Toxicologia

684 visualizações

Publicada em

Toxicologia básica

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
684
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Toxicologia

  1. 1. Toxicologia
  2. 2. • Toxicologia é a ciência que estuda a natureza e o mecanismo das lesões tóxicas nos organismos vivos • Segundo definição de Casarett: “Toxicologia é a ciência que define os limites de segurança dos agentes químicos, entendendo-se como segurança a probabilidade de uma substância não produzir danos em condições especiais”. Toxicologia
  3. 3. AGENTE TÓXICO: Substância química, de estrutura química definida, capaz de produzir um efeito tóxico TOXICIDADE: Capacidade inerente de produzir efeito nocivo após interação com organismo. INTOXICAÇÃO: sinais e sintomas que evidenciam o efeito nocivo RISCO: É a probabilidade da substância produzir dano sob determinadas condições. Toxicologia
  4. 4. • Passagem do toxicante do local de contato para a circulação sanguínea Toxicocinética
  5. 5. Absorção
  6. 6. • Processo onde o toxicante se distribui pelo organismo • Sangue e linfa – veículos • Tecidos com maior perfusão possuem maior distribuição • O estado molecular do toxicante facilita a distribuição Distruibuição
  7. 7. • É definido como toda alteração que ocorre na estrutura química do toxicante no organismo. Biotransformção
  8. 8. Eliminação do toxicante do organismo Excreção
  9. 9. • Influência do pH urinário e caráter do toxicante • Toxicante ácido excreção • Toxicante básico excreção Excreção renal
  10. 10. • Ocorre para gases com baixa solubilização no sangue. • A velocidade de excreção depende dessa proporção, ou seja, quanto maior a solubilização no sangue mais lenta a eliminação Excreção Pulmonar
  11. 11. Outras vias
  12. 12. Toxicologia
  13. 13. Toxicologia dos medicamentos
  14. 14. • Natural: alimentos que contêm alguma naturalmente alguma substância considerada tóxica (a mandioca brava que tem a LINAMARINA que tem atividade tóxica); • Produzidas: durante a produção dos alimentos as substâncias tóxicas são geradas durante o processamento, conservação ou estocagem (ex. HAP- hidrocarbonetos aromáticos policíclicos durante a queima da Toxicologia em alimentos
  15. 15. • Adicionadas intencionalmente: dosagens excessivas de aditivos que podem conter algumas substâncias tóxicas a partir de determinadas quantidades ou são tóxicas apenas para um grupo de pessoas Metais em alimentos
  16. 16. • Essenciais em grama: Na, K, Mg e Ca • Essenciais em miligramas: Fe, Zn, Cu Mg • Essenciais em ultratraço: Cr. Si, Ni, Ar, B Metais em alimentos
  17. 17. Micotoxinas
  18. 18. • Estuda os efeitos tóxicos em uma população, comunidade e ecossistema, bem como medidas para conter ou tratar os danos Toxicologia ambiental e ecotoxicologia
  19. 19. Toxicologia Farmacologia Bioquímica Química AnalíticaEpidemiologia Matemática Ecologia Toxicologia ambiental e ecotoxicologia
  20. 20. • Distribuição: local onde encontro determinado poluente; • Bioacumulação: remete-se a absorção do agente tóxico • Biomagnificação: Acúmulo do toxicante em diferentes níveis, pela transferência de organismos menores para maiores Toxicologia ambiental e ecotoxicologia
  21. 21. 1950 – baía de Minamata Fabricação de PVC com mercúrio Descarte na baía - contaminação dos peixes Pesca – contaminação do homem( SNC) Toxicologia ambiental e ecotoxicologia
  22. 22. • Caracterizado por testes que fornecem dados científicos • Estabelece limites de segurança • Utiliza a avaliação da toxicidade • Baseia-se em mais de um modelo experimental Toxicologia ambiental e ecotoxicologia
  23. 23. Agente tóxico Número de casos % Medicamentos 18.824 28,27% Domissanitários 5.786 9% Animais peçonhentos 5.689 9% Produtos químicos industriais 4.744 7% Agrotóxicos 4.135 6% Total 66.584 100% Toxicologia dos domissanitários
  24. 24. Sabões e detergentes Desinfetantes Agentes de limpeza Repelentes domésticos Toxicologia dos domissanitários
  25. 25. Toxicologia ocupacional
  26. 26. • PRINCIPAIS ÁREAS E PROBLEMAS • Agropecuária – praguicidas, metais; • Atividade industrial em geral - particulados, químicos; • Oficinas (mecânica/funilaria, soldagem), gráficas, pinturas - particulados, metais pesados, solventes orgânicos; Toxicologia ocupacional
  27. 27. 1. FAZER O BALANÇO RISCO X BENEFÍCIO Drogas, pesticidas, metais pesados, etc. 2. DETERMINAR ORIGENS E FONTES DE RISCO Contaminantes alimentares, poluição das águas e do ar, etc. 3. ESTABELECER PRIORIDADES DE PROGRAMAS Através de gências regulatórias, manufaturadores, organizações ambientais, consumidores, etc. 4. ESTIMAR RISCO RESIDUAL 5. PROMOVER A REDUÇÃO DE DANO Toxicologia ocupacional
  28. 28. 1 - Identificação de Perigo 2 - Caracterização de Risco 3 – Gerenciamento de Risco Toxicologia ocupacional
  29. 29. Etanol, inalantes, cannabis, alucinógenos, opiáceos e opióides e estimulantes do sistema nervoso central Toxicologia social
  30. 30. Toxicologia social  alcalóide de sabor amargo  com propriedades anestésicas e vasoconstritoras  extraído das folhas da Erithroxylon coca (nativa da América do Sul), conhecida como coca ou epadu (pelos índios brasileiros)  nome químico: benzoilmetilecgonina
  31. 31. Folhas de coca: mascadas junto com substância alcalinizante ou sob forma de chá (forma tradicional nos países Andinos) Concentração: 0,5 a 1,5 % Cloridrato de cocaína: pó fino e branco; pode ser utilizado por via venosa ou aspirado (via nasal). Concentração: 15 a 75 % Crack: em forma em pedra, volatiliza quando aquecida; fumada em cachimbos rudimentares contendo de 50 a 150 mg da droga Concentração: 40 a 70% Merla: pasta da cocaína; também pode ser fumada Concentração: 40 a 71 % Bazuko: pasta obtida das primeiras fases de separação da cocaína das folhas da planta quando estas são tratadas com álcalis, solventes orgânicos (querosene ou gasolina) e ácido sulfúrico; contém muitas impurezas tóxicas e é fumada em cigarros (basukos) Concentração: 40 a 90% Toxicologia social
  32. 32. • Inibição da recaptura e aumento da liberação de catecolaminas no SNC periférico Toxicologia social
  33. 33. • Reação com hipoclorito de sódio •  Em uma lâmina escavada de vidro, ou em placa de Petri, colocar uma pequena porção de pó e adicionar gotas de hipoclorito de sódio. •  Na presença de cocaína formar-se-á um precipitado branco flocoso (reação positiva). Toxicologia social
  34. 34. ANFETAMINAS e ANÁLOGOS www.cassiescorner.bizland.com/drugs Exemplos Anfetaminas: • Metilfenidato (Ritalina®) • Anorexígenos (anfepromona, femproporex, etc.) Methamphetamine: Speed, Ice, “Pervertin” MDMA: ecstasy Toxicologia social
  35. 35. Síndrome adrenérgica prolongada Ilusões, paranoia Taquicardia, hipertensão Hipertermia, diaforese Hiper-reflexia, midríase, convulsões, coma Pode ocorrer rabdomiólise Toxicologia social
  36. 36. Etanol Toxicidade Doses tóxicas muito variáveis, dependendo:  Da tolerância individual  Do uso concomitante de outros fármacos Toxicologia social
  37. 37. •Hidrocarbonetos: tolueno, xilol, benzeno, n-hexano, presentes em colas, tintas, thiners, removedores •Cheirinho da Loló: clorofórmio e éter •Lança-perfume: cloreto de etila Termo também usado para designar o “cheirinho da Loló” (lança, cheiro) Toxicologia social
  38. 38. • Substância: Delta 9 THC (tetrahidrocanabinol). • Sinonímia: Charas (Extremo Oriente), Marijuana(E.U.A), Baseado, fininho, bomba, fumo, erva, etc (Brasil). Toxicologia social
  39. 39. • Método de extração •  Colocar cerca de 0,1 grama de folhas e/ou inflorescência de planta suspeita em gral de vidro e pulverizá-la •  Adicionar 15mL de éter, tampar com vidro de relógio 10-15minutos.  Filtrar o extrato em papel de filtro. Com o extrato, proceder às reações de identificação • Reação de identificação • Reação de Chamaravy •  Transferir uma alíquota do extrato para cápsula de porcelana e evaporar até resíduo, em banho de água fervente •  Adicionar ao resíduo, uma aliquota de reativo de Chamaravy e aquecer por 2 minutos em banho de água fervente •  Após este tempo, adicionar água destilada pelas paredes de cápsula •  Em caso positivo, haverá, o aparecimento de coloração violácea, que passa a azul. • OBS.Preparo do Reativo: • p-dimetilbenzaldeído  3,0g • ácido sulfúrico a 37% 100,0 mL Toxicologia social
  40. 40. Toxicologia social
  41. 41. Estudo dos efeitos dos venenos e peçonhas de animais Peçonha x Veneno Toxinologia
  42. 42. Toxinologia
  43. 43. Toxinologia
  44. 44. Toxinologia
  45. 45. Toxinologia
  46. 46. Toxinologia
  47. 47. Toxinologia

×