13/12/2012                                                                     O uso de adereços para arte e              ...
13/12/2012 De acordo com Canto et al, a técnica de perfuração varia de acordo com a região anatômica escolhida pelo usuári...
13/12/2012                                                                         O adereço pode por meio da Segundo Tr...
13/12/2012                                                                        Recessão Gengival A ulcera traumática ...
13/12/2012Segundo Canto et al, a movimentação do adereço                          Aspiração da joiadentro dos tecidos pro...
13/12/2012                                                                                                                ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Consequências bucais do piercing intrabucal

2.750 visualizações

Publicada em

Trabalho de Conclusão do Curso de Odontologia UMESP 2012

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.750
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consequências bucais do piercing intrabucal

  1. 1. 13/12/2012 O uso de adereços para arte e decoração do corpo vem sendo amplamente proposto e explorado nos últimos anos. Devido a sua crescente utilização, principalmente na região da cavidade bucal, alguns estudos demonstram que o uso da joia pode comprometer seriamente a saúde do usuário. Quando utilizados intraoralmente, podem ser motivo de complicações sistêmicas e locais para o organismo.  De acordo com Carvalho, Barsosa e Silva, Piercing é uma palavra de origem inglesa que significa perfurar, mas popularmente a palavra tomou a conotação de uma “joia” que se usa em diversas partes do corpo, como por exemplo, na cavidade bucal: Este trabalho teve como objetivo destacar as consequências maléficas do uso do piercing para a boca e o sistema como um todo, no sentido de capacitar o Cirurgião-Dentista a orientar e prevenir aos pacientes para que não façam seu uso. Segundo Alves et al, o uso de joias na região da boca, estáregistrado na história como parte de hábitos religiosos, tribais,culturais e símbolo sexual. O primeiro registro, foi encontrado nafigura de um cão no Egito antigo, aproximadamente 1500 a.C. epara os Maias representava virilidade, espiritualidade e coragem. Os primeiros relatos na cavidade oral, na Odontologia ocorreramna década de 90, sendo portanto, um fenômeno relativamente novopara os Cirurgiões-Dentistas. 1
  2. 2. 13/12/2012 De acordo com Canto et al, a técnica de perfuração varia de acordo com a região anatômica escolhida pelo usuário, sendo  Segundo Bozelli et al, a joia pode causar uma inflamaçãoque, no lábio, na língua e no frênulo lingual local, pois os linfonôdos submandibulares podem inchar, em a técnica consiste na utilização de umaagulha estéril do mesmo tamanho da joia e decorrência do ato invasivo da perfuração. uma pinça para que haja a preensão do lábio para que ocorra a perfuração.  Podendo levar aos sinais característicos da inflamação:  Para Canto et al, quando o paciente apresenta dor e edema,há inflamação,  Segundo Chambrone e Chambrone, no piercing lingual primeiro utilizamos a haste ocasionando uma extensão no período de longa (18 mm) e depois de duas semanas cicatrização. É necessário um colocamos a haste curta (12 mm) debridamento do local, usando clorexidina e antibioticoterapia.  Bozelli et al, relata o excesso de sangramento no ato de instalação do ornamento lingual pela alta vascularização e a dor ao desconforto pelo procedimento cruento. 2
  3. 3. 13/12/2012  O adereço pode por meio da Segundo Trinade, Guaré e Bonecker, o adereço contaminação cruzada pelo uso indevidooral apresenta um risco alto de infecção, devido à de materiais não esterilizados, fazer comgrande quantidade de bactérias na cavidade bucal. que o indivíduo tenha uma susceptibilidade de adquirir doenças contagiosas como:  Para Ribeiro et al, o desconhecimento  da anatomia local, dos conceitos de  AIDS Vírus Herpes Simples assepsia, pelo profissional que instalará o adereço pode resultar em infecções,  Hepatite B e C  Vírus Epstein-Barr parestesias e hemorragias.  Tétano Candida e Tuberculose  Sífilis  Endocardite Bacteriana • Segundo Pécora et al, o aço cirúrgico apesar da Transtornos sistêmicos decorrentes da biocompatibilidade, pode sofrer corrosão, liberando cromo eaplicação do adereço na cavidade bucal: níquel. • O cromo foi considerado carcinogênico e o níquel apresenta características alergênicas.  Segundo Canto et al, ocorre um excesso de salivação devido a uma maior estimulação e dor devido a numerosas terminações nervosas encontradas na língua. A presença do piercing na cavidade oral é um estimulo físico que induz a ativação parassimpática, causando assim o aumento do fluxo salivar. 3
  4. 4. 13/12/2012  Recessão Gengival A ulcera traumática pode resultar Segundo Canto et al, o adereço nado atrito da jóia com a mucosa língua esta associado à recessões  Os nódulos granulomatososbucal, sendo a complicação mais gengival na lingual dos dentes ocorrem por conta do anteriores.frequente de perfuração. processo inflamatório, sendo uma reação orgânica em É maior o risco de recessão gengival em relação à joia. relação a barbell longa. Os problemas mais comuns do piercing labial, é a recessão gengival nos dentes anteriores. Hipersensibilidade dentinária é causada pela retração. Recessão Gengival Mas por que ela ocorre? Para Bozelli et al, o íntimo e constante contato entre a esfera da joia e o tecido gengival que protege os dentes anteriores inferiores, acarreta uma perda de inserção periodontal e consequentemente uma recessão gengival, normalmente localizada. Quando isto ocorre devemos remover a joia, devido a possibilidade de um comprometimento severo do periodonto. Placa Bacteriana Abcesso Periodontal e Inflamação crônica periodontalComo a joia possui uma superficie  Falta de higienizaçãodescamavél é capaz de acumularplaca bacteriana e cálculo dental. De acordo com Andrade, Junior e Terezan, o abscesso periodontal ocorre comoAumenta o risco de desenvolver consequência do piercingdoenças como a cárie dentária e lingual.doença periodontal. O trauma mecânico da joia no dente pode agravar uma inflamação periodontal levando a formação de bolsas periodontais. 4
  5. 5. 13/12/2012Segundo Canto et al, a movimentação do adereço Aspiração da joiadentro dos tecidos provoca uma reação decelulas inflamatórias e hiperplasia tecidual,  Deglutição do adereçohavendo a possibilidade da formação neoplasica.  De acordo com Bozelli et al, os diferentes Agressão de curso prolongado tipos de piercing e de baixa intensidade possuem em sua apresenta desenvolvimento estrutura conexões, que lento e pode evoluir para um Segundo Fetano, Miura e podem se soltar levando tumor maligno. Boleta Ceranto, no caso de ao usuário a riscos de aspiração, o individuo estaria ingestão e aspiração das sujeito à obstrução das vias peças que compõem o aéreas. O sangue chegaria no adereço. pulmão porém não iria ocorrer a hematose, causando uma ausência de oxigênio. Trincas no esmalte Hábitos deletérios Os problemas dentários mais comuns em relação a Perda do elemento dental joia são dentes quebrados ou lascados, por conta da movimentação do adereço, pois o usuário possui o hábito de brincar com a joia De acordo com Fenato, Miura e dentro da cavidade. Boleta-Ceranto, em alguns casos o uso da joia pode causar comprometimento dentinário e pulpar, com formação de abcesso, trismo e resultar na perda do elemento dental.  Cárie Segundo Chambrone e Chambrone, oDe acordo com Fenato, adereço causa uma abrasão dentária, e com isto o indivíduo sente uma  Segundo Canto et al, quando um paciente apresenta dor eMiura e Boleta-Ceranto, sensibilidade dentária. edema, consequentemente possui uma inflamação,ocorre um aumento de ocasionando uma extensão no período de cicatrização, ácumulo do biofilme necessitando de debridamento do local, uso de clorexidina edental, proporcionando  Abrasão dentária antibioticoterapia. o aumento no desenvolvimento de Entretanto, Chambrone e Chambrone, enfocam que a dor também cáries. é a primeira reação adversa causada pelo adereço oral, entretanto o sangramento prolongado, devido à perfuração de vasos durante o ato e a dor devido ao procedimento ser executado sem anestesia. Além disso, para Fenato, Miura e Boleta-Ceranto, a dor, o edema, a hemorragia e a infecção são também inclusos na sintomatologia decorrente ao uso de adereços bucais. 5
  6. 6. 13/12/2012 Com base na literatura encontrada foi possível concluir que são várias as alterações decorrentes do uso do piercing bucal. Podem ser divididas em:  De acordo com Trinade, Guaré e Bönecker, Fenato, Miura e Boleta-Ceranto, Saquet et al, uma reação adversa  Consequência dos tecidos moles do adereço é a dificuldade na fala, que faz com que o individuo tenha de realizar pequenas adaptações para - Inflamação no local do uso do piercing. reproduzir sons e fonemas, além disso, tanto na fala - Infecções adversas pela má higienização. quanto no processo mastigatório, por mobilidade - Reações de hipersensibilidade pelo material utilizado. excessiva da língua e lábios, o piercing pode favorecer ou - Nódulos granulomatosos ao redor da inserção do piercing mesmo causar pequenos ferimentos na mucosa oral e em - Doença periodontal pela dificuldade na sua higienização região de palato. com refração gengival em locais onde o piercing está próximo. - Sialorréia pela compressão da jóia sobre o assoalho Entretanto, segundo Bozelli et al, os indivíduos que bucal. utilizam os adereços não possuem interferência na fala, mastigação e deglutição. Por conta disso, os cirurgiões-dentistas devem ter conhecimento  Consequências em tecidos duros: das consequências em relação ao uso do piercing bucal, para que possam orientar seus pacientes em três situações: - Pequenas fraturas de esmalte. - Hipersensibilidade dentinária. - Prevenção de doenças bucais e sistêmicas - Remoção do adereço  Outras consequências ditas prováveis: - Não utilização para a manutenção da saúde bucal - Câncer Bucal - Dificuldade na fonação e deglutição Seguindo esta normatização, há possibilidade de remissão dos - Desenvolvimento de hepatite B e C e AIDS efeitos danosos ao organismo e aos tecidos envolvidos e o - Acidentes, como a obstrução das vias Cirurgião-Dentista reforça sua importância como membro aéreas por sua deglutição. integrante da Saúde Geral e Bucal.1 Carvalho VTC, Barbosa E, Silva CMOM. Estudo das alterações patológicas causadas por colocação de piercingsorais. Rev UniVap, Vale do Paraíba, 2004:456–9. 12 Brito SF, Marchesan IQ, Bosco CM, Carrilho ACA e Rehder MI. Frênulo lingual: classificação e conduta2 Pecora GA, Reys A, Pedron IG, Utumi ER, Borsatti MA. Complicações decorrentes da utilização do piercing bucal segundo ótica fonoaudiólógica, odontológica e otorrinolaringológica. Rev CEFAC, São Paulo, 2008:10(3):343-- avaliação e conduta clínica. Rev Odonto, São Bernardo do Campo, 2010:18(36):51-7. 351.3 Saquet PN, Saleh SB, Marchiori JC, Pozzobon R. Perfil dos usuários de piercing oral e implicações decorrentes 13 Chambrone L, Chambrone LA. Aspectos clínicos associados ao uso de piercing oral. Rev ABO Nac,de seu uso. Rev Gaúcha Odontologia, Porto Alegre, 2009:57(1):41-5. 2006:14(1):40-3.4 Trinade CP, Guaré RO, Bönecker MJS. Piercing oral: considerações gerais e relato de casos clínicos. J Bras 14 Andrade RA, Andrade Junior ACC, Terezan MLF. Abcesso periodontal em paciente usuária de piercingOdontopediatr Odontol Bebê, Curitiba, 2003:6(31):203-9. lingual: relato de caso clínico. Rev Bras Odontol, 2007:64(1/2):49-52.5 Bozelli JV, Matsui RH, Faltin Junior K, Ortolani CF, Chelloti A. Piercing oral e perioral: a moda que marca. Rev 15 Santiago LM, Santana AF, Aguiar CRB, Santos EV. Alterações intra-bucais causadas pelo uso do piercing.Inst Ciênc Saúde, 2004:22(4):331-6. Odontologia Clín-Científ, Recife, 2007:6(2):143-6.6 Marquezan M, Souza LT, Tanaka O. Piercing oral: beleza, riscos e o papel da odontologia. Rev Fac Odontol 16 Ribeiro ED, Duarte BG, Sant’Ana E, Capelozza ALA. Complicação após colocação de piercing na região dePorto Alegre, Porto Alegre, 2008:49(1): 12-5. lábio inferior: relato de caso clínico. Rev Paulist de Odontol, 2010:32(2):9-12.7 Alves LV, Silva AMB, Fonseca ACL, Miranda MS. Problemas relacionados com o uso de piercing na língua: relato 17 Marchesan IQ. Alterações de fala de origem musculoesquelética. In.: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongide caso. Rev Adolesc Saude, Rio de Janeiro, 2011:8(1):59-62. SCO. Tratado de fonoaudiologia. São Paulo: Roca, 2004. cap. 25, p. 292-303.8 Santo RAE, Santos LFG, Conceição JG, Pontes JRM, Israel MS, Ramos MEB. Piercing oral: fator de risco para o 18 Dib JE, Mota NRS, Ferreira MS, Dib MBE. Angina de Ludwig: revisão de literatura e relato de caso. Rev docâncer? Rev Ci Méd Biol, Salvador, 2007:6(2):233-9. Curso de Odontol da Uni-Evangélica, 2007:9(1).9 Fenato MC, Miura CSN, Boleta DCFC. Piercing bucal: sua saúde vale esse modismo? Arq Ciênc Saúde, 19 Escudero-Castaño N, Perea MAG, Campo JT, Cano S, Bascanes AM. Oral and perioral piercingUmuarama, 2010:14(2):157-161. complications. Open Dent J., 2008, 2:133-136.10 Canto GL, Oliveira J, Ouriques KA, Wolff FL. "Piercing" bucal: o que os dentistas devem saber. Rev Assoc 20 Plessas A, Pepelassi E. Dental and periodontal complications of lip and tongue piercing: prevalence andPaulist Cirurg Dent, 2002:56(5):345-9. influencing factors. Aust Dent J, Greece 2012:57(1):71-8.11 Fragelli CMB, Campos JADB, Gaspar AMM. Considerações sobre o uso do piercing lingual. Rev Gaúcha 21 Campbell A, Moore A e Williams E. Tongue piercing: impact of time and barbell stem length on lingualOdontol, Porto Alegre, 2010:58(4):451-5. gingival recession and tooth chipping. J Periodontol 2002:73(3):289-297. 6

×