Eutanásia

81 visualizações

Publicada em

Eutnásia, direito de matar ou direito de morre.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
81
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Eutanásia

  1. 1. 2014-2015 Eutanásia Direito de matar ou direito de morrer Beatriz Bartolomeu, Raul Chaves ESCOLA SECUNDARIA DR. FRANCISCO FERNANDES LOPES
  2. 2. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer Introdução: Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Filosofia lecionada pela professora Isabel Correia e tem como objetivo esclarecer as dúvidas e questões que naturalmente surgem quando falamos no tema “Eutanásia”. Escolhemos “Eutanásia”, porque achámos que seria adequado e interessante debater e refletir acerca deste tema. Escolhemos ainda por que tínhamos curiosidade em saber mais sobre este tema que é tão de batível e polémico nos dias de hoje.
  3. 3. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer Eutanásia Deriva do grego e significa uma morte boa ou sem dor. A prática de eutanásia é suportada pela teoria que defende o direito do doente incurável de por fim à vida quando sujeito a intoleráveis sofrimentos físicos ou psíquicos. Existem vários de eutanásia: Eutanásia voluntaria, eutanásia não voluntaria e a eutanásia involuntária. Eutanásia voluntaria: É quando a morte é provocada atendendo a uma vontade do paciente sem ser influenciado ninguém. Ainda que o paciente não esteja apto para manifestar o seu desejo caso já o manifestado anteriormente, a eutanásia é voluntaria também. Ex: O João sabe que vai morrer forma dolorosa e de dia para dia sente pior, decide por isso recorrer a eutanásia em pleno estado de consciência. A Maria foi diagnosticada com uma doença terminal e foi permanentemente internada. Maria declara que quando em determinadas circunstancias tais como perder a sua capacidade motora e racional deseja morrer por eutanásia. Eutanásia não voluntaria é quando o paciente não pode optar entra a vida e a morte por ter não ter capacidades racionais. Ex: Joaquim é um recém-nascido irremediavelmente doente ou incapacitado e os seus pais decidem que este deve morrer através do processo de eutanásia não voluntaria.
  4. 4. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer Eutanásia involuntáriaéquandoo paciente não tem oportunidadede escolher entra a vida e a morte. Ex: praticas medicas como as de administrar doses cada vez maiores de medicamentos contra a dor que eventualmente causarão a morte do doente, ou a suspensão do tratamento não consentida para retirar a vida ao paciente. A eutanásia não é permissível A sanidade humana:
  5. 5. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer O argumento da vida humana é usado por alguns opositores á eutanásia. Segundo estes a vida humana tem um valor incondicional que por muito má que seja a qualidade de vida de um individuo a morte será sempre um mal. A igreja católica é contra a eutanásia, pois admite que a vida pertence a Deus e que só ele pode decidir quando pôr fim á mesma. Pode-se então concluir que devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para prolongar a nossa vida mesmo que para isso sejam usados meios extraordinários de preservação da vida como por exemplo manter um paciente permanentemente ligado ás máquinas ou testar novos tratamentos pois estas são obrigações médicas. No entanto a igreja católica aceita a eutanásia passiva, visto que reconhece o direito do paciente recusar meios extraordinários de preservação da vida. A dignidade da pessoa: Os defensores de eutanásia afirmam que esta garante uma morte com dignidade, porém esta tese tem opositores tais como J.David Velleman que afirma que a eutanásia viola a dignidade da pessoa, defende que o paciente tem valor em si mesmo independentemente dos seus interesses e dos interesses alheios que não significam nada em questão de vida ou de morte. Afirma ainda que a dignidade da pessoa tem valor intrínseco, desta forma nãose pode rejeitar ou aceitar a dignidade. Não é uma questão de querer ou não querer, mas sim um valor que uma pessoa tem. Nem mesmo o respeito pela autonomia individual justifica a prática da eutanásia. Se para nos protegermos tivermos de desprezar a nossa dignidade estaremos a atender apenas ás circunstâncias e não a uma valor absoluto e não negociável, tal é impermissível. Velleman diz que uma pessoa não tem direito de ancorar a sua vida de modo a torná-la melhor, pois fazê-lo seria atentar contra a
  6. 6. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer sua dignidade ainda que tal fosse do seu interesse e lhe trouxesse benefícios. A autonomia e a eutanásia voluntária: David Oderberg diz que a prática de eutanásia voluntária não é uma forma de respeitar a autonomia do indivíduo que pede para morrer. Apoiando-se em Kant diz que a autonomia só existe quando a pessoa age moralmente e que o exercício da autonomia é contrário à eutanásia voluntária e ao suicídio assistido, que são imorais. Aquele que age apenas por interesse ou movido apenas pelas suas paixões condena a sua vontade à heteronomia, ao domínio daquilo que não é essencial ao ser humano. A autonomia, pelo contrário é a capacidade de tomar decisões individuais baseadas em leis universais da natureza. Tal como Kant, Oderberg defende o princípio supremo de todo o dever, as máximas universais e a lei universal da natureza. As más consequências do direito de opção:
  7. 7. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer Velleman antecipa as consequências do direito á eutanásia. O facto de haver uma opção entre a vida e a morte é desfavorável aos pacientes, pois impede-os de continuar a viver sem ter que dar justificações. Por exemplo, um doente terminal em grande sofrimento recebe a notícia de que pode optar pela eutanásia ou não. O facto de existir esta opção coloca-o entre três alternativas. Opção 1: Recusar a oferta. É obrigado a justificar por que razão quer continuar a viver, o que não faz muito sentido visto que o normal é as pessoa morrerem de morte natural. Opção 2: Recusar oferta sem dar justificações. Neste casose não se considera capaz de decidir racionalmente e corre o risco de passar a ser tratado por outros, de forma diferente e até eventualmente com menos respeito. Opção3: Aceita o que é proposto. Aceita apenas porque acha que é o mais razoável. Por estar numa situação de sofrimento físico e psicológico extremo podem estar sujeitos a pesados encargos financeiros ou até mesmo reconhecer que os seus familiares já estãocansados eestãoa sacrificar-sepessoalmentepara oacompanhar. Tudo isto pode conduzir a uma decisão que o paciente não gostaria verdadeiramentede tomar. Estas consequências apenas sãoválidas para um doente que á partida está mais inclinado para a morte natural, no entanto, existem pacientes que simplesmente desejam que esta prática lhes seja rapidamente proposta. Velleman afirma que esse é o problema, como poderemos saber quem ficará a beneficiar ou não da proposta da prática à eutanásia?
  8. 8. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer Conclui ainda que como não é possível antecipadamente saber a quem deve ser dada a possibilidade da eutanásia esta não deve ser uma opção social ilegalmente disponível. Efeito bola de neve: Alguns opositores da eutanásia não só põem á eutanásia voluntária, mas sim á possibilidade de este direito se estender mais tarde ou mais cedo a pessoas que não estão em condições de dar o seu consentimento ou até mesmo levado ao extremo ser realizada esta prática para com aqueles que desejam continuar a viver. Se se começar a permitir a eutanásia apenas para aqueles que a solicitem de forma explícita, informada e persistente estes farão o seu pedido de forma consciente, no entanto, noutros casos o pedido pode ser menos claro e o paciente pode mostrar algumas dúvidas, no final manifesta o desejo de morrer. É provável que se aceite a eutanásia também nestes casos. Se assim for a eutanásia estenderse-á a doentes em fase terminal de Alzeihmer e de outras doenças que anulem a capacidade de tomar decisões ainda que nunca o tenham pedido. Imaginemos agora o cenário mais trágico em que um ditador considera um grupo ético ou de certa raça como um conjunto de pessoas que vivem na miséria e no sofrimento e que são incapazes de decidir por si própios. Admite-se que o melhor seria eutanasiá-los ainda contra a vontade destes. Esta possibilidade abre portas a extremismos. Para concluir a possibilidade do efeito bola de neve, conduz-nos á ideia de que eutanásia tem de ser proibida. Eutanásia é suicídio? Usa-se o termo eutanásia quando uma pessoa mata diretamente outra. Por exemplo, quando um médico dá uma injeção letal a um paciente. Esta situação é legal em alguns países, porem Portugal não tem esta opção medica. Usa-se o termo suicídio assistido quando uma pessoa ajuda outra a matar-se a si própria. Por exemplo, quando um médico prescreve um veneno, ou quando uma pessoa põe no paciente uma máscara ligada a uma botija de monóxido de carbono
  9. 9. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer e lhe dá instruções sobre como ligar o gás de forma a morrer. Esta prática é ilegal e punida por lei em Portugal. Os termos eutanásia e suicídio são por isso diferentes mas hoje em dia, em geral, utiliza-se o termo eutanásia para designar tanto a eutanásia propriamente dita como o suicídio assistido, o que é incorreto. Algumas questões acerca da eutanásia …  Seria bom para o paciente e para os familiares morrer ou assistir a uma morte assim?  Seria justos as pessoas terem de viver apenas pelo avançoda medicina atual?  A eutanásia deveria ser administrada segundo que critério?
  10. 10. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer As nossas opiniões: “ Seria sempre duro e pondo me na posição de familiar ver e assistir a morte dos que amamos mas é igualmente inglório lutar pelo que já sabemos que não tem solução, ver um familiar ou alguém de quem gostamos morrer lentamente, sofrer e piorar de dia para dia é algo tremendamenteinjusto!Se estivesseem fase terminal gostaria de não sofrer, de não passar pela dor da morte provocada pela doença e não passar pelas penosas lagrimas daquela que seria a mais trágica morte, a morte a seu tempo. Sou por isso a favor da eutanásia como libertação da prisão que são as doença terminais.” Beatriz Bartolomeu “Eu sou a favor da eutanásia, ou melhor, da eutanásia voluntária, pois penso que uma pessoa com uma doença terminal já que não pode escolher ter uma vida
  11. 11. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer saudável e aproveitá-la como quando não estava doente, pode ao menos escolher acabar com o sofrimento que está a passar e com a ansiedade de familiares e amigos. Contudo também penso que a eutanásia não deveria ser permitida, devido á universalidade, ou seja, não seria justo umas pessoas poderem recorrer á eutanásia e outras pessoas não. Assim sendo, penso que a eutanásia é boa, mas que devido a certas circunstâncias não deveria ser permitida. “ Raul Chaves Conclusão: Gostámos imenso de fazer este trabalho, pois para além de descobrirmos mais sobre este tema em particular, aumentando a nossa cultura e os nossos conhecimentos. Os nossos objetivos inicialmente descritos foram cumpridos. Eutanásia direito de matar Ou Direito de morrer?
  12. 12. Eutanásia Disciplina de Filosofia 10º ano, lecionada pela professora Isabel Correia Trabalho de Beatriz Bartolomeu e Raul Chaves Escola secundaria Dr. Francisco Fernandes Lopes EUTANÁSIA | Direito de matar ou direito de morrer Bibliografia: https://sites.google.com/site/eutanasiatematabu/entrevista---professora-de-filosofia http://eutanasiap.blogspot.pt/2010/02/eutanasia-voluntaria-nao-voluntaria-e.html http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642003000200008 http://noticias.terra.com.br/entenda-a-diferenca-entre-suicidio-assistido-e- eutanasia,c77f4783c1779410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html http://vida.aaldeia.net/suicidio-assistido-eutanasia/ http://pt.slideshare.net/MrKokamus/eutansia-7384604

×