INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA – IFBA
RAMON ALVES FRANCO (13)
TÁSSIA CRISTINA BASTOS DE JESUS (14)
THAMIRES BARRETO DE OLIVEIR...
3
RAMON FRANCO ALVES (13)
TÁSSIA CRISTINA BASTOS DE JESUS (14)
THAMIRES BARRETO DE OLIVEIRA (15)
TURMA 10831 – GEOLOGIA
O ...
2
1. O fundador do Ceticismo, Pirro de Élida
Pirro de Élida (365/360 a.C – 275/270 a.C.) foi
o fundador do Ceticismo. Apes...
3
Entre os outros expoentes, podemos citar o principal discípulo de Pirro, Tímon de
Fliunte, o responsável por escrever os...
4
3. Doutrinas Principais
Tímon de Fliunte afirma que, segundo Pirro, aquele que quer ser feliz deve
considerar 3 passos:
...
5
disso tudo é a ataraxia, que significa uma vida tranquila, com serenidade de
espírito, semelhante à vida divina. Ele con...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ceticismo Filosófico

2.648 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.648
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ceticismo Filosófico

  1. 1. INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA – IFBA RAMON ALVES FRANCO (13) TÁSSIA CRISTINA BASTOS DE JESUS (14) THAMIRES BARRETO DE OLIVEIRA (15) TURMA 10831 – GEOLOGIA O CETICISMO E O ECLETISMO Salvador/Bahia 2013
  2. 2. 3 RAMON FRANCO ALVES (13) TÁSSIA CRISTINA BASTOS DE JESUS (14) THAMIRES BARRETO DE OLIVEIRA (15) TURMA 10831 – GEOLOGIA O CETICISMO E O ECLETISMO Atividade avaliativa requisitada pelo professorSandro Nogueira, como requisito parcial para obtenção de nota na disciplina de Filosofia. Salvador/Bahia 2013
  3. 3. 2 1. O fundador do Ceticismo, Pirro de Élida Pirro de Élida (365/360 a.C – 275/270 a.C.) foi o fundador do Ceticismo. Apesar de não ter deixado nada escrito, seus discípulos, com destaque para Tímon de Fluinte, se encarregaram de escrever e transmitir os ensinamentos do mestre. Pirro teve sua vida drasticamente mudada quando participou da expedição de Alexandre, o Grande, ao Oriente. Os acontecimentos lhe fizeram aprender que até o que é considerado indestrutível, pode ser imprevistamente destruído. Também no Oriente, compreendeu como algumas convicções gregas eram infundadas, além de aprender com os Gimnosofistas (espécie de sábios da Índia) que tudo é vaidade. Entre os principais Gimnosofistas, podemos citar Calano, que acompanhou Alexandre por um tempo indeterminado, até voluntariamente, morrer queimado sem emitir um único ruído de dor ou protesto. Este acontecimento, unido a outros, impressionou Pirro, e determinou, pelo menos em parte, suas ideias posteriores. Ao retornar para Élida, viveu e ensinou até morrer. Não deixou nada escrito, não criou nenhuma Escola propriamente dita, mas seus discípulos se conectaram a ele mesmo assim, muito pelo novo modelo de vida, totalmente diferente do oferecido pelas Escolas anteriores, que Pirro oferecia. 2. Expoentes Principais Pirro foi o fundador do Ceticismo, mas outros expoentes também merecem destaque. É muito interessante citar que Pirro não criou uma escola propriamente dita. Os expoentes do Ceticismo eram mais do que verdadeiros discípulos, eram admiradores, imitadores, homens que viam nos ensinamentos do mestre não só ensinamentos, mas um novo modelo de vida, um novo paradigma existencial. Pirro de Élida (365/360 a.C – 275/270 a.C.) Fonte://www.uol.com.br/licaodecasa/biografias/pirro.jpg
  4. 4. 3 Entre os outros expoentes, podemos citar o principal discípulo de Pirro, Tímon de Fliunte, o responsável por escrever os ensinamentos do fundador. É interessante ressaltar que chega a ser complicado encontrar uma linha tênue que separe o que pertence a Tímon e o que pertence a Pirro. Se Tímon de Fliunte não existisse, o Ceticismo não teria se difundido, e o patrimônio pirroniano provavelmente teria se dispersado. Outro expoente do Ceticismo foi Arcesilau de Pitane (315-249 a.C. aproximadamente). Arcesilau foi diretor da Academia em 264 a.C., e adotou uma posição de ceticismo filosófico. Arcesilau acreditava que a verdade existia sim, mas que as condições para encontrá-la eram impróprias. Segundo ele (que também deixou poucos escritos), faltava um critério absoluto de verdade e, por isso, era necessário ater-se ao razoável. Durante meio século, a Academia moveu-se no caminho cético aberto por Arcesilau. Com o aparecimento de Carnéades, porém, ganhou novo fôlego. Segundo este, não existe nenhum critério de verdade em geral, e assim, nenhuma verdade em particular pode ser encontrada. Tudo é incompreensível, portanto, deve-se suspender o julgamento (epoché) ou atém-se ao que nos parece mais provável. Fílon de Larissa, por sua vez, tende ao ecletismo. Apesar disso, é expoente do probabilismo positivo, acreditando, assimque a verdade existe, mas é desconhecida pelo homem. Assim sendo, deve-se ater ao mais provável. Não concorda com Carnéades no que diz respeito a existência da verdade, mas amos apresentam a mesma opinião do que se deve fazer: ater-se ao mais provável. Diz-se que ele tende ao ecletismo e não ao ceticismo porque o cético não pode afirmar que a verdade existe. Tudo que o cético pode fazer é dizer “não afirmo nem nego que a verdade existe; sou eu, em todo caso, que não a conhece”. Antíoco, que foi discípulo de Fílon, separou-se ainda mais do ceticismo carneadiano. Antíoco encerrou totalmente a Academia cética, quando declarou que a verdade não somente existia, mas também era passível de ser conhecida.
  5. 5. 4 3. Doutrinas Principais Tímon de Fliunte afirma que, segundo Pirro, aquele que quer ser feliz deve considerar 3 passos: Qual a natureza das coisas? Como elas são em si mesmas? Que disposição devemos ter com relação as coisas? Como devemos nos comportar com relação as coisas? O que nos resultará dessa disposição? O que nos acontecerá se nos comportarmos assim? Pirro, ao analisar a natureza das coisas, conclui que elas são indiscriminadas, indiferenciadas e sem medida. Se as coisas são incertas, Pirro concluiu que nossos sentidos e razão também o são, não nos ensinando, assim, nem o verdadeiro nem o falso. Após a análise da natureza das coisas, deveríamos observar nossa disposição com relação a elas. Ora, se não podemos confiar nem na razão nem no sentido, devemos permanecer impassíveis: sem opiniões, sem inclinações e sem perturbações. Independente da coisa em questão, não se pode negá-la ou afirma-la, ou é necessário negá-la e afirma-la ao mesmo tempo. Assim, Pirro prega uma abstenção de juízo, denominada epoché, que deriva do grego antigo e significa paragem, interrupção, suspensão de juízo. A indiferença que deve ser demonstrada, por sua vez, deriva do grego antigo adiaphoria, que significa ausência de resposta a estímulos, indiferença. É interessante citar que a abstenção de juízo cético (epoché) não diz respeito às aparências ou fenômenos que são evidentes, mas aos que são obscuros, ocultos. Um cético não contesta que tal objeto lhe parece branco ou que o mel é doce. Mas o objeto é branco? O mel é doce? Ele ignora tudo o que lhe aparece aos sentidos. Não nega a visão; mas não sabe como ela se efetua. Sente que o fogo queima, mas ignora se está em sua natureza queimar. Um homem está em movimento ou morre; o cético concorda com isso. Mas como isso se dá? Ele não sabe. O terceiro ponto a ser observado por Pirro é o que nos ocorrerá se nos abstivermos de juízo e se formos indiferentes. Segundo ele, a consequência
  6. 6. 5 disso tudo é a ataraxia, que significa uma vida tranquila, com serenidade de espírito, semelhante à vida divina. Ele conclui que só se pode alcançar a ataraxia tendo alcançado, antes, dois fatores, aos quais ele denomina de imperturbabilidade e afasia. Afasia, por sua vez, significa falta de palavra, indica a atitude do não dizer nada de definitivo e com valor de verdade, já que esta não existe, já que as coisas são indiscriminadas. Na maioria das vezes, os homens se tornam infelizes pela culpa que carregam consigo: sofrem porque são privados de um bem ou porque, possuindo-o, temem perde-lo. Em outros casos, sofrem pelo que acreditam ser um mal. Mas para os céticos, não existe bem ou o mal, não existe justo ou injusto, não existe honesto ou desonesto, porque todas as coisas são sem medida, indiferenciadas. Assim, suprimindo a crença em mal e bem, todos os males desaparecem, e se torna possível alcançar a serenidade de espírito, a tranquilidade da alma. Segundo algumas fontes, o Ceticismo a Escola acaba e se silencia com Tímon até o século I a.C.Enesídemo, outro discípulo, inaugura uma nova fase do Ceticismo. Todavia, o ceticismo não acaba com Pirro e seus discípulos. Na Acadêmia Platônica, Arcesilau inaugurava nova fase na Escola, um pouco diferenciada do Ceticismo cujas doutrinas foram descritas acima,mas ainda assim assumindo posição semelhante aTímon e Pirro.

×