Este relatório faz um diagnóstico do Mercado Público Municipal – OHortifrutigranjeiro, no que se refere às condições higiê...
As pias utilizadas para a manipulação dos alimentos comercializados nas tarimbas, sãoas mesmas utilizadas para outras ativ...
As instalações elétricas, apresentam fios aparentes e descascados e são insuficientespara atender a demanda em dias de gra...
fiscalizando os produtos que por ele será consumido e no sentido de direcionar nosprocedimentos que por ventura venha a co...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório mercado hortifrutigranjeiro de araripina

576 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
576
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório mercado hortifrutigranjeiro de araripina

  1. 1. Este relatório faz um diagnóstico do Mercado Público Municipal – OHortifrutigranjeiro, no que se refere às condições higiênico-sanitárias agora documentadas efotografadas pela Vigilância Sanitária Municipal. A visita da Vigilância Sanitária Araripina ao Mercado Público Municipal, aconteceusem precisar a data no ano de 2009, e, foi documentado também em fotos. Uma nova visita /inspeção aconteceu no dia 21 de dezembro de 2010, e foi constatados os mesmos problemasda visita anterior, isto é, que ocorreu no ano passado. Destacamos logo abaixo alguns pontos críticos encontrados no estabelecimento emque se misturam uma série de fatores insalubres ao ser humano com a venda de diversosprodutos, muitos deles comercializados sem nenhuma higiene e desprovidos de umainfraestrutura capaz de atender as condições das normas sanitárias vigentes. As carnes e pescados não são transportados em veículos limpos, fechados erefrigerados de forma a atender a legislação vigente; Os entregadores não usam uniformes limpos e de cor clara; O abastecimento de água pelo que pudemos constatar não existe em sua forma potávelsuficiente, para atender as necessidades das dependências em que principalmente necessitampara manter o ambiente limpo e para fazer pelos menos o básico de higienização; As paredes, tetos e pisos do setor que comercializa carne em geral, não são mais defácil limpeza, apresentando, rachaduras, buracos, descascamento e infiltrações. O piso nãoapresenta mais o caimento necessário em direção aos ralos (que estão entupidos) para oprocesso de escoamento normal das águas residuárias. As paredes que deveriam ser de material impermeável para facilitar a desinfecçãoevitando o acúmulo de sujeiras, também estão corroídas e com fissuras, facilitando aproliferação de possíveis agentes contaminantes; O estabelecimento não possui reservatório com superfície lisa, sem rachaduras e comtampas, impedindo o acesso de animais e pessoas estranhas; A bancadas do açougue e da peixaria, como também da área que comercializaalimentos preparados (as conhecidas Tarimbas), estão corroídas e muitas delas apresentandorachaduras; Não se faz no ambiente de corte de carne, o uso de luvas e malhas de aço.
  2. 2. As pias utilizadas para a manipulação dos alimentos comercializados nas tarimbas, sãoas mesmas utilizadas para outras atividades que podem atrair possíveis agentescontaminantes; Os utensílios utilizados para a manipulação dos alimentos, não adequadoshigienizados de forma a atender as exigências higiênico-sanitárias; A maioria dos manipuladores de alimentos não se apresenta de forma asseadas usamadorno, unhas compridas, sujas e com esmalte. Não utilizam os requisitos básicos para asBoas Práticas dos Manipuladores, como touca, gorro, uniformes fechados, claros e bemconservado, sapatos, se apresentando de forma a interferir nas condições já precária doestabelecimento; Também comprovamos em fotos, o uso do copo de vidro banhado em água numabacia, desprovido da mais básica higiene; O local possui ventilação suficiente para proporcionar conforto térmico. Mas osarredores (parte externa) não estão livres de sucatas, lixo, animais e outros possíveis agentescontaminantes; Não existem coletores de lixo com tampa e identificados por cores para separação dosresíduos orgânicos e inorgânicos; Os restos de ossadas, vegetais e outros produtos condenados, se misturam e fazemparte de um amontoado; As paredes externas como constatadas em fotos, apresenta corrosão, comdescascamento principalmente no rodapé; O Setor que comercializa as verduras, hortaliças e outros produtos não perecíveis(feijão, farinha, etc), apresenta gotejamento no teto, paredes depredadas, instalações elétricasinsuficientes, pisos com buracos e rachaduras e outras irregularidades que foge as normassanitárias; Os sanitários com piso e paredes de material liso, apresenta em alguns pontosrachaduras e o material impermeável incompletos (material de azulejo ou cerâmica –depredados). Não tem portas com mola e a parte externa dos banheiros está em péssimoestado de conservação, apresentando descascamentos visíveis; Faz-se o uso da lixeira aberta (fonte possíveis de bactérias e outros agentescontaminantes), ao invés da lixeira com pedal e tampa para guarda de papéis servidos, semcontato do usuário com o recipiente, não possui pias, sabão líquido antisséptico, álcool gel etoalha descartáveis para a higienização das mãos;
  3. 3. As instalações elétricas, apresentam fios aparentes e descascados e são insuficientespara atender a demanda em dias de grande movimentação de pessoas, principalmente á noite,nos dias de sexta-feira, quando é realizada a feira livre naquele local; A rede de esgoto apresentam com odores e refluxo e não estão livres de vazamento. Os ralos insuficientes não comporta mais a estrutura do Mercado Público Municipal. O setor de peixaria é um dos ambientes mais caótico do estabelecimento e lá, osproblemas como falta de instalações hidráulicas para atender as necessidades inerentes aquelesetor, bancadas depredadas, falta de pias, de geladeiras e balanças enferrujadas, de utensílioslimpos, são as amostras do quadro caótico em que se estende a outros setores; Ainda são encontrados no setor que comercializam as carnes, troncos e mesas demadeiras, todas em péssimo estado de conservação, também fonte de atração para agentescontaminantes. A situação em que se encontra o Mercadoro Público de Araripina, não está livre demoscas, mosquitos, baratas, ratos e qualquer outros insetos, além de gatos, cães (que erampresenças constante durante a nossa inspeção). Fizemos um resumo da situação em que podemos sublinhar vários fatores de riscopara a saúde humana proliferada em um ambiente propício á contaminação tanto dos que alilabutam de forma subumana, como da população que vive nas cercanias. Não foi possível relatar item por item ou ponto por ponto dos problemas deinfraestrutura do Mercado Público Municipal. Temos o olho voltado e centrado nas condiçõeshigiênico-sanitárias, que atinge a saúde do trabalhador e saúde do consumidor, que sãonossas metas principais e foco de nossa atenção. É notório que o estabelecimento precisa deforma urgente passar por uma reforma geral para atender a demanda que ali se concentra emdias de feiras livres e não se esquecendo de apontar um ponto essencial: depois de feitas osreparos e as correções necessárias, manter e cobrar dos que participarão de todo processoevolutivo o cumprimento do dever e do rigor da lei. É preciso sabe que quem comercializa e manipulam alimentos para o consumohumano, precisam estar cientes de que normas sanitárias são exigidas e devem ser cumpridas.Se uma reforma fora concluída, cabe àqueles que transitam, trabalham e utilizam o ambiente,preservá-lo. O Departamento de Vigilância Sanitária de Araripina está à disposição para quaisqueroutros esclarecimentos, no sentido de melhorar a qualidade de assistência ao trabalhadordentro da legislação em que atua, no sentido de proteger o consumidor investigando e
  4. 4. fiscalizando os produtos que por ele será consumido e no sentido de direcionar nosprocedimentos que por ventura venha a concretizar o sonho de todos na realização de umanova obra e que irá com certeza acomodar dependências mais limpas e amplas do MercadoPúblico Municipal. (Segue anexo – fotos)Araripina, 22 de dezembro de 2010. Everaldo Paixão e Silva Agente Sanitário Departamento de Vigilância em Saúde Rua Manoel Ferreira Sampaio – S/N Tel: (87) 3873 4002 E-mail – vigilancia.ara@hotmail.com

×