TCC

2.264 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TCC

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO ARAGUAIAINSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA Bruno Moraes Barros Orientadora: Profª. Drª. Nair Bizão
  2. 2. 2
  3. 3.  País de origem - Índia. Propriedades antibacteriana, antifúngi ca, antiviral e antialérgica das folhas. Antiinflamatória e anticarcinogênica no caule. Tratamento do diabetes. (Sr. Sebastião). 3
  4. 4. *Migliato et al.; 2005 4
  5. 5.  “Fruto dos deuses”. Os três deuses principais do hinduísmo – Brahma, Vishnu e Shiva. 5
  6. 6. Syzygium cumini - Taxonomia Reino Plantae Filo Magnoliophyta Classe Magnoliopsida Ordem Myrtales Família Myrtaceae Gênero Syzygium Espécie S. cumini*Bioprospecção em Eugenia jambolana (Myrtaceae) - Cristina Dametto (UNESP) 6
  7. 7. Objetivo geral Realizar estudos fitoquímicos preliminares de metabólitos secundários de interesse de extratos brutos hidroalcoólico e hexânico. 7
  8. 8. Objetivos específicos Coletar, identificar e montar exsicata de Syzygium cumini. Preparar extratos brutos e realizar análise fitoquímica. 8
  9. 9. METABÓLITO POLAR APOLAR SECUNDÁRIO (ETANÓLICO) (HEXÂNICO) TANINOS X *HETEROSÍDEOS TERPENOS X CUMARINAS X SAPONINAS X QUINONAS X FLAVONÓIDES X ALCALÓIDES X CATEQUINAS X*Depende da presença de hidroxilas 9
  10. 10. METABÓLITO SECUNDÁRIO USO FARMACOLÓGICO TANINOS ANTIMICROBIANO HETEROSÍDEOS CARDIOTÔNICO TERPENOS ESPASMÓDICO CUMARINAS ANTICOAGULANTE SAPONINAS EXPECTORANTE QUINONAS LAXANTE FLAVONÓIDES ANTIVIRAL ALCALÓIDES ANTICOLINÉRGICO CATEQUINAS ANTIOXIDANTEImportância da fitoquímica no uso terapêutico 10
  11. 11. 11
  12. 12.  Jamelão, jambolão, azeitona - preta. 30 metros de altura. 100 anos. Aclimada no Brasil. 12
  13. 13.  Árvore frutífera, perenifólia. Copa frondosa, densa. Tronco geralmente tortuoso. Folhas simples, coriáceas, glabras, lustrosas, aromáticas (LORENZI et al.; 2002). 13
  14. 14.  Flores andróginas, actinomorfas, diclamídeas e polistêmones. Formadas entre setembro e novembro. Frutos oblongos, de sabor adocicado e adstringente. Amadurecimento de janeiro a maio. 14
  15. 15.  Pigmento tem um inconveniente: mancha mãos, tecidos e calçamentos. Atividade antibacteriana frente a 17 tipos de bactérias. Antibacteriana e antifúngica contra 15 microorganismos testados (seis tipos de bactérias e nove tipos de fungos). (Profª. Cristina Dametto - UNESP). 15
  16. 16. *Lima et al.; 2011 16
  17. 17.  Metabólitos secundários Taninos - Substâncias fenólicas solúveis em água (POLAR). Controle de insetos, fungos e bactérias. Heterosídeos - Tratamento da insuficiência cardíaca (Polaridade dependente da presença ou ausência de hidroxilas suplementares) Digoxina e digitoxina. 17
  18. 18.  Cumarinas - derivadas do dicumarol (POLAR). Ex: Problemas de baço e estômago, náuseas e vômitos. Terpenos - derivam de unidades do isopreno (APOLAR). Pequi e jatobá. 18
  19. 19. Exemplos de Óleos essenciais 19
  20. 20.  Saponinas - Glicosídeos de esteróides (APOLAR). Parte lipofílica e outra hidrofílica. 20
  21. 21.  Quinonas - Produtos da oxidação de fenóis (APOLAR). Atividade laxante. 21
  22. 22.  Flavonóides: biossintetizados a partir da via dos fenilpropanóides. (APOLAR). Protegem contra os raios UV, antioxidantes, ajudam na polinização. 22
  23. 23.  Alcalóides: compostos nitrogenados (APOLAR). Coniina (Sócrates). 23
  24. 24. 24
  25. 25.  Coleta das folhas. Campus I da UFMT. Mês de março de 2012. 10 horas da manhã. Registro do herbário: 05577 (Profª. Maryland Sanches). 25
  26. 26.  Secagem, moagem. Pó das folhas (650g) Maceração por 7 dias. Filtragem, rotaevaporação (retirada de todo líquido). Extrato bruto (estufa). (componentes concentrados). 26
  27. 27.  Solventes utilizados: etanol e hexano. 1L cada um. Etanol - cerveja, vinho, aguardente. Hexano - muito volátil. Dores de cabeça, náuseas, tonturas. 27
  28. 28. Maceração Rotaevaporação Extrato Bruto 28
  29. 29.  Reagentes químicos FeCl3 (taninos). H2SO4 (heterosídeos). NH4OH (quinonas). HCl (alcalóides). 29
  30. 30.  KOH (cumarinas). Cartão opaco não fluorescente. CHCl3 (saponinas). Espuma abundante e persistente. 30
  31. 31.  NaOH (catequinas). (POLAR). Formação de precipitado avermelhado. Teste de alcalóides: Hager, Mayer e Dragendorff 31
  32. 32. 32
  33. 33. Extrato Cor Odor ConsistênciaHidroalcoólico Verde-escuro Característico Pastosa Hexânico Verde-escuro Característico Líquida 33
  34. 34. Constituintes Químicos Extrato Hidroalcoólico Extrato Hexânico Taninos + - Heterosídeos + - Terpenos + + Cumarinas - - Saponinas - + Quinonas + - Flavonóides + - Alcalóides + - Catequinas + - 34
  35. 35. 35
  36. 36.  Planta importante para a saúde humana. Relação entre a polaridade dos extratos brutos e dos metabólitos secundários. Taninos - hidrolizáveis (hidroalcoólico). Catequinas - polares (hidroalcoólico). Saponinas - hidrofóbicas (hexânico). Terpenos - apolares (hexânico). 36
  37. 37.  DAMETTO, A.C. Bioprospecção em Eugenia jambolana (Myrtaceae). 2010, 139f. Dissertação (Mestrado em Química), Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP, 2010. ROMAGNOLO, M. B.; SOUZA, M. C. O gênero Eugenia L. (Myrtaceae) na planície de alagável do Alto Rio Paraná, Estados de Mato Grosso do Sul e Paraná, Brasil. Acta botanica brasilica, v.20, n.3 529-548, 2006. HELMSTADTER, A. Syzygium cumini (L.) SKEELS (Myrtaceae) against diabetes--125 years of research. Pharmazie, v. 63, n. 2, p. 91-101, 2008. BRUNETON, J.; Elementos de Fitoquímica y de Farmacognosia, 1ed. Zaragoza: Editorial ACRIBIA, 1991. 594 p. 37
  38. 38.  ZUANAZZI, J. A. S.; MONTANHA, J. A. Flavonóides. In: SIMÕES,C. M. O. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 6 ed., Porto Alegre : Editora da UFRGS; Florianópolis: Editora da UFSC, 2007, p. 578-609. LORENZI, Harri. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Volume 2. 2ª Edição. Instituto Plantarum de Estudos da Flora LTDA, 2002. Nova Odessa, SP. ARANTES, A. A. e MONTEIRO, R. A família Myrtaceae na Estação Ecológica do Panga, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Lundiana, v.3, n. 2, p.111-127, 2002. TESKE, M.; TRENTINI, A. M. M. Herbarium, Compêndio de Fitoterapia. ed. 3. Curitiba: Herbarium Editora e Laboratório, 1997. 38
  39. 39. “Semeie um ato, e você colhe um hábito.Semeie um hábito e você colhe um caráter.Semeie um caráter e você colhe um destino.”Charles Reade 39

×