Toxicologia

578 visualizações

Publicada em

Intoxicação por drogas de abuso

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
578
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Toxicologia

  1. 1. Intoxicação por drogas de abuso *Cocaína *MarijuanaDocente: Dr. Ramon Lhapour Discente: Carmen Mondlane ISCTEM 1
  2. 2. Sumário • Introdução • Conceitos Básicos • Fisiopatologia • Intoxicação/Envenenamento – Tipos de Envenenamento – Diagnóstico – Necrópsia dos Envenenados • Toxicologia – Classificação • Drogas de Abuso – Marijuana – Cocaína • Conclusão • Referências Bibliográficas 2
  3. 3. Introdução Em nossa rotina, muitas vezes usamos remédios para as mais variadas doenças (problemas cardíacos, infecções, diabetes). Para o senso comum, essas substâncias são chamadas drogas. Porém, existem outros significados para a palavra droga. Aqui, usarei a seguinte definição: Droga é qualquer substância que ao ser usada, altera o comportamento do indivíduo e induz a auto-admnistração - ou seja, o indivíduo que usou vai querer usar novamente. Então, desse modo, o número de drogas em que pensamos segundo essa definição é bem menor, porque “remédios em geral” não provocam a vontade no indivíduo de repetir o uso. 3
  4. 4. Introdução • O uso de drogas é um fenômeno mundial que precisa ser discutido nacional e internacionalmente....Nada de tabu. Vamos falar sobre drogas 4
  5. 5. Conceitos Básicos Toxicomania ou Toxicofilia – Estado de intoxicação periódica ou crônica, nociva ao indivíduo ou à sociedade, produzido pelo repetido consumo de uma droga natural ou sintética. Tóxico 5 Grupo de substâncias naturais, sintéticas ou semi-sintéticas que podem causar tolerância, dependência e crise de abstinência.
  6. 6. Conceitos Básicos Tolerância – necessidade de doses cada vez mais elevadas. 6 Dependência – interação entre o metabolismo orgânico do viciado e o consumo de determinada droga. Crise de abstinência – sindrome caracterizada por: Tremores Inquietação Náuseas Vómitos Irritabilidade Anorexia Distúrbios de sono
  7. 7. Conceitos Básicos • Veneno (venenum) – Toda substância que, quando introduzida no organismo, é capaz de mediante ação química ou bioquímica, lesar a saúde ou destruir a vida. • Podem constituir veneno / tóxico: – Alimentos – Medicamentos – Substâncias naturais ou sintéticas • Dependendo da(o): – Dose – Resistência individual – Via de administração – Veículo utilizado 7
  8. 8. Fisiopatologia Percurso do veneno através do organismo: 1. Penetração 2. Absorção 3. Distribuição 4. Fixação 5. Transformação 6. Eliminação 8 Vias de penetração do veneno: Oral Gástrica Retal Inalatória Cutânea Subcutânea Intramuscular Intraperitoneal Intravenosa Intra-arterial e Intratecal
  9. 9. Conjunto de elementos causadores de dano à saúde ou de morte violenta produzida por ação de determinadas substâncias de forma acidental, criminosa ou voluntária. 9
  10. 10. Artigo 353º do Código Penal: “É qualificado crime de envenenamento todo atentado contra a vida de alguma pessoa por efeito de substâncias, que podem dar a morte mais ou menos prontamente, de qualquer modo que estas substâncias sejam empregadas ou administradas, e quaisquer que sejam as consequências”. 10 Intoxicação: de oriem acidental, não intensional. Envenenamento: de origem intensional, criminosa.
  11. 11. Tipos de Envenenamento Pode ser: – Agudo – Crônico Sob ponto de vista pericial: 1. Envenenamento sem identificação do veneno 2. Identificação do veneno sem que se evidenciem manifestações de envenenamento 11 Dependendo de: Quantidade Velocidade de absorção Sensibilidade individual ta
  12. 12. 12 Clínico Circunstâncial Anatomopatologico Toxicológico Experimental Médico-Legal
  13. 13. Análise dos sinais e sintomas apresentados pela vítima e na marcha progressiva do envenenamento em relação aos antídotos ministrados. 13
  14. 14. • Também chamado de critério histórico ou policial. Conclui a partir de circunstâncias ligadas ao evento. • Baseia-se na informação de natureza anátomo ou histopatológica, através de processos degenerativos da ação de certos venenos, que o exame microscópico pode patentear. 14
  15. 15. • Tem por princípio isolar, identificar e dosar, no material examinado, as substancias tóxicas suspeitas por meio de métodos qualitativos e quantitativos específicos ou de métodos cujos indicadores apontam um grupo de substâncias sujeitas a biotransformação. • Usa o material suspeito em materiais de laboratório e no acompanhamento da sintomatologia que vem à tona. 15
  16. 16. • É a síntese de todos outros critérios e um raciocínio lógico, tomando como subsídios de uma dedução dos demais dados disponíveis e a ausência de outras lesões que possam justificar o envenenamento. 16 Em casos de morte, o diagnóstico por envenenamento deve ter como base a perinecroscopia, a necrópsia e os exames complementares pertinentes.
  17. 17. Condutas da Necrópsia dos Envenenados 1. Anotar todos os detalhes e características 1. Tonalidades do livor cadavérico, do sangue e das visceras 2. Fenómenos cadavéricos 3. Tipo de odor 2. Nunca colocar desinfetantes ou aromatizantes com finalidade de minimizar o mau odor. 3. Não realizar qualquer reação química sobre o cadáver. 4. Não abrir o estômago ou os intestinos na cavidade abdominal. 5. Retirar sangue, sempre que possível das cavidades cardiácas. 6. Desrever as lesões degenerativas do fígado e rins, quando houver. 17
  18. 18. Compreende: 1. Estudo do agente tóxico 2. Sua origem 3. Propriedades 4. Mecanismos de ação 5. Efeitos lesivos no organismo 6. Métodos de exame analítico, quantitativo e qualitativo 7. Profilaxia ambiental, industrial e no local de trabalho 8. Formas de prevenção das intoxicações 9. Tratamento clínico É a ciência que estuda os tóxicos ou venenos e as intoxicações. 18
  19. 19. Toxicologia Divide-se em: 19
  20. 20. Classificação Estuda as diferentes formas de prevenir a ação nociva dos agentes poluidores do meio ambiente. 1. Diagnosticar * Existência do tóxico * Origem * Quantidade existente no meio ambiente 2. Tomar medidas profiláticas * Tratamento da água potável * Tratamento do ar respirável 20 Ambiental ou Profilática Objetivos
  21. 21. Classificação Dedica-se ao estudo das substâncias químicas utilizadas na indústria. dos tóxicos Atua em 3 níveis: 1. No local de trabalho 2. Na lei do trabalho (acidentes e doenças profissionais) 3. No campo de investigação 21 Industrial Identificação Exame analítico Exame qualitativo Exame quantitativo Mecanismo de ação Prevenção e Tratamento
  22. 22. Classificação Abrange o estudo das substâncias aditivas que os alimentos contêm, produzindo intoxicações. 22 Alimentar
  23. 23. Classificação Estudo das manifestações e perturbações causadas no homem pela ação dos venenos. – Faz o diagnóstico e tratamento as intoxicações agudas, subagudas e crônicas. 23 Clínica
  24. 24. Classificação Conjunto de metodologias de estudo que abarca todas as especialidades referenciadas. Orientar a Justiça nas questões referentes às intoxicações/envenenamento e suas consequências de ordem jurídica. 24 Médico-Legal Objetivo
  25. 25. Drogas de Abuso Substâncias capazes de causar dependência 25
  26. 26.  Lícitas: fumo, bebidas alcoólicas, etc.  Ilícitas: maconha, cocaína, etc.
  27. 27. Tipos de Tóxicos As principais substâncias utilizadas como tóxicos são: 27 Marijuana Morfina Heroína Cocaína Barbitúricos Ópio Anfetaminas Crack Cogumelo Cola Merla
  28. 28. A cannabis é a droga mais consumida no mundo. Também conhecida como maconha, diamba, liamba, fumo de angola, erva do diabo, birra, haxixe e maria-joana. É extraída das folhas da Canabis sativa. 28
  29. 29. Usualmente consumida através de xaropes, pastilhas, infusões, bolos de folhas para mascar e em forma de cigarros ou em cachimbos especiais – “maricas”. Apesar de ser tratada muitas vezes como uma droga mais leve, o uso da cannabis pode ser bem mais arriscado do que parece. 29 Uso Clínico: Glaucoma Cancro terminal Analgésico e Calmante
  30. 30. O princípio ativo da cannabis é o THC, que causa: Lassidão Olhar perdido Comportamento excêntrico Memória afetada Desorientação no tempo e no espaço Fuga à realidade Indiferença Ilusões Alucinações Seu efeito varia de 2 a 8 horas 30
  31. 31. • É um alcalóide de ação central e sabor amargo, com propriedades anestésicas e vasoconstritoras.  Extraído das folhas da Erithroxylon coca, nativa da América do Sul.  Conhecida como coca, epadu ou poeira divina. 31
  32. 32. • Do final do séc. XIX ao início do séc. XX, era muito vendida na forma de pó, vinhos, cigarros e tabletes. Tônico Dor de dentes Depressão Pacientes terminais de câncer Cocktail de Brompton = cocaína + heroína + álcool • Hoje tem muitos adulterantes e está proibida tanto para uso médico como recreativo, desde 1914 nos EUA 32 Utilidades
  33. 33. Padrões de uso Folhas de coca: mascadas ou sob forma de chá Concentração: 0,5 a 1,5 % Cloridrato de cocaína: pó fino e branco − Utilizado por via venosa ou aspirado Concentração: 15 a 75 % 33
  34. 34. Padrões de uso 34 Crack: pedra volátil; –Fumada em cachimbos rudimentares. Concentração: 40 a 70% Merla: pasta de cocaína; –Fumada. Concentração: 40 a 71 % Bazuko: pasta de folhas da cocaína tratada com álcalis, solventes orgânicos (querosene ou gasolina) e ácido sulfúrico; − Fumada em cigarros (basukos) Concentração: 40 a 90%
  35. 35. Sintomas de Intoxicação Excitação motora, agitação, ansiedade, confusão mental e loquacidade. Taquicárdia, aumento da pressão arterial e dor precordial. Afasia, paralisias, tremores e convulsões. Síncope respiratória, náuseas, vómitose oligúria. 35 Psíquicos Circulatórios Respiratórios Neurológicos
  36. 36. Conclusão Os toxicomaniacos devem ser encarados como pessoas “normais” pois, estes indivíduos geralmente chegam ao vício ocasionalmente, por más influências ou companhias. Por outro lado, podem se tratar de indivíduos inseguros, débeis e fracos de espírito, encontrando no tóxico motivação e lenitivo de suas angústias, fracassos e decepções. 36
  37. 37. Referências Bibliográficas • FRANÇA, GV; Medicina Legal; 4ª edição, editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro; Pg 287-297. • ZACARIAS, António Eugénio. Temas de Medicina Legal e Seguros. Imprensa Universitária - 2004. Pg 343-356. • http://www.antidrogas.com.br • http://www.cenpre.furg.br 37
  38. 38. Use estas informações de forma responsável e lembre-se: “Uma vida saudável depende das suas escolhas” 38

×