SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMA
RESPIRATÓRIO
HUMANO
CONTEÚDO
1. Respiração
2. Laringe
3. Pulmões
4. Inspiração e expiração
5. O transporte dos gases respiratórios
6. Texto complementar
7. A praticar!
RESPIRAÇÃO
Na espécie humana, os gases
respiratórios percorrem uma série de
órgãos que constituem o chamado tubo
respiratório. Esses órgãos são
representados pelas fossas nasais,
faringe, laringe, traquéia, brônquios,
bronquíolos e pulmões.
LARINGE
 A laringe apresenta um
orifício denominado glote,
pelo qual se comunica com
a faringe. Durante a
deglutição, esse orifício é
fechado por uma válvula
reguladora denominada
epiglote.
PULMÕES
Os pulmões são órgãos de forma
cônica, que contém os bronquíolos e
os alvéolos. Calcula-se que cada
pulmão possua cerca de 400 milhões
de alvéolos. Cada alvéolo é formado
por uma membrana muito delicada,
que permite as trocas gasosas entre
ele e o sangue.
INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO
INSPIRAÇÃO EXPIRAÇÃO
Compreende a penetração do ar
atmosférico até os alvéolos
pulmonares.
Compreende a saída do ar
atmosférico dos alvéolos
pulmonares.
O músculo diafragma contrai e
desce.
O músculo diafragma relaxa e sobe.
Os músculos intercostais contraem e
as costelas sobem.
Os músculos intercostais relaxam e
as costelas “abaixam-se”.
O volume do tórax é aumentado,
acarretando a diminuição da
pressão interna; dessa maneira,
a pressão atmosférica torna-se
maior que a pressão interna.
O volume do tórax é reduzido,
acarretando o aumento da
pressão interna; dessa maneira,
a pressão interna torna-se maior
que a pressão atmosférica.
INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO
Os músculos respiratórios -
diafragma e intercostais - têm
sua atividade regulada pelo
centro respiratório situado no
bulbo - uma região do sistema
nervoso central, abaixo do
cérebro.
INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO
Sob o comando do bulbo, o diafragma
se contrai e desce, determinando um
aumento do diâmetro vertical torácico.
Ao mesmo tempo, os músculos
intercostais também se contraem,
“levantando” as costelas e
determinando um aumento do diâmetro
horizontal torácico.
RESPIRAÇÃO NAS
ALTURAS
 Em regiões de altitudes elevadas, onde a pressão
atmosférica é relativamente pequena, um indivíduo
pode ter grande dificuldade para respirar, em
consequência da baixa tensão de gás oxigênio no
ar.
 Nesses casos, o organismo adapta-se a baixa
tensão de oxigênio, promovendo um aumento no
número de hemácias, o que compensa a baixa
disponibilidade desse gás.
O TRANSPORTE DOS GASES
RESPIRATÓRIOS
Através da inspiração, o gás oxigênio
chega até os alvéolos pulmonares.
Neles, o ar inspirado apresenta-se
com uma concentração de oxigênio
MAIOR que a existente no interior dos
capilares sanguíneos que envolvem
os alvéolos.
O TRANSPORTE DOS GASES
RESPIRATÓRIOS
 O oxigênio então, atravessa a delicada
membrana alveolar, por difusão simples, e
penetra no interior dos capilares,
promovendo a oxigenação do sangue e a
consequente transformação do sangue
venoso (pobre em oxigênio) em sangue
arterial (rico em oxigênio). A oxigenação do
sangue, assim descrita, dá-se ao nome de
hematose.
O TRANSPORTE DOS GASES
RESPIRATÓRIOS
No sangue, a maior parte do oxigênio
penetra no interior de hemácias e se
combina com a hemoglobina, formando a
oxiemoglobina. Quando o sangue
arterial, rico em oxigênio, chega aos
tecidos, o oxigênio se desliga da
hemoglobina e, por difusão simples,
passa para o interior das células vivas.
O TRANSPORTE DOS GASES
RESPIRATÓRIOS
 Ao mesmo tempo que o oxigênio se difunde para
as células, o gás carbônico passa do interior
celular do sangue. Assim, nos tecidos, o sangue
arterial converte-se em sangue venoso, que
voltará aos pulmões para receber uma nova
carga de oxigênio.
 Nas células vivas, a produção de gás carbônico é
contínua, o que determina um fluxo constante
desse gás para o interior do sangue. Uma vez no
sangue, o gás carbônico é transportado aos
pulmões, de onde se difunde o ar dos alvéolos.
TEXTO COMPLEMENTAR
 A Circulação do Sangue
 Para termos boa saúde, é necessário que
tenhamos bom sangue; pois este é a corrente da
vida. Ele repara os desgastes e nutre o corpo.
Quando provido dos devidos elementos de
alimentação e purificado e vitalizado pelo contato
com o ar puro, leva a cada parte do organismo
vida e vigor. Quanto mais perfeita a circulação,
tanto melhor se realizará esse trabalho.
TEXTO COMPLEMENTAR
 A cada pulsação do coração, o sangue deve fazer,
rápida e facilmente, seu caminho a todas as partes
do corpo. Sua circulação não deve ser estorvada
por vestuários ou cintas apertadas, nem por
deficiente agasalho dos membros. Seja o que for
que prejudique a circulação, força o sangue a voltar
aos órgãos vitais, congestionando-os. Dor de
cabeça, tosse, palpitação, ou indigestão, eis muitas
vezes os resultados (CBV, p. 272).
TEXTO COMPLEMENTAR
 A Respiração
Para possuir bom sangue, é preciso respirar bem.
Plena e profunda inspiração de ar puro, que
encha os pulmões de oxigênio, purifica o sangue.
Isso comunica ao mesmo uma cor viva, enviando-
o, qual corrente vitalizadora, a todas as partes do
corpo. Uma boa respiração acalma os nervos,
estimula o apetite e melhora a digestão, o que
conduz a um sono profundo e restaurador.
TEXTO COMPLEMENTAR
 Deve-se conceder aos pulmões a maior liberdade
possível. Sua capacidade se desenvolve pela
liberdade de ação; diminui, se eles são
constrangidos e comprimidos. Daí os maus
efeitos do hábito tão comum, especialmente em
trabalhos sedentários, de ficar todo dobrado
sobre a tarefa em mão. Nessa postura é
impossível respirar profundamente (CBV, p. 273).
A PRATICAR!
 1. (UERJ 2016) Um morador de uma cidade situada no nível do mar
decidiu passar um período de férias em uma cidade com altitude de 2500
m. Antes da viagem, os resultados de seu exame de sangue eram
compatíveis com a normalidade em todos os parâmetros medidos. No
entanto, logo nos primeiros dias da viagem, sentiu fortes tonturas e dores
de cabeça, apesar de não ter entrado em contato com agentes
infecciosos ou com substâncias químicas nocivas ao organismo. As
condições ambientais responsáveis pelo surgimento desses sintomas
são também responsáveis por estimular o organismo dessa pessoa a
produzir um maior número de células denominadas:
a) Linfócitos
b) Hemácias
c) Plaquetas
d) Megacariócitos
A PRATICAR!
2. (UnB) Assinale a alternativa que
apresenta uma estrutura comum ao sistema
respiratório e digestivo.
a) Brônquios
b) Faringe
c) Pulmão
d) Esôfago
e) Laringe
A PRATICAR!
 3. (UFSC Adaptada) Muitas das modalidades esportivas disputadas na
Olimpíada Rio 2016 exigiram dos atletas um esforço máximo do sistema
respiratório. Em relação a esse sistema, é correto afirmar que
I. Os pulmões estão localizados sobre o diafragma, um músculo que
desempenha importante papel nos movimentos de inspiração e expiração.
II. As trocas gasosas que ocorrem nos alvéolos se dão por
difusão facilitada e transporte ativo.
III. Os alvéolos pulmonares são formados por um epitélio
pluriestratificado, o qual é recoberto por arteríolas.
IV. A capacidade respiratória não pode ser aumentada pela
prática de exercícios físicos.
Estão corretas apenas:
a) I
b) II e III
c) II e IV
d) III e IV
e) IV
A PRATICAR!
 4. (PUC-RJ) A respiração é a troca de gases do organismo com o ambiente.
Nela, o ar entra e sai dos pulmões graças à contração do diafragma. Considere
as seguintes etapas do processo respiratório do ser humano.
I. Durante a inspiração, o diafragma se contrai e desce aumentando o
volume da caixa torácica.
II. Quando a pressão interna na caixa torácica diminui e se torna menor que
a pressão do ar atmosférico, o ar penetra nos pulmões.
III. Durante a expiração, o volume torácico aumenta, e a pressão
interna se torna menor que a pressão do ar atmosférico.
IV. Quando o diafragma relaxa, ele reduz o volume torácico e empurra o ar
usado para fora dos pulmões.
Estão corretas apenas:
a) I e II
b) II, III e IV
c) I, II e III
d) I, II e IV
e) Todas
A PRATICAR!
5. (Fuvest-SP) No homem, o controle dos
movimentos respiratórios é exercido:
a)Pelo cérebro
b)Pelo cerebelo
c) Pelo bulbo
d)Pela medula
e)Pela hipófise
GABARITO
1 2 3 4 5
b b a d c
REFERÊNCIA
 FÁVARO, C. ; MACHADO, M. F. ; ROMAGNOLI, W.
Sistema Inter@tivo de Ensino - Biologia 2° ano. 1ª ed.
Tatuí-SP: Casa Publicadora Brasileira, 2018.
 PAULINO, W.R. Biologia. Série novo ensino médio.
Volume único. Ed. Ática, 2002.
 WHITE, E. A Ciência do Bom Viver. ebook. Copyright ©
2013 Ellen G. White Estate, Inc. 2007. Disponível em:
https://cdn.centrowhite.org.br/home/uploads/2022/11/A-
Ciencia-do-Bom-Viver.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
Werner Mendoza Blanco
 
Sistema Digestório
Sistema DigestórioSistema Digestório
Sistema Digestório
AleSclearuc
 
Sistema digestorio pronto
Sistema digestorio prontoSistema digestorio pronto
Sistema digestorio pronto
valdetepiazera
 
Ventilação pulmonar
Ventilação pulmonarVentilação pulmonar
Ventilação pulmonar
igrejasp
 
Módulo 7 e 8 – sistema digestório. Alpha 2015
Módulo 7 e 8 – sistema digestório. Alpha 2015Módulo 7 e 8 – sistema digestório. Alpha 2015
Módulo 7 e 8 – sistema digestório. Alpha 2015
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
Elisa Margarita Orlandi
 
Olfato - Ciências - Sentido
Olfato - Ciências - Sentido Olfato - Ciências - Sentido
Olfato - Ciências - Sentido
Rayra Santos
 
Sistema digestivo[1]
Sistema digestivo[1]Sistema digestivo[1]
Sistema digestivo[1]
Eunice Palma
 
O Sistema Digestivo Humano
O Sistema Digestivo HumanoO Sistema Digestivo Humano
O Sistema Digestivo Humano
dvrteam
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
Prof. Saulo Bezerra
 
Anatomia - Sistema Respiratório
Anatomia - Sistema RespiratórioAnatomia - Sistema Respiratório
Anatomia - Sistema Respiratório
Pedro Miguel
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
Fabiano Reis
 
Sistema Esquelético
Sistema EsqueléticoSistema Esquelético
Sistema Esquelético
Prof. Saulo Bezerra
 
Histologia do fígado e do pâncreas
Histologia do fígado e do pâncreasHistologia do fígado e do pâncreas
Histologia do fígado e do pâncreas
Nancy Cabral
 
Anatomia - Sistema Nervoso
Anatomia - Sistema NervosoAnatomia - Sistema Nervoso
Anatomia - Sistema Nervoso
Pedro Miguel
 
Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6
Alexandre Donha
 
Sistema digestorio
Sistema digestorioSistema digestorio
Sistema digestorio
Michele Gonçalves
 
Sistema Respiratório
Sistema Respiratório Sistema Respiratório
Sistema Respiratório
Ana Carolina
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Marília Gomes
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
Fernando Graeff
 

Mais procurados (20)

Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
Sistema Digestório
Sistema DigestórioSistema Digestório
Sistema Digestório
 
Sistema digestorio pronto
Sistema digestorio prontoSistema digestorio pronto
Sistema digestorio pronto
 
Ventilação pulmonar
Ventilação pulmonarVentilação pulmonar
Ventilação pulmonar
 
Módulo 7 e 8 – sistema digestório. Alpha 2015
Módulo 7 e 8 – sistema digestório. Alpha 2015Módulo 7 e 8 – sistema digestório. Alpha 2015
Módulo 7 e 8 – sistema digestório. Alpha 2015
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Olfato - Ciências - Sentido
Olfato - Ciências - Sentido Olfato - Ciências - Sentido
Olfato - Ciências - Sentido
 
Sistema digestivo[1]
Sistema digestivo[1]Sistema digestivo[1]
Sistema digestivo[1]
 
O Sistema Digestivo Humano
O Sistema Digestivo HumanoO Sistema Digestivo Humano
O Sistema Digestivo Humano
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Anatomia - Sistema Respiratório
Anatomia - Sistema RespiratórioAnatomia - Sistema Respiratório
Anatomia - Sistema Respiratório
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
 
Sistema Esquelético
Sistema EsqueléticoSistema Esquelético
Sistema Esquelético
 
Histologia do fígado e do pâncreas
Histologia do fígado e do pâncreasHistologia do fígado e do pâncreas
Histologia do fígado e do pâncreas
 
Anatomia - Sistema Nervoso
Anatomia - Sistema NervosoAnatomia - Sistema Nervoso
Anatomia - Sistema Nervoso
 
Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6
 
Sistema digestorio
Sistema digestorioSistema digestorio
Sistema digestorio
 
Sistema Respiratório
Sistema Respiratório Sistema Respiratório
Sistema Respiratório
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 

Semelhante a Sistema respiratório humano

A circulacao do_ar_e_sist_respiratorio_aula
A circulacao do_ar_e_sist_respiratorio_aulaA circulacao do_ar_e_sist_respiratorio_aula
A circulacao do_ar_e_sist_respiratorio_aula
tuchav
 
Aula 8º Ano Colégio Silva Serpa
Aula 8º Ano Colégio Silva SerpaAula 8º Ano Colégio Silva Serpa
Aula 8º Ano Colégio Silva Serpa
Renato Cosme Fulgoni
 
Sistema respiratório - Prof. Arlei
Sistema respiratório - Prof. ArleiSistema respiratório - Prof. Arlei
Sistema respiratório - Prof. Arlei
Carmina Monteiro
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
URCA
 
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRioA Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratório
carlotabuchi
 
Você sabe respirar?
Você sabe respirar?Você sabe respirar?
Você sabe respirar?
annedecio
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
César Milani
 
Como os seus pulmões trabalham
Como os seus pulmões trabalhamComo os seus pulmões trabalham
Como os seus pulmões trabalham
Régis Pinheiro Martins Bezerra
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Joaquim André
 
Aula 8º ano - Sistema respiratório
Aula 8º ano - Sistema respiratórioAula 8º ano - Sistema respiratório
Aula 8º ano - Sistema respiratório
Leonardo Kaplan
 
2º ano sistema respiratório.pdf
2º ano sistema respiratório.pdf2º ano sistema respiratório.pdf
2º ano sistema respiratório.pdf
VictorSilva675259
 
Bio1 2007 08 - sistema respiratório
Bio1 2007   08 - sistema respiratórioBio1 2007   08 - sistema respiratório
Bio1 2007 08 - sistema respiratório
Tati Ribeiro
 
dt9 A influência do ambiente e dos estilos de vida no Sistema respiratório.pptx
dt9 A influência do ambiente e dos estilos de vida no Sistema respiratório.pptxdt9 A influência do ambiente e dos estilos de vida no Sistema respiratório.pptx
dt9 A influência do ambiente e dos estilos de vida no Sistema respiratório.pptx
MnicaMatos22
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Alpha Colégio e Vestibulares
 
RespiratóRio II
RespiratóRio IIRespiratóRio II
RespiratóRio II
Ana Ferreira
 
Respiração
RespiraçãoRespiração
Respiração
Tania Costa
 
Sistema respiratorio.potx
Sistema respiratorio.potxSistema respiratorio.potx
Sistema respiratorio.potx
Lara Cardoso
 
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
João Costa
 
Sistema respiratório Humano
Sistema respiratório HumanoSistema respiratório Humano
Sistema respiratório Humano
Euvinho
 

Semelhante a Sistema respiratório humano (20)

A circulacao do_ar_e_sist_respiratorio_aula
A circulacao do_ar_e_sist_respiratorio_aulaA circulacao do_ar_e_sist_respiratorio_aula
A circulacao do_ar_e_sist_respiratorio_aula
 
Aula 8º Ano Colégio Silva Serpa
Aula 8º Ano Colégio Silva SerpaAula 8º Ano Colégio Silva Serpa
Aula 8º Ano Colégio Silva Serpa
 
Sistema respiratório - Prof. Arlei
Sistema respiratório - Prof. ArleiSistema respiratório - Prof. Arlei
Sistema respiratório - Prof. Arlei
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRioA Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratório
 
Você sabe respirar?
Você sabe respirar?Você sabe respirar?
Você sabe respirar?
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Como os seus pulmões trabalham
Como os seus pulmões trabalhamComo os seus pulmões trabalham
Como os seus pulmões trabalham
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Aula 8º ano - Sistema respiratório
Aula 8º ano - Sistema respiratórioAula 8º ano - Sistema respiratório
Aula 8º ano - Sistema respiratório
 
2º ano sistema respiratório.pdf
2º ano sistema respiratório.pdf2º ano sistema respiratório.pdf
2º ano sistema respiratório.pdf
 
Bio1 2007 08 - sistema respiratório
Bio1 2007   08 - sistema respiratórioBio1 2007   08 - sistema respiratório
Bio1 2007 08 - sistema respiratório
 
dt9 A influência do ambiente e dos estilos de vida no Sistema respiratório.pptx
dt9 A influência do ambiente e dos estilos de vida no Sistema respiratório.pptxdt9 A influência do ambiente e dos estilos de vida no Sistema respiratório.pptx
dt9 A influência do ambiente e dos estilos de vida no Sistema respiratório.pptx
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
RespiratóRio II
RespiratóRio IIRespiratóRio II
RespiratóRio II
 
Respiração
RespiraçãoRespiração
Respiração
 
Sistema respiratorio.potx
Sistema respiratorio.potxSistema respiratorio.potx
Sistema respiratorio.potx
 
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
 
Sistema respiratório Humano
Sistema respiratório HumanoSistema respiratório Humano
Sistema respiratório Humano
 

Mais de Werner Mendoza Blanco

Filo Equinodermos
Filo EquinodermosFilo Equinodermos
Filo Equinodermos
Werner Mendoza Blanco
 
Filo Artrópodes classificação
Filo Artrópodes classificaçãoFilo Artrópodes classificação
Filo Artrópodes classificação
Werner Mendoza Blanco
 
Filo Artrópodes
Filo ArtrópodesFilo Artrópodes
Filo Artrópodes
Werner Mendoza Blanco
 
Filo Moluscos
Filo MoluscosFilo Moluscos
Filo Moluscos
Werner Mendoza Blanco
 
Filo Anelídeos
Filo AnelídeosFilo Anelídeos
Filo Anelídeos
Werner Mendoza Blanco
 
Filo Nematelmintos
Filo NematelmintosFilo Nematelmintos
Filo Nematelmintos
Werner Mendoza Blanco
 
Filo Platelmintos
Filo PlatelmintosFilo Platelmintos
Filo Platelmintos
Werner Mendoza Blanco
 
Filo Cnidários
Filo CnidáriosFilo Cnidários
Filo Cnidários
Werner Mendoza Blanco
 
Filo Poríferos
Filo PoríferosFilo Poríferos
Filo Poríferos
Werner Mendoza Blanco
 
Balanço de líquidos
Balanço de líquidos Balanço de líquidos
Balanço de líquidos
Werner Mendoza Blanco
 
Bactérias boas
Bactérias boas Bactérias boas
Bactérias boas
Werner Mendoza Blanco
 
Estômago
EstômagoEstômago
Hábitos saudáveis
Hábitos saudáveis Hábitos saudáveis
Hábitos saudáveis
Werner Mendoza Blanco
 
Digestão e absorção das vitaminas
Digestão e absorção das vitaminasDigestão e absorção das vitaminas
Digestão e absorção das vitaminas
Werner Mendoza Blanco
 
Sais minerais
Sais mineraisSais minerais
Sais minerais
Werner Mendoza Blanco
 
Digestão e absorção das proteínas
Digestão e absorção das proteínasDigestão e absorção das proteínas
Digestão e absorção das proteínas
Werner Mendoza Blanco
 
Digestão e absorção das gorduras
Digestão e absorção das gordurasDigestão e absorção das gorduras
Digestão e absorção das gorduras
Werner Mendoza Blanco
 
Digestão e absorção dos carboidratos
Digestão e absorção dos carboidratos Digestão e absorção dos carboidratos
Digestão e absorção dos carboidratos
Werner Mendoza Blanco
 
Pirâmide alimentar
Pirâmide alimentarPirâmide alimentar
Pirâmide alimentar
Werner Mendoza Blanco
 
Vitamina B1
Vitamina B1Vitamina B1

Mais de Werner Mendoza Blanco (20)

Filo Equinodermos
Filo EquinodermosFilo Equinodermos
Filo Equinodermos
 
Filo Artrópodes classificação
Filo Artrópodes classificaçãoFilo Artrópodes classificação
Filo Artrópodes classificação
 
Filo Artrópodes
Filo ArtrópodesFilo Artrópodes
Filo Artrópodes
 
Filo Moluscos
Filo MoluscosFilo Moluscos
Filo Moluscos
 
Filo Anelídeos
Filo AnelídeosFilo Anelídeos
Filo Anelídeos
 
Filo Nematelmintos
Filo NematelmintosFilo Nematelmintos
Filo Nematelmintos
 
Filo Platelmintos
Filo PlatelmintosFilo Platelmintos
Filo Platelmintos
 
Filo Cnidários
Filo CnidáriosFilo Cnidários
Filo Cnidários
 
Filo Poríferos
Filo PoríferosFilo Poríferos
Filo Poríferos
 
Balanço de líquidos
Balanço de líquidos Balanço de líquidos
Balanço de líquidos
 
Bactérias boas
Bactérias boas Bactérias boas
Bactérias boas
 
Estômago
EstômagoEstômago
Estômago
 
Hábitos saudáveis
Hábitos saudáveis Hábitos saudáveis
Hábitos saudáveis
 
Digestão e absorção das vitaminas
Digestão e absorção das vitaminasDigestão e absorção das vitaminas
Digestão e absorção das vitaminas
 
Sais minerais
Sais mineraisSais minerais
Sais minerais
 
Digestão e absorção das proteínas
Digestão e absorção das proteínasDigestão e absorção das proteínas
Digestão e absorção das proteínas
 
Digestão e absorção das gorduras
Digestão e absorção das gordurasDigestão e absorção das gorduras
Digestão e absorção das gorduras
 
Digestão e absorção dos carboidratos
Digestão e absorção dos carboidratos Digestão e absorção dos carboidratos
Digestão e absorção dos carboidratos
 
Pirâmide alimentar
Pirâmide alimentarPirâmide alimentar
Pirâmide alimentar
 
Vitamina B1
Vitamina B1Vitamina B1
Vitamina B1
 

Último

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Sistema respiratório humano

  • 2. CONTEÚDO 1. Respiração 2. Laringe 3. Pulmões 4. Inspiração e expiração 5. O transporte dos gases respiratórios 6. Texto complementar 7. A praticar!
  • 3. RESPIRAÇÃO Na espécie humana, os gases respiratórios percorrem uma série de órgãos que constituem o chamado tubo respiratório. Esses órgãos são representados pelas fossas nasais, faringe, laringe, traquéia, brônquios, bronquíolos e pulmões.
  • 4. LARINGE  A laringe apresenta um orifício denominado glote, pelo qual se comunica com a faringe. Durante a deglutição, esse orifício é fechado por uma válvula reguladora denominada epiglote.
  • 5. PULMÕES Os pulmões são órgãos de forma cônica, que contém os bronquíolos e os alvéolos. Calcula-se que cada pulmão possua cerca de 400 milhões de alvéolos. Cada alvéolo é formado por uma membrana muito delicada, que permite as trocas gasosas entre ele e o sangue.
  • 6.
  • 7.
  • 8. INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO INSPIRAÇÃO EXPIRAÇÃO Compreende a penetração do ar atmosférico até os alvéolos pulmonares. Compreende a saída do ar atmosférico dos alvéolos pulmonares. O músculo diafragma contrai e desce. O músculo diafragma relaxa e sobe. Os músculos intercostais contraem e as costelas sobem. Os músculos intercostais relaxam e as costelas “abaixam-se”. O volume do tórax é aumentado, acarretando a diminuição da pressão interna; dessa maneira, a pressão atmosférica torna-se maior que a pressão interna. O volume do tórax é reduzido, acarretando o aumento da pressão interna; dessa maneira, a pressão interna torna-se maior que a pressão atmosférica.
  • 9.
  • 10. INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO Os músculos respiratórios - diafragma e intercostais - têm sua atividade regulada pelo centro respiratório situado no bulbo - uma região do sistema nervoso central, abaixo do cérebro.
  • 11. INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO Sob o comando do bulbo, o diafragma se contrai e desce, determinando um aumento do diâmetro vertical torácico. Ao mesmo tempo, os músculos intercostais também se contraem, “levantando” as costelas e determinando um aumento do diâmetro horizontal torácico.
  • 12.
  • 13. RESPIRAÇÃO NAS ALTURAS  Em regiões de altitudes elevadas, onde a pressão atmosférica é relativamente pequena, um indivíduo pode ter grande dificuldade para respirar, em consequência da baixa tensão de gás oxigênio no ar.  Nesses casos, o organismo adapta-se a baixa tensão de oxigênio, promovendo um aumento no número de hemácias, o que compensa a baixa disponibilidade desse gás.
  • 14. O TRANSPORTE DOS GASES RESPIRATÓRIOS Através da inspiração, o gás oxigênio chega até os alvéolos pulmonares. Neles, o ar inspirado apresenta-se com uma concentração de oxigênio MAIOR que a existente no interior dos capilares sanguíneos que envolvem os alvéolos.
  • 15. O TRANSPORTE DOS GASES RESPIRATÓRIOS  O oxigênio então, atravessa a delicada membrana alveolar, por difusão simples, e penetra no interior dos capilares, promovendo a oxigenação do sangue e a consequente transformação do sangue venoso (pobre em oxigênio) em sangue arterial (rico em oxigênio). A oxigenação do sangue, assim descrita, dá-se ao nome de hematose.
  • 16. O TRANSPORTE DOS GASES RESPIRATÓRIOS No sangue, a maior parte do oxigênio penetra no interior de hemácias e se combina com a hemoglobina, formando a oxiemoglobina. Quando o sangue arterial, rico em oxigênio, chega aos tecidos, o oxigênio se desliga da hemoglobina e, por difusão simples, passa para o interior das células vivas.
  • 17. O TRANSPORTE DOS GASES RESPIRATÓRIOS  Ao mesmo tempo que o oxigênio se difunde para as células, o gás carbônico passa do interior celular do sangue. Assim, nos tecidos, o sangue arterial converte-se em sangue venoso, que voltará aos pulmões para receber uma nova carga de oxigênio.  Nas células vivas, a produção de gás carbônico é contínua, o que determina um fluxo constante desse gás para o interior do sangue. Uma vez no sangue, o gás carbônico é transportado aos pulmões, de onde se difunde o ar dos alvéolos.
  • 18. TEXTO COMPLEMENTAR  A Circulação do Sangue  Para termos boa saúde, é necessário que tenhamos bom sangue; pois este é a corrente da vida. Ele repara os desgastes e nutre o corpo. Quando provido dos devidos elementos de alimentação e purificado e vitalizado pelo contato com o ar puro, leva a cada parte do organismo vida e vigor. Quanto mais perfeita a circulação, tanto melhor se realizará esse trabalho.
  • 19. TEXTO COMPLEMENTAR  A cada pulsação do coração, o sangue deve fazer, rápida e facilmente, seu caminho a todas as partes do corpo. Sua circulação não deve ser estorvada por vestuários ou cintas apertadas, nem por deficiente agasalho dos membros. Seja o que for que prejudique a circulação, força o sangue a voltar aos órgãos vitais, congestionando-os. Dor de cabeça, tosse, palpitação, ou indigestão, eis muitas vezes os resultados (CBV, p. 272).
  • 20. TEXTO COMPLEMENTAR  A Respiração Para possuir bom sangue, é preciso respirar bem. Plena e profunda inspiração de ar puro, que encha os pulmões de oxigênio, purifica o sangue. Isso comunica ao mesmo uma cor viva, enviando- o, qual corrente vitalizadora, a todas as partes do corpo. Uma boa respiração acalma os nervos, estimula o apetite e melhora a digestão, o que conduz a um sono profundo e restaurador.
  • 21. TEXTO COMPLEMENTAR  Deve-se conceder aos pulmões a maior liberdade possível. Sua capacidade se desenvolve pela liberdade de ação; diminui, se eles são constrangidos e comprimidos. Daí os maus efeitos do hábito tão comum, especialmente em trabalhos sedentários, de ficar todo dobrado sobre a tarefa em mão. Nessa postura é impossível respirar profundamente (CBV, p. 273).
  • 22. A PRATICAR!  1. (UERJ 2016) Um morador de uma cidade situada no nível do mar decidiu passar um período de férias em uma cidade com altitude de 2500 m. Antes da viagem, os resultados de seu exame de sangue eram compatíveis com a normalidade em todos os parâmetros medidos. No entanto, logo nos primeiros dias da viagem, sentiu fortes tonturas e dores de cabeça, apesar de não ter entrado em contato com agentes infecciosos ou com substâncias químicas nocivas ao organismo. As condições ambientais responsáveis pelo surgimento desses sintomas são também responsáveis por estimular o organismo dessa pessoa a produzir um maior número de células denominadas: a) Linfócitos b) Hemácias c) Plaquetas d) Megacariócitos
  • 23. A PRATICAR! 2. (UnB) Assinale a alternativa que apresenta uma estrutura comum ao sistema respiratório e digestivo. a) Brônquios b) Faringe c) Pulmão d) Esôfago e) Laringe
  • 24. A PRATICAR!  3. (UFSC Adaptada) Muitas das modalidades esportivas disputadas na Olimpíada Rio 2016 exigiram dos atletas um esforço máximo do sistema respiratório. Em relação a esse sistema, é correto afirmar que I. Os pulmões estão localizados sobre o diafragma, um músculo que desempenha importante papel nos movimentos de inspiração e expiração. II. As trocas gasosas que ocorrem nos alvéolos se dão por difusão facilitada e transporte ativo. III. Os alvéolos pulmonares são formados por um epitélio pluriestratificado, o qual é recoberto por arteríolas. IV. A capacidade respiratória não pode ser aumentada pela prática de exercícios físicos. Estão corretas apenas: a) I b) II e III c) II e IV d) III e IV e) IV
  • 25. A PRATICAR!  4. (PUC-RJ) A respiração é a troca de gases do organismo com o ambiente. Nela, o ar entra e sai dos pulmões graças à contração do diafragma. Considere as seguintes etapas do processo respiratório do ser humano. I. Durante a inspiração, o diafragma se contrai e desce aumentando o volume da caixa torácica. II. Quando a pressão interna na caixa torácica diminui e se torna menor que a pressão do ar atmosférico, o ar penetra nos pulmões. III. Durante a expiração, o volume torácico aumenta, e a pressão interna se torna menor que a pressão do ar atmosférico. IV. Quando o diafragma relaxa, ele reduz o volume torácico e empurra o ar usado para fora dos pulmões. Estão corretas apenas: a) I e II b) II, III e IV c) I, II e III d) I, II e IV e) Todas
  • 26. A PRATICAR! 5. (Fuvest-SP) No homem, o controle dos movimentos respiratórios é exercido: a)Pelo cérebro b)Pelo cerebelo c) Pelo bulbo d)Pela medula e)Pela hipófise
  • 27. GABARITO 1 2 3 4 5 b b a d c
  • 28. REFERÊNCIA  FÁVARO, C. ; MACHADO, M. F. ; ROMAGNOLI, W. Sistema Inter@tivo de Ensino - Biologia 2° ano. 1ª ed. Tatuí-SP: Casa Publicadora Brasileira, 2018.  PAULINO, W.R. Biologia. Série novo ensino médio. Volume único. Ed. Ática, 2002.  WHITE, E. A Ciência do Bom Viver. ebook. Copyright © 2013 Ellen G. White Estate, Inc. 2007. Disponível em: https://cdn.centrowhite.org.br/home/uploads/2022/11/A- Ciencia-do-Bom-Viver.pdf