SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
LEGISLAÇÃO SOBRE O ASSUNTO:

- Art. 58, paragrafo 3° da CF/88
-  Lei n° 1.579/52
-  Lei n° 10.001/2000
-  LC n° 105/2001
-  Regimentos Internos do Senado e da Câmara

§ 3º - As comissões parlamentares de inquérito, que terão poderes de
investigação próprios das autoridades judiciais, além de outros previstos nos
regimentos das respectivas Casas, serão criadas pela Câmara dos Deputados e
pelo Senado Federal, em conjunto ou separadamente, mediante requerimento
de um terço de seus membros, para a apuração de fato determinado e por
prazo certo, sendo suas conclusões, se for o caso, encaminhadas ao Ministério
Público, para que promova a responsabilidade civil ou criminal dos infratores.
Câmara dos Deputados                171 Deputados (1/3 de 513)


Senado Federal                        27 Senadores (1/3 de 81)



Câmara dos Deputados                  Senado Federal


Comissão Mista – Requerimento de 171 Deputados + 27 Senadores
REQUISITOS INDISPENSÁVEIS:


      - Requerimento subscrito por no mínimo 1/3 dos parlamentares

     -  Indicação do FATO DETERMINADO que será investigado

     -  PRAZO CERTO para conclusão dos trabalhos



Prova Discursiva:

DIREITO PÚBLICO SUBJETIVO DAS MINORIAS

Favor ler: MS 26.441 STF – Relator Ministro Celso de Mello.
FATO DETERMINADO

Art. 35. A Câmara dos Deputados, a requerimento de um terço de seus
membros, instituirá Comissão Parlamentar de Inquérito para apuração de fato
determinado e por prazo certo, a qual terá poderes de investigação próprios das
autoridades judiciais, além de outros previstos em lei e neste Regimento.	


§ 1o	

Considera-se 	

fato	

determinado 	

o 	

acontecimento	

de relevante
interesse para a vida pública e a ordem constitucional, legal, econômica e social
do País, que estiver devidamente caracterizado no requerimento de constituição
da Comissão.


PRAZO CERTO

Máximo de 120 dias, prorrogáveis até 180 dias. (CD)

Máximo de tempo na mesma legislatura. (SF)
Art. 148.No exercício das suas atribuições, a comissão
parlamentar de inquérito terá poderes de investigação
próprios das autoridades judiciais, facultada a
realização de diligências que julgar necessárias, podendo
convocar Ministros de Estado, tomar o depoimento de
qualquer autoridade, inquirir testemunhas, sob
compromisso, ouvir indiciados, requisitar de órgão
público informações ou documentos de qualquer
natureza, bem como requerer ao Tribunal de Contas da
União a realização de inspeções e auditorias que
entender necessárias.
NÃO	
  PODEMOS	
  ESQUECER	
  !!!!!!	
  


A CPI pode, POR AUTORIDADE PRÓPRIA, sempre POR DECISÃO
FUNDAMENTADA e MOTIVADA, determinar:


QUEBRA DE SIGILO FISCAL


QUEBRA DE SIGILO BANCÁRIO


QUEBRA DE SIGILO DE DADOS                  QUEBRA DE SIGILO
                                           DA COMUNICAÇÃO
                                           TELEFÔNICA
NÃO	
  PODEMOS	
  ESQUECER	
  !!!!!!	
  




OUVIR TESTEMUNHAS                          Falso testemunho


OUVIR INVESTIGADOS OU
                                           Direito ao Silêncio
INDICIADOS
Postulado de Reserva Constitucional de Jurisdição



 Busca Domiciliar


Quebra de Sigilo das Comunicações Telefônicas


Ordem de Prisão, salvo no caso de Flagrante.
“Incompetência da Comissão Parlamentar de Inquérito para expedir decreto de
indisponibilidade de bens de particular, que não é medida de instrução – a cujo âmbito se
restringem os poderes de autoridade judicial a elas conferidos no art. 58, § 3º, mas de
provimento cautelar de eventual sentença futura, que só pode caber ao Juiz competente para
proferi-la. Quebra ou transferência de sigilos bancário, fiscal e de registros telefônicos que,
ainda quando se admita, em tese, susceptível de ser objeto de decreto de CPI – porque não
coberta pela reserva absoluta de jurisdição que resguarda outras garantias constitucionais –,
há de ser adequadamente fundamentada: aplicação no exercício pela CPI dos poderes
instrutórios das autoridades judiciárias da exigência de motivação do art. 93, IX, da
Constituição da República.” (
MS 23.480, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento em 4-5-2000, Plenário, DJ de
15-9-2000.)       
      “A duração do inquérito parlamentar – com o poder coercitivo sobre particulares,
inerentes à sua atividade instrutória e à exposição da honra e da imagem das pessoas a
desconfianças e conjecturas injuriosas – e um dos pontos de tensão dialética entre a CPI e os
direitos individuais, cuja solução, pela limitação temporal do funcionamento do órgão, antes
se deve entender matéria apropriada à lei do que aos regimentos: donde, a recepção do art. 5º,
§ 2º, da Lei. 1.579/1952, que situa, no termo final de legislatura em que constituída, o limite
intransponível de duração, ao qual, com ou sem prorrogação do prazo inicialmente fixado, se
há de restringir a atividade de qualquer comissão parlamentar de inquérito.” (
HC 71.261, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento em 11-5-1994, Plenário, DJ de
24-6-1994.) No mesmo sentido: RE 194.346-AgR, Rel. Min. Joaquim Barbosa, julgamento em
14-9-2010, Segunda Turma, DJE de 8-10-2010.
“(...) as CPIs, no desempenho de seus poderes de investigação, estão sujeitas às mesmas
normas e limitações que incidem sobre os magistrados, quando no exercício de igual
prerrogativa. Vale dizer: as CPIs somente podem exercer as atribuições investigatórias
que lhes são inerentes, desde que o façam nos mesmos termos e segundo as mesmas
exigências que a Constituição e as leis da República impõem aos juízes, especialmente
no que concerne ao necessário respeito às prerrogativas que o ordenamento positivo do
Estado confere aos advogados. (...) a presença do advogado em qualquer procedimento
estatal, independentemente do domínio institucional em que esse mesmo procedimento
tenha sido instaurado, constitui fator inequívoco de certeza de que os órgãos do Poder
Público (Legislativo, Judiciário e Executivo) não transgredirão os limites delineados pelo
ordenamento positivo da República, respeitando-se, em consequência, como se impõe
aos membros e aos agentes do aparelho estatal, o regime das liberdades públicas e os
direitos subjetivos constitucionalmente assegurados às pessoas em geral, inclusive
àquelas eventualmente sujeitas, qualquer que seja o motivo, a investigação parlamentar,
ou a inquérito policial, ou, ainda, a processo judicial. (...) não se revela legítimo opor, ao
advogado, restrições, que, ao impedirem, injusta e arbitrariamente, o regular exercício de
sua atividade profissional, culminem por esvaziar e nulificar a própria razão de ser de
sua intervenção perante os órgãos do Estado, inclusive perante as próprias CPIs.” (
MS 30.906-MC, Rel. Min. Celso de Mello, decisão monocrática, julgamento em
5-10-2011, DJE de 10-10-2011.)
CESPE - 2012 - MPE-PI - Analista
              Ministerial - Área Processual - Cargo 8


Julgue os próximos itens, concernentes à organização do Estado brasileiro
e à organização dos poderes no Estado.


Embora a comissão parlamentar de inquérito seja instituída por prazo
certo, a prorrogação é admitida, se não se ultrapassar a legislatura em
que foi instalada.
FUNCAB - 2012 - MPE-RO - Analista -
                  Processual

A respeito das comissões parlamentares de inquérito, a Constituição Federal
dispõe que:

a) terão poderes de investigação próprios das autoridades judiciais.

 b) visam a apurar fato determinado e são instituídas para vigorar por prazo
indeterminado, a critério de seu presidente.

c) dependem de iniciativa popular para sua criação, ou requerimento da
maioria simples dos parlamentares.

 d) não podem quebrar o sigilo fiscal do investigado semprévia autorização
judicial

e) sua instalação depende do requerimento de dois terços dos parlamentares
membros da respectiva casa, ou das duas, emcaso de CPI mista.
FCC - 2011 - TCE-PR - Analista de Controle
                     - Jurídica
A Câmara dos Deputados decide instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI)
para investigar suposto desvio de verbas públicas. Ao iniciar seus trabalhos, solicita a oitiva de
acusados e testemunhas, decreta a indisponibilidade de bens de um determinado Ministro de
Estado e solicita às empresas de telefonia a lista dos números de telefones para os quais o
referido Ministro teria entrado em contato no período sob investigação. Em relação às
prerrogativas da CPI, é correto afirmar:

a) A Câmara dos Deputados não pode, isoladamente, formar uma CPI, já que, pela dimensão
da tarefa investigativa que realiza, precisa atuar em conjunto com o Senado Federal.
b) Para assegurar eficiência no andamento de suas investigações, a CPI tem poderes para
decretar a indisponibilidade de bens de acusados, independentemente de ordem judicial.

 c) Caso a CPI apure que há responsabilidades civis e penais do Ministro de Estado, poderá
aplicar-lhe a pena de perdimento de bens e a inabilitação para o exercício de função pública
por oito anos.

 d) A CPI tem poderes para solicitar a quebra do sigilo dos dados telefônicos do acusado,
diretamente às empresas de telefonia, independentemente de ordem judicial, por essa medida
afetar apenas o sigilo de dados, e não propriamente o sigilo das comunicações telefônicas.

e) Ministros de Estado não podem ser investigados por CPI, por ocuparem cargo público
notório no Poder Executivo, situação que afrontaria o princípio da separação de poderes.
FCC - 2011 - TCM-BA - Procurador Especial
                        de Contas

Considere as seguintes afirmações a respeito da disciplina constitucional das comissões parlamentares de
inquérito:

I. As comissões parlamentares de inquérito são instrumentos de controle político, à disposição
das minorias presentes nos órgãos legislativos, podendo ser criadas pela Câmara dos Deputados
e pelo Senado Federal, em conjunto ou separadamente, mediante requerimento de um terço de
seus membros.

II. Os poderes de investigação das comissões parlamentares de inquérito não compreendem a
decretação de prisão em caráter cautelar ou a realização de busca e apreensão no domicílio dos
investigados, na medida em que essas ações estão protegidas pela cláusula de reserva
jurisdicional.

III. A exigência constitucional de que as comissões parlamentares de inquérito sejam criadas
para a apuração de fato determinado e por prazo certo impede que tenham objeto genérico e
duração indeterminada.

Está correto o que se afirma em

a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) I e II, apenas.
d) I e III, apenas.
e) I, II e III.
CESPE - 2010 - OAB - Exame de Ordem
                  Unificado - 1 - Primeira Fase (Jun/2010)

Assinale a opção correta com relação ao sigilo bancário.

a)  A quebra do sigilo bancário está submetida à chamada reserva de jurisdição,
    podendo somente os juízes determiná-la e, ainda assim, de forma
    fundamentada.

b) Conforme a lei complementar que rege a matéria, constitui quebra ilegal de sigilo
    bancário a comunicação, às autoridades competentes, da prática de ilícitos
    administrativos, mesmo quando do fornecimento de informações sobre
    operações que envolvam recursos provenientes de qualquer prática criminosa.

c) As comissões parlamentares de inquérito poderão determinar a quebra de sigilo
    bancário sem a interferência do Poder Judiciário, desde que o façam de forma
    fundamentada.

d) A quebra do sigilo bancário pode ser determinada diretamente pelo Tribunal de
   Contas da União.
FCC - 2008 - MPE-CE - Promotor de Justiça


As Comissões Parlamentares de Inquérito, conforme orientação do Supremo
Tribunal Federal, têm poderes para

a)  a quebra de sigilo bancário e ouvir testemunhas sobre fatos passíveis de
    incriminá-las, ainda que não desejem prestar declarações.

b) a quebra de sigilo telefônico e ouvir testemunhas sobre fatos passíveis de
    incriminá-las, ainda que não desejem prestar declarações.

c) a quebra de sigilo bancário e de sigilo telefônico.

d) a quebra de sigilo telefônico e determinar interceptação telefônica.

e) a quebra de sigilo bancário e determinar interceptação ambiental ou
    telemática.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acp desafetac¸a~o de 62 areas publicas(1)
Acp desafetac¸a~o de 62 areas publicas(1)Acp desafetac¸a~o de 62 areas publicas(1)
Acp desafetac¸a~o de 62 areas publicas(1)Henrique Azevedo
 
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...Jordano Santos Cerqueira
 
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geralmariocanel
 
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Rogerio Abreu
 
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administraçãoDireito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administraçãoCarlos José Teixeira Toledo
 
Processo civil parte 1
Processo civil parte 1Processo civil parte 1
Processo civil parte 1Pitágoras
 
AULA 00 - DIREITO CONSTITUCIONAL
AULA 00 - DIREITO CONSTITUCIONALAULA 00 - DIREITO CONSTITUCIONAL
AULA 00 - DIREITO CONSTITUCIONALRicardo Torques
 
Direito Constitucional - Processo Legislativo
Direito Constitucional - Processo LegislativoDireito Constitucional - Processo Legislativo
Direito Constitucional - Processo LegislativoMentor Concursos
 
Direito Constitucional - Poder Executivo
 Direito Constitucional - Poder Executivo  Direito Constitucional - Poder Executivo
Direito Constitucional - Poder Executivo Mentor Concursos
 
Lei nº 9.455\97- Lei Antitortura
Lei nº 9.455\97- Lei AntitorturaLei nº 9.455\97- Lei Antitortura
Lei nº 9.455\97- Lei AntitorturaMarcos Girão
 
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo  apostila-resumo bom para concursosDireito administrativo  apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursosleticia_sa
 

Mais procurados (20)

Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
 
Teoria geral das provas
Teoria geral das provasTeoria geral das provas
Teoria geral das provas
 
Acp desafetac¸a~o de 62 areas publicas(1)
Acp desafetac¸a~o de 62 areas publicas(1)Acp desafetac¸a~o de 62 areas publicas(1)
Acp desafetac¸a~o de 62 areas publicas(1)
 
Recursos Proc Civl
Recursos Proc CivlRecursos Proc Civl
Recursos Proc Civl
 
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
 
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geral
 
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
 
Direito constitucional
Direito constitucionalDireito constitucional
Direito constitucional
 
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administraçãoDireito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
 
Aula 09 e aula 10 provas em espécie
Aula 09 e aula 10   provas em espécieAula 09 e aula 10   provas em espécie
Aula 09 e aula 10 provas em espécie
 
Ato Administrativo
Ato AdministrativoAto Administrativo
Ato Administrativo
 
Processo civil parte 1
Processo civil parte 1Processo civil parte 1
Processo civil parte 1
 
Processo do trabalho
Processo do trabalhoProcesso do trabalho
Processo do trabalho
 
AULA 00 - DIREITO CONSTITUCIONAL
AULA 00 - DIREITO CONSTITUCIONALAULA 00 - DIREITO CONSTITUCIONAL
AULA 00 - DIREITO CONSTITUCIONAL
 
Direito Constitucional - Processo Legislativo
Direito Constitucional - Processo LegislativoDireito Constitucional - Processo Legislativo
Direito Constitucional - Processo Legislativo
 
Direito Constitucional - Poder Executivo
 Direito Constitucional - Poder Executivo  Direito Constitucional - Poder Executivo
Direito Constitucional - Poder Executivo
 
Espécies de Pena
Espécies de PenaEspécies de Pena
Espécies de Pena
 
Lei nº 9.455\97- Lei Antitortura
Lei nº 9.455\97- Lei AntitorturaLei nº 9.455\97- Lei Antitortura
Lei nº 9.455\97- Lei Antitortura
 
Inquérito Policial
Inquérito PolicialInquérito Policial
Inquérito Policial
 
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo  apostila-resumo bom para concursosDireito administrativo  apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
 

Semelhante a Aula de Direito Constitucional (CPI)

Defesa do Vereador Dainel do Zé Gomes
Defesa do Vereador Dainel do Zé GomesDefesa do Vereador Dainel do Zé Gomes
Defesa do Vereador Dainel do Zé Gomeszedalegnas
 
Poderes de investigação das CPIs
Poderes de investigação das CPIsPoderes de investigação das CPIs
Poderes de investigação das CPIsCristiane Machado
 
Comissão Parlamentar de Inquérito: Uma Apresentação
Comissão Parlamentar de Inquérito: Uma ApresentaçãoComissão Parlamentar de Inquérito: Uma Apresentação
Comissão Parlamentar de Inquérito: Uma ApresentaçãoGian Gabriel Guglielmelli
 
Poderes de investigação das cp is slides (1)
Poderes de investigação das cp is slides (1)Poderes de investigação das cp is slides (1)
Poderes de investigação das cp is slides (1)Kécia Lage
 
Poderes de investigação das CPIs
Poderes de investigação das CPIsPoderes de investigação das CPIs
Poderes de investigação das CPIsFernando_MagnoA
 
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-edAtualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-edConfidential
 
Slaides cpi joão costa
Slaides cpi joão costaSlaides cpi joão costa
Slaides cpi joão costaRosiane Farias
 
Poderes de investigação das cpi's
Poderes de investigação das cpi'sPoderes de investigação das cpi's
Poderes de investigação das cpi'sPamela Mayara
 
76206 funcoes essenciais
76206 funcoes essenciais76206 funcoes essenciais
76206 funcoes essenciaisSandra Dória
 
Informativo STF 854 Comentado
Informativo STF 854 ComentadoInformativo STF 854 Comentado
Informativo STF 854 ComentadoRicardo Torques
 
Inicial da ADPF 395 ajuizada por Thiago Bottino do Amaral,
Inicial da ADPF 395 ajuizada por Thiago Bottino do Amaral, Inicial da ADPF 395 ajuizada por Thiago Bottino do Amaral,
Inicial da ADPF 395 ajuizada por Thiago Bottino do Amaral, Marcelo Auler
 
Mpu.mpe.2018 tecnico - legislacao
Mpu.mpe.2018   tecnico - legislacaoMpu.mpe.2018   tecnico - legislacao
Mpu.mpe.2018 tecnico - legislacaoDébora Queiroz
 
Malu constitucional-cespe-054
Malu constitucional-cespe-054Malu constitucional-cespe-054
Malu constitucional-cespe-054videoaulas
 
Comentários mpu professora raquel tinoco
Comentários mpu professora raquel tinocoComentários mpu professora raquel tinoco
Comentários mpu professora raquel tinocoConcurso Virtual
 
Pec 33 2011 diminui poderes do stf
Pec 33 2011 diminui poderes do stfPec 33 2011 diminui poderes do stf
Pec 33 2011 diminui poderes do stfJosé Ripardo
 

Semelhante a Aula de Direito Constitucional (CPI) (20)

Defesa do Vereador Dainel do Zé Gomes
Defesa do Vereador Dainel do Zé GomesDefesa do Vereador Dainel do Zé Gomes
Defesa do Vereador Dainel do Zé Gomes
 
Poderes de investigação das CPIs
Poderes de investigação das CPIsPoderes de investigação das CPIs
Poderes de investigação das CPIs
 
Comissão Parlamentar de Inquérito: Uma Apresentação
Comissão Parlamentar de Inquérito: Uma ApresentaçãoComissão Parlamentar de Inquérito: Uma Apresentação
Comissão Parlamentar de Inquérito: Uma Apresentação
 
Poderes de investigação das cp is slides (1)
Poderes de investigação das cp is slides (1)Poderes de investigação das cp is slides (1)
Poderes de investigação das cp is slides (1)
 
Poderes de investigação das CPIs
Poderes de investigação das CPIsPoderes de investigação das CPIs
Poderes de investigação das CPIs
 
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-edAtualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
Atualizacao n13---jurisprudencia-sistematizada---3-ed
 
Slaides cpi joão costa
Slaides cpi joão costaSlaides cpi joão costa
Slaides cpi joão costa
 
Questões poder legisl
Questões poder legislQuestões poder legisl
Questões poder legisl
 
Questões poder legisl
Questões poder legislQuestões poder legisl
Questões poder legisl
 
Poderes de investigação das cpi's
Poderes de investigação das cpi'sPoderes de investigação das cpi's
Poderes de investigação das cpi's
 
PEC 37 - PEC DA LEGALIDADE
PEC 37 - PEC DA LEGALIDADEPEC 37 - PEC DA LEGALIDADE
PEC 37 - PEC DA LEGALIDADE
 
76206 funcoes essenciais
76206 funcoes essenciais76206 funcoes essenciais
76206 funcoes essenciais
 
Informativo STF 854 Comentado
Informativo STF 854 ComentadoInformativo STF 854 Comentado
Informativo STF 854 Comentado
 
Inicial da ADPF 395 ajuizada por Thiago Bottino do Amaral,
Inicial da ADPF 395 ajuizada por Thiago Bottino do Amaral, Inicial da ADPF 395 ajuizada por Thiago Bottino do Amaral,
Inicial da ADPF 395 ajuizada por Thiago Bottino do Amaral,
 
Mpu.mpe.2018 tecnico - legislacao
Mpu.mpe.2018   tecnico - legislacaoMpu.mpe.2018   tecnico - legislacao
Mpu.mpe.2018 tecnico - legislacao
 
Malu constitucional-cespe-054
Malu constitucional-cespe-054Malu constitucional-cespe-054
Malu constitucional-cespe-054
 
Comentários mpu professora raquel tinoco
Comentários mpu professora raquel tinocoComentários mpu professora raquel tinoco
Comentários mpu professora raquel tinoco
 
Reg
RegReg
Reg
 
Reg
RegReg
Reg
 
Pec 33 2011 diminui poderes do stf
Pec 33 2011 diminui poderes do stfPec 33 2011 diminui poderes do stf
Pec 33 2011 diminui poderes do stf
 

Último

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

Aula de Direito Constitucional (CPI)

  • 1.
  • 2.
  • 3. LEGISLAÇÃO SOBRE O ASSUNTO: - Art. 58, paragrafo 3° da CF/88 -  Lei n° 1.579/52 -  Lei n° 10.001/2000 -  LC n° 105/2001 -  Regimentos Internos do Senado e da Câmara § 3º - As comissões parlamentares de inquérito, que terão poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, além de outros previstos nos regimentos das respectivas Casas, serão criadas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal, em conjunto ou separadamente, mediante requerimento de um terço de seus membros, para a apuração de fato determinado e por prazo certo, sendo suas conclusões, se for o caso, encaminhadas ao Ministério Público, para que promova a responsabilidade civil ou criminal dos infratores.
  • 4. Câmara dos Deputados 171 Deputados (1/3 de 513) Senado Federal 27 Senadores (1/3 de 81) Câmara dos Deputados Senado Federal Comissão Mista – Requerimento de 171 Deputados + 27 Senadores
  • 5. REQUISITOS INDISPENSÁVEIS: - Requerimento subscrito por no mínimo 1/3 dos parlamentares -  Indicação do FATO DETERMINADO que será investigado -  PRAZO CERTO para conclusão dos trabalhos Prova Discursiva: DIREITO PÚBLICO SUBJETIVO DAS MINORIAS Favor ler: MS 26.441 STF – Relator Ministro Celso de Mello.
  • 6. FATO DETERMINADO Art. 35. A Câmara dos Deputados, a requerimento de um terço de seus membros, instituirá Comissão Parlamentar de Inquérito para apuração de fato determinado e por prazo certo, a qual terá poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, além de outros previstos em lei e neste Regimento. § 1o Considera-se fato determinado o acontecimento de relevante interesse para a vida pública e a ordem constitucional, legal, econômica e social do País, que estiver devidamente caracterizado no requerimento de constituição da Comissão. PRAZO CERTO Máximo de 120 dias, prorrogáveis até 180 dias. (CD) Máximo de tempo na mesma legislatura. (SF)
  • 7. Art. 148.No exercício das suas atribuições, a comissão parlamentar de inquérito terá poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, facultada a realização de diligências que julgar necessárias, podendo convocar Ministros de Estado, tomar o depoimento de qualquer autoridade, inquirir testemunhas, sob compromisso, ouvir indiciados, requisitar de órgão público informações ou documentos de qualquer natureza, bem como requerer ao Tribunal de Contas da União a realização de inspeções e auditorias que entender necessárias.
  • 8. NÃO  PODEMOS  ESQUECER  !!!!!!   A CPI pode, POR AUTORIDADE PRÓPRIA, sempre POR DECISÃO FUNDAMENTADA e MOTIVADA, determinar: QUEBRA DE SIGILO FISCAL QUEBRA DE SIGILO BANCÁRIO QUEBRA DE SIGILO DE DADOS QUEBRA DE SIGILO DA COMUNICAÇÃO TELEFÔNICA
  • 9. NÃO  PODEMOS  ESQUECER  !!!!!!   OUVIR TESTEMUNHAS Falso testemunho OUVIR INVESTIGADOS OU Direito ao Silêncio INDICIADOS
  • 10. Postulado de Reserva Constitucional de Jurisdição Busca Domiciliar Quebra de Sigilo das Comunicações Telefônicas Ordem de Prisão, salvo no caso de Flagrante.
  • 11. “Incompetência da Comissão Parlamentar de Inquérito para expedir decreto de indisponibilidade de bens de particular, que não é medida de instrução – a cujo âmbito se restringem os poderes de autoridade judicial a elas conferidos no art. 58, § 3º, mas de provimento cautelar de eventual sentença futura, que só pode caber ao Juiz competente para proferi-la. Quebra ou transferência de sigilos bancário, fiscal e de registros telefônicos que, ainda quando se admita, em tese, susceptível de ser objeto de decreto de CPI – porque não coberta pela reserva absoluta de jurisdição que resguarda outras garantias constitucionais –, há de ser adequadamente fundamentada: aplicação no exercício pela CPI dos poderes instrutórios das autoridades judiciárias da exigência de motivação do art. 93, IX, da Constituição da República.” ( MS 23.480, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento em 4-5-2000, Plenário, DJ de 15-9-2000.)     “A duração do inquérito parlamentar – com o poder coercitivo sobre particulares, inerentes à sua atividade instrutória e à exposição da honra e da imagem das pessoas a desconfianças e conjecturas injuriosas – e um dos pontos de tensão dialética entre a CPI e os direitos individuais, cuja solução, pela limitação temporal do funcionamento do órgão, antes se deve entender matéria apropriada à lei do que aos regimentos: donde, a recepção do art. 5º, § 2º, da Lei. 1.579/1952, que situa, no termo final de legislatura em que constituída, o limite intransponível de duração, ao qual, com ou sem prorrogação do prazo inicialmente fixado, se há de restringir a atividade de qualquer comissão parlamentar de inquérito.” ( HC 71.261, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento em 11-5-1994, Plenário, DJ de 24-6-1994.) No mesmo sentido: RE 194.346-AgR, Rel. Min. Joaquim Barbosa, julgamento em 14-9-2010, Segunda Turma, DJE de 8-10-2010.
  • 12. “(...) as CPIs, no desempenho de seus poderes de investigação, estão sujeitas às mesmas normas e limitações que incidem sobre os magistrados, quando no exercício de igual prerrogativa. Vale dizer: as CPIs somente podem exercer as atribuições investigatórias que lhes são inerentes, desde que o façam nos mesmos termos e segundo as mesmas exigências que a Constituição e as leis da República impõem aos juízes, especialmente no que concerne ao necessário respeito às prerrogativas que o ordenamento positivo do Estado confere aos advogados. (...) a presença do advogado em qualquer procedimento estatal, independentemente do domínio institucional em que esse mesmo procedimento tenha sido instaurado, constitui fator inequívoco de certeza de que os órgãos do Poder Público (Legislativo, Judiciário e Executivo) não transgredirão os limites delineados pelo ordenamento positivo da República, respeitando-se, em consequência, como se impõe aos membros e aos agentes do aparelho estatal, o regime das liberdades públicas e os direitos subjetivos constitucionalmente assegurados às pessoas em geral, inclusive àquelas eventualmente sujeitas, qualquer que seja o motivo, a investigação parlamentar, ou a inquérito policial, ou, ainda, a processo judicial. (...) não se revela legítimo opor, ao advogado, restrições, que, ao impedirem, injusta e arbitrariamente, o regular exercício de sua atividade profissional, culminem por esvaziar e nulificar a própria razão de ser de sua intervenção perante os órgãos do Estado, inclusive perante as próprias CPIs.” ( MS 30.906-MC, Rel. Min. Celso de Mello, decisão monocrática, julgamento em 5-10-2011, DJE de 10-10-2011.)
  • 13. CESPE - 2012 - MPE-PI - Analista Ministerial - Área Processual - Cargo 8 Julgue os próximos itens, concernentes à organização do Estado brasileiro e à organização dos poderes no Estado. Embora a comissão parlamentar de inquérito seja instituída por prazo certo, a prorrogação é admitida, se não se ultrapassar a legislatura em que foi instalada.
  • 14. FUNCAB - 2012 - MPE-RO - Analista - Processual A respeito das comissões parlamentares de inquérito, a Constituição Federal dispõe que: a) terão poderes de investigação próprios das autoridades judiciais. b) visam a apurar fato determinado e são instituídas para vigorar por prazo indeterminado, a critério de seu presidente. c) dependem de iniciativa popular para sua criação, ou requerimento da maioria simples dos parlamentares. d) não podem quebrar o sigilo fiscal do investigado semprévia autorização judicial e) sua instalação depende do requerimento de dois terços dos parlamentares membros da respectiva casa, ou das duas, emcaso de CPI mista.
  • 15. FCC - 2011 - TCE-PR - Analista de Controle - Jurídica A Câmara dos Deputados decide instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar suposto desvio de verbas públicas. Ao iniciar seus trabalhos, solicita a oitiva de acusados e testemunhas, decreta a indisponibilidade de bens de um determinado Ministro de Estado e solicita às empresas de telefonia a lista dos números de telefones para os quais o referido Ministro teria entrado em contato no período sob investigação. Em relação às prerrogativas da CPI, é correto afirmar: a) A Câmara dos Deputados não pode, isoladamente, formar uma CPI, já que, pela dimensão da tarefa investigativa que realiza, precisa atuar em conjunto com o Senado Federal. b) Para assegurar eficiência no andamento de suas investigações, a CPI tem poderes para decretar a indisponibilidade de bens de acusados, independentemente de ordem judicial. c) Caso a CPI apure que há responsabilidades civis e penais do Ministro de Estado, poderá aplicar-lhe a pena de perdimento de bens e a inabilitação para o exercício de função pública por oito anos. d) A CPI tem poderes para solicitar a quebra do sigilo dos dados telefônicos do acusado, diretamente às empresas de telefonia, independentemente de ordem judicial, por essa medida afetar apenas o sigilo de dados, e não propriamente o sigilo das comunicações telefônicas. e) Ministros de Estado não podem ser investigados por CPI, por ocuparem cargo público notório no Poder Executivo, situação que afrontaria o princípio da separação de poderes.
  • 16. FCC - 2011 - TCM-BA - Procurador Especial de Contas Considere as seguintes afirmações a respeito da disciplina constitucional das comissões parlamentares de inquérito: I. As comissões parlamentares de inquérito são instrumentos de controle político, à disposição das minorias presentes nos órgãos legislativos, podendo ser criadas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal, em conjunto ou separadamente, mediante requerimento de um terço de seus membros. II. Os poderes de investigação das comissões parlamentares de inquérito não compreendem a decretação de prisão em caráter cautelar ou a realização de busca e apreensão no domicílio dos investigados, na medida em que essas ações estão protegidas pela cláusula de reserva jurisdicional. III. A exigência constitucional de que as comissões parlamentares de inquérito sejam criadas para a apuração de fato determinado e por prazo certo impede que tenham objeto genérico e duração indeterminada. Está correto o que se afirma em a) I, apenas. b) II, apenas. c) I e II, apenas. d) I e III, apenas. e) I, II e III.
  • 17. CESPE - 2010 - OAB - Exame de Ordem Unificado - 1 - Primeira Fase (Jun/2010) Assinale a opção correta com relação ao sigilo bancário. a)  A quebra do sigilo bancário está submetida à chamada reserva de jurisdição, podendo somente os juízes determiná-la e, ainda assim, de forma fundamentada. b) Conforme a lei complementar que rege a matéria, constitui quebra ilegal de sigilo bancário a comunicação, às autoridades competentes, da prática de ilícitos administrativos, mesmo quando do fornecimento de informações sobre operações que envolvam recursos provenientes de qualquer prática criminosa. c) As comissões parlamentares de inquérito poderão determinar a quebra de sigilo bancário sem a interferência do Poder Judiciário, desde que o façam de forma fundamentada. d) A quebra do sigilo bancário pode ser determinada diretamente pelo Tribunal de Contas da União.
  • 18. FCC - 2008 - MPE-CE - Promotor de Justiça As Comissões Parlamentares de Inquérito, conforme orientação do Supremo Tribunal Federal, têm poderes para a)  a quebra de sigilo bancário e ouvir testemunhas sobre fatos passíveis de incriminá-las, ainda que não desejem prestar declarações. b) a quebra de sigilo telefônico e ouvir testemunhas sobre fatos passíveis de incriminá-las, ainda que não desejem prestar declarações. c) a quebra de sigilo bancário e de sigilo telefônico. d) a quebra de sigilo telefônico e determinar interceptação telefônica. e) a quebra de sigilo bancário e determinar interceptação ambiental ou telemática.