Granuloma Piogênico

2.465 visualizações

Publicada em

TCC UMES

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.465
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Granuloma Piogênico

  1. 1. 29/09/2012 Faculdade da Saúde Curso de Graduação em Odontologia Introdução ● O granuloma piogênico é uma lesão vascular benigna de natureza inflamatória,resultante de irritantes locais e Granuloma Piogênico Bucal: Revisão de Literatura traumatismos.* termo inadequado. em Relação à incidência,gênero,etnia e idade. ● Acomete principalmente a gengiva. ● Exame físico extra bucal e encaminhamento histopatológico Camila Martinez De Giovanni são fundamentais na corroboração diagnóstica. ● Tratamento consiste na remoção cirúrgica excisional Orientadora: combinada com remoção dos fatores irritativos locais e proservação. Camila M.De Giovanni REVISÃO DE LITERATURA REVISÃO DE LITERATURA REVISÃO DE LITERATURA DEZOTTI et al. (2000) verificaram 43 pacientes com GP junto aos SARAVANA (2009) revisou 137 casos de GP do departamento de cirurgia oralTONANI et al. (1976) reavaliaram um grupo de 78 pacientes com GP do serviço de do Hospital Trichy, Índia entre 1996 e 2006. patologia cirúrgica da faculdade de Odontologia da Universidade De São Paulo. prontuários do arquivo da clínica de Estomatologia da FOB-USP no período de 1976 a 1998.  RESULTADOS:  RESULTADOS: - Gênero Feminino RESULTADOS: - Gênero Feminino (31casos) - Gengiva Maxilar (63 casos)- Sexo Feminino (52 casos)- Gengiva Inferior – Mandíbula (26 casos) - Gengiva Superior (33 casos) - Etnia Negra- Raça branca (54 casos) - 3 ª década de vida - 3ª década de vida- 2ª e 3ª década de vida FORTES et al. (2000) realizaram um estudo epidemiológico de 271 casos de AVELAR et al. (2008) avaliaram a prevalência do GP em um estudoRIVERO E ARAÚJO (1998) revisaram 147 casos de GP entre 1965 e 1997 pelo GP entre 1980 e 1999 epidemiológico de 191 casos no período de janeiro de 1992 a março de 2007. centro de diagnóstico de histopatológica da Faculdade de Odontologia de Pelotas.  RESULTADOS:  RESULTADOS: - Gênero Feminino (185casos) - Gênero Feminino (132 casos) RESULTADOS: - Gengiva (150 casos) - Gengiva (77,9% casos)- Sexo Feminino (97 casos) - Etnia Branca (107 casos) - Etnia Branca ( 77 casos)- Gengiva (101 casos) 2ª década de vida - 2ª década de vida (62 casos) -- 2ª e 3ª década de vida (112 casos) Camila M.De Giovanni Camila M.De Giovanni Camila M.De Giovanni PROPOSIÇÃO DISCUSSÃO  Este trabalho baseou-se na revisão de  FATORES PREDISPONENTES DO GP literatura recente do Granuloma  Trauma TONANI et al. (1976); ESCOBAR e YURGEL (1988); GONZAGA et Piogênico visando avaliar a prevalência al. 1997; MICHEL et al. 1998; COSTA et al. 2001; FORTES et al. 2002; SILVEIRA et al. 2004; JAFARKADEH, SANATKHANI e MOHTASHAM 2006; em relação à incidência,gênero,etnia e  GOMES e DUARTE 2008; MELO et al. (2009) Placa Bacteriana RIVERO e ARAÚJO (1998); SOLETTI, COSTA e idade, devido sua ocorrência frequente CHIAPINOTTO (2004); PERALLES et al. (2006); REYES et al. (2008) na clinica odontológica.Embasado  Cálculo e tártaro ESCOBAR e YURGEL (1988); RIVERO e ARAÚJO (1998); REYES et al. (2008); SARAVANA (2009) nisso,pode-se concluir que o cirurgião-  Alteração hormonal JAFARKADEH, MOHTASHAM (2006); GOMES e DUARTE (2008) SANATKHANI e dentista tem o papel fundamental em seu  Gengivite ESCOBAR e YURGEL (1998) diagnóstico como tratamento do mesmo.  Exodontia de 3º Molar REYES et al. (2008). Camila M.De Giovanni Camila M.De Giovanni 1
  2. 2. 29/09/2012 DISCUSSÃO  DIÂMETRO DA LESÃO  De mm a cm GONZAGA et al. 1997; REYES et al. 2008 )  Menor igual 2,5 cm JAFARKADEH, SANATKHANI e MOHTASHAM (2006)  0,1 a 2,0 cm ESCOBAR e YURGEL (1988); MICHEL et al. (1998); MARTINS et al. (1998); RIVERO e ARAÚJO (1998); EPIVATIANOS et al. (2005); AVELAR et al. (2008) Camila M.De Giovanni DISCUSSÃO DISCUSSÃO c BASE DA LESÃO  COLORAÇÃO DA LESÃO  Vermelho Intenso TONANI et al. (1976); SILVEIRA et al. (2004); Base Pediculada (MARTINS et al. (1998); RIVERO e ARAÚJO PERALLES et al. (2006); GOMES e DUARTE (2008), (1998); DEZOTTI et al. (2000); FORTES et al. (2002); JÚNIOR et al. (2003);  Avermelhada GONZAGA et al. (1997); MICHEL et al.; RIVERO e SILVEIRA et al. (2004); EPIVATIANOS et al. (2005); PERALLES et al. (2006); ARAÚJO (1998); FORTES et al. (2002); JÚNIOR et al. (2003); SOLETTI, JAFARKADEH, SANATKHANI e MOHTASHAM 2006; AVELAR et al. (2008) COSTA e CHIAPINOTTO (2004); JAFARKADEH, SANATKHANI e MOHTASHAM (2006) Base Séssil TONANI et al. (1976); GONZAGA et al. (1997); GOMES e  Rosa MICHEL et al. (1998); JAFARKADEH, MOHTASHAM (2006); GOMES e DUARTE (2008) SANATKHANI e DUARTE (2008); MELO et al. (2009)  Rosa Pálido MARTINS et al. (1998); MELO et al. (2009) Base séssil , pediculada e sanguinolenta  Rosada e Azulada RIVERO e ARAÚJO (1998) MARTINS et al. (1998); RIVERO e ARAÚJO (1998); DEZOTTI et al. (2000);  Roxo e Roxo Vinho JAFARKADEH, SANATKHANI e MOHTASHAM FORTES et al. (2002); JÚNIOR et al. (2003); SILVEIRA et al. (2004); (2006); MELO et al. (2009) EPIVATIANOS et al. (2005); PERALLES et al. (2006), JAFARKADEH, SANATKHANI e MOHTASHAM (2006)  Acastanhado REYES et al. (2008) Camila M.De Giovanni Camila M.De Giovanni DISCUSSÃO DISCUSSÃO DISCUSSÃO FAIXA ETÁRIA GÊNERO MAIS ACOMETIDO  ETNIA  Crianças até adultos (GONZAGA et al. 1997; JÚNIOR et al. 2003) Feminino (TONANI et al. (1976); ESCOBAR e YURGEL (1988);  BRANCA TONANI et al. (1976); COSTA et al. (2001); FORTES et al.  Indivíduos Jovens (MICHEL et al. 1998; MARTINS et al. (1998); VÉLEZ, SOUZA e PINTO (1992); GONZAGA et al. (1997); LAWOYIN, AROTIBA CAVALCANTE et al. (1999); REYES et al. 2008) (2002); JÚNIOR et al. (2003); SILVEIRA et al. (2004); PERALLES et al. (2006); e DOSUMU (1997); RIVERO e ARAÚJO (1998); MARTINS et al. (1998); AVELAR et al. (2008)  2ª e 3ª década de vida TONANI et al. (1976); FORTES et al. DEZOTTI et al. (2000); CAMPOS et al. (2000); COSTA et al. (2001); FORTES (2002); SILVEIRA et al. (2004); JAFARKADEH, et al. (2002); JÚNIOR et al. (2003); SILVEIRA et al. (2004); EPIVATIANOS et al. (2005); PERALLES et al. (2006); JAFARKADEH, SANATKHANI e  SEM PREDILEÇÃO CAVALCANTE et al. (1999); REYES SANATKHANI e MOHTASHAM (2006); AVELAR et al. (2008); GOMES e DUARTE 2008). MOHTASHAM (2006); REYES et al. (2008); AVELAR et al. (2008); GOMES e et al. (2008)  3ª década de vida DEZOTTI et al. 2000; SARAVANA (2009) DUARTE 2008 SARAVANA et al. (2009); MELO et al. (2009)  3ª e 4ª década de vida VÉLEZ, SOUZA e PINTO (1992) e REYES et al. (2006) Ambos os Gêneros CAVALCANTE et al. (1999)  2ª e 5ª década de vida RIVERO e ARAÚJO (1998); COSTA et al. (2001) e MELO et al. (2009).  2ª e 6ª década de vida LAWOYIN, AROTIBA e DOSUMU (1997 )  6ª década de vida EPIVATIANOS et al. (2005)  Sem predileção por idade CAMPOS et al. (2000) Camila M.De Giovanni Camila M.De Giovanni Camila M.De Giovanni 2
  3. 3. 29/09/2012 DISCUSSÃO DISCUSSÃO LOCAL DE MAIOR INCIDÊNCIA MUCOSA JUGAL (TONANI et al. 1976; VÉLEZ, SOUZA e PINTO 1992; GENGIVA (ESCOBAR e YURGEL 1988, GONZAGA et al. (1997), LAWOYIN, LAWOYIN, AROTIBA e DOSUMU 1997; RIVERO e ARAÚJO 1998; DEZOTTI et al. 2000; AROTIBA e DOSUMU (1997), RIVERO e ARAÚJO (1998), MARTINS et al. (1998), FORTES et al. 2002; SILVEIRA et al. 2004) CAVALCANTE et al. (1999), CAMPOS et al. (2000), COSTA et al. (2001), FORTES et al. (2002), SILVEIRA et al. (2004), EPIVATIANOS et al. (2005), JAFARKADEH, SANATKHANI e MOHTASHAM (2006) LÍNGUA SILVEIRA et al. (2004), VÉLEZ, SOUZA e PINTO (1992) e FORTES et al. (2002) GENGIVA SUPERIOR VÉLEZ, SOUZA e PINTO (1992); MICHEL et al. FUNDO DE SULCO ESCOBAR e YURGEL (1988); (1998) e DEZOTTI et al. (2000) PORÇÃO ANTERIOR DA GENGIVA PERALLES et al. (2006) MUCOSA ALVEOLAR VÉLEZ, SOUZA e PINTO (1992); LAWOYIN, AROTIBA e DOSUMU (1997); FORTES et al. (2002) e SILVEIRA et al. (2004) GENGIVA INFERIOR TONANI et al. (1976) e VÉLEZ, SOUZA e PINTO ASSOALHO BUCAL (RIVERO e ARAÚJO 1998; FORTES et al. 2002; (1992) SILVEIRA et al. 2004) REBORDO GENGIVAL E REGIÃO ANTERIOR MANDIBULAR GOMES e DUARTE (2008) e AVELAR et al.(2008). PALATO VÉLEZ, SOUZA e PINTO (1992); FORTES et al. (2002) LÁBIO TONANI et al. (1976), ESCOBAR e YURGEL (1988), DEZOTTI et al. (2000) e EPIVATIANOS et al. (2005). Camila M.De Giovanni Camila M.De Giovanni CONCLUSÃO CONCLUSÃO Por meio desse estudo concluiu-se que:  Clinicamente, o GP é um nódulo com base pediculada ou séssil, com sangramento espontâneo ao simples toque, sua coloração na maioria das vezes, varia de avermelhada a vermelho intenso O granuloma piogênico (GP) é uma lesão vascular devido à presença de capilares que irrigam a lesão em maior ou benigna de natureza inflamatória, no qual o nome menor quantidade; piogênico não diz respeito a pus, mas sim a um processo de traumatismo local correspondendo à sua coloração  Em relação ao gênero, o feminino é o mais acometido; amarelada devido à cicatrização;  Quanto à etnia, a raça branca mostra uma maior prevalência; A etiologia do GP está relacionada a fatores  A gengiva foi o local de maior acometimento; desencadeantes como: trauma de baixa intensidade, placa  A prevalência em relação à faixa etária seria durante a bacteriana, cálculo, gengivite, alterações hormonais, segunda a quinta década de vida, com uma idade média de 35 mordedura de lábios, exodontias de terceiros molares; anos. Camila M.De Giovanni Camila M.De Giovanni  Obrigada pela atenção! Camila M.De Giovanni 3

×