Análise de contos de fada branca de neve

2.706 visualizações

Publicada em

O trabalho explica a origem e sobre o que são os contos de fada. Analisa, especificamente, o conto da Branca de Neve.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.706
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise de contos de fada branca de neve

  1. 1.  “John Updike nos lembra que os contos de fadas que lemos hoje para as crianças tiveram suas origens numa cultura em que histórias eram contadas entre adultos: Elas eram a televisão e a pornografia de seu tempo; a subliteratura que iluminava a vida de povos pré-literários” (Tatar, 2004, p. 9).
  2. 2.  No início, os contos de fadas não eram uma literatura para crianças. O início dessa transformação teria dado-se com Perrault , no século XVII, na França; com os irmãos Grimm no século XVIII, na Alemanha; com Andersen no século XIX, na Dinamarca; e com Walt Disney no século XX, na América.
  3. 3.  “A literatura infantil tem perdido muito nos últimos tempos quando simplifica os enredos das histórias, subestimando a capacidade de compreensão das crianças e tentando ocultar temas “obscuros”, que não devem ocupar a mente dos pequenos. Porém, a partir de Freud, não se pode mais negar os conflitos que a psique infantil tem que enfrentar. O conto de fadas, assim como a brincadeira, é uma poderosa válvula de escape para que a criança possa enfrentar as dificuldades que ela nem sabe nomear. Através do conto, a criança dá um contorno para o seu conflito, superando-o.”
  4. 4.  “Era uma vez uma rainha. Um dia, no meio do inverno, quando flocos de neve grandes como plumas caíam do céu, ela estava sentada a costurar, junto de uma janela com uma moldura de ébano. Enquanto costurava, olhou para a neve e espetou o dedo com a agulha. Três gotas de sangue caíram sobre a neve. O vermelho pareceu tão bonito contra a neve branca que ela pensou: “Ah, se eu tivesse um filhinho branco como a neve, vermelho como o sangue e tão negro como a madeira da moldura da janela.” Pouco tempo depois, deu à luz uma menininha que era branca como a neve, vermelha como o sangue e negra como o ébano. Chamaram-na Branca de Neve. A rainha morreu depois do nascimento da criança”.
  5. 5.  Três gotas de sangue: Vermelho (sexualidade), desejo de ter filho e tirar a inocência. O vermelho (desejo sexual), sobre o branco da neve (inocência).  A cor branca: A pele alva da menina, figura a pureza e a inocência.  A cor vermelha: Remete as bochechas e a boca da criança, cor essa que simboliza a sensualidade, o prazer.  A cor preta: Representado pelos cabelos de Branca de Neve, figuram o sofrimento, mas também a coragem.
  6. 6.  “Os contos de fadas preparam a criança para aceitar aquilo que de outro modo é um acontecimento bastante perturbador: o sangramento sexual, tal como ocorre na menstruação e, posteriormente, na relação sexual, quando o hímen é rompido”. (Bettelheim, 2007, p.281).
  7. 7.  O caçador, os anões e o rei (pai de Branca de Neve): São as figuras masculinas que sempre representam a proteção.  Maçã Envenenada: Representa o erotismo e o fim da inocência e o começo da maturidade sexual  A madrasta: Representa a ambição, a inveja e a vaidade.  O espelho mágico: O espelho representa a voz do homem. Corso e Corso (2006), sobre o espelho, interpretam: “A admiração do ser amado, de quem normalmente exigimos que, como o espelho, diga alto e claro o quanto nos aprecia, é o melhor certificado de adequação a este olhar, pois significa que alguém viu, gostou e desejou aquilo que somos”
  8. 8.  A mulher vista como objeto: “Então me ofereçam de presente, porque não posso viver sem a visão de branca de neve, e eu a honrarei e respeitarei como se fosse meu tesouro mais valioso” (GRIMM, 2005, p.40). A preparação para o matrimônio
  9. 9.  “desataram seu corpete, banharam-na com água e vinho [...]”.  “O erotismo masculino é ativado pela forma do corpo, pela beleza física, pelo fascínio, pela capacidade de sedução” (Alberoni, 1988, p.31).  O fato de uma mulher virginal morar com sete homens.
  10. 10.  “Canibalismo” cometido pala madrasta;  3 tentativas da madrasta de matar Branca de Neve (fita, pente e maçã)  A forma como Branca de Neve acorda após ter sido envenenada com a maçã.  Idade da Branca de Neve quando encontra os anões.  O modo como a madrasta morre.
  11. 11.  “Sapatos de ferro já haviam sido aquecidos para ela sobre um fogo de carvões. Foram levados com tenazes e postos bem na sua frente. Ela teve de calçar os sapatos de ferro incandescentes e dançar com eles até cair morta no chão.”
  12. 12.  A mulher não tem competência de lutar por si própria;  “[...] a ideia de que as mulheres só podem ser salvas da miséria ou melhorar de vida por meio da relação com um homem. As meninas vão aprendendo, então, a ter fantasias de salvamento, em vez de desenvolver suas próprias capacidades e talentos.” (LINS, 2013).
  13. 13.  “A primeira coisa que deve ser dita é que, provavelmente, a história da Branca de Neve nasceu de uma princesa do século XVI, chamada Margarete Von Waldeck, alemã. Ela era uma moça famosa por sua beleza, e possuía uma madrasta, Katharina von Hatzfeld. O futuro Rei da Espanha, Felipe II, decidiu então se casar com Margarete, mas antes de conseguir sequer pensar no assunto, Margarete morreu envenenada. Entretanto, tirem seus cavalinhos da chuva: não, não foi a madrasta quem assassinou Margarete. Não se sabe bem ao certo como Margarete foi envenenada”.
  14. 14.  “ O relacionamento entre a moça e sua madrasta não era dos melhores e quando a adolescente foi exilada para Bruxelas, aos 16 anos, ela se apaixonou por um jovem príncipe, que mais tarde se tornaria o Rei Felipe II da Espanha. Para evitar que ela se tornasse rainha, o governo espanhol e madrasta do príncipe teriam tramado o seu assassinato. Ela morreu envenenada aos 21 anos de idade, em 1554. Ou seja, antes dos primeiros registros conhecidos da história de Branca de Neve.”
  15. 15.  “ Uma pesquisa sugere que a história seria baseada na vida da nobre Maria Sophia Margaretha Catharina von Erthal, nascida em 1729 no castelo de Lohr, na Alemanha, que hoje abriga o Museu Spessart. Sua mãe morreu durante um parto e seu pai casou-se com outra mulher dois anos depois. A moça e a madrasta tinham um péssimo relacionamento e ela foi criada numa área da Bavaria próxima às minas de cobre, nas quais crianças trabalhavam – vítimas das péssimas condições, tinham seu desenvolvimento físico prejudicado e eram chamadas de anãs. Acredita-se que sua rota de fuga tenha sido de 35 quilômetros por meio da cadeia de montanhas de Spessart, uma das maiores áreas de floresta da Alemanha.”
  16. 16.  Super Mario: Princess Snow White (2008)  Branca de Neve e os Três Patetas (1961)
  17. 17.  No folclore escocês, tem-se a história de uma rainha que pergunta a uma truta em um poço se ela é a mulher mais bela que existe. A resposta sempre foi positiva, até que sua filha atinge a idade adulta. O peixe, então, diz que a garota tornou-se a mais bonita entre todas e a rainha, doente de inveja, exige do rei o assassinato da menina.  Na Armênia, um conto popular também fala de uma mãe preocupada com a beleza, mas ela conversa com a lua. Na versão grega, é o sol que faz o papel do espelho mágico.  Na Rússia, há um poema, publicado em 1833, de uma princesa morta e seus sete cavaleiros.  Em uma versão albanesa de 1864, a princesa vive com 40 dragões (ao invés de anões) e tem o sono causado por um anel.  Provavelmente, o registro mais antigo do conto tenha sido realizado pelo italiano Giambattista Basile, no século 17, o que sugere que a aventura da personagem já era narrada durante a Idade Média. No livro “IlPentamerone”, Basile conta a história de “A Jovem Escrava”, que traz diversos pontos em comum com a lenda de “Branca de Neve”.
  18. 18.  Branca de Neve e as 7 versões:  www.youtube.com/watch?v=Z0Np19wE 7Qg
  19. 19.  Os contos de fadas são essenciais para leitores mirins, e devem compor o acervo de livros das crianças, pois, além de divertir, ajuda as crianças em seus problemas, ensinam a enfrentar seus medos, tornam-nas mais criativas em propor soluções. Ao fazer uma análise mais detalhada do conto da Branca de Neve, vimos que diversos são os aspectos de violência, de sexualidade e de obscuridade, contudo, a criança até uma determinada idade não enxerga isso nos contos, descobrindo apenas se contarmos para elas. Logo, aos contadores de histórias (pais, bibliotecários, professores, etc), ao contarem histórias para crianças devem ter cautela nas partes que costuma dar ênfase e o porque disso. Os contos para as crianças devem ter esse objetivo de ajudá-las e vencer seus obstáculos e saírem-se vitoriosas, e de também ensinar bons valores, tais como amizade, honestidade e companheirismo, contudo, não apenas falar, os pais e educadores devem também (e principalmente) ouvir a criança: de qual história ela gostou, qual não gostou, porque disso, qual parte lhe chamou mais a atenção, entre outros, fazendo-as desenvolver suas capacidades de percepção e crítica.
  20. 20.  Uma análise mais detalhada será feita depois de certa idade, é preciso saber respeitar o desenvolvimento de cada um, de acordo com sua capacidade cognitiva, faixa etária e experiências de vida.  Vimos que há diversas versões da Branca de Neve, tanto para livros e poemas quanto para filmes e séries, sendo que os filmes mais modernos tratam a mulher com um ser astuto, independente, forte, e não alguém frágil que precisa de proteção masculina o tempo todo, isso é um aspecto importante, e importante também que as crianças e jovens tenham contato com essas versões, e não apenas com as mais antigas, tipo a da Disney, contudo, não se deve nunca censurar um livro ou filme por tratar ou deixar de tratar de certas questões, como já dito, a criança fará associações com o tempo, enquanto isso, é preciso que ela tenha um contato rico e variado com a literatura e com o cinema. Contudo, ao escolher livros para as crianças, deve-se evitar livros muito curtos, com frases muito breves, com muitas repetições e termos no diminutivo. Deve- se, ao contrário, estimular e dar valor a capacidade de senso crítico das crianças, escolhendo versões com linguagem mais rica e detalhada.
  21. 21.  BRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil: Gostosuras e Bobices. São Paulo: Scipione, 2002  ALBERONI, Francesco. O Erotismo. Tradução: Elia Edel – Rio de Janeiro:  Rocco, 1988.  ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2.ed. Rio de Janeiro:  LTC, 2006.  BARRETO, Cíntia Cecília. O erotismoe m branco e preto na narrativa de Márcia Denser. Rio de Janeiro. 13 p. Disponível em: <>. Acesso em 30 out. 2014.  BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. 21.ed. Tradução:  Arlene Caetano – São Paulo: Paz e Terra, 2007.  Branca de Neve. Disponível em: <wikipédia>. Acesso em 30 out. 2014.  CADEMARTORI, Lígia. O que é literatura infantil. São Paulo: Brasiliense, 2006.  COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: Teoria, Análise, Didática. 1.ed. São Paulo: Moderna, 2000.  Erotismo em Branca de Neve. Disponível em: <blog Lorenna Braga>. Acesso em 30 out. 2014.  História da Branca de Neve. Disponível em: < Pipoca Moderna>. Acesso em 30 out. 2014.  História dos contos de fadas. Disponível em: <Brasil Escola>. Acesso em 30 out. 2014.  Importância dos contos de fadas. Disponível em: < qdivertido>. Acesso em 30 out. 2014.  Importância dos contos de fadas. Disponível em: < espaço da criança e da família>. Acesso em 30 out. 2014.
  22. 22.  MATTAR, Regina Ribeiro. Os contos de fadas e suas implicações na infância. 2007. 43 f. Monografia (Graduação em Pedagogia) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP, Bauru, 2007.  Perigos dos contos de fadas. Disponível em: < UOL mulher >. Acesso em 30 out. 2014.  Primeira versão de Branca de Neve. Disponível em: <>. Acesso em:  Psicanálise em Branca de Neve. Disponível em: < tempusfemina >. Acesso em 30 out. 2014.  Psicanálise em Branca de Neve. Disponível em: < EdUNEB>. Acesso em 30 out. 2014.  Psicanálise em Branca de Neve. Disponível em: < ConversaCult >. Acesso em 30 out. 2014.  Psicanálise em Branca de Neve. Disponível em: < Ciências da liguagem Jorwiki >. Acesso em 30 out. 2014.  SIEWERT, Clarice Steil. Era uma vez: O conto de fadas e a criança. Joinville. 10 p. (Artigo apresentado em estágio supervisionado). Disponível em: <>. Acesso em 30 out. 2014.  TATAR, Maria. Contos de fadas: edição comentada e Ilustrada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.  Versões do conto Branca de Neve. Disponível em: < redeglobofilmes >. Acesso em 30 out. 2014.  Versões do conto Branca de Neve. Disponível em: < com arte >. Acesso em 30 out. 2014.

×