www.uab.pt] Resumo O presente artigo centra-se na reflexão sobre o conceito de Recursos Educacionais Abertos, enquanto princípio orientador da aprendizagem do futuro, enquadrando-a no contexto social e educativo no qual se desenvolve, a sociedade em rede em que vivemos. O percurso metodológico foi a revisão de literatura, com o intento de se atingirem os objetivos do artigo, triangulando a informação recolhida. Os resultados demonstram que o futuro da aprendizagem, dado o avanço tecnológico e digital, envolve Recursos Educacionais Abertos, promotores de uma aprendizagem colaborativa e ajustada às exigências da sociedade atual. Neste sentido, os ambientes de aprendizagem deixam de estar limitados a um espaço físico, promovendo-se o elearning de forma evidente. Assim, são apresentados os benefícios dos Recursos Educacionais Abertos, com um exemplo ilustrativo do Brasil, demonstrando o seu potencial para a promoção de uma aprendizagem de futuro sucesso. Palavras-chave: Aprendizagem do futuro, Ambientes Colaborativos, Recursos Educacionais Abertos, Educação Aberta, Elearning. Abstract This article focus on reflection of the concept of Open Educational Resources, as a guiding principle of the future learning, framing it in the social and educational context in which develops. The methodological guideline was content analysis, with the purpose of achieving the article’s objectives, triangulating the gathered information. The results demonstrated that the future of learning, given the technological and digital advances, involves Open Educational Resources, promoters of a collaborative learning and adjusted to the demands of modern society. Therefore, learning environments are no longer limited to physical space, promoting elearning in an obvious sense. In this sense, we present the benefits of Open Educational Resources, with an illustrative example of Brazil, demonstrating its potential for the promotion of a successful future of learning. Keywords: Future of Learning, Collaborative Environments, Open Educational Resources, Open Education, Elearning. 1. Introdução Vivemos uma nova era de relações sociais, de acesso à informação e ao conhecimento. O potencial das tecnologias de informação e comunicação (TIC) reconfigurou o modelo social, precipitando uma nova sociedade, a sociedade em rede (CASTELLS, 1999). Esta mudança não pode ser restringida à dimensão social, uma vez que, segundo Moran (2000, apud NETTO, 2014), esta nova sociedade intima uma mudança do paradigma educativo. São assim exigidas mudanças nas interações que se estabelecem entre aluno, professor e conteúdo. A aprendizagem passou a estar centrada no aluno, que desenvolve o seu percurso com a mediação do professor e interagindo com o conteúdo, que passou a estar disponível sem constrangimentos de tempo e de espaço (GARRISON & ANDERSON, 2003; BIELACZYC & BLAKE, 2006; SIEMENS & TITTENBERGER, 2009; FLORES, 2014; PEREIRA et al, 2014).
  2. 2. Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro Hélder Pereira 2 Desta forma, a informação passou a desenvolver-se numa dimensão ilimitada (LÉVY, 2000). Devem-se, desta forma, fomentar estratégias pedagógicas que promovam alunos motivados e comprometidos com o processo de aprendizagem (COUTINHO et al, 2009; Picciano, 2001, apud FLORES, 2014; Mcgrath y Bayerlein, 2013, apud FLORES, 2014; ROSA, 2009; WISHART & BLEASE, 1999; BEELAND, 2002; KARSENTI & FIEVEZ, 2013). É neste contexto que os Recursos Educacionais Abertos (REA) ganham um grande potencial e se assumem como um princípio orientador da aprendizagem do futuro, enquanto aprendizagem colaborativa e ajustada às exigências atuais. Neste sentido, os objetivos a que nos propomos com o presente artigo são: a) definir o conceito de Recursos Educacionais Abertos; b) destacar os benefícios dos Recursos Educacionais Abertos; c) averiguar o potencial pedagógico dos Recursos Educacionais Abertos para a aprendizagem do futuro. 2. Metodologia Para a redação do presente artigo utilizámos o método de pesquisa exploratória, com o objetivo de se ganhar familiaridade com o tema, promovendo, para tal, revisão de literatura sobre a temática REA. Foram pesquisadas as seguintes palavras-chave no motor de busca da Google®: Aprendizagem do futuro, Ambientes Colaborativos, Recursos Educacionais Abertos, Educação Aberta, Elearning. Estas palavras-chave foram pesquisadas em português, inglês e castelhano, conciliando-as com o comando booleano and. Foram encontradas referências, projetos, artigos científicos, blogues e páginas Web. Depois do levantamento bibliográfico, as várias fontes foram analisadas sob os mesmos critérios de adequação, objetividade e hodiernidade. Estas permitiram: a) elaborar o registo da referência bibliográfica completa; b) destacar as ideias-base das fontes; c) identificar excertos a integrar no presente artigo; d) entrelaçar a informação recolhida com os pressupostos de partida para a produção do artigo, sob uma ótica crítica e reflexiva. Para a seleção do exemplo ilustrativo de um projeto REA, foram analisados alguns exemplos apresentados nas fontes, direcionando a escolha para um projeto REA no contexto brasileiro. A seleção do exemplo explorado no presente artigo seguiu a familiaridade prévia com o Portal do Professor do Ministério de Educação, bem como a curiosidade de o perspetivar numa ótica pedagógica REA. 3. Recursos Educacionais Abertos e o seu potencial pedagógico Na evolução da nossa revisão de literatura, denotámos a importância de refletirmos sobre o conceito REA e as suas vantagens para uma adequação do modelo educativo à sociedade atual. Seguindo Pacheco (2009), devemos olhar a Educação enquanto estimulador da criatividade humana, integrando a tecnologia com as metodologias e pedagogias adequadas para se alcançarem ambientes educativos de sucesso (COX et al, 2003). É evidente que estamos, portanto, a falar de um princípio orientador REA. Note-se que, como referido por Adell (2004), a imensidão REA promovida pela Internet traz benefícios pedagógicos que de outra forma estariam fora do contexto educativo. O conceito de REA, expresso pela UNESCO (2012, p. 1) surge como materiais de ensino, aprendizagem e investigação em quaisquer suportes, digitais ou outros, que se situem no domínio público ou que tenham sido divulgados sob licença aberta que permite acesso, uso, adaptação e redistribuição gratuitos por terceiros, mediante nenhuma restrição ou poucas restrições. O licenciamento aberto é construído no âmbito da estrutura existente dos direitos de propriedade intelectual, tais como se encontram definidos por convenções internacionais pertinentes, e respeita a autoria da obra. Desta forma, “the goal is that OER [open educational resources] materials are freely copiable, freely remixable, culturally sensitive, and free of barriers to access, sharing, and educational use” (JOHNSON et al, 2014, p. 18). Na realidade, os REA’s abrem o caminho e evidenciam a potencialidade de uma educação aberta e co- construída. Assim, os benefícios dos REA’s são claros, especialmente o baixo custo e a democratização
  3. 3. Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro Hélder Pereira 3 do conhecimento que difundem ao possibilitar a partilha e a concriação de conhecimento (JOHNSON et al, 2012). Sabemos que um grande benefício REA reside no consciência de que os “indivíduos toleram cada vez menos seguir cursos uniformes ou rígidos que não correspondem às suas necessidades reais e à especificidade de seu trajeto” (LÉVY, 2000, p. 169). Neste contexto, a Declaração da Cidade do Cabo (2007) aponta que “esta metodologia de educação é construída sobre a crença de que todos devem ter a liberdade de usar, personalizar, melhorar e redistribuir os recursos educacionais, sem restrições”. Segundo Mortera e Escamilla (2009), os próprios alunos assumem os REA’s como um elemento fundamental, enquanto focalizadores da concentração e promotores de motivação e envolvimento no processo de aprendizagem. Coincidimos, desta forma, com Wheeler (2010) quando aponta alguns dos benefícios REA no contexto pedagógico: focados na comunidade de aprendizagem e no público; organizados em resoluções de problema; fomentadores de micro aprendizagens personalizadas; facilitadores da criação e partilha de conhecimento. Os REA’s surgem, assim, como facilitadores do conhecimento, que impulsionam a criatividade, promovendo a colaboração e a partilha. São, desta forma, incitadores de melhorias significativas na aprendizagem (KEATS, 2003). Wu et al (2009) apontam ainda os benefícios que os REA’s promovem para a inclusão e literacia digital. Não podemos deixar de destacar, citando Butcher (2011, p. 34), que “o elemento chave que distingue um REA de qualquer outro recurso educacional é a sua licença. Portanto, um REA é simplesmente um recurso educacional com uma licença que facilita o seu reuso – e, possivelmente, adaptação – sem necessidade de solicitar a permissão do detentor dos direitos autorais”. É este licenciamento aberto que garante a acessibilidade e o domínio público efetivo de um REA. Concordámos aqui com Materu (2004, p. 5) ao referir que “se os anos 1990 foram chamados de e-década, a atual pode ser cunhada como a-década (código aberto, sistemas abertos, padrões abertos, acessos abertos, arquivos abertos, tudo aberto)”. Efetivamente, um bom sistema educacional deve ter três propósitos: dar a todos que queiram aprender acesso aos recursos disponíveis, em qualquer época de sua vida; capacitar a todos os que queiram partilhar o que sabem a encontrar os que queiram aprender algo deles e, finalmente, dar oportunidade a todos os que queiram tornar público um assunto a que tenham possibilidade de que seu desafio seja conhecido. (ILLICH, 1985, p. 86) Professores e alunos devem estabelecer parcerias, por meio da colaboração, da partilha, da comunicação e da interação (Graziola Junior & Schlemmer, 2008, apud COUTINHO, 2010). Os REA validam, então, a posição de Freire (1997, p. 21), quando refere que “ensinar não é apenas transferir conhecimento, mas criar possibilidades para a sua produção ou a sua construção”. É evidente, portanto, o potencial pedagógico dos REA’s ao permitirem a reutilização em diferentes cenários, a sua readaptação de acordo com as diferentes finalidades e ao estabelecerem diferentes percursos pedagógicos (OLIVEIRA, 2004, p. 73). Os REA’s potencializam um processo de aprendizagem que promove o diálogo e a problematização (Freire, 1987), bem como a partilha continuada de perspetivas e ajustes contínuos, promovendo a “troca generalizada de saberes” (LÉVY, 2000), promovendo em torno de um determinado recurso, uma ecologia do conhecimento (LITTO, 2006). Acreditamos que os REA’s são promotores de motivação para o processo de aprendizagem e orientadores para o Elearning, enquanto ambiente de aprendizagem cada vez mais procurado pela flexibilidade de tempos e espaços que possibilita (NETTO, 2014). Concordamos com D’Antoni (2008) e a OER Community (2008), que apresentam os REA’s como pré-requisito na Educação a Distância e de uma educação mais ampla e solidária. Coincidimos com Bates (2012) quando aponta que a integração de uma educação aberta baseada em REA’s promove um conhecimento amplo e que desenvolve o espírito crítico dos alunos. Não podemos deixar de notar as questões que se colocam quanto à sua validação e avaliação. Esta deve basear-se em pilares de autenticação, confiabilidade, validade, sustentabilidade e acessibilidade (ESPARZA,
  4. 4. Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro Hélder Pereira 4 2009). A clareza do seu domínio público e aberto, e do devido licenciamento, já referidos no presente artigo, são também pilares-base para uma validação REA. Por fim, não podemos deixar de realçar que os REA’s potenciam uma convergência harmoniosa da educação formal, informal e não formal. Concordamos, desta forma, com Litto (2006), quando refere que “com os REA disponibilizando quase todo o conhecimento moderno essencial, em formatos de texto, vídeo e áudio, o ensino informal tenderá a se tornar mais significativo do que o antigo sistema formal e convencional de ensino”. 3.1. Um exemplo ilustrativo A dimensão REA no Brasil tem vindo a ser progressivamente trabalhada nos últimos anos e verificámos que passos importantes foram dados neste sentido, mas ainda existe um longo caminho a ser percorrido. Relembramos que não é foco deste artigo caracterizar o panorama REA no Brasil, mas antes apresentar um exemplo REA brasileiro, refletindo sobre o seu potencial pedagógico. Contudo, devemos aqui realçar que importantes políticas públicas e privadas se têm unido para a consolidação de uma cultura REA no Brasil. A título de exemplo, podemos remeter para o Decreto 52.681, 26/11/11 de São Paulo, que demarca que os recursos educacionais desenvolvidos pela Secretaria de Educação devem ser de domínio público. Denotámos, desta forma, uma sensibilização para a cultura REA bastante intensa, mas ainda pouco cultivada na prática. No que respeita ao exemplo ilustrativo analisado para cumprir o objetivo deste artigo, apresentamos o Portal do Professor, lançado em 2008 em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia. Após a sua análise, verificámos que é um portal de domínio público e de trabalho colaborativo, que visa difundir a formação de professores, com recursos pedagógicos que podem ser trabalhados por todos, portanto, abertos. A variedade de recursos em diversos formatos torna o portal num ambiente de aprendizagem de grande potencial pedagógico, de inovação educacional e de inclusão digital. O professor/educador/facilitador pode aceder ao recurso, com a possibilidade de o copiar e distribuir, mas é-lhe vedado o uso comercial. A licença mais frequente que encontrámos nos recursos do Portal é a licença Creative Commons, mas encontrámos alguns recursos que estão também autorizados pelo autor. O processo de autenticação dos recursos é dado por instituições de ensino, ou outras organizações reconhecidas, e para a sua publicação eles são validados de acordo com o padrão de esquema de metadados Dublin Core. Pela análise efetuada, podemos remeter para um potencial pedagógico REA bastante significativo, o que consolida a visão deste artigo, que projeta os REA’s enquanto princípio orientador da aprendizagem do futuro. 4. Considerações finais A sociedade atual redefiniu o modelo de ensino e exige uma mudança efetiva do paradigma educativo, rumo à motivação, participação e interatividade dos alunos, num processo de aprendizagem colaborativo, crítico e co-construído. É neste cenário de inovação educativa que os REA’s se assumem como um princípio orientador da aprendizagem do futuro ao permitirem reusar, revisar, remixar e redistribuir informação e conhecimento. Estes quatro pilares REA em contexo aberto e digital promovem um maior acesso ao conhecimento e uma literacia digital inegável. Acreditamos, portanto, que um modelo educativo de aprendizagem do futuro deve incorporar cenários de aprendizagem emergentes, triangulando os seus benefícios em prol de uma aprendizagem de sucesso. Assim, após a revisão de literatura efetuada, defendemos que a aprendizagem do futuro deve incluir REA em conjugação com outros cenários de aprendizagem emergentes. Num próximo estudo seria interessante: a) aprofundar o modelo de construção de conhecimento promovido pela cultura REA; b) averiguar os critérios de validação REA; c) descrever os licenciamentos
  5. 5. Recursos Educacionais Abertos – princípio orientador para a aprendizagem do futuro Hélder Pereira 5 REA. Ficou claro que a aprendizagem deixou de estar restrita ao espaço físico escolar, adquirindo, portanto, destaque a Educação Online, que alarga e revigora estes cenários da aprendizagem inovadores. Os REA’s são, portanto, uma presença obrigatória na aprendizagem do futuro, quer pela criatividade que promovem, quer pelo potencial pedagógico que evidenciam para uma aprendizagem efetiva e de sucesso. Referências 1. BATES, T. (2012). Lo que está bien y lo que está mal con MOOCs de estilo Coursera, aprendizaje en línea y recursos de educación a distancia. 2. BEELAND, J. (2002). Student Engagement, Visual Learning and. Technology: Can Interactive Whiteboards Help?. Micromath (Spring), 4-7. 3. BIELACZYC, K. & BLAKE, P. (2006). Shifting epistemologies: Examining student understanding of new models of knowledge and learning. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON LEARNING SCIENCES, 7, 2006, Bloomington. Proceedings… [S.l.]: International Society of the Learning Sciences, 2006. p. 50-56. 4. BUTCHER, N. (2011). A Basic Guide to Open Educational Resources. British Columbia/Paris: COL e UNESCO, 2011. 5. Cape Town Open Education Declaration: Unlocking the promise of open educational resources (2007). [S.l: s.n.]. Recuperado de http://www.capetowndeclaration.org/read- the-declaration. 6. CASTELLS, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e a Terra, 1999. v. 1. 7. COUTINHO, C., SOUSA, A., DIAS, A., BESSA, F., FERREIRA, M. & VIEIRA, S. (2009). Investigação-acção: metodologia preferencial nas práticas educativas. 8. COUTINHO, C. (2010). Tecnologias Web 2.0 na sala de aula: três propostas de futuros professores de português. Maio 2009. 9. COX, M., ABBOTT, C., WEBB, M., BLAKELEY, B., BEAUCHAMP, T., RHODES, V. (2003). ICT and Pedagogy – A Review of the Research Literature. British Educational Communications and Technology Agency Department for Education and Skills. 10. D’ANTONI, S. (2008). Open Educational Resources: the way - deliberations of an international community of interest. UNESCO. Recuperado de http://oerwiki.iiep- unesco.org/images//46/OER_Way_Forward.pdf. 11. ESPARZA, E. (2009). Guía del usuario. Monterrey, México: Centro para la Innovación en Tecnología y Educación, Innov@te, Tecnológico de Monterrey. 12. FLORES, J. (2014). Motivando ambientes virtuales educativos a través de la gamificación. In V. Díaz & J. González (Coords.), El Hoy e el Manãna Junto a las TIC – XVII Congreso Internacional EDUTEC. Córdoba: España. ISBN: 978-84-15881-91-9. 13. FREIRE, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. 17 ed Rio de Janeiro: Paz e Terra. 14. FREIRE, P. (1997). Pedagogia da autonomia. Editora Paz e Terra: São Paulo. 15. GARRISON, D. & ANDERSON, T. (2003). E-learning in the 21st century: A framework for research and practice. New York: Routledge, 2003. 16. ILLICH, I. (1985). Sociedade sem escolas: trad. de Lúcia Mathilde Endlich Orth. 7 ed. Petrópolis: Vozes. 17. JOHNSON, L. et al (2012). The NMC Horizon Report: 2012 Higher Education Edition. Austin, TX: The New Media Consortium. 18. JOHNSON, L. et al (2014). NMC horizon report: 2014 K (pp. 1- 52). 19. KARSENTI, T. & FIEVEZ, A. (2013). The iPad in education: uses, benefits, and challenges. A survey of, 6057. 20. KEATS, D. (2003). Collaborative development of open content: a process model to unlock the potential for African universities. First Monday, v. 8, n. 2, fev. 2003. Recuperado de http://firstmonday.org/issues/issue8_2/keats/. 21. LÉVY, P. (2000) Cibercultura. Lisboa: Piaget. 22. LITTO, F. M. (2006). A nova ecologia do conhecimento: conteúdo aberto, aprendizagem e desenvolvimento. Inclusão Social, [S.l.], 2006. v. 1, n. 2. Recuperado de http://revista.ibict.br/inclusao/index.php/inclusao/article/vie w/32/52. 23. MATERU, P. (2004). Open Source Courseware: a baseline study. Washington: THE WORLD BANK. 24. MORTERA, F. J. & ESCAMILLA, J. G. (2009). La Iniciativa Knowledge Hub: Un Aporte del Tecnológico de Monterrey al Mundo. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia, 12 (2), 83-112. Recuperado de http://www.utpl.edu.ec/ried/. 25. NETTO, M. (2014). Aprendizagem na EaD, mundo digital e ‘gamification’. In Fadel, L.; Ulbricht, V.; Batista, C. & Vanzin, T. (org) Gamificação na Educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014. ISBN: 978-85-66832-12-9. 26. OER COMMUNITY (2008): http://oerwiki.iiep- unesco.org/index.php?title=OER_ Community. 27. OLIVEIRA, L. (2004). A Comunicação Educativa em Ambientes Virtuais: Um Modelo de Design de Dispositivos para o Ensino- Aprendizagem na Universidade. Universidade do Minho, Braga, 2004. 28. PACHECO, J. (2009) Currículo: Entre Teorias e Métodos. Cadernos de Pesquisa. Revista com factor de impacto, SCOPUS. Fundação Carlos Chagas, São Paulo. 29. PEREIRA, H.; MOTA, P. & NOGUEIRA, F. (2014). A magia interativa transformada em realidade: princípios orientadores da ação e resultados. In Costa, F. (org) Actas do III Congresso Internacional das TIC na Educação – TicEduca 2014. Lisboa; Instituto de Educação de Lisboa. 30. ROSA, I. (2009). A gestão escolar democrática: O caso da rede municipal de Mesquita/RJ (Doctoral dissertation, Universidade Federal do Rio de Janeiro). 31. SIEMENS, G. & TITTENBERGER, P. Handbook of Emerging Technologies for Learning. 32. UNESCO (2012). Declaração REA de Paris em 2012. Recuperado de http://www.unesco.org/new/fileadmin/MULTIMEDIA/HQ/CI/ CI/pdf/Events/Portuguese_Paris_OER_Declaration.pdf.. 33. WHEELER, S. (2010). What’s so good about open educational resources? Recuperado de http://www.slideshare.net/timbuckteeth/whats-so-good- about-open-educational-resources. 34. WISHART, J. & BLEASE, D. (1999). Theories underlying perceived changes in teaching and learning after installing a computer network in a secondary school. British Journal of Educational Technology, 30(1), 25-42. 35. WU, W., CHANG, H. & GUO, C. (2009). The development of an instrument for a technology-integrated science learning environment. International Journal of Science and Mathematics Education, 7, 207-233.

×